REALIDADE APARENTE

REALIDADE APARENTE

por JORGE ZAHELL


Also in EnglishTambién en Español


ÍNDICE deste conteúdo (com Links)

  1. Bip-Bip…. ACORDE!
  2. REALIDADE APARENTE (Uma “Matrix”?)
  3. A MENTE – A MÁQUINA MATERIALIZADORA DE REALIDADES
  4. TRABALHO MENTAL
  5. MEDITAÇÃO
  6. CRENÇAS
  7. EMOÇÕES E SENTIMENTOS
  8. PERDAS
  9. A CULPA
  10. PRECONCEITOS E JULGAMENTOS
  11. VISUALIZAÇÃO (ANCORANDO SEU FUTURO)
  12. CONCLUSÃO
  13. ADENDOS

1 – Bip-Bip…. ACORDE!

Cada ser humano se percebe como sendo muito mais especial do que realmente consegue expressar no dia a dia. Cada ser humano sente intuitivamente que há um super-herói em potencial habitando dentro dele, latente e pronto para despertar a qualquer hora, capaz dos feitos mais grandiosos do universo! Enfim, cada um de nós tem, dentro de si, uma forte suspeita de que a vida não se limita somente a isto que captamos com nossos sentidos, e que temos potencial para muito, muito mais!

Mas a grande da verdade é que todos nós também temos muitas dúvidas existenciais que, vez por outra, nos fazem respirar fundo e parar para pensar na vida.

Esta obra visa colocar a Luz das Verdades Maiores da Vida sobre todas as dúvidas existenciais da humanidade, tendo o potencial para extinguir qualquer ideia de medo, escassez ou inferioridade que habite sua mente.

Saiba que o conteúdo deste material tem a capacidade para esclarecer infindáveis dúvidas, como por exemplo estas que seguem abaixo:

  • Estamos sós neste universo?
  • Vivemos dentro de uma simulação? Dentro de uma espécie de “Matrix”?
  • Qual o poder por trás de nossa mente?
  • Por que o cenário da nossa vida é chamado de Realidade Aparente? Ele não é real?
  • Por que temos que sofrer tanto?
  • Quem somos de verdade, além das aparências?
  • Existe reencarnação? Quantas?
  • Por que o seu mundo exterior é um reflexo do seu mundo interior?
  • Qual o papel das crenças nisso tudo?
  • Por que fugimos de sentimentos, emoções e pensamentos negativos achando que eles podem nos prejudicar?
  • O que é Carma? E como nos livramos daqueles que são negativos?
  • Por que as terapias de regressão a vidas passadas – apesar de até poderem lhe ajudar – jamais serão a solução definitiva para lhe livrar de uma infinidade de carmas negativos?
  • O que é “meditação com um propósito definido“?
  • Como usar as poderosas técnicas de Visualização para recriar eventos passados ou ancorar um futuro desejado?
  • Quem somos nós em relação à Consciência Maior?
  • Até onde a ciência humana consegue compreender nossa existência e a própria Consciência Cósmica de onde nos originamos?
  • O tempo realmente não existe?
  • Por que envelhecemos?
  • Afinal de contas, qual é o propósito da vida?

Saiba que aquela comida estragada que chegou ao seu prato não foi obra do acaso, assim como também não foi coincidência aquele incidente onde alguém lhe tratou mal. Aliás, você não contrai sequer uma mera gripe por conta do azar, da imprudência ou de um “monstruoso” agente externo a você, mas sim como fruto de autocriação! Sim, sua criação…. Sempre!

Tudo se origina de você, e a você retorna!

Saiba que você não está à mercê de eventos ou causas que habitam muito acima ou muito abaixo da sua percepção humana. Não, você não está à deriva e refém de decisões oriundas de altas esferas sobrenaturais do espírito ou das profundezas de um inconsciente perigoso, poderoso e, por isto, temível e digno de se evitar.

Nada lhe acontece por mero acaso! Nada! O indivíduo que ainda culpa outras pessoas ou circunstâncias por aquilo que lhe chega apenas demonstra que ainda DORME para a sua própria Verdade!

A VERDADE LIBERTA

Aquilo que você considera ser sua realidade é, de fato, um cenário produzido por você junto com muitos outros Seres dentro de um grande e mágico Jogo chamado Relatividade. Entretanto, apesar de este Faz de Conta ser cocriado em parceria com outros, saiba que ainda assim você é o único Criador da sua própria aventura como Criatura!  

Saiba que tudo que você experimenta em sua aventura Relativa — a qual não é sua verdade Absoluta — é fruto de sua própria criação, e não dos outros!  É por isto que não existem coincidências em nada daquilo que chega a você, pois a vida não lhe acontece, é você quem a cria!

A verdade é que estamos imersos numa colossal e maravilhosa Realidade Aparente que é Multidimensional! Dentro deste imenso Jogo, aquela realidade "ordinária" que você percebe não ocorre dentro de um único universo, mas sim dentro de um Multiverso.  A sua "realidade" auferida (captada) é, portanto, a soma de suas escolhas individuais dentro de sua trajetória por um número indefinido de possibilidades e universos!

Cada um de nós cria seu mundo e É um mundo à parte!

E como somos todos UM (cada qual expresso em incontáveis versões paralelas), tudo e todos sempre lhe refletirão, fazendo com que você sempre tenha a exata experiência que precisa, não necessariamente aquela que quer!

Conheça a verdade sobre A Jornada do Eu Temporário, a longa trajetória daquele personagem em espiritualização que você enxerga refletido no espelho todos os dias — e com o qual você se identifica —, mas cuja real amplitude sempre lhe escapou à compreensão.... até agora!

Liberte-se de ilusões!

Conheça a sua própria Verdade!

Vem comigo!

Esta obra tem o potencial para lhe dar uma perspectiva completamente diferente acerca de si mesmo e de sua vida, uma perspectiva que lhe fará perceber que VOCÊ — e só você — é o Criador e simultaneamente a Criatura da própria aventura. Apesar de o ponto de vista aqui expressado ser muito incomum para boa parte da humanidade, ele é extremamente libertador, pois tal perspectiva tem o potencial para lhe trazer paz e coragem invejáveis, a ponto de você jamais voltar a temer quaisquer emoções, sentimentos e interpretações que apareçam em sua mente! Pelo contrário, você saberá que tudo conspira para tentar lhe ajudar a acordar para a sua verdade!

Prepare-se para Despertar…. e descobrir a verdadeira Paz!

Certas informações desta obra, contudo, são tão inéditas que poderão até fazê-lo fechar-se com o choque mental provocado pelo conflito entre tais revelações e tudo aquilo que você acha que sabe.

Veja bem…. Por um lado algumas afirmações contidas nesta obra poderão lhe parecer comuns, pois já foram expressadas (em maior ou menor grau/alinhamento) por outros autores — até porque a Fonte de toda informação elevada é uma só: a Consciência Cósmica (disponível para todos). Mas por outro lado, muitas outras revelações aqui expressadas são inéditas, jamais foram trazidas a este mundo…. e batem de frente com o senso comum da humanidade.

Deixe-me esclarecer, portanto, que existe sim uma considerável possibilidade de que sua mente resista fortemente aos novos conceitos que lhe serão apresentados. E isto acontecerá sempre que as Verdades reveladas vierem a contrariar as crenças que você mesmo inseriu na sua mente ao longo de tantas existências (não só nesta vida). Sua mente, por já ter um sistema de valores próprio (criado por você), tem a tendência a se fechar, a resistir a mudanças drásticas e a informações aparentemente conflitantes. Assim sendo, ela não aceitará facilmente qualquer nova ideia.

Quando pessoas condicionadas pelo medo e por crenças distorcidas finalmente entram em contato com as Verdades Maiores da Vida, é comum que elas tenham reações violentas, radicais e cheias de emoções.

Compreenda que tal comportamento feroz será o normal para todos aqueles que ainda dormem, distantes que estão das Verdades Máximas. E tal conduta nem há que ser criticada, uma vez que uma mente condicionada sempre se sentirá completamente insegura e “à deriva” toda vez que for confrontada por qualquer conceito inteiramente novo que lhe tire o chão, que questione uma base existencial que até então lhe parecia ser tão confiável, tão sólida.

Quando uma mente com conteúdo muito desalinhado (em relação às Verdades Máximas) é desafiada por conceitos completamente novos, ela tenderá a reagir violentamente em defesa própria, pois trata-se de uma “justificada” reação de sobrevivência na perspectiva do ego (da Criatura com o qual você se identifica). Em tal situação, o medo que emerge nesta mente é oriundo da perda de referência, da perda da falsa proteção que existia em ideias que esta mente antes considerava tão preciosas, tão seguras, tão corretas!

Pois aprenda desde já que não há garantias no mundo Relativo! O único porto seguro dentro da Relatividade se chama CONSCIÊNCIA CÓSMICA.

Saiba que qualquer nova tese ou suposição que provoque mal-estar mental será recusada instantaneamente por uma barreira de “provas” — ainda que falsas — reunidas entre as crenças distorcidas da mente daquela pessoa que ainda está condicionada, a fim de proteger-se de quaisquer sinais de angústia ou confusão detectados. Caberá a cada pessoa — o piloto da própria mente — dar-se conta de que tais provas não são a realidade Absoluta em si, mas apenas ideias manifestadas dentro de um cenário autocriado, ou seja, crenças tornadas “reais” dentro de um Jogo onde a pessoa cria sua Realidade Aparente (mesmo que ainda não compreenda como o faz).

Neste momento, faz-se importante que se esclareça o seguinte…. Apesar de os mecanismos envolvidos por trás do processo de criação da sua realidade aparente lhe serem inconscientes na maior parte da sua grande jornada, ainda assim a sua criação obedece suas crenças conscientemente adotadas, pois elas representam seu Livre Arbítrio para criar seu mundo e moldar seu cenário de vida.

Ou seja, conforme já mencionado, você não está à deriva e refém de decisões oriundas de altas esferas sobrenaturais do espírito ou das profundezas de um inconsciente perigoso e poderoso. Quando você (piloto da aventura) se eleva e capta a perspectiva de Criador (a intuição proveniente do seu Eu Verdadeiro), você poderá então ter a chance de conscientemente alterar os valores e crenças da Criatura que você também é — para só então ter seu cenário mudado.

Toda a sua experiência, portanto, reflete suas mais profundas escolhas conscientes (desta e de outras vidas), mesmo que depois você tenha se permitido rodar num piloto automático que você mesmo programou (o inconsciente), esquecendo-se totalmente — graças à ilusão do Tempo — da relação entre CAUSA e EFEITO, da relação entre aquilo que escolheu adotar como “verdade” (crença) e o que colheu depois.

Pois saiba que esta obra tem como principal objetivo fazê-lo lembrar-se da sua própria responsabilidade em tudo que cria!

Ao tentar atribuir a responsabilidade da sua criação para Deus, para a Vida, para o azar ou para os outros, você estará abdicando do próprio poder! E isto se chama Inconsciência (no sentido de não acessar sua Fonte de sabedoria, sua Verdade Máxima). Assuma o poder para si, assuma a responsabilidade por tudo que lhe acontece, pois é você quem cria tudo!

Cabe a você expandir o alcance da sua própria mente até que ela um dia englobe a própria Fonte Máxima — quando então sua mente já estará totalmente permeável à Consciência Maior, sem resistências contrárias…. e quando o Eu Temporário já refletirá seu piloto [você] em sua versão máxima.

Entretanto, este processo de expansão da perspectiva da mente (com a constante revisão de seus valores) não é algo tão rápido, conforme será explicado mais adiante. Assim sendo, tenha paciência consigo mesmo e com seus conflitos iniciais. Curta a jornada sabendo que você já nasceu salvo, pois você é um Ser eterno que está apenas vivendo aventuras temporárias. Saiba que o seu Destino Máximo está garantido, por mais que demore Eras para chegar lá. Aliás, a verdadeira magia nem está naquele Destino, mas ao longo da própria jornada do Eu Temporário em espiritualização que você escolheu se tornar, um personagem em constante evolução que se expressa e se experimenta através de diferentes facetas e incontáveis “roupagens”, até que um dia ele consiga (por mérito seu) chegar no mesmo nível do Eu Verdadeiro que o criou — sem jamais perder a individualidade (apesar da Unicidade).

Para aqueles que enxergam a própria mente como algo problemático a ser descartado, superado ou transcendido para sempre (em vez de continuamente expandido), sinto lhes informar que não é assim que funciona este Jogo da Vida! A grande da verdade é que você não tem inimigos a combater, e tampouco evoluirá ao tentar descartar qualquer parte sua — a mente, no caso (sem a qual o Eu Temporário não poderia existir)!

Caberá a você — que é simultaneamente Criador e Criatura, oscilando entre tais perspectivas — conduzir a jornada deste seu lado Criatura rumo ao Absoluto, buscando sempre expandir sua mente com a Luz das Verdades Maiores e com a incessante comunicação intuitiva que lhe chega, jamais tratando a mente como inimiga a ser eliminada ou ignorada!

E vamos começar o mergulho….

AS VERDADES MAIORES DA VIDA  ALERTA 

Verdades Maiores são aquelas que estão além das ideias e conceitos humanos, pois transcendem a Relatividade.  Elas sequer precisam ser defendidas, pois são o que são — Absolutas e, portanto, imutáveis.

ALERTA: Você está prestes a entrar em contato com as Verdades Maiores da Vida! Tais Verdades — descritas aos poucos ao longo desta obra — contrariam muitos conceitos amplamente aceitos por filósofos, pela ciência, pela sociedade e pela religião.   Elas vão muito além das verdades humanas, e justo por isto tais revelações poderão deixar muitos leitores chocados e incrédulos, o que denotará que eles não estão prontos para elas.
Já outros leitores entrarão em êxtase por finalmente começarem a se lembrar do que sempre souberam (mas intencionalmente esqueceram a fim de entrar no Jogo da Vida)!

Enfim....

"Lembre-se.... tudo o que estou oferecendo é a verdade – nada mais."

Através das Verdades Maiores da Vida, a humanidade como um todo enfim terá a oportunidade de libertar-se (cada um a seu tempo) de uma condição de reféns de um obscurantismo egóico que há Eras assola este e mais alguns mundos desprovidos do devido acesso à Consciência Cósmica — por responsabilidade dos próprios habitantes, que fique claro, pois toda Realidade Aparente é sempre autocriada.

E justamente por este motivo (de a realidade que nos cerca ser sempre autocriada) que eu e muitos Seres tivemos que nos empenhar por vidas e mais vidas para que nobres informações — fracionadas e oriundas de diversos tipos de canais de comunicação — enfim chegassem a esta minha versão atual desta dimensão…. e depois a você também (mas somente após anos de muita análise, ponderação e meditação).

Repito, num primeiro momento estas revelações poderão chocar-se contundentemente contra as limitadas ideias da ciência humana ou contra muitos dogmas, religiões e filosofias amplamente aceitos pela maioria das mentes. Entretanto, tal estresse inicial é o preço a se pagar para realinhar tantas convicções distorcidas sustentadas pela humanidade em geral.

Não desista quando aparecerem os primeiros sentimentos de contradição com suas “verdades” humanas. Vá adiante! Eu lhe prometo que, no contexto geral, tudo fará muito sentido. Se você tem interesse genuíno em conhecer a sua Verdade e obter respostas para todas aquelas perguntas anteriores (e muitas mais), então você finalmente chegou no lugar certo!

Aqui nesta obra você terá respostas alinhadas à Consciência Maior, as quais lhe mostrarão (se você permitir e seguir adiante) que há um propósito fantástico na vida de cada um de nós, sem exceção — coisa não compreendida por muitos filósofos e estudiosos da vida, do espírito e da mente.

Por motivos ainda a serem revelados mais adiante, saiba que você escolheu se expressar através de um Personagem Temporário que mergulhou propositalmente numa longa jornada de retorno à Fonte, vivendo incontáveis existências dentro de uma realidade que é sempre autocriada e cheia de desafios e experiências contundentes, mas que não passa de uma brincadeira, de um jogo no qual você sempre – eu disse SEMPRE – estará protegido, mesmo nos momentos mais sofridos ou tenebrosos! E apesar das aparências da aventura, você aos poucos começará a se dar conta de que além de ser a Criatura Temporária com a qual se identifica, também é o próprio Criador Máximo da experiência!

A partir deste momento lhe serão mostradas as portas para as Verdades Maiores a Vida! Mas caberá somente a você escolher atravessá-las…. caso queira! Pois sua liberdade é seu maior patrimônio. Saiba que ninguém é obrigado a nada, você sempre será livre para seguir qualquer caminho que deseje, até porque todos eles levarão ao mesmo destino (a Fonte). E é por isto que “certo e errado” são coisas muito, muito relativas.

Certo, mesmo, é sempre seguir o seu coração.

Mas o coração verdadeiro, e não um falso coração patrocinado por um ego que ainda dorme para a Verdade. Você sabe distingui-los? Pois é….

Bem, saiba que chegará o dia — em alguma existência sua — onde lhe será natural querer atravessar as portas que conduzem às Verdades Maiores da Vida, pois você já não resistirá a um forte chamado interno que clama por isto!

E quer saber? Após cruzar tais portas, sua vida jamais será a mesma!

Neste material você terá respostas para as principais dúvidas existenciais de qualquer mundo Relativo (seja ele físico ou não-físico). E descobrirá também a importância de sempre ouvir (e ter coragem de seguir) os sentimentos genuínos do coração.

Se você conseguir aplicar a sabedoria aqui contida em seu dia a dia, irá transformar toda a sua existência!

Pois bem, vamos direto à primeira porta?

Sim, já. Agora! Neste momento ela já está posicionada bem à sua frente, e você terá que escolher se segue adiante ou não.

Quer atravessá-la?

Eu lhe ajudo! Até porque você já fez o mais difícil, que é chegar até aqui!

Bem, de qualquer forma, sinta-se à vontade! Jamais se force a algo! Apenas saiba que você é meu convidado especial, viu? Hoje e sempre!

Agora…. Se você me permite um empurrãozinho (hehehe), apenas saiba que se você escolher cruzar esta primeira porta, ah…. eu lhe mostrarei algo muito especial!

Eu lhe revelarei a sua própria grandeza, seu lado super-herói!

O que? Se existe? Pffff…. Óbvio!

Quer conhecer? (Hehehe.)

Então….

Vem comigo, vem!?

JORGE ZAHELL

^ Voltar ao topo


2 – REALIDADE APARENTE (Uma “Matrix”?)

Realidade aparente? Como assim? Não é real? Ela seria por acaso a chamada “Matrix”? Mmm…. E o tal do “Eu Temporário”? Então quer dizer que existe também um Eu que é permanente ou Verdadeiro?

Pois é…. Parece confuso? Calma, ficará mais fácil, eu prometo!

Vamos começar agora a explorar os segredos da Jornada do Eu Temporário!

Preste atenção!

Estamos entrando numa área profunda cujos segredos você intuitivamente tem buscado por vidas, mesmo que nem se dava conta disto conscientemente. Estamos entrando em contato com aquelas Verdades Absolutas que transcendem todo o Multiverso! Tais Verdades lhe serão reveladas pouco a pouco, caso contrário você terá dificuldades em processá-las. Mas não se preocupe, porque em algum ponto mais adiante nesta obra, uma lista com as principais Verdades Maiores da Vida lhe será apresentada, para que você as leia pelo resto de sua vida — isto se você conseguir se abrir para elas, pois você certamente se dará conta do quão conflitantes elas são em relação às crenças da humanidade.

Assim sendo, aperte o cinto de segurança e segure seus medos, porque agora eu vou ajudá-lo a resgatar uma percepção existencial que você havia esquecido anteriormente — de propósito — só para poder entrar no Jogo da Vida!
Prepare-se para encarar a verdade sobre Quem Você É além das aparências!

Saiba que esta “realidade” física com a qual você se depara todos os dias é, de fato, uma ilusão que é criada por você mesmo e materializada pela sua mente — a máquina materializadora de “realidades”. Dentro de tal ilusão (à qual você chama de Sua Vida), toda a sua noção de realidade emergirá somente após a sua observação ocorrer, espelhando sempre as suas crenças!

Ou seja, você escolheu estar temporariamente se expressando através de um Eu Temporário que, para entrar nesta aventura relativa, teve que primeiro se esquecer de Quem É, a fim de se experimentar num jogo de Menos Valia aparente onde finge ser menos do que é — e acredita em tal Jogo…. ao menos por um “tempinho”.

O EU TEMPORÁRIO

Trata-se daquela parte sua que você vê diariamente no espelho, aquela parte que deve manipular mais diretamente com o cotidiano do mundo e com a qual você se identifica tanto que acaba chamando-a de Eu. 

Veja bem, você – enquanto mera possibilidade dentro do seu Eu Verdadeiro – aceitou alegremente a ideia de se identificar com um personagem criado pelo seu Eu Verdadeiro para mergulhar dentro de uma aventura fantástica à qual chama de Vida. Porém, dentro deste Jogo, além da Criatura, você também é simultaneamente o Criador, alternando entre ambos os pontos de vista.... quando se permite (eis a dificuldade). E este Eu Temporário irá se expressar sob diferentes facetas e "roupagens" (vidas, encarnações) ao longo de uma grande jornada evolutiva.

Tal Criatura, o Eu Temporário, estará em constante espiritualização, tendo você como piloto — e não seu Eu Verdadeiro, muito menos Deus. Compreenda que apesar da ilusão da brincadeira, você sempre foi e sempre será muito mais que um corpo, uma mente ou um Eu Temporário. Mas o fato é que você, agora, apenas resolveu se experimentar e se redescobrir de outra maneira, através de um Eu Temporário que só pode existir graças à grandiosa ferramenta da Mente (a qual está muito, muito além da fisicalidade e da temporalidade).

Para que tudo isto tivesse início, primeiro você teve que se esquecer de sua origem cósmica (processo chamado de Obnubilação da Consciência), para depois passar então a se experimentar de maneira aparentemente limitada, vivendo incontáveis existências sob diferentes formas.  Ou seja, esta sua versão atual, do presente, é apenas uma faceta de um Eu Temporário que engloba também versões passadas, futuras e paralelas.  Ainda assim, esta sua versão está no momento presente, o único ponto de real poder para se mudar algo!

Sua missão é constantemente rever todos os valores que gravou na sua mente, tornando-a cada vez mais expandida — mais permeável ao que vem da Fonte —, fazendo assim com que o Eu Temporário evolua rumo ao Absoluto, até que, por "fim", um dia ele (que também é você) possa ter uma perspectiva inimaginável acerca de si mesmo.... um ponto de vista fantástico que só pode ser alcançado com a imersão neste Jogo.

Apesar de você ser muito mais que tal Personagem Temporário, dentro do jogo você é levado a se identificar totalmente com ele, e por vezes nem sequer lembrará que tem a capacidade de acessar uma parte Maior sua (via intuição). Compreenda que a evolução do Eu Temporário cabe somente a você, sendo levado pela vida a expandir a própria mente à medida que reavalia o que colhe e confronta com o conteúdo dela. Nesta jornada, você se identificará ora com a Criatura, ora com o Criador (ora com o Eu Temporário, ora com o seu Eu Verdadeiro).... até um dia conseguir elevar tal Personagem ao nível da Consciência Maior, momento em que já não haverá mais diferença entre este Eu Temporário e Você em sua versão Máxima.

Saiba que este Eu Temporário um dia emergirá do Jogo já na qualidade de um outro Eu Verdadeiro (Você) diferente daquele que o criou, apesar da unicidade que os permeia. Em outras palavras, este Eu Temporário se absolutizará, e jamais será extinto!

(NOTA: mais detalhes sobre o Eu Temporário na resposta à pergunta "Quem é o ego?", mais adiante.)

Difícil? Calma…. aos poucos tal conceito irá ficando cada vez mais claro. Por enquanto, apenas fique sabendo que tal aventura, aqui neste nível, só é possível através da adoção de uma mente (que não é seu cérebro) — e, quando encarnado, de um corpo intimamente entrelaçado a ela. E tem mais, você precisa ter essa identidade temporária enquanto imerso aqui, ela é obrigatória, pois você (enquanto mera possibilidade dentro do seu Eu Verdadeiro) quis passar por isto, quis se experimentar assim quando observou, lá do “alto”, o quanto poderia se expandir com isto. Chegaremos nesta questão logo mais….

Pois bem, uma vez imerso no Jogo em sua versão física, sua percepção da realidade estará atrelada a:

  • seus 5 sentidos físicos;
  • seus incontáveis sentidos não-físicos (intuições elevadas, sonhos, premonições, telepatia, clarividência, etc.);
  • seu Filtro de Valores ou conjunto de crenças. Sim…. A fim de garantir o seu Livre Arbítrio, todas as avaliações feitas por você precisam forçosamente atravessar primeiro os filtros deste seu Conjunto de Crenças conscientemente adotadas em algum momento de alguma vida sua. Na verdade, todas e quaisquer avaliações e escolhas suas estarão permeadas por suas convicções pessoais, estando sujeitas às mais diversas interpretações e distorções (a não ser que você ouça sua intuição e se entregue a ela, sem racionalizar). À medida que o personagem vai colhendo o que planta, você — o piloto da aventura (e que se identifica com o personagem) — é impelido a reavaliar sua criação e rever a forma como enxerga o mundo, sendo obrigado a repensar convicções que geraram resultados desagradáveis, abrindo-se cada vez mais à doce condução sugerida pelo Eu Verdadeiro (intuição, sentimentos genuínos do coração).

A submissão dos estímulos captados ao FILTRO DE VALORES gravados na sua mente acontece de uma forma imediata e compulsória, simplesmente porque é assim que o jogo foi criado para ser, a fim de garantir Livre Arbítrio total e irrestrito ao Ser que pilota uma mente e um personagem temporário com o qual é levado a se identificar, mesmo sendo muito mais que ele (nem sempre se lembrando disto). Dentro do Jogo, saiba que até as suas reações mais automáticas e inconscientes estarão profundamente afetadas por seu conjunto de crenças. Tal situação garante o Livre Arbítrio daquele que é o piloto do personagem (ou seja, você), pois o pressuposto básico deste Jogo é o de que você deva sempre ser o criador da sua própria “realidade”.

E é aqui que começam os desafios da brincadeira! Veja….

Sucede que sua mente sempre tentará extrair um sentido de tudo que você capta, buscando atribuir significados (ou rótulos) que se enquadrem no Conjunto de Valores do seu mestre (no conjunto de crenças que você inseriu na mente), buscando sempre validar a forma como o piloto da mente enxerga o mundo (por mais distorcida que ela ainda seja). E assim sua mente automaticamente aceitará somente aquilo que se encaixa em suas crenças (mesmo nas mais desalinhadas), descartando ou ignorando tudo que não se enquadra na maneira como você acredita que sua realidade é (independente da Verdade). E assim você está sujeito a seguir adiante por vidas e mais vidas, perdido e iludido por estar preso a um looping de criação distorcida, sempre colhendo o que planta e realimentando suas limitantes crenças criadoras, sem sequer se dar conta da própria autoria…. a não ser que você escute sua intuição e comece a QUESTIONAR todos os seus valores, suas convicções.

Compreenda que assim que mergulhou no Jogo pela primeira vez (primeira encarnação), você aceitou o cenário inicial, e já começou a criar um Conjunto de crenças conscientes acerca de tudo aquilo que passou a experimentar. Mas na qualidade de Criador, daí em diante o cenário à sua volta (sua “realidade”) passou a reagir a você de acordo com o significado que você foi atribuindo a tudo que captava e vivia em sua jornada. Como regra do Jogo, portanto, seu conjunto de crenças (adotadas, emprestadas ou formadas ao longo do jornada) sempre passa a emergir como “realidade” a ser experimentada. Ou seja, suas crenças se tornam “reais”, influenciando inclusive todos os processos que lhe são inconscientes.

Em outras palavras, o universo se curva às suas convicções mais profundas — ao menos temporariamente, pois quando suas crenças desalinhadas são sustentadas por muitas vidas, uma hora você mesmo (com a sugestão e ajuda de esferas maiores) aceitará o desafio de “perder o chão”, ou seja, de ver aquelas suas convicções limitantes se mostrando inadequadas, com o aparecimento de cenários desagradáveis ou extremamente duros, mas necessários para promover seu despertar.

Esta é a regra do Jogo da Vida! O fato é que você se esqueceu que é o Criador da própria aventura como Criatura, e um dia terá que se lembrar disto de forma consciente, interiorizando as Verdades Maiores da Vida até o ponto em que consiga se tornar o Criador Consciente que molda o resultado conforme seu QUERER — algo que só é possível de se obter quando já se compreendeu como funciona a Grande Vida (momento no qual você perceberá que tudo já lhe foi dado mesmo antes de pedir, e que você só está aprendendo a expressar aqui neste nível aquela abundância máxima que já reconhece ser sua em outros níveis).

Reitero que este Jogo foi criado de uma maneira tal que todas as informações que você capta tenham que forçosamente se sujeitar a interpretações que você faz através do uso do Filtro de Valores da sua mente (das crenças que você inseriu e mantém nela). A mente — uma mera ferramenta da Consciência Cósmica, uma máquina criadora de “realidades” que transcende seu corpo físico — apenas obedecerá a seu mestre: você. E utilizando-se do poder do Eu Verdadeiro, sua mente irá construir todo um cenário à sua volta que reflita aquelas crenças conscientes que você elegeu como “verdades temporárias” e gravou na mente! Crenças! Preste atenção nelas.

E enquanto você não recupera a perspectiva elevada, passará por uma montanha-russa de desafios e aventuras deliciosas, gigantescas…. mas por vezes apavorantes ou desoladoras. Entretanto, há que se lembrar que você é um Ser eterno vivendo aventuras temporárias, e estará sempre amparado por uma mão invisível, mesmo nos seus momentos de maior escuridão. Lembre-se…. É só um Jogo!

A verdade é que uma vez que você se obnubilou (esqueceu-se de Quem É) para poder intencionalmente entrar no Jogo da Vida, obviamente ficou bem “perdido” ao entrar num cenário completamente desconhecido e com leis estranhas. E é aí que você acabou automaticamente adquirindo falsas certezas a respeito de tudo, vindo assim a gravar em sua mente convicções nem sempre alinhados com a verdade. Tais ideias fortemente abraçadas compõem o seu Conjunto de Valores – Crenças.

Entretanto, uma vez que sua mente nunca morre, você carrega consigo (para outras vidas) todas as crenças desalinhadas e desafios não superados nesta vida. Saiba que sua mente se expande vida após vida (apesar de não ser de uma forma linearmente crescente), e o poder criador dela continua a valer mesmo quando você está sem corpo físico. Ou seja, no período entre-vidas ou no seu sonho, sua mente continuará criando, mesmo que sejam cenários não-físicos. E em vidas seguintes, apesar da nova obnubilação consciencial (esquecimento) ao reencarnar, todos os desafios não superados reaparecerão sob diferentes roupagens em uma nova faceta da mente atrelada a uma Mente Maior, por assim dizer (mais detalhes ao longo desta obra).

Quanto ao fato de você demorar tantas existências até enfim se dar conta da própria autoria do cenário, saiba que existe um forte motivo para isto. E ele se chama TEMPO.

Ah…. o tempo, outra bela ilusão mentalmente criada que lhe permite entrar num jogo onde você escolhe intencionalmente perder a noção de causa e efeito, onde escolhe esquecer que é o criador da sua própria realidade aparente, escolhe esquecer que é simultaneamente a causa criadora e o efeito criado — e experimentado! É graças a tal esquecimento que você pode mergulhar nesta aventura ilusória (mas que sempre lhe parecerá muito “real”) e atravessar uma montanha-russa de desventuras, tropeços, alegrias temporárias, glórias, dores, sofrimentos, mais sofrimentos…. e assim por diante, até despertar para a sua Verdade Maior e perceber a grandeza, a magia e a imensidão de tudo que viveu num mundo Relativo.

A boa notícia é que tudo não passa de uma contundente brincadeira onde tudo e todos irão conspirar para lhe despertar de uma jogo que é movido pelo amor – ainda que por vezes não lhe pareça ser o caso. Saiba que você entrou intencionalmente nesta brincadeira! Sim, de propósito e cheio de euforia!

Ah…. E você estava muito ansioso para se conhecer de outra maneira e poder ter uma perspectiva única sobre a Vida, sobre a Consciência Maior (ou Amor ou Deus, chame como quiser) e sobre Quem Você É em última instância (além das aparências do jogo). Você queria se experimentar ora como mulher, depois como homem, depois como uma mistura disto, depois como o amor, como a raiva, a desilusão, a glória, a benevolência, o perdão…. Ahhh, e naquele momento você não cabia em si ao se empolgar com tantas possibilidades!

Ops, eu me empolguei, desculpe!

Bem, vamos aos poucos….

Todas estas revelações são um tanto quanto estarrecedoras, eu sei! Mas tenha paciência! Você será recompensado, pois esta nova perspectiva que está adquirindo lhe trará muita paz existencial, eu prometo!

E vamos adiante!

A REALIDADE APARENTE  

Realidade Aparente é, pois, uma expressão que transmite corretamente a ideia de que já existe uma Realidade Absoluta prévia que transcende sua observação, sendo que esta última não depende da sua "realidade" auferida (aparente) e nem do significado que você atribui a ela com seu atual conjunto de valores.

Ou seja, você está, sim, vivendo um sonho — ao qual chama de Vida, como você a conhece aqui — dentro desta Realidade Aparente mencionada, a qual você cria (e também cocria com os demais) através do que insere e mantém em sua mente. Cabe à sua mente dar forma a este conteúdo, ou seja, transformá-lo em um cenário “real” à sua volta.

Sim…. enquanto imerso nesta brincadeira, meu caro, caberá à sua mente a tarefa de materializar o cenário (que será físico, se você estiver encarnado) com base em tudo o que você — o piloto da mente e da aventura do Eu Temporário — tem colocado e mantido nela ao longo de suas incontáveis ​​existências ou vidas. Saiba que sua mente executa esta tarefa a seu comando e de forma primorosa e obediente, alimentada pelo poder da Consciência Maior, a qual dá a você total Livre Arbítrio para brincar, errar, tropeçar e aprender a escolher caminhos que reflitam cada vez mais Quem Você É de verdade! E você terá infinitas oportunidades existenciais para tal! Bem…. É óbvio que você é eterno, independente de acreditar nisto ou não!

Pois é, a estas alturas da sua existência já está mais que na hora de você finalmente aceitar que há, de fato, uma continuidade na sua aventura, perceber que você não morre de verdade, amiga(o). É apenas o seu corpo que fica para trás. A vida nunca termina!

Há mais vida na morte que morte na vida!

E é claro que há um lindo e maravilhoso propósito por trás desta sua escolha de se expressar através de um personagem temporário….

Você escolheu se expressar como um Eu Temporário em espiritualização (apesar de ser bem mais do que isto) e passar por incontáveis existências até despertar para a Verdade. Enquanto mera possibilidade dentro do seu Eu Verdadeiro, você quis viver esta experiência, sabendo que em alguma existência sua, tal aventura lhe permitiria ter uma perspectiva única de si, da Vida e da Consciência Maior — uma perspectiva que só pode ser alcançada através da imersão neste Jogo. Dentro dele, tudo e todos sempre conspirarão para despertá-lo de um sonho no qual você estará sempre protegido, mesmo nos momentos mais assustadores!

Porque só existe amor, só o amor é real!

Comece a repensar quaisquer crenças de medo, escassez e negatividade, pois todas elas não passam de mentirinhas necessárias para a existência de um mágico Faz de Conta.

E então?

Está complicado para acompanhar o raciocínio?

Muita “loucura”?
Que tal enxergar tudo isto como “magia”?

Bem, fique tranquilo, tudo será explicado em detalhes e de forma redundante ao longo deste material. Até porque você precisa desta repetição para fixar ideias aparentemente tão incomuns.

Por enquanto, apenas fique sabendo que não é errado dizer que, de fato, vivemos dentro de uma espécie de simulação, uma espécie de “Matrix” – aquela Realidade Aparente citada.

Ahhh…. Mas tenha em mente que esta “Matrix” (entre aspas) da qual estamos falando, amigo, não tem nada a ver com aquelas retratadas em filmes de ficção científica.

Ah, definitivamente não! Não mesmo!

Poooor favor! Nós não somos escravos de nenhuma simulação de terceiros! Quanta inconsciência permeia tal ideia esdrúxula! Pelo contrário, meu amigo, minha amiga.

Nós somos os CRIADORES da simulação, somos os todo-poderosos!

Só esquecemos disto intencionalmente a fim de entrar no jogo da Menos Valia Aparente, onde fingimos ser menos do que somos de verdade, só para irmos lembrando aos poucos da nossa própria grandeza — uma façanha que só é possível quando nós nos observamos a partir de uma perspectiva muito diferente e, com o tempo, lembramos da Verdade.

Quanta magia…. Trata-se, portanto, de uma “Matrix” Divina!

De fato, se não nos lembramos da nossa origem cósmica enquanto imersos no Faz de Conta, é só porque esta é precisamente a intenção do Jogo da Vida.

Assim sendo, permita-me insistir na tentativa de derrubar um dos maiores véus de ilusão!

Toda a Relatividade não passa de uma ilusão criada por nós e tornada “real” através da mente (sendo materializada fisicamente quando estamos encarnados, mas existindo inclusive quando não estamos nos expressando na matéria)! A Física Quântica já anda pelo menos apontando na direção correta, mas os cientistas ainda estão muito obcecados com teorias, vivendo à procura de provas e mais provas que jamais serão encontradas, pois é impossível explicar racionalmente aquilo que é inexplicável: a Consciência Maior. Há que se expandir e vivê-la para entendê-la! Palavras jamais a descreverão!

Alguns cientistas e filósofos justificadamente se impressionam com a força da mente sobre a matéria, mas na verdade tal força não vem da mente em si, e sim de nós mesmos, pois a mente é só uma ferramenta que nos permite fingir que somos apenas meros humanos falíveis, meras formiguinhas do universo — com todo respeito à Sra. Formiga, a qual também contém Deus por inteiro, só está mais longe do que você de dar-se conta de tal Verdade de forma consciente!

A MENTE 

A mente é uma poderosa ferramenta da Consciência Maior que transcende a fisicalidade, e justo por isto nem sequer precisa de um cérebro para operar.  Aliás, sua mente não está em seu cérebro, apesar de também permeá-lo!  

Saiba, pois, que a sua mente já existia antes do nascimento do seu corpo físico, bem como continuará a existir mesmo depois da morte dele, carregando consigo os desafios não superados numa vida, dado que você terá que revisitá-los continuamente até que um dia —  em alguma outra vida ou Estado de Ser — consiga superá-los.

Entretanto, a cada nova roupagem do Eu Temporário (a cada reencarnação), uma nova "fração de mente" é criada, ou seja, uma nova porção de mente é gerada para lidar especificamente com esta nova vida. Tal "fração de mente" se esquecerá (até certo ponto) de tudo que viveu em outras existências, passando a desenvolver-se juntamente com o novo corpo físico, ficando ligada a cada célula dele (e não só ao cérebro), mas também transcendendo-o e conectando-se a uma Mente Maior do mesmo Eu Temporário. 

Tal Mente Maior contém os registros de todas as suas outras existências, as quais permanecem incomunicáveis entre si, a não ser através de canais intuitivos ou transcendentais. Uma boa analogia para esta Mente Maior é considerá-la como se fosse um favo de mel onde cada furinho é uma fração de mente correspondente a uma vida passada, presente, futura ou paralela. Esta nova porção de mente (específica da nova vida) irá conter aqueles desafios não superados e crenças limitantes das suas vidas anteriores. Já as suas versões paralelas são independentes, apesar de poderem se influenciar umas às outras. Isto garante a continuidade de um processo evolutivo que ocorre vida após vida, sempre sob nova maquiagem ou novo visual (novo corpo). E tal Mente Maior estará em constante expansão, assim como também a própria Consciência Maior, que tampouco é um projeto acabado ou um destino final invariável!

A mente é criada de forma a ser inicialmente restrita e limitada, algo absolutamente necessário para permitir o início do Jogo da Vida, pois abre espaço para a criação de um Personagem Temporário esquecido de sua origem cósmica, um Eu Temporário com o qual você escolheu se identificar totalmente e cuja evolução cabe somente a você (que é simultaneamente o Criador e a Criatura) — uma evolução que se desenrola através de incontáveis vidas sob diferentes facetas e roupagens.

A partir do momento em que você já se sente preparado e escolhe encarar a ousadíssima empreitada do Livre Arbítrio dentro do Jogo da Relatividade (que é o caso dos seres humanos na Terra), você assume o colossal desafio de dar-se conta, de forma consciente, da sua própria divindade Absoluta inerente. Isto é, dar-se conta de que você é a própria Consciência Máxima, mas fazendo isto através das percepções de uma mente inicialmente esquecida de si.  Um megadesafio. 

O fato é que antes de começar a se aventurar pelo Livre Arbítrio, tal percepção da divindade inerente era facilmente captada de forma instintiva, pois você ainda se testava dentro do Jogo como uma forma de vida mais básica (um animal, vegetal, etc) cuja ausência de Livre Arbítrio pleno ainda lhe protegia, ainda lhe permitia fluir com uma incrível harmonia dentro de uma diferente moldura de experimentação, sendo assessorado diretamente pela Consciência Maior (com exceção das plantas e animais domésticos, que já refletem muito seus donos, com os quais colaboram em termos evolutivos).

Depois de começar a encarar o desafio do Livre Arbítrio, você ainda mantém aqueles instintos animais de sobrevivência, mas a partir daí também tem o direito de escolher quaisquer outros caminhos — uma liberdade criativa longamente ansiada pelos animais.  Entretanto, esta liberdade criativa plena lhe permite escolher inclusive aqueles caminhos que, de tão desastrosos, fatalmente um dia lhe levarão a considerar que perdeu seu Estado de Graça, que é amaldiçoado, desprezado, esquecido por Deus — sensações das quais um animal ainda está protegido, pois ainda confia no merecimento da sua existência e sabe instintivamente que faz parte de um todo que é inextinguível.  

Ou seja, uma vez aceito o desafio do Livre Arbítrio, você terá que se dar conta conscientemente daquilo que já sabia intuitivamente quando estava mais próximo da Consciência Maior (como os animais).  Não significa que somos inferiores aos animais, mas que já somos mais experientes e pudemos aceitar um desafio para o qual tivemos que nos preparar por milênios. Um desafio pesado, sofrido e até assustador, mas ao mesmo tempo encantador, grandioso e tão mágico que é impossível descrever em palavras, pois o dia da sua iluminação será tão marcante que expandirá até mesmo a própria Consciência Maior. 

Uma vez imerso no Jogo do Livre Arbítrio e já esquecido de sua origem cósmica, você inevitavelmente irá acreditar nas ilusões do cenário em que escolheu mergulhar e tentará se proteger daquilo que vier a considerar perigoso, o que lhe levará a adotar (e gravar na própria mente) inúmeras convicções que nem sempre estarão alinhadas à Verdade Máxima.  E assim você formará um conjunto de crenças dentro da sua mente. Entretanto, por regra do jogo, tais crenças sempre serão tornadas "reais" (e materializadas quando você está no mundo físico).  A intenção disto é que você um dia se dê conta de que Você é o Deus-Criador da própria aventura, uma longa jornada do Eu Temporário que engloba muitas e muitas existências.

Dentro do Jogo, em pouco tempo sua mente fica cheia de desalinhamentos gravados nela por você mesmo. Será sua tarefa ininterrupta tornar a mente permeável ao que provém do seu Eu Verdadeiro. Para tal, uma hora você terá que começar a descartar convicções profundas que já não lhe servem mais, até que consiga um dia derrubar o véu das ilusões deste mundo. Ou seja, caberá a você — o piloto da mente, que é simultaneamente Criador e Criatura — a tarefa de guiar a jornada autocriada que emerge do conteúdo que você grava na mente (um conteúdo que é tornado "real" e experimentado por você na ótica do Eu Temporário). 

Embora nem se dê conta, o fato é que você viverá incontáveis existências sempre usando tanto a intuição quanto as Verdades Maiores da Vida para rever o conteúdo distorcido da própria mente — cujos desafios não superados numa vida são levados para a existência seguinte. E como tal reanálise de crenças é o único caminho da evolução, a própria vida lhe obrigará a fazê-la, seja de forma consciente (e ajudado pela intuição) ou arrastado pelas duras experiências que cria (sem se dar conta da própria autoria).  

Pois bem.... apesar de este constante realinhamento de valores não acontecer de forma linear e crescente, com o tempo (vidas e mais vidas) você acabará conseguindo alinhar cada vez mais o conteúdo da mente com a Consciência Maior.... até o ponto em que não restem mais desalinhamentos na mente. 

Neste dia glorioso a sua mente parecerá extinta, mas na verdade estará apenas porosa (permeável) a toda a luz que provém da Consciência Maior.   E a expansão de tal mente é uma façanha cujo mérito será do Ser que se expressou através dela, identificando-se ora com a Criatura temporária, ora com o Criador eterno, alternando pontos de vista até que enfim consiga elevar o personagem ao mesmo nível do Eu Verdadeiro. Em tal caso, o Eu Temporário já estará refletindo 100% da Essência que você É, sempre Foi e sempre Será!

Tal iluminação só pode ser conquistada através da contínua expansão da mente até o ponto em que você seja capaz de fazê-la abarcar por inteiro a própria Fonte Maior. Neste instante sublime onde até Deus se expande, o Eu Temporário (que já estará refletindo completamente Você em sua totalidade) terá se tornando outro Eu Verdadeiro, capaz então de façanhas tão grandes quanto às daquele que o criou.

Compreenda que assim como Deus é o UNO que se fez diversos, o Eu Verdadeiro também se fará diversos ao criar inúmeros Eus Temporários que um dia irão emergir da brincadeira em unicidade com seu Criador, mas ainda mantendo suas próprias individualidades.  Serão, pois, distintos Eus que terão se tornado novos Eus Verdadeiros. 

A PARTE sempre contém o TODO no reino da Consciência Maior! 

Caberá a você — o piloto que tem acesso ao TODO (quando se permite) — expandir a percepção da PARTE (a criatura) até que ela conscientemente se dê conta de que ela própria é o TODO, ela própria é Você em uma nova versão máxima sua.

Uau.... palmas para a Mente!

E tem mais…. Acredite ou não, apesar de nosso cenário ser cocriado com outros Seres, ainda assim cada um de nós é o único CRIADOR de sua própria aventura como CRIATURA (devido ao caráter multidimensional de nossa experiência)! Sim, sua aventura reflete exclusivamente você, mesmo sendo criada em parceria com os outros. Claro que algo tão grandioso assim só poderia ser possível dentro de uma aventura multidimensional.

Nada lhe acontece sem sua anuência, NADA!

Claro que você não está consciente disto tudo enquanto ainda “dorme” para sua própria verdade. Mas saiba que não existem coincidências, você cria ou atrai tudo que chega a você! Tudo e todos sempre lhe refletirão!

Ei….

Quer você aceite ou não, o fato é que você vive dentro de uma aventura multidimensional composta de infinitos Universos paralelos com incontáveis versões de você mesmo em muitos deles (embora você não esteja ciente delas, apenas através de sua intuição). Sim, sim…. o tão falado Multiverso!

Cada versão destas é independente, mas faz parte do mesmo Eu Temporário que você É! Todas elas se ajudam no sentido de cada uma ir superando os desafios necessários para o despertar do mesmo Eu Temporário que formam. E apesar de independentes entre si, cada versão tem a capacidade latente de acessar pequenos detalhes das outras versões, mas somente quando se permite fazê-lo, quando cria abertura mental para tal, permitindo comunicações sutis tidas como sobrenaturais.

Em outras palavras, da mesma forma como aquela certeza da intuição provém do seu Eu Verdadeiro, qualquer outra comunicação transcendental Déjà Vu, premonição, clarividência, etc — pode estar sendo buscada por você (quando seu conjunto de crenças conscientes permite) de outra versão sua, no sentido de ajudá-lo a fazer as escolhas mais elevadas naquele dado momento. Entretanto, o acesso a tais informações transcendentais está sujeito ao que cada versão pensa de si e do mundo. Ou seja, cada versão estará limitada pelo próprio conjunto de crenças e pela abertura dada à intuição. Crenças…. Mais uma vez! (Nota: mais detalhes sobre isto na publicação O SEGREDO DE EMÍLIA, no Blog onigya.com).

Voltando à ideia da tal “Matrix” Divina, saiba que ela é feita de forma a permitir que você crie sua Realidade Aparente (seu cenário de vida) através das CRENÇAS que você adota assim que entra no Jogo ou elabora/empresta para si ao longo da jornada. Tais crenças acabam permeando todos os seus elementos de criação, infiltrando-se tanto em seus pensamentos, palavras e ações, bem como bloqueando ou dando vazão para sentimentos, emoções, intuições, sonhos, telepatia, clarividência, etc.

E por mais que um destes elementos de criação (pensamentos, palavras, ações) aponte na direção desejada, ele não se alinhará com os demais enquanto houver uma crença distorcida e contrária habitando a sua mente. Ou seja, o resultado que tanto deseja só pode ser alcançado quando você encontrar uma harmonia criativa entre tais elementos.

Sucede que o alinhamento destes elementos criativos, meu caro, só se obtém através da adoção de uma NOVA CRENÇA que esteja alinhada àquilo que se quer, uma crença que inclua merecimento, visão de abundância, ausência de medo, certeza do resultado e total desapego para com ele.

Em resumo, posturas com a presença de um único elemento de criação alinhado com o seu desejo — apenas palavras alinhadas ao seu objetivo, ou então apenas pensamentos ou apenas ações — têm pouca força criativa imediata, pois não refletem suas verdadeiras ideias mais profundas ligadas àquela crença distorcida que você um dia adotou e que ainda alimenta, a qual lhe diz que você não pode ter o que deseja.

Seus elementos de criação, quando desalinhados e não harmonizados entre si, têm pouco poder imediato (apesar de poderem influenciá-lo no longo prazo). Tal falta de poder demonstra apenas que a sua decisão atual não está forte o suficiente para superar alguma crença limitante, descartá-la e substituí-la por outra mais adequada.

E apesar de que a repetição — como forma de autossugestão — até possa lhe ajudar a convencer a sua mente a se abrir para outros valores, a verdade é que nada mudará de fato em sua vida enquanto você não encarar suas convicções e efetivamente mudar as crenças limitantes. Para tal, você primeiro terá que entrar em contato com as Verdades Maiores da Vida, a fim de começar a colocar luz sobre o atual conjunto de crenças que nutre. Sem conhecer a Verdade sobre si próprio e sobre a Vida, todo o processo de evolução consciencial se torna muito mais lento.

Portanto, o que faz a sua realidade se curvar na direção do seu desejo não é a repetição em si, mas a alteração das crenças que estão por trás dos elementos de criação com os quais você se comunica com o universo. Repito, tais crenças acabam infiltrando-se tanto em seus pensamentos, palavras e ações, bem como bloqueando ou dando vazão para sentimentos, emoções, intuições, sonhos, telepatia, clarividência, etc…. afetando, portanto, tudo que você cria!

E assim, de nada serve pensar ou falar ou agir repetidamente numa determinada direção se, lá no fundo, lhe falta convicção nas novas ideias que você está escolhendo. Em tal caso, estes elementos não se alinharão!

Enquanto suas novas decisões não tiverem mais energia que suas antigas convicções, você não mudará as crenças…. e nem sua realidade.

Em outras palavras, se você não reavaliar suas crenças e não as trocar por outras mais adequadas, nunca colherá o que deseja. Você só alcançará aquilo que tanto queria após alterar suas crenças limitantes. Sua realidade aparente sempre será um reflexo das crenças que você escolheu, pois você é o Criador da sua aventura como Criatura. Pensamentos, palavras e até ações tornam-se vazios e sem força quando crenças contrárias e enraizadas não são encaradas com posturas e escolhas suficientemente fortes a ponto de alterar o conteúdo da sua mente.

Se você não tomar as rédeas da mente no sentido de reavaliar seu conteúdo, ela rodará sempre num piloto automático que foi programado por você ao longo de muitas existências — e, convenhamos, programado nem sempre de uma maneira muito edificante. Cabe a você ir alterando tais valores contidos na sua mente, buscando realinhá-los com sua Essência!

Quanto à autossugestão como técnica para realinhar os seus valores mais profundos, claro que ela pode lhe ajudar, mas normalmente de forma bem lenta, pois dependerá do quanto você realmente acredita naquilo que está sugerindo a si mesmo. Aliás, comece a se dar conta de que todos os dias você já pratica a autossugestão em si mesmo. Sim, perceba que não há hipnose mais forte que a auto-hipnose proporcionada por suas próprias crenças! Porém, se as suas crenças são distorcidas, a auto-hipnose também o será!

Observe a existência de uma espécie de conversa interna onde as programações antigas da sua mente tentam lhe convencer de que não há nada de errado com seu conjunto de valores. E assim sua mente vive tentando validar o conjunto de valores do seu mestre (você), coletando todos os sinais externos que são a favor das crenças já existentes, mas descartando tudo aquilo que não se enquadra, inclusive as intuições elevadas.

Enquanto suas crenças limitantes não forem substituídas por outras mais alinhadas às Verdades Maiores da Vida, você estará sempre tendendo a pensar, falar e agir de forma alinhada àquelas limitações, pois você acredita nelas — e assim continua se autossugerindo o oposto do que quer, sempre numa espécie de auto-hipnose negativa.

Bem…. Felizmente há uma técnica mais indicada que a autossugestão para acelerar a conquista do objeto do seu desejo, e ela se chama “agir COMO SE” (como se já tivesse aquilo que tanto almeja, como se já tivesse chegado no destino almejado). Tal técnica de Trabalho Mental é muito mais eficaz, e será explicada mais adiante no item Visualização, de uma forma muito profunda e ampla — pois ela não é tão simples quanto parece, dada a resistência da mente às mudanças.

A mente é uma mera ferramenta, cabe a você (o piloto dela) descartar conscientemente todas as convicções limitantes que você um dia gravou nela e trocá-las por outras mais elevadas e alinhadas à Verdade! Saiba que a Vida sempre irá lhe conduzir para as Verdades Máximas, sendo inevitável que você as encontre, seja agora (ao longo desta obra) ou daqui a mil existências!

E saiba que toda esta gigantesca Jornada do Eu Temporário se desenrola através de incontáveis versões paralelas de você mesmo, todas coexistindo simultaneamente, cada uma delas sendo independente da outra — até certo ponto — , mas com todas elas também se entrelaçando e se ajudando de uma forma que a ciência está muito longe de compreender.

Abra-se para as Verdades Maiores que transcendem as verdades humanas.

A CIÊNCIA E A CONSCIÊNCIA  

As crenças gerais da humanidade estão, em sua maioria, profundamente desalinhadas para com as Verdades Maiores da Vida. Elas estão literalmente contaminadas por doutrinas e dogmas religiosos, bem como aprisionadas em teorias científicas e fórmulas matemáticas que tentam explicar algo inexplicável, algo cuja compreensão é, sinceramente, desnecessária para a experiência Relativa e para a evolução consciencial do Ser.  Porque você não veio a este mundo para fazer ou sequer entender nada, mas apenas para SER.... para expressar sua Essência da melhor forma que puder, tendo a oportunidade de conhecer-se de uma forma completamente diferente!

Ter que entender tudo para somente então se entregar é uma característica de um ego inseguro e que ainda não confia na vida e nem na sua própria origem cósmica. Em outras palavras, acreditar que a paz mental só pode ser alcançada com o acúmulo de conhecimentos ou com a compreensão de todas as variáveis é, no fundo, fruto da falta de acesso à Consciência Maior.

A ciência humana – pobrezinha – acredita que o raciocínio humano é o suprassumo da grandeza da humanidade, e que ele é puramente uma consequência da atividade cerebral. Não se dão conta de que o cérebro é um mero órgão receptor, pois ignoram a verdade básica de que a mente transcende a fisicalidade e nem sequer precisa do cérebro para existir, pois ela já existia antes do nascimento do corpo físico e também continuará a existir mesmo depois da morte dele.   Enquanto encarnado, uma porção de uma Mente Maior do seu Ser irá se acoplar ao seu corpo físico para formar uma mente exclusiva para esta existência em especial, mas interligada àquela Mente Maior e trazendo consigo desafios não superados em outras existências (mais detalhes ao longo da obra).

Pois é.... há continuidade! 
Ninguém morre de verdade!
Só existe vida!

O fato é que o lado racional e científico da humanidade ainda encontra-se muito limitado, mantendo-se refém de crenças retrógradas – como, por exemplo, a convicção de que a dimensão física é tudo que há em nossa existência. Para a ciência, só merece ser chamado de “realidade” aquele fenômeno que pode ser auferido por nossos sentidos físicos e comprovado/ quantificado por meros e limitados instrumentos de uma civilização ainda embrionária e muito arrogante. 

Quanta ilusão!

Enfim, saiba que qualquer pessoa que negligencia sua parte intuitiva – e usa demais o seu lado racional – acaba inevitavelmente absorvendo conceitos e crenças não necessariamente alinhados às Verdades Máximas do Ser, tornando-se refém deles.   De fato, a razão humana está, há eras, completamente antagônica à Consciência Maior, pois tal razão vive refém de teorias, dogmas, convicções e crenças que são pouco edificantes e por vezes muito destrutivas.

Saiba.... Nenhuma pessoa consegue se elevar consciencialmente via razão!   A verdade é que você só é capaz de realmente expandir sua mente quando se conecta aos sentimentos intuitivos ou sentimentos genuínos do coração, os quais provêm da elevada perspectiva do seu Eu Verdadeiro e lhe permitem repensar o conjunto de crenças que anda nutrindo! 

Assim sendo, se uma pessoa conseguir a façanha de deixar de lado a razão (a lógica), ouvir seus sentimentos genuínos (intuitivos) e expandir a perspectiva para um pouco além daquela visão humana básica (que tem estado extremamente precária em geral), ela logo compreenderá que aquilo que a ciência sustenta como um fato científico inquestionável é, na realidade, somente fruto de ideias que nascem de conclusões precipitadas formuladas através do uso dos limitados cinco sentidos humanos. Tal prática é aceita como normal, mas no fundo não é NADA NATURAL, pois não vem da Essência do Ser. Tal linha de conduta se constitui numa limitação que ignora tanto a intuição quanto uma infinidade de outros sentidos não tão convencionais (e justamente por isto negligenciados). Porque a nossa realidade, my friend, vai muito além do que nossos parcos sentidos humanos captam.

A maior parte da comunidade científica acredita que vivemos exclusivamente na dimensão humana, e que tal dimensão compreende somente este nosso universo. Lastimosamente eles estão muito, muito longe de se darem conta da multidimensionalidade do Ser, apenas porque não conseguem comprovar aquilo que já lhes é bastante óbvio.

Ora.... Somos muito mais do que aquele personagem que vemos refletido no espelho!

Caro leitor.... À medida que você for vivendo incontáveis vidas e elevando seu ponto de vista, uma hora você passará a compreender que a própria ciência humana é uma prisão. 

Sim.... Uma prisão para as mentes humanas!

Porque dentro da Relatividade física, enquanto um Ser se limitar a definir sua realidade apenas através dos seus sentidos físicos, ele permanecerá TRANCADO em uma prisão autocriada, sempre constatando e comprovando o que ele mesmo criou através das suas crenças materializadas – e assim reforçando ainda mais tais crenças criadoras. Ou seja, o indivíduo planta fortes convicções na mente (muitas delas desalinhadas), colhe cenários que refletem exatamente aquelas crenças e, com isso, as torna ainda mais justificáveis.... até que alguma abertura mental seja criada por ele mesmo (via intuição) em algum momento de sua longa jornada, para que um dia alguma experiência diferente chacoalhe as convicções distorcidas que ele vinha alimentando! 

Lembre-se, crenças criam! Sua mente sempre tornará "reais" as crenças que você (o piloto da mente) inseriu nela.  E que fique claro que isto vale tanto para a Relatividade física quanto para a não-física!

Bem....
Pois é neste momento que eu lhe convido a DESPERTAR! 

Compreenda que crenças acerca da realidade NÃO SÃO a Realidade! Elas são uma IDEIA sobre a realidade, mas não a realidade em si. 

Aliás, nem mesmo o cenário materializado por tais crenças é real, mas apenas uma realidade aparente (mentalmente criada dentro de um jogo)!  E se tais crenças nunca forem questionadas pela parte intuitiva e pelos outros sentidos do Ser, a prisão autocriada se tornará inviolável –  ao menos temporariamente (coisa pouca, apenas algumas dezenas ou centenas de vidas). 

Ei....
Enquanto você não começar a questionar o caráter da Realidade Aparente que aufere, sua mente continuará a materializar aquelas mesmas crenças antigas (adotadas por você assim que entrou no jogo ou ao longo de sua jornada por vidas), e você continuará sempre a colher aquilo que já havia comprovado antes, pois tais eventos colhidos fortalecem as crenças que os criaram, inclusive as mais distorcidas.  Ou seja, você cria aquilo no qual crê, comprova na prática que tal crença era "pertinente" (mesmo não sendo), e realimenta a crença. 

Pois comece a questionar todas as suas crenças, porque sem mudá-las, você acaba permanecendo preso num looping que é fruto de uma perspectiva limitada, um looping que só pode ser quebrado quando você começar a olhar além das grades da prisão, quando começar a prestar atenção nos sinais intuitivos e a questionar aquilo que considera ser a sua própria realidade (questionar todo o seu conjunto de valores, todas as suas CRENÇAS).

Agora....
Quer saber quais são as pessoas que mais ficam presas a estes loopings de criação distorcida?  São justamente aquelas que são mais racionais, aquelas que depositam toda a esperança no conhecimento adquirido, confundindo-o com SABEDORIA (que é outra coisa).

Sob o argumento da necessidade de evoluirmos, muitos cientistas ficam obcecados em criar leis e teorias num jogo (a Relatividade) onde NÃO EXISTEM LEIS, pois dentro dele tudo pode ser mudado à medida que você vai DESPERTANDO e exercendo sua própria divindade e Livre Arbítrio. Um jogo onde nenhuma razão ou raciocínio matemático será suficiente para abarcar ou explicar o que é a Consciência Cósmica. 

Muitos cientistas, presos na racionalidade, são até capazes de dar suas vidas para defenderem uma tese sobre a qual se dedicaram por anos, aferrando-se a uma necessidade até doentia de provar que estão certos, ou de buscar seus minutos de aceitação profissional ou de fama – fruto da falta de autoestima, a maior doença endêmica da humanidade. 
Ou então se debruçam sobre tais teses na tentativa de entender aquilo que nem sequer pode ser entendido com a razão (que são os milagres originados na Consciência Maior). Entretanto, na maioria das vezes as suas idolatradas teses não passam de especulação, de teorias inventadas por falta de uma opção melhor para explicar o que nem sequer precisaria ser entendido, APENAS VIVIDO.  Normalmente tais teorias só permanecerão de pé até que outra teoria ainda mais especulativa as derrube!

Quando partem deste mundo, alguns (dependendo dos seu conjunto de valores e abertura) terão a oportunidade de perceber que viveram a vida correndo atrás de feitos e coisas, esquecendo-se das pessoas e de si mesmos, obcecados que estavam com uma Ciência que raramente traz Consciência, uma Ciência que não deveria passar de uma ocupação, de algo que se faz.  E aquilo que se faz nunca importa muito, mas sim o que expressamos daquilo que SOMOS além das aparências. 

Em tempo....
Quero deixar claro que a ciência, em si, não tem nada de ruim.  Porém, saiba que a obsessão (que habitualmente reside por trás da Ciência e da busca pelo conhecimento adquirido) afasta a pessoa do caminho da alma, dada a inútil necessidade humana de precisar entender tudo de forma racional. Que bom que tal afastamento é apenas temporário (vidas e mais vidas, por vezes)!

Assim sendo, preste bem atenção!

Não é via ciência que você evolui na Consciência, que você eleva seu Eu Temporário (o personagem que você vê no espelho), que você expande sua mente.... mas sim DESPERTANDO do sonho deste jogo ao prestar atenção tanto na intuição quanto nas Verdades Maiores da Vida.
Tais Verdades, my friend, não têm nada a ver com conhecimento adquirido, pois aquela sabedoria elevada sequer precisa do conhecimento racional para se insinuar magicamente, bastando para tal apenas a sua atenção aos sentimentos genuínos do seu coração!

Ei.... Você não está aqui para FAZER nada, e tampouco precisa ENTENDER as coisas para poder fluir harmoniosamente pela vida. Você mergulhou nesta experiência Relativa apenas para SER, apenas para expressar o melhor que puder daquela Essência mágica que você já era antes de entrar jogo, redescobrindo-se de maneiras completamente diferentes através disto! 

Ei.... Desperte! 

Você é um Ser multidimensional que transcende o que seus sentidos captam! 

Você cria o seu mundo, o cenário do seu universo!  

VOCÊ É SUA PRÓPRIA "MATRIX".

E o seu mundo, my friend, não segue leis, apenas parece seguir.... e ainda assim apenas temporariamente – ao sabor das crenças que VOCÊ, o Deus Criador de sua própria aventura como Criatura, alimenta!

Estamos imersos num jogo, num mundo de manifestação de crenças!

Assuma as rédeas da sua mente no sentido de rever seu conteúdo, e comece a questionar tudo que acha que sabe!

Quando você não assume as rédeas no sentido de buscar a constante expansão da mente (através da revisão dos seus valores), ela acaba rodando no piloto automático, levando você — enquanto esquecido de que também é o Criador — a assumir decisões baseado nas programações (crenças) que você mesmo instalou e manteve na mente por eras.

Complicou?

Tenha paciência. Estas novas informações podem parecer complicadas e confusas, mas se você continuar esta leitura, acabará compreendendo a maneira como cria aquilo que chama de “realidade“. Fique tranquilo que tais conceitos serão repetidos inúmeras vezes ao longo desta obra através de palavras e expressões diferentes, para que você possa compreender e fixar estas novidades — desde que queira!

Bem, então vamos adiante….

Muito se fala sobre criarmos nosso entorno (e as experiências que vivenciamos) apenas com nossas pensamentos, palavras e ações, os quais são considerados nossos Elementos de Criação. Porém, a verdade é que toda a criação que você experimenta se baseia nas crenças que você adotou ao longo da sua longa jornada, as quais são forçosamente transformadas em “realidade” (seja física ou não-física) como parte das regras de um jogo onde você sempre será o Criador da própria aventura como Criatura.

Suas crenças, portanto, geram o cenário da sua aventura, permeando todos os elementos de criação, infiltrando-se tanto em seus pensamentos, palavras e ações, bem como bloqueando ou dando vazão para sentimentos, emoções, intuições, sonhos, telepatia, clarividência, etc.

Entretanto, saiba que apesar de sua “Matrix” ter sido previamente criada com a ajuda de outros Seres que lhe antecederam (com você tendo escolhido o exato Mundo, local e cenário onde mergulharia), ainda assim tal “Matrix” será — a partir da sua inserção nela — responsiva somente a você no sentido de sempre refleti-lo, sempre espelhar suas CRENÇAS . E o que é mais incrível nisto tudo é o fato de que, apesar de tal “Matrix” refletir cada um individualmente, a aventura autocriada de cada pessoa sempre se entrelaçará com a das demais de uma forma mágica, pois somente uma “Matrix” Multidimensional conseguiria a façanha de respeitar o Livre Arbítrio criativo de cada um individualmente.

Uauuu, hein? Sim, Uauuu! É por isto que não existem coincidências na vida de cada um de nós!

Compreenda que apesar da existência de tantas outras pessoas, todas elas também são Seres multidimensionais que, assim como você, mergulharam num cenário previamente criado e, a partir de então, passaram a criar suas realidades de uma forma igualmente transcendental, com as experiências de cada um se entrelaçando com a sua dentro de uma Relatividade multidimensional cuja compreensão ainda está fora do alcance da percepção humana.

Você finalmente está começando a descobrir que é mais importante do que andava pensado ultimamente, hein?

Quem diria….

Dentro desta complexa “Matrix Existencial” (ou Realidade Aparente), cada pessoa cria seu próprio mundo e também É um mundo à parte.

E é justamente por isso que você é o único responsável por tudo aquilo que acontece com você. Assim sendo, pare de culpar os outros pelo que a vida lhe traz, pois você é sempre o único responsável por tudo que lhe acontece!

Não existe o “outro”.

O “outro” é apenas outra versão de você em diferentes “roupagens” (corpos e mentes). Ou seja, realmente Somos Todos UM, e é justamente por isto que o “outro” (assim como todo o cenário) sempre refletirá você, sempre espelhará o que você inseriu dentro de sua mente (CRENÇAS) ao longo de incontáveis existências suas.

A vida não apenas lhe acontece, é você quem a cria!!!!

Agora….

Quer saber de uma coisa? Sejamos sinceros…. Uma vez que não existem coincidências e tudo é uma criação sua, então se os segredos do universo lhe estão sendo revelados neste momento, saiba que é porque você atraiu isto!

O mérito é seu! Parabéns!

Só que a estas alturas desta revelação magnífica, creio que você já deve estar se dando conta de que uma “Matrix” gigantesca e multidimensional como esta só poderia vir a existir através do poder da Consciência Maior, não é mesmo?

Sim….

É uma aventura elevadíssima, uma brincadeira, um “Jogo Divino” que um dia lhe permitirá obter uma perspectiva diferente, expandida e deveras importante, inclusive até para outras esferas do seu Ser, as quais lhe acompanham com muito amor e, pasme, expandem-se juntamente com você à medida que você emerge do Jogo!

Um jogo onde você evoluirá através de inúmeras existências diferentes (reencarnações), com cada uma delas sendo simultaneamente experimentada por incontáveis versões paralelas suas, independentes entre si, mas ao mesmo tempo entrelaçadas. Tudo isto para que um dia você possa ter uma perspectiva diferente sobre si mesmo e sobre a própria Vida, para ao “final” (que também é o início de outra coisa) ter a oportunidade de entender ainda melhor O Que É esta Consciência Maior que permite que brinquemos dentro de uma Realidade Aparente, dentro de um Jogo Mágico que leva a mais autoconhecimento e expansão do Ser Original, um Jogo popularmente nomeado por alguns de Relatividade ou “Matrix”, onde experimentamos “Vidas dentro de uma Vida Maior”!

Mmmm…. Noto que você parece estar curioso!

Então agora é a sua vez de perguntar algo, você não acha?

Pode mandar! Vai!

Mas seja ousado, viu?

Ahaaa…

Captei!

Olha só….

“Mas afinal de contas, o que é esta tal de Consciência Maior?

Que bela pergunta! Você finalmente fez “a” pergunta! A mais importante de todas as suas vidas até agora!

CONSCIÊNCIA MAIOR ou CÓSMICA

"A Consciência Cósmica é o único porto seguro de qualquer Ser em qualquer mundo relativo, pois ela é a nossa Matriz, a Grande Mãe que gerou a todos e que se doou a cada um de nós prazerosamente e por inteiro. Isto é o Reino de Deus dentro de nós que Jesus anunciava, e que poucos entenderam até hoje! 
A maioria de nós usa apenas uma consciência mínima e fragmentada por inúmeros conceitos, preconceitos e valores aprendidos – nem sempre adequados."
NOTA: trecho do livro MANUAL DO HOMEM APAIXONADO - Livro 1, por Jorge Zahell. 

CONSCIÊNCIA MAIOR.... Alguns a chamam de AMOR, outros chamam de Deus, Alá, Jeová, Brahma.... ou simplesmente Consciência Cósmica (adoro esta última). Dê o nome que quiser, mas saiba que é Ela que amorosamente lhe dá a liberdade para que você — que também é Ela — se experimente de diferentes formas (inclusive como esta sua atual) cheias de limitações aparentes e de desafios impostos pela própria moldura do cenário no qual você alegremente escolheu mergulhar para brincar.

Quanto à consciência humana, saiba que normalmente ainda usamos uma consciência rudimentar que está muito pouco acima do nível instintivo animal.  Tal limitação é fruto da pouca abertura que o ser humano dá ao que vem da Essência, obcecado que está com um cenário à sua frente que sequer é real (apesar de parecer, pois esta é a intenção do Jogo)! 

Bem.... Esta obra visa justamente revelar as Verdades Máximas da Vida para permitir que aqueles que já estão decididos a despertar possam trocar seus valores distorcidos por Verdades!

A vida é apenas um jogo, uma brincadeira, e cada pessoa entrou na Relatividade apenas para experimentar o que é SER DEUS através da experiência de NÃO PARECER SER DEUS na vida cotidiana.

Sim, meu amigo, minha amiga. Você é Deus!

Você é uma fatia de Deus e simultaneamente Deus por inteiro, já que, no reino da Consciência Maior, a PARTE sempre contém o TODO! E é por isto que é certo dizer que um mero grão de areia (assim como você) contém não só o universo, mas todo o multiverso e até mesmo a Essência Maior que o criou.

É por isto que se diz que todas as respostas estão dentro de você. E realmente estão!

Há vida em tudo!

Só existe vida!

A Consciência Cósmica permeia tudo! Há vida numa pedra, no sol, nos objetos inertes. E a Consciência latente por trás de um objeto pode inclusive se expressar para quem souber captar.

Entretanto, saiba que cada Ser está aqui — imerso na brincadeira e esquecido de sua origem — vivendo em diferentes fases deste processo de resgate da conexão com sua própria Essência. Por isto eu carinhosamente lhe sugiro que comece a assumir que ninguém é realmente uma pessoa inútil, ninguém está apenas passando o tempo à toa.

Todos estão aqui apenas se experimentando de diferentes maneiras e em diferentes estágios da brincadeira!

Assim sendo, nenhuma forma de expressão é inútil!

Há um propósito em tudo. Não julgue nada nem ninguém! Jamais.

Julgou, pagou!

Veja, assim como há aqueles que são mais “velhos” do que você nesta aventura (mais experientes), é claro que também há aqueles novatos que entraram no jogo depois de você, tendo vivido, portanto, menos existências. Por isto, nunca julgue o caminho de ninguém. Porque…. das duas, uma: ou você já esteve lá (no lugar dele), ou ainda estará! E saiba que tudo é possível, viu? Ao julgar, você também pode acabar regredindo e retornando (mesmo que só numa próxima vida) justamente àquelas situações que mais condena, viu?

Cuidado! Nosso crescimento espiritual não é uma linha reta crescente, estando mais para uma montanha-russa durante grande parte da Jornada do Eu Temporário.

Por fim, não leve a vida tão a sério! Você é um Ser eterno apenas vivendo aventuras temporárias!

Deixe a vida tomar conta!

Confie mais na vida e aproveite o passeio!!!! Ao contrário do que pode lhe parecer, a Vida está sempre tentando lhe ajudar, você é que bloqueia!

Agora….

Neste instante, sou em quem tem uma pergunta decisiva a lhe fazer!

Posso?

Ah, quer saber? Lá vai minha pergunta pessoal!

Você ainda tem interesse em descobrir o quão profunda é a “toca do coelho”?

Veja bem, o fato é que você já entrou em contato com algumas Verdades Maiores da Vida até aqui, mas ainda assim você é livre para se fechar a tudo isto e seguir qualquer outro caminho diferente…. ou se abrir ainda mais.

Saiba que não há pressa, afinal de contas você é eterno, correto?

Tampouco há caminho certo ou errado, pois todos eles levam ao mesmo destino: a Consciência Cósmica (que também é você)!

E então eu pergunto de novo: você ainda quer saber até onde se “enfiou” dentro desta brincadeira na qual escolheu esquecer sua identidade original?

Bem, eis aqui outra encruzilhada da vida, a segunda porta que lhe está sendo mostrada….

Lembre-se: você é livre!

Nunca se permita ser coagido!

Entretanto, para aqueles destemidos que se interessam em atravessar esta nova porta, eu tenho a dizer….

Eu estou prestes a lhe mostrar não apenas a toca do coelho em sua plenitude, mas também o coelho em si, bem como a própria Alice e o seu país das maravilhas, com todos os sonhos dela revelados!

Tentador, hein?

Para aquele leitor que resolver seguir adiante, eu lhe informo que o texto a seguir por vezes até poderá lhe parecer complexo em alguns instantes. Porém, não tenha receio e seja paciente! Eu garanto que valerá a pena! Esta obra foi escrita para contemplar a perspectiva de qualquer leigo nos assuntos de Consciência Cósmica ou Física Quântica. E as ideias centrais serão sempre repetidas à exaustão de forma cíclica, para ajudá-lo a assimilar conceitos tão incomuns para uma mente que está se abrindo para as Verdades do Ser!

Pois então, agora….

Vem comigo !

^ Voltar ao topo


3 – A MENTE – A MÁQUINA MATERIALIZADORA DE REALIDADES

Aquilo que você chama de “sua vida” (com tudo e todos nela contidos) é fruto de um cenário materializado pela sua mente. Porém, tal materialização não é obra do acaso, e sim uma consequência daquilo que você mesmo (o piloto da mente, simultaneamente Criador e Criatura) inseriu e manteve nela ao longo de muitas existências.

Em outras palavras, o cenário da sua vida é uma ilusão, uma aventura criada por você mesmo através daquilo que alimenta na sua mente — quer você acredite ou não, quer aceite ou rejeite esta Verdade. E isto vale tanto para a “realidade” física quanto para a não-física. Ou seja, mesmo quando desencarnado ou em seus sonhos, sua mente ainda estará atraindo ou criando o cenário experimentado, apenas com algum grau de liberdade e elasticidade maior que o habitual nas molduras da sua experiência.

Bem, esta sua Realidade Aparente (seu cenário de vida) é obviamente cocriada com o de outros Seres — mas só até certo ponto!

Explico!

Veja…. Por um lado, a experiência coletiva de uma nação inteira é o resultado cumulativo da escolha de seus habitantes, sendo que, ao fazer suas próprias escolhas, cada um afeta — em graus diferentes, dependendo da abertura consciencial dele — a criação coletiva de todos dentro de sua região e de seu mundo.

Por outro lado, por força do próprio Livre Arbítrio, a Vida Maior faz com que cada um tenha a sua individualidade de criação garantida, o que é conseguido graças ao caráter multidimensional tanto da aventura quanto do Ser, fazendo com que muitos indivíduos acabem migrando (das mais diversas formas) entre realidades paralelas sem que isto sequer seja percebido por ele ou pelos outros, garantindo assim seus Livres Arbítrios individualmente.

Ou seja, apesar de vivermos dentro de uma aventura cocriada com outros, somos Seres que transcendem dimensões, o que abre espaço para que cada um crie sua “realidade” de forma individual e multidimensional, com todas as criações se entrelaçando de uma maneira mágica e gigantesca numa “Matrix” igualmente multidimensional.

Mmmm…. Algo me diz que estamos indo rápido demais, certo? Ok, Ok!

Então vamos recomeçar lá de baixo, devagarinho.

Perceba que a própria Física Quântica já aponta para a influência do observador (você) na realidade que o cerca, pois a ciência já comprovou que o observador afeta o experimento à sua frente — apesar de que alguns físicos ainda relutem em aceitar certas ideias do campo da Física Teórica, sempre buscando por mais provas.

Sucede que no reino da Consciência Maior, enquanto uma pessoa necessitar de provas, nada realmente profundo lhe será revelado! Entretanto, evidências inundarão a experiência daqueles que se abrem previamente para a Verdade!

Deixe-me esclarecer uma coisa importante aqui. Não preciso e nem quero convencer nenhum cientista a respeito destas revelações, até porque qualquer Ser que necessite Ver para Crer estará automaticamente a anos luz distante da Consciência que ora abordamos. A própria premissa de todas as ciências humanas — de primeiro comprovar para depois validar — é algo que afasta o cientista da sua própria Essência, da sua própria grandeza, tornando-o refém de um jogo sem fim, pois este jogo só revela seus milagres quando a pessoa primeiramente se abre para ele via coração, via intuição — com zero razão e sem exigir provas. Só depois que as evidências aparecem, isto é, quando já nem se necessita mais delas. E elas primeiro começam a aparecer sutilmente, mas com o tempo de forma colossal e inquestionável!

Mas permita-me usar um pouco do que a própria ciência descobriu para elucidar a verdadeira natureza da nossa “Realidade”, uma descoberta científica sobre um comportamento da Luz que, apesar de técnica e racional, felizmente já aponta na direção da Verdade.

Há muitas décadas já se sabe que a luz possui uma natureza dual, ou seja, um comportamento duplo conhecido como dualidade onda-partícula, já comprovado através de muitos experimentos. Em resumo, a luz alterna comportamentos de onda ou partícula de acordo com a ausência ou presença de uma Consciência (nós) que a observa — e que a afeta. Ou seja, ela se comporta de uma forma quando há um observador olhando para ela, e de outra maneira quando não há.

Em outras palavras, a luz só se comporta como uma partícula quando você entra na equação. Mmmm, interessante, não é mesmo? Veja só o quanto você interage com o cenário e o afeta!

Só que isto não para por aí…. Em todo o resto do nível microscópico acontece a mesma coisa, ou seja, a dualidade onda-partícula é uma propriedade inerente da natureza tanto das ondas quanto das partículas subatômicas.

Enfim, o que determina se uma entidade quântica se expressará como onda ou como partícula é o ato da observação em si, ou seja, a sua presença ali, a atenção que você dá.

Mais interessante ainda, hein?

Isto implica no fato de que você (o observador) afeta o comportamento da matéria no nível subatômico.

Agora vamos entrar numa área em que a física ainda não chegou. Porém, faremos uma abordagem de maneira bem simples, para contemplar também a apreciação de qualquer leigo no assunto.

O que os cientistas em geral ainda não compreenderam é que no nível macro (das coisas grandes) também acontece a mesma coisa (também existe a mesma influência do observador sobre o cenário todo), só que isto não é facilmente compreendido por quem ainda não está DESPERTO em termos de Consciência.

Explico….

Sucede que no nível macro nós temos a presença da variável TEMPO, que faz com que a pessoa não perceba a relação direta entre causa e efeito (entre suas Crenças e o Cenário formado), justo por eles estarem afastados um do outro dentro da linha temporal. Mas neste nível das coisas grandes também existe aquela mesma influência detectada no nível subatômico ou na luz, ou seja, você também afeta o cenário macro. A diferença é que agora já não é instantâneo. Agora já leva um “tempinho” para que tudo suceda (minutos, meses, anos, décadas, vidas), justamente para que o jogo da vida possa acontecer da maneira como foi projetado, onde você criará seu cenário a partir do foco continuado que você escolhe dar às coisas.

Em outras palavras, caberá à sua mente tornar “real” o cenário da sua aventura — e inclusive materializá-lo, caso você esteja se expressando na fisicalidade (encarnado). Entretanto, tal cenário sempre refletirá fielmente o conteúdo que o piloto da mente (você) inseriu e manteve nela ao longo de uma grande jornada que contempla não somente esta sua vida atual!

Vale esclarecer que você é muito mais que um corpo e uma mente, e que apenas escolheu se expressar temporariamente através deles dentro de um Jogo onde se vê simultaneamente como Criador e como Criatura, oscilando entre tais perspectivas de acordo com a abertura que dá para a intuição (sentimentos genuínos do coração, da Alma).

O UNIVERSO ESTÁ DENTRO DE VOCÊ

Tudo na natureza está em um estado latente que aguarda a sua observação para só então manifestar-se de acordo com o seu próprio Conjunto de Valores!

Ou seja....  Todo o universo aguarda a sua participação para só depois manifestar um cenário que forçosamente refletirá as suas crenças!

Sim.... O mundo não existe sem a presença do observador.  Este último é peça-chave na criação de uma Realidade Aparente que pode ser chamada de participatória, dado que ela não existiria por si só!  

Ao interagir com seu entorno, o observador emite ondas quânticas carregadas com suas CRENÇAS PESSOAIS, ondas que transcendem o espaço-tempo e, justo por isto, permeiam todo o Multiverso instantaneamente.  Estas crenças pessoais de cada observador serão então forçosamente transformadas em um cenário "real" por um Multiverso de Consciência Reativa cuja função é manifestar exatamente a criação individual de cada observador, espelhando fielmente suas convicções mais profundas, exibindo assim um cenário que é sempre autocriado (seja ele físico ou não-físico).  É exatamente desta maneira que este Jogo foi criado para ser!  Quanto à criação coletiva, ela é apenas o fruto das crenças compartilhadas por grupos de Seres, os quais cocriam cenários em comum.

Entretanto, como a "realidade" criada por cada Ser não se limita a uma única dimensão, a "realidade" coletiva cocriada sempre será capaz de dar espaço para a existência de uma criação individual para cada Ser.  É, pois, o caráter multidimensional do Jogo garantindo o respeito ao Livre Arbítrio individual de cada indivíduo.

Dito isto, é certo afirmar que cada Ser cria seu mundo e É um mundo à parte!

Tudo se origina de você e a você retorna!  O Multiverso está dentro de você!

As primeiras revelações da Física Quântica teórica deixaram Albert Einstein tão intrigado que uma vez ele fez um curioso questionamento a um amigo em Princeton, durante uma caminhada. Uma pergunta que acabou ficando muito famosa, a saber:

Você realmente acredita que a lua não está lá quando você não está olhando para ela?

Ou seja, ele estava intrigado com a ideia de que o cenário só existe quando observado. E tudo aquilo lhe parecia muito difícil de aceitar, pois entrava em conflito com suas convicções e teorias.

Bem, Einstein passou a vida tentando encontrar um método que unificasse a Física Quântica (que trata das coisas microscópicas) com a Teoria da Relatividade (que trata das coisas macro, grandes), mas não teve sucesso.

O fato é que nem Einstein e nem os demais cientistas se deram conta, até os dias de hoje, que a única diferença na criação dos cenários dos níveis macro (das coisas grandes) e micro (subatômico) é a variável TEMPO.

A presença da variável TEMPO faz com que a pessoa não perceba a relação direta entre causa e efeito (entre a crença criadora e o cenário por ela manifestado), justo por estes componentes estarem distanciados um do outro dentro da linha temporal. Assim sendo, saiba que o observador também afeta o cenário macro…. só que agora já não de forma instantânea como acontece no caso das partículas subatômicas.

Digamos que no nível macro leva um certo “tempinho” para que o cenário seja afetado (minutos, meses, anos, décadas, vidas), justamente para que o jogo da vida possa acontecer da maneira como foi projetado, ou seja, a partir do foco continuado que você — através do uso da sua mente consciente — escolhe dar às coisas.

Porém, atualmente já existe uma quantidade considerável de Físicos teóricos que também acreditam que a Consciência é, pois, uma parte inata da criação. Através de experimentos cada vez mais sofisticados, a Física Quântica tem se tornado cada vez mais sólida e inquestionável, mesmo ainda não existindo um método que a unifique com a Teoria da Relatividade.

Pois é, amigo…. Não são os planetas que lhe afetam, é você quem os afeta!

Continue mantendo a sua mente aberta, tenha muita curiosidade e uma tonelada de paciência, pois assim quem sabe você talvez consiga — com a ajuda desta leitura — atravessar mais rapidamente algumas importantes portas da sua jornada evolutiva.

Vamos adiante….

Saiba que foi dado a você o direito de se experienciar como Criador e simultaneamente como Criatura.

Você (enquanto mera possibilidade dentro do seu Eu Verdadeiro) quis isto, nada lhe foi imposto!

Para tal, seu Eu Verdadeiro precisou criar um Eu Temporário — aquela parte do seu Ser (aparentemente limitada) que você enxerga diariamente refletida no espelho e com a qual se identifica (apesar de você ser muito mais que isto) — , um personagem que estivesse propositalmente esquecido de sua grandeza e origem cósmica, para que o Faz de Conta da vida pudesse começar.

Para viabilizar tudo isto, seu Eu Verdadeiro precisou criar primeiro uma super ferramenta da Consciência chamada Mente, e depois um corpo físico que se liga a uma porção desta mente que já existia previamente — considerando a existência do Tempo como o conhecemos aqui — e que seguirá existindo mesmo após a morte de cada corpo em cada existência, permitindo assim a formação de uma mente específica para cada vida (a qual fará parte de uma Mente Maior deste mesmo Ser, vindo a englobar as mentes de todas as suas existências, incluindo as paralelas).

Pois é justamente esta mente que dá abertura para a existência de um personagem em evolução que assume diferentes formas ao longo da grande JORNADA DO EU TEMPORÁRIO. A mente, portanto, transcende o corpo, ou seja, não depende de um corpo — mas fica completamente entrelaçada a ele quando você está se expressando fisicamente, permeando cada célula do corpo (e não só o cérebro), mas também estendendo-se muito além dele.

O corpo é a mente que se vê, a mente é o corpo que não se vê”.

Ao se expressar através de uma mente e, por conseguinte, ter a oportunidade de então adotar a perspectiva de um Eu Temporário (temporariamente esquecido de si, de forma intencional), você aceitou as premissas de um jogo dentro do qual a mente de cada Ser sempre será obrigada a criar uma “realidade” — um cenário , seja ele físico ou não-físico — que é baseado tão somente nas crenças que o Ser (o piloto da mente) adotou e inseriu nela. Assim sendo, tal ferramenta da Consciência (a mente) irá fazer com que você sempre atraia exatamente as experiências nas quais crê, mesmo que não as queira, chegando inclusive a materializar o cenário autocriado toda vez que você estiver encarnado.

Porém, em tal jogo, cabe a você guiar sua mente, esta maravilhosa ferramenta da Consciência que permitiu a existência do jogo onde você (através do esquecimento da sua origem verdadeira) finge não ser a própria Consciência Maior — e acredita nisto, senão nem haveria o jogo. Cabe a você ampliar o alcance da sua mente e expandi-la através de suas incontáveis existências, até que um dia (em alguma existência) você possa — via mente — resgatar seu acesso a uma Consciência Plena e finalmente emergir da brincadeira. Sim, o objetivo não é eliminar a mente, mas torná-la permeável ao que vem da sua Essência, descartando e trocando crenças de forma consciente até que a mente se expanda tanto que um dia consiga abarcar a própria Consciência Maior, quando então ela já estará completamente permeável e você iluminado.

Compreenda que o objetivo da experiência humana é, portanto, o de permitir que cada pessoa CRIE a sua “realidade” através do foco dado com sua MENTE CONSCIENTE. E apesar do fato de você também ser influenciado por tudo aquilo que você mesmo empurrou para o inconsciente em algum momento de sua longa jornada de incontáveis existências, ainda assim são as crenças conscientemente adotadas que, por regra do jogo, serão manifestadas na sua realidade aparente — por mais que tais crenças acabem se tornando aparentemente invisíveis a você, por esquecer-se que elas não representam a verdadeira realidade em si, mas apenas ideias sobre a realidade que acabam sendo manifestadas num cenário.

E tudo isto só para que cada Ser possa experimentar-se de uma forma incomum, tendo a oportunidade de auferir uma perspectiva diferente sobre si mesmo, sobre a Vida em si, bem como sobre a Consciência Maior (ou Deus, ou Amor…. chame como quiser). Até que um dia este Ser comece a se dar conta de que ele é o único Criador de sua aventura — no sentido de que tudo que lhe sucede é fruto de sua própria criação, e portanto de total responsabilidade dele…. e de mais ninguém.

Entretanto, é aqui que os desafios se tornam ainda mais profundos dentro da brincadeira.

Compreenda que você sempre interpretará todos os estímulos que lhe chegam através do seu FILTRO DE VALORES PESSOAIS, através do seu conjunto de crenças — apenas porque este jogo foi concebido para ser exatamente assim, a fim de que se garanta o Livre Arbítrio do Ser dentro do Jogo. Pois é exatamente aí que aparece um dos maiores desafios deste Jogo de Livre Arbítrio, dado que quando os estímulos externos e internos obrigatoriamente passam por seu filtro de valores, aparece uma abertura para muitas interpretações desalinhadas, devido à presença de crenças limitantes em sua mente, crenças que estão distorcidas em relação à Verdade e que foram conscientemente adotadas (Livre Arbítrio individual) em algum momento de alguma vida da sua longa jornada!

Veja bem…. Tais estímulos captados variam desde uma mera informação corriqueira do dia a dia, um sonho ou até um sentimento genuíno elevado, uma intuição oriunda do Eu Verdadeiro, uma premonição, telepatia, clarividência, etc. Porém, independente de a fonte do estímulo ser elevada ou não, tais informações sempre estarão sujeitas a serem distorcidas pela passagem através do conjunto de valores da sua mente, quando então você (o piloto da mente) irá validar ou rejeitar as informações por trás dos estímulos recebidos de acordo com suas convicções pessoais acerca da sua realidade.

Sucede que o universo — dotado de uma Consciência Reativa — responde ao observador, reage a ele. Na física quântica teórica, tal fenômeno é cientificamente chamado de Efeito do Observador, onde constata-se que a mera observação pode alterar o estado de uma partícula ou o resultado de uma medição (mais sobre isto em seguida). E com todo o poder criador por trás da Consciência do observador, aquelas crenças distorcidas que habitam a mente dele sempre tenderão a afetar as decisões dele caso ele não abra espaço mental para confiar na própria intuição — a qual provém do Eu Verdadeiro.

O fato é que nosso conjunto de crenças está repleto de falsas verdades que nos deixam suscetíveis a atribuir interpretações completamente errôneas para os estímulos que nos chegam, perpetuando assim crenças inadequadas que continuarão a criar realidades indesejadas. Daí a importância de vivermos continuamente repensando nossas crenças e questionando a natureza das nossas “realidades” pessoal e coletiva.

Compreenda que a consciência observadora (você) afeta aquilo que é observado! Ou seja, o universo reage a você, justamente porque você cria sua “realidade”!

Porém, saiba que o universo responderá de forma diferente para cada pessoa, sempre refletindo o conjunto de crenças dela, apesar da cocriação coletiva.

A COCRIAÇÃO    A REALIDADE COLETIVA 

No nível cotidiano da vida, existem acontecimentos que interpretamos como  "fatos" da vida e que constituem, assim, o que chamamos de nossa "realidade" coletiva. São coisas que consideramos que continuarão sempre sendo "verdadeiras", independente de quem as observa — ou mesmo que ninguém as observe.  

A Verdade?

Nossa aventura não funciona bem assim. E a própria ciência humana já está começando a se dar conta disto, apesar do ceticismo e relutância de muitos cientistas, alegando que correntes filosóficas tentam atribuir outros significados ao pouco que os cientistas já descobriram.

No nível quântico (das coisas minúsculas) já está muito claro, para a maioria dos cientistas, que não há "fatos objetivos", e que a "realidade" depende de indivíduo que a observa. Ou seja, os "fatos" não são universais no nível quântico. Isto quer dizer que um mesmo fato não é visto da mesma maneira por observadores distintos.

A teoria quântica demonstra que diferentes observadores podem ter acesso a distintas versões do mesmo "fato", com todas estas versões coexistindo simultaneamente. Em outras palavras, a física quântica já está demonstrando, principalmente em teoria, que a "realidade" observada por um indivíduo pode não ser a mesma que aquela observada por outro.

Sucede que no nível macro, das coisas grandes, tais comportamentos quânticos também estão atuando, mas as pessoas não se dão conta disto devido ao FILTRO DE VALORES que empregam para avaliar sua experiência. Elas (incluindo cientistas) ainda não se abriram para a Verdade sobre a multidimensionalidade da nossa experiência (dado que não vivemos só em uma dimensão), assim como ainda não compreenderam a maneira como afetam o cenário individual devido à presença da variável TEMPO no nível macro da aventura, fazendo com que a correlação entre causa e efeito passe despercebida!

Enfim, a criação coletiva (onde todos observam o mesmo fenômeno) é apenas o fruto da adoção de um mesmo conjunto de crenças coletivas por parte de todo um grupo, incluindo cientistas e leigos.  Ou seja, todos que observam o mesmo acontecimento possuem crenças em comum e estão simultânea e individualmente criando o mesmo resultado coletivo, por mais que algum indivíduo deste grupo já esteja tentando se convencer de algo diferente da maioria (sinal de que apesar das crenças contrárias deste indivíduo, suas novas convicções ainda não foram suficientemente fortes para se sobrepor às crenças coletivas que ele também adota)!   

Se, ali no meio, um destes indivíduos conseguir transpor a forte crença coletiva, ele poderá detectar algo diferente, independente do que tenha que se passar para que isto suceda (nem que este indivíduo tenha que migrar entre realidades — algo muito mais comum do que as pessoas imaginam).

Infelizmente, poucos são os cientistas que já começaram a acreditar um pouquinho mais naquilo que a sua própria física teórica já demonstra. A maioria deles ainda está extremamente cética quanto à multidimensionalidade da nossa aventura e quanto ao nosso poder em moldar o cenário macro que nos rodeia.

Perceba, portanto, que o sentido que você escolhe atribuir ao retorno dado pelo universo está sujeito às suas crenças, ao seu conjunto de valores. E é justamente por isto que cada pessoa sempre poderá reagir de maneira diferente a um mesmo estímulo que lhe chega, pois cada um está num estágio diferente do seu processo de expansão mental e abertura para a Consciência Maior.

Quanto à mente, ahhh…. ela é apenas uma magnífica ferramenta que transforma em cenários — físicos, caso esteja encarnado — as crenças que você escolhe inserir e manter nela. Esta é a missão da Máquina Materializadora de Crenças (a mente). A mente não é o vilão tão demonizado por tantas correntes filosóficas, as quais chegam ao ponto de quererem eliminá-la das suas vidas sob a alegação de que ela é a raiz de todos os problemas. Tais indivíduos só pensam assim porque se esqueceram que foram eles mesmos que programaram suas próprias mentes.

Você é o criador da aventura, não sua mente! Ela só obedece!

Agora…. saiba que as emoções por trás da interpretação pessoal de cada um são potentes combustíveis de criação! Emoções podem conter toneladas de energia criativa, e principalmente energia transformadora de crenças. Só que, repito, as emoções (bem como todos os sentimentos) também estão sujeitas a distorções de interpretação oriundas do uso do seu filtro de valores, das suas crenças. Por mais cruas e inconscientes que as emoções sejam, elas — bem como qualquer estímulo exterior ou interior que lhe chega — são obrigadas a se sujeitar às crenças pessoais de cada um, senão o Livre Arbítrio criativo do Ser não estaria sendo garantido.

Compreenda que você pode inclusive captar um sentimento elevadíssimo que provém direto da Alma, mas tal sugestão intuitiva também estará sujeita a interpretações errôneas da sua parte, interpretações contaminadas pelo conjunto de valores que você inseriu e manteve na própria mente. Só quando você abdica do racionalismo e se entrega completamente aos sentimentos elevados do coração que você conseguirá descartar crenças limitantes e adotar outras mais adequadas a seu novo momento. Caso contrário, você permanecerá completamente influenciado pelas suas crenças distorcidas, o que provavelmente lhe levará a gerar energias criadoras em completo desalinhamento com aquilo que mais quer, independente da nobreza do estímulo previamente recebido.

Perceba, portanto, que um mesmo estímulo (normal, cotidiano ou até intuitivo) despertará emoções, sentimentos e interpretações diferentes em cada pessoa, dada sua experiência pregressa e dado o conteúdo que ela inseriu e manteve na mente.

Comece a se dar conta de que cabe a você guiar a própria mente.

A cada vez que cai e se levanta, a cada nova experiência, a cada nova intuição, caberá a você alterar o conteúdo distorcido da mente (o qual foi você quem gravou, mesmo que em outra existência sua). Depois de incontáveis desventuras, amores, alegrias, derrotas e muito sofrimento, chegará uma vida em que a couraça de um ego relutante irá abrir uma fresta para a Luz da Verdade, quando então você começará a se dar conta de que, ao trocar de crenças, o cenário materializado pela sua mente também mudará. Ou seja, ao alterar crenças, você passa a enxergar a vida de outra forma, passa a atribuir diferentes interpretações ao que lhe chega, diferentes emoções, pensamentos e sentimentos…. e, por conseguinte, o cenário que lhe rodeia também mudará, pois tudo e todos refletirão esta nova versão sua.

Complicou?

Calma, uma esfera mais elevada do seu Ser está sempre lhe ajudando, e ela se comunica via coração, intuição.

Você a escuta?

E, quando escuta, você segue tais amorosas sugestões do Eu Verdadeiro?

Bem, fique tranquilo, tudo isto será explicado novamente através de outras palavras e, sinceramente, de forma até redundante, num ciclo de repetições que, me desculpe, é até necessário para que você possa ter a oportunidade de questionar seus próprios valores, de repensar suas falsas verdades.

Aliás, eu sinto muito, mas só posso lhe ajudar de verdade se eu questionar seus valores, se tirar seu falso chão. Não será uma tarefa fácil — para você!

Tenha paciência consigo mesmo! E persistência! Mas desde que isto seja a sua vontade. Porque você é sempre livre, nunca sendo obrigado a nada! Respeite-se, viu?

Entretanto, sou obrigado a lhe informar que qualquer colocação desta obra que lhe soe como ameaça (ou fonte de receio) será, na verdade, uma reação que sequer é sua (o piloto da aventura), mas de um Eu Temporário ainda desorientado e com o qual você ainda se identifica totalmente. Sucede que apesar de uma possível influência de seu ego ainda inseguro, eu ainda lhe sugiro que não se force a nada, e que somente dê passos nas direções sugeridas por esta obra quando seu coração lhe convencer a fazer isto, lhe convencer a vencer quaisquer resistências egoicas e contrárias. Até porque todos os caminhos levarão ao mesmo destino, com alguns deles apenas levando um “tempinho” a mais — e claro, alguns caminhos são um pouco (ou muito) mais sofridos!

Ainda assim você é livre, independente de “certos e errados”! E terá infinitas chances!

Liberdade, seu maior patrimônio!

E quer saber? Protele o quanto quiser!

Agora….

É inevitável que a busca pelas Verdades Maiores da Vida um dia (em alguma existência sua) venha a tornar-se a sua maior prioridade! Porque, neste sentido, você já nasce com esta bússola interna embutida, já nasce com um forte sentimento de querer descobrir sua própria Verdade! E é esta bússola que garantirá o seu retorno para “casa”, é ela que vive lhe dizendo — lá no fundo da mente — que você é muito mais do que lhe sugerem as aparências deste Jogo!

Voltando ao nosso tema….

Agora que você já está se convencendo de que o cenário de sua vida é um reflexo do conteúdo que você inseriu na sua mente, o próximo passo é assumir o fardo de responsabilizar-se por tudo que lhe chega. Isto é DESPERTAR! É aceitar ver-se como o Criador de tudo aquilo que experiencia como Criatura. É saber que o universo sempre lhe reflete, sendo inútil culpar os outros pelo que lhe sucede. Porque independente do que outra pessoa tenha feito a você, foi sempre você quem criou qualquer cenário pelo qual passou, mesmo que o tenha feito com a coparticipação de alguma versão de outra pessoa, a qual criou a própria experiência dela também, ao mesmo tempo em que magicamente refletiu suas crenças e lhe trouxe as experiências que você precisava, mesmo não querendo! Lembre-se, sua “realidade” (e a do outro) é multidimensional.

Você quer mudar a sua experiência? Então repense seus valores.

E quer saber qual é o melhor momento?

Aqui e agora !!!!

Ou daqui há 1 ano, 1 década, 100 vidas. É você quem decide! E por favor, fique tranquilo, porque quando chegar o momento de você realmente mudar, esta decisão emergirá das suas entranhas, e será impossível de frear este processo de transformação. E daí em diante, tudo irá conspirar para lhe ajudar, para lhe trazer a experiência certa no momento ideal, para lhe fazer ter epifanias e tomar decisões mais elevadas. Você não está aí abandonado, comece a prestar mais atenção nos sinais que sempre lhe são enviados.

E vamos adiante com mais revelações….

Saiba, agora, que você pilota a sua aventura (e todo o cenário que cria) através da parte consciente da mente, ou seja, da parte desperta para o dia a dia. Ela lhe permite exercer o Livre Arbítrio e tomar decisões dentro da sua jornada. Compreenda que através das convicções que você (o piloto) adota usando a mente consciente, você influencia inclusive a atividade inconsciente e tem a seu comando todos os poderes do Eu Verdadeiro, inclusive para criar o caos em sua vida. Estes poderes são ativados de acordo com as suas crenças sobre a realidade, criando cenários confusos quando tais crenças estiverem desalinhadas para com a Verdade Máxima, dado que haverá a uma falta de harmonia entre os elementos de criação que você emprega para se “comunicar” com o universo.

Em outras palavras, suas convicções conscientes desencadeiam todos os mecanismos inconscientes que fazem com que seu cenário se torne “real” (e inclusive seja materializado, caso você esteja se expressando na fisicalidade).

Somos deuses que resolveram se expressar através de criaturas inicialmente esquecidas de sua origem. E nos brindamos a habilidade de materializar nossa experiência à medida que nossos pensamentos, palavras e ações são manifestados. E assim nossa mente sempre materializará as crenças mais profundas que inserimos nela, as nossas convicções acerca de nós mesmos, dos outros e da vida.

Saiba, entretanto, que no fundo todas as crenças são conscientes, mesmo aquelas que lhe parecem invisíveis agora. Isto porque todas elas foram adotadas de forma intencional em algum momento de suas incontáveis existências (e trazido até esta nossa vida atual, pois há continuidade evolutiva do Eu Temporário). Quando crenças se tornam invisíveis para você, é só porque você interpreta o cenário como sendo uma série de fatos de uma realidade inevitável, esquecendo-se da verdade por trás disto, ou seja, esquecendo-se de que tudo que lhe chega é uma criação que você mesmo realizou, um cenário tornado “real” por todas a crenças que você adotou ao longo da jornada (um cenário materializado por sua mente na forma de realidade aparente dentro do Jogo da Vida).

CRENÇAS (NORMAIS E "INVISÍVEIS") 

Compreenda que suas crenças sobre a sua realidade não refletem necessariamente a realidade Absoluta do seu Ser.  Enquanto imerso na Relatividade, suas crenças acerca de si e da vida não passam de ideias (alinhadas ou desalinhadas com a Verdade Máxima) que serão transformadas em uma Realidade Aparente, um cenário fictício dentro de um Jogo no qual você alegremente resolveu mergulhar com propósitos muito especiais.  Compreenda que uma vez imerso numa aventura Relativa com um determinado cenário que você escolheu prévia e meticulosamente, as crenças que você vier a adotar dali em diante sempre afetarão o seu cenário individual, pois ele passa a ser autocriado. 

Em outras palavras, aquilo que você considera ser a sua vida (como a conhece aqui) não passa de uma ilusão mental autocriada, um Jogo Divino e Grandioso onde tudo e todos irão sempre lhe refletir para que você tenha as experiências que precisa no sentido de despertar para a sua Verdade Maior — a qual transcende as ilusões do Jogo.  Você escolheu esquecer-se de sua Origem Cósmica para dar início a um Jogo cujo propósito é o de permitir que você se conheça como sendo o próprio DEUS a partir da aparente condição de NÃO-DEUS, com epifanias só possíveis através de tal aventura Relativa.

Ressalto que esta questão do cenário autocriado vale tanto para a Relatividade física (material) quanto para a não-física, pois você nem sempre estará se expressando num corpo físico (seja por estar desencarnado ou por estar momentaneamente no estado onírico, viajando em corpo astral). Entenda que mesmo quando está fora da fisicalidade, você continua a criar outros cenários que também refletirão as crenças que carrega consigo.  Ou seja, a aventura continua por incontáveis existências e inclusive no período entrevidas, até que um dia você desperte! De qualquer forma, quando estiver se expressando em tal estado não-físico, você terá mais elasticidade e liberdade criativa, pois não estará mais sujeito a molduras tão rígidas quanto as da experiência física aqui deste mundo. Entretanto, as pendências não resolvidas em uma vida física terão que ser encaradas e solucionadas de alguma maneira, e por isto você escolherá (ou até precisará) "retornar" — considerando a perspectiva humana do tempo — para a fisicalidade a fim de resolvê-las da maneira apropriada (apesar de que sempre existem outros caminhos alternativos, mesmo que muito mais "demorados"). 
(NOTA: Vide Adendo "O CARMA" para obter mais profundidade sobre isto).

Você se esqueceu que é o Criador de sua aventura, esqueceu que as fortes convicções que alimenta tornam-se cenários que experimenta na prática.  Esqueceu-se que todos os poderes do seu Eu Verdadeiro são ativados como consequência das Crenças que você alimenta na mente do Eu Temporário (que também é você).  
Você esqueceu-se da responsabilidade que deveria assumir por cada pensamento consciente seu, esqueceu-se do poder criativo que está por trás de tudo aquilo no qual coloca seu foco consciente.   Compreenda que dentro do cenário no qual mergulhou, você se deixou induzir por falsas ideias, como a crença no poder aterrorizante por trás do condicionamento inconsciente, esquecendo-se que é você mesmo quem cria tais condicionamentos (e consequentes reflexos automáticos distorcidos) através das crenças que alimenta — as quais são sempre conscientes, mesmo quando aparentemente invisíveis.
E enquanto você mantiver tal crença, você a experimentará na prática como uma realidade muito contundente, pois você é o Criador da aventura.

Grande parte das crenças humanas lhe parecem invisíveis apenas porque são consideradas, por você, como sendo  fatos incontestáveis da vida, sem que você perceba que crenças sobre a vida não são fatos, não são necessariamente realidades Absolutas, mas sim convicções transformadas em cenários (daí o nome "Realidade Aparente") dentro de um jogo cuja autoria é sempre sua. Sim, um dia você enfim compreenderá que sempre foi o Criador da própria aventura, bem como a Criatura temporária ao mesmo tempo, oscilando entre as perspectivas de um e de outro conforme expande a mente e se abre para as elevadas mensagens intuitivas do seu Eu Verdadeiro. Ao entrar num Jogo onde você precisa primeiro se esquecer da própria origem e grandeza, sua intenção era a de experimentar-se de outra maneira e dar-se conta de Quem É a partir de um ponto de vista diferente e aparentemente inferior.  

Sim, todo o seu cenário de vida é fruto daquilo no qual você crê, independente de tais crenças estarem alinhadas ou não com a Verdade Máxima.  E ainda que você esteja imerso dentro de um cenário cocriado com outros, você irá experimentar sua realidade de uma forma exclusiva e sempre autocriada, pois toda a sua experiência é Multidimensional — bem como a dos outros também —, o que permite que tudo e todos sempre lhe reflitam, fazendo com que nada seja coincidência na sua vida!  

Sim, cada pessoa cria seu mundo e também É um mundo à parte!

Crenças também irão lhe parecer invisíveis toda vez que você escolher conscientemente ignorá-las num momento para aceitá-las só em outro instante que lhe convém (mesmo estando a par delas). E saiba que você só esconde de si mesmo aquelas crenças que representam áreas de conflito e stress que prefere evitar.

Porém, eu lhe afirmo categoricamente que nenhuma crença é verdadeiramente invisível ou está enterrada num canto inacessível da mente. Todas elas são conscientes, simplesmente porque todas as suas crenças foram primeiramente validadas de forma intencional por você mesmo (o piloto da mente), ou seja, foram gravadas por você usando a parte consciente da mente através da qual você pilota sua aventura.  Saiba que todas as suas crenças sempre estarão prontamente disponíveis assim que você ampliar sua perspectiva sobre a Vida e estiver determinado a examinar seus valores e suas convicções conscientemente adotados. 

Que fique bem claro, então, que todas as suas crenças são sempre conscientemente adotadas em algum momento de alguma vida de sua longa jornada de volta à Fonte. Assim sendo, até mesmo as informações mais distorcidas gravadas no seu inconsciente foram validadas de forma intencional por você mesmo, usando o volante com o qual guia a sua aventura: a mente consciente.  E assim, todas as suas reações automáticas inconscientes também estão sempre sujeitas ao seu conjunto de crenças.

Enfim, compreenda que todas as crenças que você nutre acerca de si e da vida sempre poderão ser encontradas e reavaliadas através da análise do conteúdo da própria Mente Consciente (a qual você usou para adotar suas convicções). 

É por isto que a chave da sua evolução reside na análise do conteúdo da sua Mente Consciente.  Ao reavaliar suas crenças e confrontá-las com as Verdades Maiores da Vida — sempre escutando a intuição oriunda do Eu Verdadeiro —, você expande a mente e eleva o Eu Temporário em direção à Essência da qual se origina!

Vela ressaltar que muitas crenças lhe são úteis por alguns períodos da vida, mas precisam ser descartadas mais adiante. Por exemplo, quando criança, você está à mercê dos cuidados de adultos, e é importante que aceite algumas ideias que lhe protegerão momentaneamente. Mas à medida que cresce, muitas convicções já lhe parecerão descartáveis, o que é muito natural. Entretanto, o problema começa quando muitas crenças distorcidas são assumidas como verdades pelo resto de sua vida, o que só lhe prejudicará!

Portanto, cuidado com frases prontas ou ditados de antigos ou “sábios”, pois a maioria delas não necessariamente refletem a Verdade, sendo catastróficas caso não reavaliadas constantemente ao longo da vida. Frases simples e aparentemente inofensivas tornam-se verdadeiras sentenças ou profecias autorrealizáveis, dado que crenças sempre são transformadas em cenários dentro do nosso Jogo da Vida.

Quanto à parte inconsciente da mente, ela detém grande parte do potencial mental e também é uma janela para o espírito e para a intuição, mas ainda assim ela acaba (por força do próprio Livre Arbítrio) tendo que respeitar as decisões que VOCÊ TOMOU com a sua Mente Consciente.

Claro que as decisões que você toma com esta parte consciente da mente também acabam sendo afetadas pelo que você antigamente tornou inconsciente de forma intencional (reprimiu, empurrou para o fundo da mente), formando um ciclo interativo entre as duas que só pode ser rompido quando a intuição (os sentimentos genuínos da alma, do coração) se insinua e lhe ajuda a rever suas crenças em meio a aventuras, desventuras e epifanias. Pena que as pessoas normalmente só se abram para seus sentimentos mais elevados depois de muito sofrimento. Pena que, com frequência, não ouçam o coração. Não o verdadeiro, normalmente só ouvem um engodo alimentado pelo ego e disfarçado de coração.

QUEM É O EGO ?

1) O EGO DO PONTO DE VISTA HUMANO: "O ego é o ser humaninho inconsciente da sua grandeza original, que se 'descolou' do Eu Superior e não sabe que não há diferença entre ambos, sobrevivendo na subvida criada pela ilusão da separação e por outras crenças mentirosas que foram impingidas à humanidade durante milênios!"  (trecho do livro MANUAL DO HOMEM APAIXONADO - Livro 1, por Jorge Zahell).

2) O EGO DE UM PONTO DE VISTA MAIOR: "Ego", do Latim, um "Eu", um personagem, aquela parte limitada sua que você enxerga no espelho diariamente – apesar de você ser muito mais que isto – e com a qual você foi induzido a se identificar para poder dar início à brincadeira.  O ego é, pois, um Eu Temporário em constante evolução.  É aquela porção do seu Ser que (enquanto mera possibilidade dentro do seu Eu Verdadeiro) quis mergulhar numa aventura fantástica, num Faz de Conta onde não se lembraria da própria origem e estaria sujeito, inicialmente, a guiar-se pelos valores distorcidos que viria a assumir ao se deparar com um novo e incomum cenário, passando então a criar experiências igualmente distorcidas enquanto aprende com o que cria, reinventando-se a cada nova existência através das decisões que toma com a sua Mente Consciente. Ou seja, trata-se de um personagem em espiritualização que irá resgatar sua conexão com a Consciência Maior ao longo de incontáveis existências e sob diferentes "roupagens".  Enfim, como o ego só pode existir graças à poderosa ferramenta da mente, então podemos afirmar que ele é uma construção psíquica lastreada num conjunto de ideias que dá vida a um personagem esquecido de sua Verdade. 

3) MEGAREVELAÇÃO: saiba que você não evoluirá consciencialmente tentando eliminar seu lado criatura (seu ego), não evoluirá tentando descartar parte de si mesmo, mas apenas conciliando tudo e tornando o Eu Temporário permeável ao que vem do Eu Verdadeiro.  O desafio do jogo é resgatar sua divindade ATRAVÉS desta sua parte Criatura, através de uma Mente Consciente dotada de Livre Arbítrio, fazendo este Eu Temporário perceber Quem Ele É junto com você: a própria Consciência Maior. Ou seja, o ego não precisa ser superado, combatido, vencido ou sequer transcendido, mas apenas guiado por você e tornado permeável ao seu Eu Verdadeiro à medida em que ele (o ego, o Eu Temporário) dá espaço para que a Consciência Maior se manifeste nele, sob sua orientação. 

O ego (o Eu Temporário) está em constante transformação à medida que você (o piloto) altera os valores da própria mente, expandindo-a e tornando o personagem temporário permeável ao que vem do Eu Verdadeiro.  O ego é uma construção psíquica, um personagem temporário esquecido da origem que é criado graças à ferramenta da Mente, que funciona como um filtro, pois ela inicia a aventura obnubilada (esquecida da origem), tendo que ser constantemente expandida pelo seu piloto (você), fazendo com que a sua parte Criatura (o próprio Eu Temporário) vá se espiritualizando em direção à sua Verdade!

A grande verdade é que, bem lá no fundo, você é MUITO mais que um mero corpo, uma mente ou um personagem temporário. Você é o Criador que também resolveu se experimentar e se observar como Criatura, simultaneamente.  Por isto, dentro deste jogo, caberá a você expandir constantemente este Eu Temporário, vida após vida. O Eu Temporário também é você (uma parte sua) e precisa de uma mente consciente com Livre Arbítrio para poder existir dentro deste jogo, vivendo numa constante ascensão que nem sempre acontece de forma linear.  A propósito, quando o corpo físico morre, todo o processo de evolução continua adiante através da mente em expansão, pois você está sempre criando e buscando novas experiências e epifanias enquanto descobre Quem É de verdade! 
Quando iluminado, seu Eu Temporário estará em total sintonia com você, será você, sem filtros desalinhados como acontece hoje.... e ele (que já refletirá totalmente você) estará também em unicidade com seu Eu Verdadeiro, mas ainda assim manterá a própria individualidade, jamais deixando de ser um Ser à parte, único e eterno.

Infelizmente a humanidade se distanciou tanto da sua Essência que acabou abrindo espaço para que seu próprio ego (individual e coletivo) ficasse extremamente teimoso, medroso, negativo e obscuro. E assim grande parte dos humanos permitiu-se ficar refém de convicções nada edificantes que só fortalecem um ego que vive buscando minimizar perdas e maximizar ganhos, sempre na tentativa de proteger-se de coisas que considera perigoso.  Mas só porque nós, os pilotos da aventura, permitimos!  Cabe a cada Ser guiar sua mente e ensinar seu Eu Temporário a livrar-se da simples IDEIA do medo!   Porque no fundo, bem lá no fundo, nunca há o que se temer de verdade (a não ser dentro das aparências de um Faz de Conta).

Por responsabilidade dos próprios habitantes deste planeta, o ego humano criou tentáculos de obscurantismo que vão além do plano físico, atingindo os primeiros níveis de astral.  Entretanto, o ego não é nenhuma entidade maligna separada de nós, mas sim uma criação nossa. E é justamente por isto que ele jamais precisa ser combatido, superado, eliminado ou sequer transcendido, apenas elevado (expandido)!  

O fato é que o ego distorcido da humanidade se alimenta do poder que reside por trás dos próprios humanos, os Criadores desta aventura. Enquanto a pessoa não questionar suas crenças e não buscar realinhá-las com a Verdade Máxima, seu ego viverá combatendo tudo aquilo que teme – onde o AMOR tem papel de destaque no rol dos "inimigos" de um ego cheio de obscurantismos por ainda estar desprovido de perspectiva elevada (por responsabilidade sua).   Sim, o  Amor é enxergado pelo ego coletivo humano (e de mais alguns mundos desalinhados) como sendo literalmente o seu inimigo número 1, em especial o amor romântico, o mais avassalador de todos.  Saiba que viver o amor romântico em ALTO NÍVEL  (com total desapego e de forma incondicional) não é uma tarefa tão simples quanto parece, e é justo por isto que tal Amor Romântico Incondicional é o último desafio de qualquer Ser (em qualquer mundo) antes da iluminação plena. 

Bem.... num mundo com uma egrégora tão pesada quanto o nosso e onde os habitantes têm dificuldade de acessar a Consciência Maior, não é de se admirar que o ser humano tenha tanto medo daquilo que mais quer – AMAR E SER AMADO.  E é exatamente graças às crenças distorcidas da mente que o ego humano acaba tendo tantas reservas quando o assunto é a entrega ao amor romântico. Sim.... Saiba que sempre que você buscar garantias prévias para só então se entregar no amor, você estará refém de medos.

Felizmente todos nós, vez por outra, escutamos nossa intuição oriunda do Eu Verdadeiro, nosso coração genuíno (isento de ego), nossos sentimentos mais nobres e elevados.... o que abre espaço para que tomemos decisões mais ousadas, mais elevadas e alinhadas com nossa Verdade eterna – como, por exemplo, fazer "loucuras" por amor, algo que sempre encanta a Alma, apesar de apavorar aqueles egos cuja abertura consciencial ainda não foi expandida por seus pilotos.

Tenha mais coragem nas suas escolhas!
Atire-se de cabeça!
Arrisque-se.... ainda mais caso o assunto seja O Amor (qualquer tipo de amor). 
Quebre a cara!  
Ela se regenera, viu?

Lembre-se.... 
É você quem cria, recria e modela seu ego, e não o inverso!  Seu Eu Temporário precisa que você expanda sua mente para que a percepção dele também se amplie.
Acorde!  
Assuma as rédeas e repense todas as suas Crenças!

(NOTA: Mais detalhes sobre todos os tipos de Amor no livro MANUAL DO HOMEM APAIXONADO).

Saiba que o conteúdo da nossa mente é constantemente reavaliado por nós mesmos, seja de forma consciente ou arrastado pelas experiências que criamos sem nos darmos conta da própria autoria. Só que esta constante reavaliação dos valores da mente tem que ser feita através do uso da própria mente, ou seja, a regra do jogo é a de que nós — que somos mais que uma mente, mas estamos nos expressando ATRAVÉS de uma — devemos utilizar a parte CONSCIENTE DA MENTE como volante para guiar nossa experiência, como volante para fazer nossas escolhas a partir do que já temos gravado na mente e também a partir do sentido que nós damos a tudo que captamos ao longo da aventura, mas influenciados, claro, pelo conjunto de valores que já habitam a mente, que um dia gravamos nela…. uma mente com a qual nos identificamos, pois foi ela quem permitiu que adotássemos um personagem que nós chamamos de Eu: o Eu Temporário, aquele que você assina e chama de Eu.

Sim, é uma longa experiência iterativa que dura até milhares de existências (cada uma delas vivida de uma forma multidimensional), onde vamos aprendendo com nossos erros e tropeços, naturalmente buscando, a cada experiência, um caminho cada vez mais elevado, um caminho que expressa cada vez mais nossa verdade.

E é justo por isto que nosso Eu Verdadeiro está constantemente ao nosso lado, sempre disposto a nos ajudar, sempre a um pensamento de distância (desde que tal pensamento esteja alinhado a Ele, pois não é Ele que vem até nós, mas nós que o alcançamos quando nos abrimos e ficamos permeáveis a Ele. Veja bem, o Eu Verdadeiro nos dá total Livre Arbítrio, mas ainda assim estará sempre tentando nos guiar, sempre tentando nos ajudar a prestar atenção na bússola da alma (que é tudo aquilo que vem da intuição, dos sentimentos genuínos do coração). Porém, Ele jamais nos forçará, pois não tem preferências e tampouco julga, apenas orienta com total desapego e sem pressa. Quem tem que escolher o caminho é você, jamais seu Eu Verdadeiro ou Deus. Você é o criador da aventura!

Decida! Senão a “vida” lhe atropela! Aliás, saiba que você está sempre decidindo (e portanto criando), mesmo quando não decide! E é por isto que por vezes se sente uma vítima atropelada, quando na verdade é o próprio criador do atropelamento! Sim, você é a Vida!

Voltando à tal bússola da alma, saiba que prestar atenção nela em significa não apenas escutar o coração, mas aprender a ser criterioso, aprender a questionar o que o mundo nos traz e a avaliar tudo sob a influência da luz que vem do coração. Sim, questionar tudo e confrontar as informações coletadas com o que nosso coração nos diz, a cada instante, a cada momento! Compreenda que algo que era recomendável um minuto atrás pode deixar de ser o ideal agora, e é só o seu coração (cuja Fonte é o Absoluto) que terá a capacidade captar esta mudança de rumo sugerida pela alma — mas jamais imposta. Tudo está sempre mudando, inclusive o que seu coração lhe passa.

ALMA E ESPÍRITO 

Alma só existe uma: Deus (ou Consciência Maior, ou Amor.... ou qualquer outro nome que prefira para expressar a mesma Essência da totalidade).  Espíritos são a primeira individualização da Alma — ainda no Absoluto. 

O Uno se fez diversos para se conhecer através de diferentes perspectivas.

Foram estes espíritos ou Eus Verdadeiros que, inspirados  no Criador, criaram a Relatividade com um propósito magnífico de autoconhecimento. E assim  passaram a também criar outros Seres (personagens temporários) que emergiriam dentro de um cenário de aparente inferioridade (a Relatividade).

Tais Seres Temporários (nós) também seriam o próprio Deus, pois no reino da Consciência Cósmica, a PARTE sempre contém o TODO. Só que estariam esquecidos de sua origem cósmica, e iriam aos poucos resgatando sua grandeza, até que quando finalmente se iluminassem, proporcionariam a si — e ao Eu Verdadeiro que os criou, bem como à Deus — um deslumbre e uma perspectiva completamente diferente sobre o que significa SER DEUS.  

Tais personagens (Eus Temporários) são, na verdade, Seres em espiritualização, caminhando rumo a se tornarem Eus Verdadeiros semelhantes àquele que os criou — mas sem jamais perder sua individualidade, pois apesar da unicidade que um dia atingirão, nunca mais deixarão de existir.

Cada Eu Temporário é um Ser multidimensional com incontáveis versões paralelas em cada vida, e vai evoluindo ao longo de outras incontáveis existências (vidas) sob diferentes roupagens (facetas, corpos e cenários).  Para cada versão física paralela há um Corpo Astral correspondente, os quais são independentes entre si, mas se interligam e se ajudam magicamente, pois pertencem ao mesmo Eu Temporário. Cada um deles "passeia" pelo cosmos enquanto o corpo físico dorme e quando a mente dele permite, mas ainda sujeito às crenças de uma mente que transcende o tempo (e que permite a existência de tais personagens). Ou seja, sujeito aos valores que ele próprio (o piloto da mente) inseriu nela ao longo de eras.  

Cada mente de cada versão paralela, futura ou passada compõe uma Mente Maior do mesmo Eu Temporário, como se fosse um favo de mel onde cada furinho é uma mente correspondente a uma vida ou a uma versão paralela, sendo que o favo todo é a Mente Maior do Eu Temporário. 

Quando passeia em corpo astral (naquilo que acha que é um mero sonho — nem sempre sendo), você tem mais liberdade criativa, mais elasticidade para se testar em molduras menos engessadas e em cenários que lhe interessem (por vezes sugeridos por seu próprio Eu Verdadeiro, o qual sempre lhe assessora e orienta, constituindo-se no seu verdadeiro terapeuta cósmico). E muita, muita coisa é resolvida por você no astral, mesmo que não lembre de nada depois.

Prestar atenção na bússola da alma implica, ainda, em questionar e confrontar tanto os nossos sentidos humanos — pois eles podem estar nos dando um feedback totalmente tendencioso, guiado por crenças distorcidas — quanto aquilo que vem de outros canais tidos como sobrenaturais (como telepatia, premonição, sonhos, clarividência, etc), que também podem estar sujeitos a péssimas interpretações posteriores, dado que todas estas informações auferidas forçosamente passam pelos nossos filtros relativizados de valor, pelo conjunto de crenças que um dia gravamos na mente (porque é assim que foi concebida esta experiência).

E uma vez filtradas, tais informações sempre tendem a ser interpretadas em linha com as crenças que alimentamos, o que leva a mais distorções na aventura que se cria — daí a necessidade de confrontar todas as informações captadas com o que diz nosso coração, deixando a razão quase que de lado, usando-a apenas como coadjuvante na tomada de decisões básicas do dia a dia! Saiba que a razão tende a ser a morada do ego, e ela jamais deveria ser levada em conta para qualquer decisão minimamente importante.

Razão implica em racionalismo, em automatismo, em ausência de sentimentos, ausência de CORAÇÃO! Pessoas muito racionais tendem a ser difíceis de mudar, difíceis de se abrir, e por isto…. sofrem mais!

Ao observar tudo que captamos (com nossos sentidos físicos e não físicos) e confrontar isto com os sentimentos genuínos do coração, conseguimos navegar facilmente em meio ao feedback (ao retorno) que nos é dado pelo mundo, validando ou descartando informações de acordo com o que sentimos a respeito delas, percebendo que muitas delas eram mero fruto de criações distorcidas nossas.

Para tal, há que se confiar no que vem do coração, há que se entregar sem medo…. algo que por vezes poderá parecer ASSUSTADOR para a razão daqueles que ainda não aprenderam a se entregar à doce condução sugerida pelos sentimentos genuínos — e até porque a sugestão do coração pode não se provar como sendo o melhor caminho no curto/médio prazo, o que deixa muitas pessoas inseguras e propensas a seguir a razão (sempre temerosa e tentando se proteger, sem confiar), protelando a entrega delas ao que vem desta bússola da alma, a qual capta as probabilidades muito além do tempo e do espaço.

Só o nosso coração pode nos guiar enquanto relativizados, ele é nosso Eu Verdadeiro falando conosco. E é por isto que o que vem do coração deve ser levado mais em consideração do que os ensinamentos de qualquer guru, manual ou livro de autoajuda, incluindo este.

Apenas tome cuidado para não confundir o coração genuíno com o falso coração oriundo do ego, pois este último ama se disfarçar de coração, adora se insinuar por trás da pseudocompaixão, por trás da pena, da culpa e do falso amor — enganando assim a tantos humanos apenas para tentar mantê-los refém de um jogo que o ego não compreende, senão jamais o temeria e se sabotaria. Sim…. o ego teme ser “engolido” pelo Eu Verdadeiro à medida que se transforma e se espiritualiza , teme desaparecer e se diluir quando chegar a ora da sua iluminação — algo que não é verdadeiro, pois o Eu Temporário somente se torna permeável ao Eu Verdadeiro, sem jamais deixar de existir depois que foi criado (coisa que o ego não entende, e por isto reluta tanto contra a própria evolução, sempre se autossabotando por puro medo e falta de consciência).

O EU VERDADEIRO

Trata-se da sua parte maior, aquela que lhe criou e quis experimentar esta aventura junto com VOCÊ – mesmo enquanto você ainda era uma mera possibilidade dentro deste Eu Verdadeiro. E agora você é um novo Ser em processo de espiritualização, com total liberdade criativa e individualidade eterna! Esta sua parte maior não tem preferências nem desejos, ela quer para você aquilo que você quer para si (seja o que for, mesmo que seja "errado"), ela apenas tenta lhe ajudar a expressar a melhor versão de si mesmo enquanto vive sua aventura Relativa – até um dia se iluminar. 

Ele quer que você um dia alcance aquela perspectiva máxima proporcionada pela iluminação, o que expandirá tanto a você quanto ao próprio Eu Verdadeiro para além das fronteiras originais de ambos. Aliás, neste instante a própria Consciência Maior (Deus) também se expande junto, pois ela não é um produto acabado, mas algo em constante expansão. 
E saiba que seu Eu Verdadeiro (assim como Deus) participa de tudo junto com você.... Ele sente tudo, experimenta tudo, vivencia tudo. Ele chora com você, ri com você, emociona-se com você.... vive e "morre" com você!

É importante que fique claro que é tão somente através da sua conexão intuitiva com o Eu Verdadeiro que você — simultaneamente o Criador e a Criatura, alternando entre tais perspectivas — conseguirá um dia alinhar suas crenças e fazer o Eu Temporário conseguir finalmente emergir do jogo (já refletindo totalmente a Essência Máxima do seu piloto: você).

Através das suas decisões conscientes (feitas com a mente consciente, no estado de vigília) você lapida também o conteúdo que insere e mantém na mente inconsciente, validando ou alterando tudo que pode entrar ou permanecer lá, bem como o que já não serve mais e deve ser descartado. Ou seja, é você quem torna muita coisa inconsciente, e o faz conscientemente, no calor de um momento de dor e sofrimento, onde tenta enterrar informações que teme encarar.

Você acaba formando, assim, um conjunto de valores (crenças) que está em um constante realinhamento que é feito somente por você, o Criador, e que sempre afetará seu cenário de vida como forma de lhe dar o retorno (o feedback), como forma de mostrar o resultado físico das suas escolhas conscientes (inclusive as que escondeu no inconsciente) feitas nesta ou em outras existências.

E sim, há continuidade, ou seja, você carrega consigo os desafios não superados em uma vida, levando para outras existências — considerando a existência do Tempo e da reencarnação dentro do nosso Jogo da Vida, conforme bem explicado no Adendo sobre Carmas — aquelas informações traumáticas e crenças distorcidas que você ainda precisa dissolver com a luz da verdade…. uma luz para a qual você deverá intencionalmente voltar o foco da sua mente consciente, fazendo-a interiorizar tais verdades a fim de dissolver as ilusões da brincadeira e começar a despertar.

Os resultados materializados na prática (pela sua mente) lhe dão sempre um novo feedback, onde você mais uma vez reavaliará suas crenças através do que colheu (criou) na prática, e assim AD INFINITUM, com os sentimentos genuínos (sentimentos do coração, que são sua bússola cósmica) sempre tentando lhe apontar o caminho mais elevado e menos sofrido…. até que um dia você perceba que nada é verdadeiramente inconsciente, tudo está disponível para a mente consciente se você decidir isto…. foi sempre você quem (no passado ) conscientemente escondeu de si certas informações que temia.

Neste instante, então, você já estará começando a se iluminar, dissolvendo ilusões. Você começará a acessar cada vez mais a Consciência Maior, percebendo então que o Criador sempre foi VOCÊ, passando agora a dar-se conta de sua UNICIDADE com tudo e todos de uma forma jamais vista ou compreendida antes, possibilitada tão somente pela imersão no jogo e adoção de um Eu Temporário. Em seguida você estará no nível de Deus e perceberá, enfim, que de fato você sempre foi Ele, o Criador Maior (o qual também é Ela).

A mente consciente (aquela parte desperta para as tarefas do dia a dia), portanto, não é apenas a janela de comunicação entre os mundos exterior e interior, mas também é principalmente o “volante” através do qual você guia os caminhos que elege com suas escolhas intencionais dotadas de total Livre Arbítrio.

Sim, você é muito mais que uma mente, a mente apenas lhe obedece, cabe a você guiar sua experiência, inclusive questionando o conteúdo que você esqueceu que um dia gravou na mente.

Ei…. a vida não apenas lhe acontece, você a cria!

O que torna nossa aventura mais complexa (e ironicamente mais mágica ainda) é que nossa mente está sempre materializando as crenças que nós um dia gravamos nela de forma consciente, o que abre espaço para que nos tornemos reféns de uma programação que nós mesmos fizemos (e até tornamos inconsciente, tentando nos livrar de informações incômodas com as quais não queríamos lidar por falta de perspectiva), uma programação que continua criando uma realidade indesejada. Mas cada um de nós tem que lembrar que cabe a si mesmo (e não à nossa mente) escolher intencionalmente o que quer para si, o que quer registrar como bom, ruim, perigoso, interessante, etc. na mente como um todo.

Ou seja, cabe a você despertar da ilusão, buscando pelas Verdades Maiores da vida, lembrando delas a cada instante e aceitando as doces sugestões intuitivas oriundas do Eu Verdadeiro. Assim você começa a transcender a ilusão na qual estava imerso, alterando o conteúdo da sua mente e, claro, alterando também as experiências futuras que a mente materializará (fruto das novas crenças adotadas por você e inseridas nela).

Em outras palavras, é através do foco que você dá com sua mente consciente — mas simultaneamente suscetível à influência do conjunto de valores já inserido anteriormente por você na mente inconsciente — que você grava ou altera no inconsciente suas impressões acerca de experiências vividas, que você define o que passará a automaticamente valorizar, acreditar, temer ou rejeitar. E a mente inconsciente lhe obedecerá, fazendo você reagir de forma automática a muitas circunstâncias apenas porque você se programou assim.

Saiba que a sua mente inconsciente lhe influencia de 2 maneiras, ou seja, com base tanto nas programações que você gravou nela previamente quanto na resposta da parte intuitiva (que se manifesta através da forte conexão da mente inconsciente com o espírito). Mas ainda assim qualquer decisão final caberá à parte consciente da mente (a qual você pilota com seu Livre Arbítrio), que aceitará ou rejeitará qualquer programação inconsciente ou sugestão intuitiva. Daí a importância de parar para avaliar conscientemente tanto aqueles reflexos condicionados que temos (inconscientes) quanto nossas intuições.

Esta parte intuitiva está sempre tentando lhe guiar na melhor direção possível – respeitando o seu conjunto de valores reinante naquele momento e também suas escolhas, mesmo que ainda totalmente desencontradas. É um jogo! Mas um jogo que proporciona uma expansão sua e da própria Consciência Maior.

Este sistema de trocas entre a mente consciente e a inconsciente (este vai e vem de informações) vai evoluindo vida após vida à medida que VOCÊ, o piloto da MENTE CONSCIENTE, valida ou desvalida programações inconscientes que se revelam mediante novos cenários atraídos pela mente como um todo, alterando – sempre que achar necessário – as crenças que habitam seu inconsciente (o que provocará mais alterações do cenário atraído e lhe permitirá ter mais uma nova percepção do que você mesmo criou).

É função do Universo (ou Eu Maior) lhe trazer as experiências que refletem o conjunto de valores de sua mente. Ou seja, o poder materializador da mente vem da própria Consciência, do seu Eu Maior. Este é o propósito desta experiência da Relatividade, onde nós, deuses, nos experimentaríamos como se não fôssemos aquilo que sempre fomos: o próprio Deus!

Mas o Eu Maior também tem a missão de tentar lhe convencer a escutar mensagens intuitivas, para ajudá-lo a sair de loopings de criação desalinhada, onde você colhe algo ruim que plantou com uma crença distorcida que alimentava, e depois continua usando o que constatou como forma de reforçar a veracidade daquela crença desalinhada (achando que ela estava correta, mesmo não estando).

E saiba que sua mente vive peneirando sua realidade de forma automática em busca de informações e dados físicos que corroborem as crenças que você sustenta na mente. O resto dos sinais é ignorado. Este é o looping autocriado. E a culpa não é da mente, viu? A verdade é que uma parte insegura da pessoa QUER ACREDITAR que o mundo é exatamente conforme as crenças conscientemente adotadas por ela — mesmo não sendo. E assim ela tenta buscar (e até forçar) sinais que lhe transmitam alguma paz, alguma sensação de domínio a situação — uma segurança que só pode ser obtida através do acesso à Consciência Maior, o único porto seguro dentro da Relatividade.

É assim que o ser humano acaba filtrando erroneamente tudo que chega a ele à medida que está evoluindo, sempre usando as próprias crenças como base de análise. Ao não questionar sua “realidade”, ele permanece preso no looping distorcido autocriado.

Tal processo repetitivo só é rompido com questionamentos acerca da “realidade” da pessoa (do cenário físico) e com a atenção dada a intuições elevadas que docemente lhe sugerem para repensar aquilo no qual crê. A Consciência Maior está sempre tentando lhe despertar. Sucede que o ser humano constantemente despreza tanto intuições elevadas quanto sinais que a vida traz o tempo todo, e o faz apenas porque se nega a rever suas próprias convicções! Ou seja, enquanto a pessoa não começar a buscar para uma forma de emergir de tantos problemas e sofrimentos, o cenário da sua vida continuará a refletir aquelas convicções que ela nutre, inclusive aquelas que alimenta de forma indireta sem se dar conta.

Lembre-se, crenças distorcidas também criam, e elas criam cenários distorcidos! Caberá a você se dar conta de que tais cenários não são coincidência, azar ou acaso, mas criação sua! Ao mudar a crença, o cenário criado também mudará. Saia do looping!

Tudo e todos à sua volta irão sempre corroborar o que vai dentro de você, o que está na sua mente (crenças). É por isto que repetidamente afirmo que “Cada pessoa cria seu mundo e É um mundo à parte” – lembrando que vivemos num Multiverso com infinitos Universos paralelos e incontáveis versões de tudo e todos à sua volta. É por isto que você sempre atrairá aquele cenário que melhor casa com o que vai dentro de você!

“Você sempre terá mais daquilo que vai dentro de você !”

É de vital importância que você entenda que, em determinado momento de sua jornada (mesmo que tenha sido em outra existência sua), foi a sua mente consciente que, a seu comando, aceitou e catalogou experiências e pensamentos como sendo algo relevante, edificante, perigoso, traumático, insignificante ou a ser ocultado bem “longe” do seu consciente, empurrado para o fundo do inconsciente. Ou seja, é você quem sempre faz isso, confrontando o conjunto de valores reinantes na mente com as novas experiências atraídas naquele instante, reprogramando constantemente toda a mente a partir da experiência que colheu (e depois recomeçando este ciclo, isto é, atraindo novas experiências de acordo com esta nova programação mental, para novamente confrontar tudo e validar ou rejeitar crenças baseado no que você acabou de experienciar).

É um ciclo sem fim onde você irá expandindo sua mente através do uso dela mesma (é a regra do jogo, tudo tem que passar pelos filtros da mente), guiando ela rumo a uma expansão crescente, tornando ela (e o próprio Eu Temporário) cada vez mais permeável à doce condução sugerida pelo Eu Verdadeiro, até o ponto de um dia chegar a abarcar a própria Consciência Maior, quando enfim você já terá retornado à Fonte, já terá se iluminado plenamente. Em tal caso, aquele Eu Temporário não será extinto ou absorvido pelo Eu Verdadeiro que o criou, mas estará no mesmo nível Dele, em unicidade, mas simultaneamente mantendo a individualidade, podendo então se tornar o Eu Verdadeiro de outros Seres que cria — caso queira!

Vale ressaltar que todo este processo de iluminação leva vidas para acontecer, muuuitas vidas (milhares delas, cada uma vivida em incontáveis versões paralelas). Porém, para que a pressa? Você entrou nesta aventura de propósito, sabendo que estaria sempre em segurança (mesmo diante do pior dos cenários). Você é um Ser eterno!!!!

E tem mais…. Se levarmos em conta que você está “condenado” a retornar para a Fonte que o criou, então não há motivos para apressar as coisas.

Portanto, curta a jornada! Pare de se preocupar com tudo. Pare de reclamar do que NÃO TEM…. foi você mesmo quem criou esta ilusão, compreende? Então não reclame do que você mesmo cria, apenas entenda que você está no processo de se tornar aquilo que SEMPRE FOI (mas ainda não se lembra): a própria Consciência Maior.

Porém , o “perigo” — que sempre é aparente, daí as aspas — começa com uma distorção de percepção. Ou seja, a brincadeira da vida torna-se dolorosa por algumas distorções que acabamos aceitando e perpetuando, como aquelas que rodeiam a questão da parte INCONSCIENTE da mente.

A MENTE INCONSCIENTE

Numa definição mais ampla, o inconsciente seria aquela parte da mente que opera uma infinidade de funções de forma automática, encarregando-se de todas aquelas tarefas que fazemos sem um esforço perceptível, sem que tenhamos que ficar pensando. Assim sendo, muito do que nós realizamos no dia a dia é feito de uma forma que é inconsciente para nós, automática. 

Enquanto expressados fisicamente, nosso cérebro é abastecido tanto pelos nossos sentidos físicos quanto pelas informações oriundas da mente, permanecendo  numa constante troca de informações entre o que captamos do mundo físico e o retorno dado por nossa mente — uma mente que inclui o corpo, mas o transcende, pois ela transcende a própria fisicalidade (sim, a mente já existia antes do corpo físico, bem como existirá após a partida dele).

Que fique bem claro que é a nossa mente que responde pelo nosso Livre Arbítrio, jamais o cérebro — o qual não passa de um mero órgão receptor, responsável por captar sinais de uma mente que transcende a matéria. E assim o cérebro recebe as interpretações e decisões da mente e as converte em ações. Ou seja, o cérebro é um receptor que traduz as decisões da mente para que sejam compreendidas pela básica consciência humana imersa na fisicalidade. Porém, saiba que cada célula do corpo também é assessorada pela mente, a qual permeia o corpo e se estende muito além dele.  

A mente recebe os sinais tanto do mundo físico quanto do Eu Verdadeiro e os processa, convertendo-os em ideias que carecem de interpretação e, claro,  decisão — a qual cabe a você, o Ser por trás do personagem temporário, o Criador que também é Criatura, vendo-se ora como um, ora como outro! Você é o Ser cuja missão é expandir a mente (que apenas o obedece e roda programações automáticas de sua autoria), o Ser cuja missão é tornar o Eu Temporário (no qual se disfarçou) permeável ao que vem do Eu Verdadeiro, o Ser ao qual caberá tornar consciente o inconsciente, Absolutizar o Relativo!

Agora.... caso as ideias que emergem na mente — e que carecem de interpretação e clamam por ação — tenham sido previamente rotuladas por nosso consciente como ideias benéficas, necessárias e passíveis de automação, então o inconsciente atuará de imediato e rapidamente ordenará que o cérebro execute a ação, sem análises adicionais. Em outras palavras, quando se tratam de funções automáticas que nós conscientemente gravamos na mente (como ler, correr, praticar um esporte, falar outro idioma, etc), a parte inconsciente da mente já sabe o que tem que fazer, e a execução não precisa mais passar pelo crivo da mente consciente (o volante através do qual você guia a experiência), sendo transmitida automaticamente ao cérebro, que executa. E sim, é com sua mente consciente que você pilota tudo, mesmo que ela detenha tão pouco do potencial mental (mais sobre isto adiante).  E assim sua vida fica por um lado facilitada (automatizada), mas por outro catastrófica (quando você automatizou tarefas baseado em crenças distorcidas, passando a reagir automaticamente, de forma condicionada e desalinhada).

O mesmo processo automático ocorre com as tarefas ligadas ao funcionamento espontâneo do corpo, as quais são administradas por uma esfera maior e colocadas em prática através do cérebro ou até mesmo sem a participação dele, sem que você sequer tenha conhecimento.  Até porque seu cérebro não teria capacidade para administrar algo tão complexo, sendo deixado livre para cuidar do seu lado instintivo e manter a constante comunicação entre os sinais que ele capta e o retorno dado pelo Livre Arbítrio que vem de você (através da mente)! 

E agora o desafio do jogo....
Sucede que todas as interpretações feitas pela mente sempre passam previamente pelos Filtros de Valor que um dia gravamos na nossa mente (incluindo os valores mais distorcidos, estejamos conscientes deles ou não).  E assim, as decisões que tomamos sempre tenderão a se alinhar com tais convicções que mantemos na mente, pois sempre acabamos interpretando nossa aventura de acordo com nosso Sistema de Crenças.  E se nossas crenças são distorcidas, complicou! A única exceção acontece quando nossa intuição se envolve e resolvemos conscientemente dar atenção às sugestões oriundas dela. Daí a importância de prestar atenção nos sentimentos genuínos do coração, na intuição — a Bússola da Alma!

Entretanto, a maior parte da nossa jornada Relativa é vivida sob a influência de tais filtros de valor (crenças) que nós mesmos adotamos em algum momento de alguma vida nossa – claro, a mente tem o registro disto (mesmo que inconsciente para nós), pois existe uma Mente Maior que é como um favo de mel, onde cada buraquinho seria a mente de uma vida nossa (passada, futura ou paralela), e cujas informações se interligam de formas mágicas.

Sucede que tal conjunto de crenças adotadas e gravadas na mente pode conter muitas falhas de interpretação, podendo acabar nos levando, agora, a erroneamente desprezar todas as ideias e sinais que não se alinham com as crenças que nutrimos (inclusive desprezando até a intuição).   E assim – por falta de perspectiva elevada – acabamos decidindo aceitar somente aquilo que julgamos correto, por mais distorcido e distante da verdade que esteja!  E como a mente materializará até mesmo tais crenças distorcidas, teremos um falso feedback (retorno), pois acreditaremos em resultados que dizem que estamos certos, mesmo não estando.

Para complicar ainda mais, segue uma grave distorção criada pela humanidade.... 
Uma vez que a mente inconsciente detém grande parte do potencial mental e intuitivo (este último vindo de outras esferas do seu Ser), muitas pessoas acabam atribuindo a ela (à mente inconsciente) certos superpoderes, bem como algum grau de obscurantismo e até uma certa dose de culpa pelas desventuras e infortúnios enfrentados no dia a dia.
E, com isto, passam a temer a mente inconsciente, evitando olhar para ela, evitando olhar para DENTRO de si mesmos – que é o “lugar” ideal para você redescobrir-se e evoluir. 

De fato, o inconsciente detém mais de 90% do potencial mental, sendo inclusive uma ponte ilimitada para o espírito! Ainda assim, quem exerce o Livre Arbítrio – quem guia a sua Realidade Aparente, o seu cenário de vida – é você através de sua Mente Consciente (aquela parte da mente acordada para o dia a dia), mesmo que o faça influenciado pelo que você mesmo instalou no inconsciente ou influenciado por canais elevados que se manifestam através do inconsciente.  Mas a decisão final é sempre sua e sempre operada de forma consciente, através da mente consciente, pois ela é o volante com o qual você guia e cria sua experiência relativa.

Saiba que o conteúdo da mente inconsciente está sempre disponível para a mente consciente, mas somente de uma forma “disfarçada”, e daí a dificuldade de depurar e reavaliar certas crenças "invisíveis" e paralisantes que habitam a mente, daí a dificuldade de resgatarmos e encararmos traumas que um dia propositalmente escondemos no inconsciente.... e daí, também, a facilidade em ignorarmos mensagens intuitivas oriundas dele, pois nossas crenças distorcidas nos levam a desprezar tais mensagens elevadas (que eu chamaria de mensagens genuínas do coração – ou simplesmente intuição). Somente expandindo a mente consciente que poderemos tornar consciente o inconsciente, Absolutizar o Relativo!

O fato é que apesar do gigantesco potencial da mente inconsciente, todas as programações distorcidas que nela residem passaram um dia (em alguma vida sua) pelo crivo e filtro da Mente Consciente, a qual – a seu comando – aceitou, validou, negou ou rejeitou o que quer que tenha chegado a ela, gravando na mente, então, fortes convicções a respeito da sua realidade aparente que, no caso, não refletiam a verdade, eram interpretações desprovidas da devida perspectiva elevada – mas que agora criam uma "realidade" distorcida.

Ou seja, nosso Livre Arbítrio é exercido através do uso da Mente Consciente, o volante com o qual guiamos nossa experiência relativa. É com ela que você aceita, valida ou descarta as fortes convicções que adota como sistema de crenças e que, depois, acabam sendo materializadas pela mente, a qual apenas obedece seu mestre: você – que é bem mais que uma mente, apesar de estar se expressando e criando sua aventura através dos filtros de valor (crenças) que insere e mantém nela. E é por isto que desejos contidos, memórias reprimidas e emoções banidas do nosso consciente (por serem dolorosas ou de difícil controle) se encontram escondidos no inconsciente, quase sem acesso para a razão, conscientemente tornados inconscientes por falta de coragem de encará-los, por falta de perspectiva. Só que, por fazerem parte do conteúdo da mente como um todo, tais ideias "ocultas" também CRIAM uma realidade indesejada.  Cabe a você investigar seu inconsciente com sua mente consciente!  E isto é mais simples do que parece, basta QUERER e continuar querendo.... e em seguida outras esferas do seu Ser já começarão a entrar em ação!

Entenda, portanto, que é na análise do conteúdo da sua Mente Consciente que reside a chave do seu crescimento. 

É com ela que você, no Aqui e Agora, escolhe o que quer expressar e criar.  Você não está à mercê do inconsciente, não está flutuando à deriva e perdido, refém de forças que não pode compreender. Porque são suas crenças conscientes que dirigem o fluxo de processos inconscientes que trazem à existência física todas as suas fortes ideias. E assim até o seu corpo físico, apesar de muito conectado à Consciência Maior (e mantido por ela em um nível que lhe é inconsciente), acaba sendo obrigado a refletir suas crenças conscientes, as quais dirigem o funcionamento do corpo por força do Livre Arbítrio.

É sempre a sua interpretação temporal (feita através da sua mente consciente) que definirá o caminho a seguir,  que estabelecerá rumos. Em seguida o poder do Eu Verdadeiro (que nos deu Livre Arbítrio para experimentarmos o que quer que seja) os faz emergir dentro do jogo, materializar-se!

Entenda que você já era a pura perfeição antes de mergulhar nesta brincadeira, e escolheu se experimentar de uma forma diferente, aparentemente limitado e inferior, tendo liberdade até para errar completamente – daí o poder dado ao Livre Arbítrio exercido por você através da sua mente consciente!

Você, que é o piloto da MENTE CONSCIENTE, um dia será naturalmente levado a querer colocar o foco da sua atenção na luz que provém das Verdades Maiores da vida.... E você fará isto através da mente consciente, guiando-a e levando-a a focar em tais Verdades Maiores, bem como fazendo ela aceitar a ajuda intuitiva que provém do Eu Verdadeiro. E tal foco consciente acabará, consequentemente, iluminando também todo o inconsciente, pois ele terá seu conteúdo reprogramado por você, o que eliminará as inúmeras aflições e angústias que eram provenientes da interpretação inconsciente e errônea das experiências negativas do seu passado.

NOTA: para uma compreensão mais profunda sobre o passado e o poder do Aqui e Agora, vide Adendo sobre O CARMA, o qual trata da questão da inexistência real do tempo e das reencarnações.

Compreenda que toda a nossa aventura Relativa funciona desta maneira — com nossa interpretação tendo que passar pelos filtros da mente — apenas porque é assim que é para ser, ou seja, o jogo da vida foi criado para ser exatamente assim. Portanto, dentro deste jogo, cabe a você escolher suas ideias DE MANEIRA CONSCIENTE e perceber que elas se materializam no mundo fenomênico. Você obviamente também é influenciado por tudo que vem do inconsciente (incluindo distorções que você gravou lá, traumas e até intuições oriundas do Eu Verdadeiro), mas a decisão final sempre caberá à parte consciente da mente, a qual é GUIADA POR VOCÊ (o Ser por trás da mente, mas que no momento está se expressando fisicamente e influenciado por tudo que um dia gravou na própria mente). E assim você estará sempre reavaliando o conteúdo de toda a mente, expandindo-a em direção à verdade absoluta até que um dia se dê conta de que você — e só você — é o Criador da sua aventura e do seu próprio mundo. Repito….

Cada pessoa cria seu mundo e É um mundo à parte!

E tal criação, my friend, é feita sempre de forma consciente, pois as partes inconscientes que contribuem na criação foram forjadas de maneira consciente (mesmo que há vidas atrás)! (NOTA: no Adendo “O CARMA” a questão da inexistência do tempo é tratada de uma forma apropriada, para quem quiser se aprofundar.)

Quanto àquelas tarefas automatizadas administradas pelo que você chama de inconsciente, saiba que elas são muito conscientes para uma Parte Maior sua, a qual torna automáticos muitos dos seus processos físicos justamente para permitir a sua imersão neste Faz de Conta, para ajudá-lo e assessorá-lo com tarefas que seriam pesadas e complexas demais para um mero cérebro físico administrar.

Ou seja, grande parte da sua experiência é administrada por uma Parte Maior sua que está bem consciente do que faz, e cujas informações trocadas com seu corpo sequer precisam passar pelo processamento do seu cérebro, sequer precisam emergir à sua consciência humana (daí o nome de inconsciente, ou seja, não consciente para a sua parte criatura, aqui). Esta sua Parte Maior magicamente lhe criou um corpo físico e se comunica com ele não apenas através do cérebro.

E assim a obra-prima do nosso corpo físico busca constantemente refletir a perfeição da Consciência Maior, pois o corpo físico está mais próximo Dela que nossa mente com Livre Arbítrio (ao menos enquanto esta mente ainda está em expansão).

Entretanto, por mais mágico e resiliente que o seu corpo humano possa ser, ele estará sempre sujeito ao conjunto de valores presentes na sua mente. Ou seja, em nome do Livre Arbítrio, uma hora a perfeição inata do corpo é obrigada a ceder e dar passagem para refletir as crenças do Criador da aventura — você — , podendo inclusive adoecer ou vir a falhar para lhe dar a experiência que você está escolhendo através de suas posturas e convicções. É através da resposta do corpo (bem como de todo o cenário da sua vida) que você aprende a administrar sua contínua criação gerada através de uma mente em expansão.

O CÉREBRO HUMANO

O cérebro humano não passa de um órgão receptor que capta as informações que provêm tanto dos sentidos físicos como da mente, vivendo numa constante troca de informações com a mente que o transcende.  Mas é a nossa mente que interpreta toda a nossa aventura, é nela que reside o Livre Arbítrio, o Eu Temporário em evolução. O cérebro apenas capta as interpretações e decisões da mente e as converte em ações, mantendo o registro apenas das informações mais instintivas do Ser, e mantendo também a memória celular (que está em cada célula, não só no cérebro).  Entretanto, a memória temporal humana reside, de fato, numa mente que transcende o cérebro (e que, aliás, já existia antes do corpo e existirá após a partida dele). Saiba também que sua mente não se comunica só com o órgão receptor principal do seu corpo (o cérebro), mas sim com cada célula sua, cada átomo.
A verdade é que mente e corpo são uma coisa só, mas enquanto você se expressa na fisicalidade, ela estará intimamente conectada ao seu corpo físico, e principalmente ao seu cérebro, a central de recepção!  

"O corpo é a parte da mente que se vê. A  mente – como a concebemos (invisível) – é aquela parte de um corpo maior que não se vê!"

O cérebro é um receptor que traduz as decisões da mente para que sejam compreendidas pela básica consciência humana imersa na fisicalidade. Porém, saiba que cada célula do corpo também é assessorada pela mente, a qual permeia o corpo e estende-se muito além das fronteiras do seu corpo, podendo inclusive ir facilmente além das premissas do tempo e do espaço. 

Mas uma vez encarnado, sua poderosa mente passará então a se manifestar como, digamos, uma limitada mente humana, já que inicialmente ela não terá o mesmo alcance que tinha antes de entrar nesta brincadeira da vida física, antes de se conectar a um limitado cérebro.  Esta mente humana estará em constante expansão, e por estar inicialmente limitada e com Livre Arbítrio, ela permitirá que você se enxergue como um personagem fictício, um Eu Temporário, mas que é na verdade o piloto da mente.  Um piloto que está esquecido de sua origem e que, agora, está em processo de espiritualização, identificando-se com tal Eu Temporário, mas que no fundo transcende tanto o corpo como até a mente!   Você é o piloto cuja tarefa é se expandir JUNTO com esta mente (e não sem ela, como muitas correntes filosóficas pensam), guiando e elevando este Eu Temporário que você pensa ser (mas que também é você, apesar de não expressá-lo totalmente enquanto não se iluminar).  Após emergir iluminado desta longa aventura, seu Eu Temporário lhe refletirá totalmente, e ambos serão UM entre si e também com o Eu Verdadeiro – apesar de jamais haver perda de identidade do Eu Temporário (que terá se tornado outro eu Verdadeiro com características exclusivas).

Quanto àquelas informações que você conscientemente escondeu no inconsciente (por não querer encará-las), saiba que elas sempre estão disponíveis, basta você realmente decidir investigá-las com a mente consciente que você pilota, com a sua intenção consciente, dado que foi através da mente consciente que você gravou tais informações distorcidas lá, sob o rótulo de “perigosas” e “a evitar”. Quando você perder o medo e decidir fazer isto, outras partes do seu Ser entrarão em ação para ajudá-lo nesta tarefa, basta confiar e continuar querendo descobrir-se cada vez mais.

Lembre-se, aquilo no qual você foca se expande!

A propósito, quando você parte do mundo físico, você não retorna para o nível máximo de consciência (a Consciência Cósmica), pois há sempre uma continuidade na evolução do Eu Temporário (você). Tal Eu Temporário troca de “roupagem” a cada nova encarnação enquanto é expandido por você, o piloto que transcende o jogo, pois é simultaneamente Criador e Criatura. Após largar o corpo, sua mente continua criando sua realidade não-física, sempre usando o conjunto de crenças que você alimentava — daí a importância de partir deste mundo em paz e com a mente o mais alinhada possível!

A única diferença é que as molduras da experiência astral são mais maleáveis (o que já acontecia nos seus “sonhos” também, enquanto encarnado. Em outras palavras, a sua aventura relativizada não termina após abandonar o corpo físico. Você apenas tem mais elasticidade e mais alcance em termos de perspectiva — isto caso o seu conjunto de crenças já lhe permita esta liberdade, pois você ainda está sujeito ao conjunto de valores que alimentou em sua mente por incontáveis existências.

Ou seja, dependendo do seu nível evolutivo, agora talvez você já possa ter a ajuda de conselheiros ou do próprio Eu Verdadeiro para definir as próximas aventuras físicas onde terá que enfrentar novamente os desafios não superados.

Quanto àqueles personagens em espiritualização que ainda não têm muita estrutura, a reencarnação será automática (e administrada pelo Eu Verdadeiro), mas acontecendo após um período de “descanso” e depuração das negatividades da experiência anterior, um descanso que pode durar décadas ou até alguns poucos séculos do ponto de vista temporal humano.

Enfim, saiba que uma parte maior sua administra brilhantemente as tarefas físicas automatizadas que lhe são inconscientes, um processo que só é atrapalhado quando você, com seu Livre Arbítrio, se mete no meio e começa a racionalizar com base em crenças desalinhadas que possui, interferindo no funcionamento do corpo. Saiba que esta parte maior sua automatiza suas tarefas físicas sem a necessidade de sequer usar seu cérebro, permitindo que o limitado cérebro humano possa concentrar-se em captar só aquilo que é necessário para que o seu “dono” (o Eu Temporário Físico que você se considera ser) possa se relacionar com o mundo e fazer suas escolhas dentro do jogo, criando sua realidade aparente à medida que cai, levanta, tropeça e aprende, até o dia em que se dará conta de toda a verdade.

Perceba o seguinte…. Se você um dia decidiu conscientemente (intencionalmente) gravar certas programações de autodefesa em sua mente para protegê-lo de algum suposto risco, você só o fez porque na época interpretou alguns eventos como se fossem algo realmente perigoso, por pura falta de acesso a uma Consciência Maior naquele instante de sua jornada. Porque quem está verdadeiramente consciente SABE que nada nem ninguém pode ferir o Ser eterno que ele é, independente do que aconteça ao corpo físico (que é apenas uma faceta sua que passa somente pelas experiências que cria, jamais sendo vítima de ninguém). No universo não existem vítimas nem algozes, porque você é sempre o único responsável pelo que atrai para si.

Mas calma…. por mais difícil que seja de acreditar, saiba que não há nada de tão assombroso ou injusto em sua aventura relativa, porque todas as suas desventuras e tropeços faziam parte das probabilidades de uma jornada alegremente escolhida por você, uma aventura que não tem como dar errado (apesar das ilusões e desilusões de um “longo” caminho).

É importante que você compreenda que o seu Eu Verdadeiro QUIS se experienciar desta exata forma através de você (que antes era uma mera possibilidade dentro do Eu Verdadeiro). E daí você alegre e euforicamente aceitou se tornar um Eu Temporário esquecido de si que iria, aos poucos, lembrar-se de Quem É, de quem Sempre Foi e Sempre Será: DEUS – uma fatia Dele e simultaneamente Ele(Ela) por inteiro, num processo onde a PARTE contém o TODO, semelhante às holografias (pesquise). Este era o propósito da brincadeira, do “faz de conta” da vida: viver a experiência de DAR-SE CONTA DE QUE É DEUS através da aventura de NÃO PARECER SER DEUS no dia a dia. E ter perspectivas e compreensões únicas que só podem ser obtidas através desta imersão!

Ou seja, o resultado da sua passagem pela Relatividade é uma surpresa e um orgulho até para o seu Eu Verdadeiro, pois ao “final” você se torna outro Eu Verdadeiro independente daquele que o criou. Sim, você jamais deixa de existir, e eis aí a razão do medo do ego: este Eu Temporário (com o qual nos identificamos) não acredita nisto, e assim vive em constante autossabotagem. O ego teme a imensidão do Ser, e vê a sua própria iluminação como sendo sua aniquilação (o que não procede, conforme explicado acima).

Cabe a você, enquanto relativizado, perceber que já não precisa mais acolher certas crenças distorcidas, as quais podem até tê-lo ajudado em algum momento de sua jornada, mas que já não combinam mais com quem você ESCOLHE ser a partir de agora. Cabe a você expandir a sua mente como um todo, através da ampliação do seu acesso a uma Consciência Elevada, tornando CONSCIENTE o INCONSCIENTE e desfazendo-se do que não combina com quem você já se percebe ser além das aparências do jogo da vida! Aliás, este trabalho de expansão da mente será feito durante toda a sua jornada relativa, onde você terá que expandir seu acesso à Consciência Maior ATRAVÉS do de uma mente, ou seja, expressando-se através dela (mesmo que você seja muito mais que uma mente). Porque assim você expandirá um personagem (o Eu Temporário) ao nível do divino, um personagem que só pode existir através de uma mente. E isto continua mesmo após a morte do corpo físico, pois sua mente precede o corpo e também não deixa de existir quando você desencarna.

A CONTINUIDADE APÓS A MORTE

Quando você parte do mundo físico, é só o seu corpo quem "morre".  Você continua vivo!  
"Há mais vida na morte do que morte na vida!"
Mas saiba que você não retorna para o nível máximo de Consciência quando abandona o plano físico, pois há sempre uma continuidade na evolução do Eu Temporário, o qual evoluiu vida após vida e também no período entrevidas (entre vidas físicas). 
Compreenda que após largar o corpo, sua mente continua criando sua realidade usando o conjunto de crenças que você alimentava. Daí a relevância de partir deste mundo em paz, com a mente alinhada, facilitando suas próximas aventuras!

A única diferença é que as molduras da experiência astral são mais maleáveis (o que já acontecia nos seus sonhos também, enquanto encarnado). 
Ou seja, a sua criação não termina após abandonar o corpo físico.  Você apenas tem mais elasticidade criativa e mais alcance em termos de perspectiva – isto caso o seu conjunto de crenças já lhe permita esta liberdade, porque você ainda está sujeito ao conjunto de valores que alimentou em sua mente por incontáveis existências. 

Assim sendo, dependendo do seu nível evolutivo, no período entrevidas você talvez já possa ter a ajuda de conselheiros espirituais(*) ou do próprio Eu Verdadeiro para definir as próximas aventuras físicas, onde terá que enfrentar novamente os desafios não superados (e, por isto, escolhendo meticulosamente o cenário mais adequado onde reencarnar). 

Quanto àquele personagem em espiritualização (aquela pessoa) que ainda não tem muita estrutura – ainda é mais novo na brincadeira –, sua reencarnação será automática e administrada pelo Eu Verdadeiro dele. Mas ela somente acontecerá após um período de "descanso" entre vidas, um período de depuração das negatividades da experiência física anterior – um descanso necessário e que pode durar décadas ou até alguns poucos séculos (do ponto de vista temporal humano). 

(*) NOTA: Você já pode ter conselheiros espirituais mesmo enquanto encarnado. Sim, isto é possível através de algumas técnicas de Trabalho Mental descritas mais adiante. Vide ASSESSORES MENTAIS nos Adendos.

Pois bem, se você quer conhecer Quem É de Verdade e desfrutar da alegria que tal descoberta promove, então comece a pensar em fazer TRABALHOS MENTAIS conforme sugerimos aqui, utilizando técnicas de Visualização, Meditação, reavaliação de crenças e emoções, acelerando e facilitando assim todo o seu processo evolutivo – desde que queira. Sim, desde que esta já seja a sua escolha natural, porque você jamais deve perder de vista a ideia de que você é sempre livre para se experimentar como lhe aprouver…. mesmo que erre muito!

Somos eternos, não somos?

Então…. por que a pressa? Podemos errar à vontade, e ainda assim sempre nos serão dadas infinitas chances!

Esta vontade de se redescobrir, de transformar-se numa melhor versão de si mesmo, tem que vir de dentro, tem que ser genuína, senão nem funcionará. Enquanto esta vontade natural não aparece, vá brincando em sua aventura sabendo que é Eterno, pois só isto já lhe trará uma boa dose de paz. Você é livre para brincar, independente de estar prolongando o inevitável e passando por mais desventuras e sofrimentos! Uma hora a busca pelo que vem da sua Essência lhe será mais que natural!

Agora…. para quem está interessado em ir além, saiba que o segredo, então, é ouvir e seguir o coração, é buscar expandir o acesso da mente consciente a uma sabedoria maior, é focar nas Verdades Maiores da Vida para crescer junto com sua mente (e através dela), aumentando assim a amplitude da mente consciente ao ponto de um dia ela poder abarcar não apenas o conteúdo do inconsciente, mas também de todo o universo, bem como do Multiverso.

Sim, um dia sua mente (que abriu espaço para a existência do Eu Temporário) se expandirá tanto que se tornará totalmente permeável a tudo que vem do Eu Maior, abarcando a própria Consciência Cósmica e chegando no nível de Deus. Mas até lá você ainda tem uma bela jornada pela frente.

E eu acho muito prudente lhe informar que apesar de você ser muito mais que uma mente, lá “atrás” você um dia se jogou de cabeça e alegremente numa aventura fantástica onde teria que resgatar-se criando sua realidade aparente sempre através de uma mente, a qual inicialmente estaria confusa com o novo cenário, esquecida de si e aparentemente limitada (mas com todo o potencial da própria Consciência Maior a ser redescoberto por você em associação com ela, sendo assim um Eu Temporário em espiritualização, rumo a tornar-se outro Eu Verdadeiro distinto daquele que o criou).

Você (enquanto mera possibilidade dentro do seu Eu Verdadeiro) quis passar por isto, e sabia que um dia emergiria da brincadeira com a ajuda de tudo e todos. Só que enquanto imerso nela, está sujeito a chuvas e trovoadas, alegrias e tristezas profundas, vitórias e derrotas…. até que decida olhar para a luz e ACORDAR do sonho da vida.

Para tal, passe a questionar suas CRENÇAS, sabendo que pode trocá-las por outras mais elevadas que lhe serão apontadas por seu coração, sua intuição! Torne-se menos racional e mais focado nos SENTIMENTOS.

Você quer saber por onde começar?

Pois comece decidindo que nada mais lhe é verdadeiramente inconsciente (até porque você transcende não só o seu corpo, mas até a sua mente, e pode — SIM — fazer isto, ou seja, decidir que tudo lhe será revelado). E assim que você (o piloto) convencer sua mente a aceitar esta nova CRENÇA alinhada à verdade (de que tudo pode se tornar consciente), novas portas se abrirão. Nunca se esqueça que cabe a você guiar sua mente. Você, enquanto relativizado, se expressa através dela, mas no fundo a transcende! Tome as rédeas da mente no sentido de repensar seus valores!

Em outras palavras, você pode, enfim, decidir conscientemente que quer ampliar cada vez mais o acesso da sua mente a uma Consciência Elevada, tornar-se cada vez mais integrado e unificado a tudo e todos, com valores progressivamente mais alinhados com a Consciência Maior.

Você estaria caminhando em direção a uma espécie de superconsciência, se assim preferir. Claro que, por questões de limitações deste nosso nível de Relatividade (cheio de crenças distorcidas), é pouco provável que alguém consiga expressar 100% da Consciência Cósmica aqui na Terra neste momento — mas tal possibilidade jamais poderá ser descartada, até porque alguns pouquíssimos Seres já chegaram a 80% disto. Agora, com certeza já se pode ir muito além do nível de consciência básica humana atual – o qual ainda se encontra, na grande maioria dos humanos, apenas ligeiramente acima do nível instintivo animal (por mais que não admitam ou não aceitem esta verdade).

Quanto ao ego (aquele personagem temporário com o qual você precisou se identificar para dar início ao jogo), entenda que ele NUNCA foi seu inimigo como dizem por aí. O ego também é você, um personagem temporário em constante evolução — uma parte sua esquecida de si, mas necessária para que a brincadeira da vida pudesse ter início neste nível de Relatividade. Repito, o ego não precisa ser superado, combatido, vencido ou sequer transcendido, mas apenas guiado por você e tornado permeável ao seu Eu Verdadeiro à medida em que ele (o ego, o Eu Temporário) dá espaço para que a Consciência Maior se manifeste nele, sob sua orientação. O ego (o Eu Temporário) está em constante transformação à medida que você (o piloto) altera os valores da própria mente, expandindo-a e tornando o personagem temporário permeável ao que vem do Eu Verdadeiro.

O Eu Temporário que você se tornou está em espiritualização, em expansão, em processo de TORNAR-SE um outro Eu Verdadeiro diferente do que o criou, mantendo sua individualidade mesmo quando atingir a iluminação. Quando iluminado, seu Eu Temporário estará em total sintonia com você, será você, sem filtros desalinhados como acontece hoje…. e ele (que já refletirá totalmente você) estará também em unicidade com seu Eu Verdadeiro, mas ainda assim manterá a própria individualidade, jamais deixando de ser um Ser à parte, único e eterno.

A MENTE EM CONSTANTE EXPANSÃO 

Saiba que antes de entrar na Relatividade, alguém lhe disse:
"Meu filho, a brincadeira do mundo relativo (o Jogo da Vida) consistirá em estar sempre se expressando através de uma mente, independente de estar encarnado ou não. Ela é que possibilita a criação de um personagem temporário e em constante evolução (vida após vida), com o qual você se identificará totalmente no início, esquecendo que é muito mais que ele, muito mais que uma mente. É graças à criação de uma mente (que existe independente do corpo físico) que se abriu a possibilidade para este jogo de Menos Valia Aparente, uma brincadeira onde você tem a oportunidade de fingir ser menos do que aquilo que realmente é, só para poder redescobrir-se sob uma nova perspectiva.

Mas apesar de você ser muito mais que uma mente, meu filho, enquanto estiver no jogo, tudo passará obrigatoriamente pela mente para que você aprenda que você é o CRIADOR da sua aventura como CRIATURA, pois sua mente materializará tudo aquilo no qual você colocar um foco consciente e duradouro.  Ou seja, sua mente será a sua máquina materializadora de crenças (as crenças que você grava nela), uma magnífica ferramenta da Consciência que estará sempre a seu comando, mesmo quando você cria péssimas experiências! 
E até mesmo quando você decidir calar a mente intencionalmente (numa meditação com tal propósito, por exemplo), você só o fará através da permissão da própria mente, convencendo sua mente a lhe dar abertura para temporariamente tornar-se o Observador que se observa, tornar-se alguém que não toma parte de nada, não pensa e não faz.... apenas É. 
Ou seja, é possível aprender a abrir um espaço de paz total e "silêncio" que fica fora do pensar, abrir uma conexão com o Absoluto que vai além da mente (com a permissão dela para tal), e daí acessar o EU SOU e entrar em contato com uma sabedoria transcendental.  Porém, ainda assim você terá que necessariamente retornar para a experiência Relativa (regressar para a mente) a fim de tornar-se tal EU SOU através da mente também, através do "PENSAR, FALAR e AGIR", tornando-os alinhados à sua Essência, ao Eu Sou! Saiba que é ESTE o seu objetivo ao longo de incontáveis existências. Cabe a você, portanto, expandir a mente, elevar o Eu Temporário, e não tentar se livrar deles, como muitos filósofos pensam.

Portanto, uma vez dentro do jogo, meu filho, a sua mente estará SEMPRE se expandindo à medida que você aprende a guiá-la, aprende a colocar o foco dela naquilo que realmente eleva. Chegará o dia em que sua mente estará tão expandida que ela já refletirá toda a verdade do seu Ser, já estará – junto com você, que conseguiu iluminar o Eu Temporário – totalmente permeável ao Eu Verdadeiro, abarcando a própria Consciência Maior. 

Agora vá em frente, meu filho, e faça a sua sorte! Estarei sempre com você, mesmo quando se esquecer disso!"

Não tema um ego que, na limitada ótica dele próprio, luta para “sobreviver” por achar que será aniquilado enquanto você o expande rumo a uma Consciência Maior, enquanto você diminui a conexão da mente com a ilusão (o Relativo), coloca o foco nas Verdades Maiores da vida e torna este personagem temporário cada vez mais permeável à verdade, ampliando o ACESSO dele à sua própria Essência — processo este que o ego interpreta como a própria morte dele, e por isto luta para tentar lhe manter refém de um conjunto de valores que considera certo (pois assim você o ensinou ao longo de inúmeras existências enquanto também estava perdido), valores estes que já não lhe satisfazem mais, pois você (o piloto da mente, o verdadeiro Ser cuja tarefa é elevar o personagem temporário) já enxerga a verdade e não se deixa levar por falsas ilusões de um Faz de Conta.

É por isto que o ego sempre tenta lhe sabotar. Ele não passa de uma construção intencional da sua mente (que foi necessária para a experiência Relativa), mas que acabou ficando permeada por receios e crenças distorcidas devido às convicções que você gravou na mente, tornando-o num medroso que sempre acha que precisa se proteger de um perigo ilusório que, por sua vez, é fruto de falta de Consciência Cósmica.

O desafio da brincadeira é você se dar conta de que você é muito mais que este ego com o qual se identifica. Você é um Ser cuja missão é expandir este ego, tornando sua mente permeável a tudo que vem da Consciência Maior. Portanto, passe a se dar conta de que você é um Ser imortal que está sempre protegido — apesar das ilusões do cenário.

Agora….

Você quer saber como encontrar estas crenças limitantes que lhe impedem de expressar a melhor versão de si mesmo? Ahhh, é para isto que você mesmo atraiu este texto para a sua vida! Você consegue se dar conta de que isto é um mérito todo seu? Será?

Lembre-se, nada acontece ao acaso! Seja uma bala perdida que atinge uma pessoa, uma prisão injusta, um incêndio, um caso de estupro, uma morte prematura, um texto diferente que cruza o seu caminho, etc…. nada é obra do acaso. Cada um cria a sua aventura, pois é sempre a própria pessoa quem atrai ou cria aquele desfecho que experimenta. O agredido desta vida foi um agressor na vida anterior…. O azarado vivia nutrindo negatividade…. O enfermo teimava em alimentar amarguras, revoltas ou medos (atraindo experiências que o forçarão a olhar para dentro)…. O indivíduo que buscava por uma ampliação da conexão com a Consciência Maior por fim tropeça num livro que lhe faz começar a questionar sua realidade…. E por último mas não menos, algumas pessoas estão neste mundo por amor a outros, sacrificando até mesmo suas vidas físicas no sentido de ajudar pessoas amadas a despertarem!

Tudo tem uma causa, uma razão, um propósito. E quando você começar a compreender e aceitar esta Verdade, você finalmente se libertará da compulsão em querer culpar os outros pelo que lhe acontece!

Bem….

Vamos ampliar ainda mais o seu acesso à Consciência Maior?

Eis aqui mais outra encruzilhada, outra porta que lhe está sendo mostrada…. A decisão é sua! Quer atravessá-la?

Então…. Vem comigo!

^ Voltar ao topo


4 – TRABALHO MENTAL

“Você jamais resolverá um problema permanecendo no mesmo nível no qual ele foi criado.

Você já ouviu este ditado antes? Bem…. Apesar das muitas controvérsias em torno da autoria dele, saiba ele é bem famoso e muito, muito coerente!

Tenha em mente que você precisa elevar-se acima do nível do problema para resolvê-lo. Quando você permanece focado no problema em si, você está no mesmo nível dele, e as soluções que já estão prontamente disponíveis acabam não sendo atraídas, pois você está dando energia ao problema e fazendo-o crescer.

Isto porque “Aquilo no qual você foca se expande!”
Enquanto você continuar afirmando “eu estou com um problema”, você estará dando seu poder para permanecer criando e recriando exatamente aquilo que está expressado no conteúdo da frase afirmada (que é o fato de você “estar com um problema”). E assim ele tenderá a persistir em sua vida. Mas isto só acontece porque VOCÊ MESMO faz com que assim seja, por mais que o faça de forma inconsciente.

Entenda que sua afirmação é uma sentença criadora para o Universo, o qual sempre lhe refletirá.

Que tal, então, alterar um pouco aquela frase anterior? Ou seja, vamos mudar aquela frase onde você afirma que “tem um problema”. Vamos escolher uma afirmação um pouquinho mais elevada? Sugiro começar com algo bem básico, como “tenho um problema, mas a solução já está chegando“. Ah, pois saiba que uma mudança aparentemente sutil assim fará toda a diferença….

Agora…. vamos elevar ainda mais o nível! Vamos ousar afirmar o seguinte: “tenho um problema, mas a solução já existe, por mais que eu ainda não a visualize”.

Compreenda!

Todo problema contém as sementes da sua própria solução.”

Além deste outro ditado ser uma verdade, ele traz consigo a revelação de que um problema só aparece em sua vida se você tiver a capacidade de resolvê-lo – ou ao menos a capacidade de poder contribuir para a sua solução. Caso contrário você nem o perceberia.

Após se abrir para estas verdades, só faltará você aprender a soltar para que tal solução apareça em sua vida quando for a hora, sem apegos ou ansiedades, pelo simples motivo de que esta é a sua vontade – e porque você merece . Sim, convenhamos, você MERECE que este seu desejo (ou algo ainda melhor) se concretize, e o universo (seu servo) realmente quer lhe trazer tudo que você vier a desejar. Ah, e ele o fará, desde que você acredite e se desapegue do resultado.

Esta nova forma de pensar abre uma porta GIGANTE para outra dimensão, para um outro nível onde já se tem a CRENÇA consolidada de que a vida sempre conspira a seu favor e de que não há que se ficar remoendo demais sobre qualquer problema – até porque, em último caso, você pode acabar se dando conta de que “O que não pode ser resolvido, resolvido está!

Entenda, pois, que os problemas nunca foram nossos inimigos. Eles só existem para nos trazer OPORTUNIDADES evolutivas, para nos ajudar a mudar de perspectiva, abandonar crenças e conceitos que já não nos servem mais. Portanto, se você quer resolver um problema, desfoque dele, altere o padrão de pensamentos e, assim, abra espaço para que a solução apareça.

Pois bem, agora chegou a hora da sua pergunta:

“- Mas hey…. como é que se faz tudo isto?”

Ahhh, esta é a grande questão!

Você só tem que controlar aquilo com o qual alimenta sua mente.
Sim, é possível, acredite!

E é aqui que entram técnicas de Trabalho Mental como MEDITAÇÃO, REVISÃO DE CRENÇAS, ANÁLISE DE EMOÇÕES e VISUALIZAÇÃO – esta última sendo poderosíssima para que você recrie algum episódio passado ou enfim comece a criar seu futuro de forma consciente.

Enfim, nesta publicação você encontrará não apenas um método para obter paz mental (o que já é um grande feito), mas também uma sugestão sobre o que fazer depois que estiver com a mente desacelerada, visando reinventar-se por completo.

Assim sendo, se você realmente está a fim de encontrar esta paz, rever seus conceitos de valor e recriar-se numa melhor versão de si mesmo, então….

Vem comigo!

^ Voltar ao topo


5 – MEDITAÇÃO

Seria a meditação uma forma de pausar a nossa mente? Ou talvez uma maneira de transcendê-la, apesar das programações que estão de pé e operantes? A palavra meditação deriva de meditatum, um termo do Latim que significa “ponderar”. E, convenhamos, toda ponderação implica na existência de um foco em um determinado assunto a se avaliar, certo? Pois é exatamente isto que se defende aqui: a ideia de que meditação sempre implica em um foco claro, como será explicado a seguir.

5.1 – O QUE É MEDITAÇÃO?

Meditar consiste em colocar seu foco em um assunto em particular, nem que tal assunto seja “tornar-se o Observador que se observa, tornar-se alguém que não toma parte de nada, não pensa e não faz…. experimentando um estado de apenas SER”.

Esta concentração intencional e consciente elimina barreiras e permite uma espécie de diálogo interior mais profundo, de maneira que crenças possam ser finalmente reavaliadas e, assim, descartadas ou alteradas quando necessário.

Compreenda que quando estamos interagindo com o mundo, com pessoas, estamos no que se chama de Estado de Vigília, com as ondas cerebrais num nível de frequências chamado estado Beta.  Ou seja, nossa mente, através do que recebe dos 5 sentidos captados pelo cérebro, está tentando integrar o mundo externo com o interno (o da intuição que provém do inconsciente, a janela para o espírito) – nem sempre de forma adequada.

Quando estamos neste estado Beta (ou de vigília), o mundo exterior nos parece muito mais real do que o mundo interior. 

E ao reagirmos a certas situações estressantes da vida, nossa mente fica alerta máximo, com o cérebro — um mero órgão receptor que processa grande parte da comunicação com a mente que o transcende — ficando no mais alto nível de Beta, refletindo um estado da mente no qual ficamos excessivamente racionais,  analíticos, extremamente focados e, até certo ponto, confusos, porque entramos em um modo de sobrevivência, um modo de alerta emergencial, onde nada mais é aceito a nível de processamento mental, salvo se for igualmente impactante ou emocionante.

Neste estado de alerta máximo nós não queremos mais aprender, crescer ou reparar algo, porque estamos funcionando em emergência e colocando o foco da mente na situação que se apresenta naquele instante. Estamos, pois, exageradamente racionais – sempre avaliando o próximo instante baseados em eventos e circunstâncias passadas, e assim projetando possíveis riscos futuros detectados (mesmo que ilusórios). E assim a mente se fecha aos canais intuitivos mais elevados de onde facilmente extrairia não só a solução dos problemas, bem como a paz — pois estamos amplificando a dualidade e polarizando tudo, flutuando entre bom ou ruim, certo ou errado, sucesso ou fracasso, mais ou menos, forte ou fraco, positivo ou negativo…. vida ou morte!

Porém….
Quando fechamos os olhos e cortamos essa conexão com o mundo externo, acabamos eliminando 80% dessa influência do mundo físico – uma vez que este é o percentual cientificamente estimado de informações que entram no cérebro a partir do sentido da visão, nossa orientação espacial no cenário externo.

Após suprimir a visão, no instante em que adicionamos também um fundo musical  suave (caso o ambiente não esteja sonoramente harmonizado e peça por isto), começamos a eliminar o ruído externo, e o nosso cérebro deixa de processar ou colocar atenção no mundo exterior. E assim a mente começa a mudar de foco e a desacelerar, com o cérebro refletindo a mente e entrando num estado de ondas que a ciência chama de Estado Alfa.

Neste estado tudo se inverte, com o mundo interior passando a ser mais real para a mente que o mundo exterior.  Em outras palavras, em tal estado, aquilo que estamos sonhando, pensando ou imaginando parece ser mais real que o ambiente externo.

E é aí que começamos a ter a oportunidade de entrar em áreas da mente onde habitam programações, hábitos, condicionamentos, comportamentos repetitivos e as mais graves crenças distorcidas (fruto de traumas ou experiências mal resolvidas sobre as quais ainda não se colocou a luz de uma perspectiva mais elevada). E assim fica mais fácil observar as crenças limitantes que nutrimos!

Ao nos desconectarmos do mundo externo e focarmos em uma única ideia, poderão haver períodos em que perdemos a noção do tempo e do espaço, porque a mente começa a reduzir os circuitos de comunicação com estímulos oriundos do mundo físico que, por ora, não estão sendo requisitados, como nosso senso de localização espacial e temporal, entre outros. 
Assim podemos entrar numa nova área do Ser onde somos atemporais, onde transcendemos nossa fisicalidade e muitas limitações pertinentes. Neste estado de desassociação com o mundo externo, podemos ampliar nosso ACESSO a uma Consciência Maior, à Essência da qual viemos e da qual nunca saímos de fato (a não ser dentro das aparências do Faz de Conta que vivemos aqui, da brincadeira que chamamos de Vida).

Enfim, via meditação acabamos finalmente saindo daquele estado de vigília,  excessivamente racionais,  analíticos e temporais, onde estávamos apegados aos 5 sentidos humanos que nos conectam à nossa experiência na fisicalidade.

Ao sair do seu cenário físico do dia a dia, você abre espaço para ondas de probabilidades atreladas ao poder criativo de um Ser (você) que pilota sua própria mente, a qual é a máquina materializadora da sua realidade aparente, pois torna físico seu cenário de vida com base nas crenças conscientemente adotadas por seu piloto (você). O poder de tal máquina materializadora (a mente) provém do seu Eu Verdadeiro, o qual criou tal mente para que você pudesse mergulhar no Faz de Conta com a identidade de um Eu Temporário esquecido de si e de sua grandeza cósmica. 

Você é simultaneamente Criador e Criatura da própria aventura, e tem dentro de si o potencial para mudar de perspectiva e ver-se como o Criador da aventura da Criatura, sem desprezar esta sua parte temporária, pois cabe a você elevá-la ao nível máximo, através da constante expansão da sua mente. 

Voltando àquele estado mental meditativo onde o cérebro se encontra em estado Alfa, nele esquecemos do nosso cenário de vida, dos problemas, das confusões, das frustrações, das ilusões…. e assim o passado e o futuro deixam de existir.
Ali neste estado, estamos muito mais em contato com nossa Verdade, com o SER (em vez do TER ou do FAZER)!

Infelizmente a maioria das pessoas, quando atinge esse ponto, pensa que já chegou onde queria, pois neste momento uma emoção muito elevada de alegria emerge nelas, dado que enfim conseguiram temporariamente eliminar certos pensamentos inadequados que as perturbavam — e encontrar alguma paz. Porém, poderiam ir muito além nos Trabalhos mentais feitos sob tal estado de paz temporária.

Vale deixar claro, aqui, que aquelas emoções, sentimentos e pensamentos negativos que as assolavam não eram inimigos (por mais assustadores que fossem), pois fazem parte de um mecanismo de “navegação” do Ser que visa provocar a pessoa no sentido de fazê-la olhar para dentro para rever suas crenças limitantes, a fonte de tais negatividades. Tais sensações desagradáveis clamam por alguma reação proativa de alguém que resolveu reagir às fortes sensações afloradas que aceitou encarar sem medos.

Mas infelizmente tais sinais negativos (pensamentos, emoções e sentimentos assustadores) são mal interpretados por mentes desprovidas de acesso a uma Consciência Maior (por conta dos filtros de valor adotados pelo piloto da mente — você), e ao evitar sensações negativas recorrentes a toda custa, mais medo se instala, e com ele mais pensamentos assustadores, retroalimentando todo esse ciclo perturbador.

Mas quando as pessoas conseguem enfim dar um tempo nesse circuito fechado (mesmo que apenas temporariamente, na meditação), aquele péssimo “looping” no qual estavam presas é momentaneamente interrompido, o que lhes permite experienciar uma paz há muito tempo desejada.
As primeiras euforias sentidas são normalmente fruto de uma espécie de férias mentais e biológicas, posto que certos circuitos foram desativados e, com eles, todo um desequilíbrio químico cessa também, permitindo essa temporária sensação de leveza e desconexão com uma realidade física até então aparentemente opressora (fruto da falta de acesso a uma Consciência Elevada).

Infelizmente a maioria das pessoas para por aí, porque encontraram um sentimento tão maravilhoso e inédito que interpretam como um paraíso, um oásis de calmaria onde finalmente se encontraram com um grau mais elevado de Consciência, um Estado Natural de ser que lhes aproxima mais da Essência da qual vieram.

Porém, sucede que é justamente neste estado mental de mais calmaria (com o cérebro em Alfa) que teríamos o maior poder para nos recriarmos, para nos reinventarmos – se assim quisermos, colocarmos intenção e ACREDITARMOS que é possível, permitindo que outras esferas de nosso Ser entrem em ação e nos auxiliem, uma vez que terá sido uma escolha consciente nossa através do nosso Livre Arbítrio.

Daí eu lhe pergunto: por que não usar tal estado de paz para intencionalmente recriar-se e atrair novos cenários mais elevados? Saiba que não é Deus quem cria nossa Realidade Aparente, somos nós mesmos. E essa sempre foi a intenção do jogo, a de que cada um seja o Deus de sua própria aventura. 

Nesta obra, eu lhe sugiro que comece a criar uma nova versão de si mesmo, a qual irá infalivelmente conduzi-lo para uma nova Realidade Aparente, um novo cenário de vida.

Para tal, eu proponho que durante o estado meditativo você apenas comece a focar algum assunto em particular (algo que deseja muito avaliar na sua vida). E passe então a prestar atenção nas emoções e sentimentos que emergem.  Estes, se honestamente aceitos sem julgamentos e devidamente “surfados” (experienciados), lhe levarão a novos sentimentos, novas emoções e novos estados psíquicos, até você finalmente chegar à raiz de muitos problemas, quando então você acabará – em algum momento futuro, dentro ou fora da meditação, acordado ou sonhando – tendo epifanias sobre certas crenças distorcidas que o limitavam e que já não mais combinam com quem você escolhe ser.

Você, então, estará na condição de ajustar e guiar sua máquina criadora de realidades, em vez de apenas viver tentando calar essa maravilhosa ferramenta da Consciência Maior: sua MENTE. Até porque um dia você terá que expandi-la, e não há como fugir disto. Ou seja, não há como deixar de conciliar a sua experiência física com a experiência espiritual. O primeiro Buddha (Siddhartha Gautama) até tentou fazer isto, mas sem o devido sucesso (apesar das inquestionáveis conquistas espirituais), pois não soube conciliar corpo, mente e espírito, tendo deixado seu lado físico muito abandonado (e mais tarde ele teve que reencarnar para corrigir tal “deslize” e aprender o que significa CONCILIAÇÃO, em vez de exclusão).

E saiba…. deixar o lado Criatura de lado definitivamente nunca foi a intenção do espírito ao escolher se expressar na fisicalidade, ou seja, ele quis viver e saborear a experiência do corpo físico. O físico não é inferior ao espiritual, são apenas diferentes molduras para o Ser experimentar-se (mais sobre este assunto logo adiante, em CRENÇAS: a errônea ideia de considerar o Material como sendo inferior ao Espiritual).

Veja…. você jamais se iluminará fugindo à tarefa que você mesmo se impôs: assumir um Eu Temporário esquecido de si, o qual nasceria e se expressaria através de uma mente, cabendo a você (o piloto que transcende ambos) a tarefa de expandi-los até que mente e Eu Temporário se tornem PERMEÁVEIS à doce condução sugerida pelo Eu Verdadeiro — este último não tendo desejos nem necessidades, mas ainda assim constantemente lhe amparando para que você aprenda a guiar e expandir sua mente, de maneira que o seu Eu Verdadeiro um dia possa finalmente ter o prazer de ver você SENDO PLENAMENTE VOCÊ, um Eu Temporário que finalmente se tornou outro Eu Verdadeiro com total liberdade e individualidade, já permeável à Consciência Maior.

E o caminho para se fazer isto passa por você aprender a trocar certas crenças limitantes por outras que expressam melhor esse seu novo estado intencionalmente escolhido – o que imediatamente se refletirá também em seu cenário externo, em seu dia a dia. 

Afinal de contas, foi incumbida à mente humana a tarefa de materializar nossa Realidade Aparente, para que pudéssemos um dia nos observar como sendo, na prática, os Criadores de nossa própria aventura como Criaturas, compreendendo como é PERCEBER-SE SENDO DEUS a partir da aventura de NÃO PARECER SER DEUS no seu dia a dia.

^ Voltar ao topo


5.2 – POR QUE MEDITAR COM UM PROPÓSITO CLARO?

A meditação lhe ajuda a manter a calma e o foco necessários para fluir mais suavemente pela vida, através dos momentos de oásis que você encontra dentro dela, permitindo (mesmo que temporariamente) um melhor alinhamento entre corpo, mente e espírito, resultando em inúmeras consequências positivas na sua vida. Entenda que meditar para sair da mente (calá-la, transcendê-la) realmente proporciona um realinhamento de corpo, mente e espírito, o que amplia sua conexão com o Eu Verdadeiro e resulta em mais paz e melhores resultados para a sua vida.

Porém, ainda assim você sempre terá que regressar para sua mente a fim de constantemente expandi-la com novos pontos de vista mais elevados, pois esta é basicamente sua grande missão. Afinal de contas, o Eu Temporário é um reflexo do conteúdo que você (o piloto da aventura) insere na mente. Ao expandi-la, você torna o Eu Temporário cada vez mais permeável ao que vem do Eu Verdadeiro.

Dito isto, saiba que além da meditação que visa experimentar-se além de uma maneira transcendental, há uma maneira bastante objetiva de acelerar a expansão da sua mente e elevar-se mais rapidamente — e é justamente o que está sendo proposto aqui nesta obra.

Em outras palavras, você também pode aproveitar este momento especial da meditação e ir além…. Dentro dela, você pode reavaliar os problemas de sua vida, rever suas crenças distorcidas e, assim, mudar sua Realidade Aparente (o que você chama de “sua vida”).

Tal alternativa não elimina a outra forma de meditação, mas por ser muito prática e extremamente focada, é poderosíssima. Sugiro que concilie as duas! Esta meditação com um propósito bem claro, se seguida, leva a resultados relativamente rápidos, pois tem como objetivo fazer com que você intencionalmente realinhe sua mente em relação às suas distorções de percepção acerca da realidade cotidiana auferida.

Até porque, my friend, você não tem como escapar da tarefa de expandir a sua mente, tendo sempre que retornar ao plano mental para expandi-la, para expandir e elevar o Eu Temporário que você adotou. Ou seja, você incumbiu-se a tarefa de tornar a mente permeável à Consciência Maior, e não conseguirá tal façanha tentando se livrar da mente — ou, o que é pior, tentando se livrar do Eu Temporário, combatendo o próprio ego, em vez de elevá-lo.

NÃO EXISTEM INIMIGOS 

Se você considera que existe algo no universo que tem potencial para ser seu inimigo (como o ego), então você fará com que assim seja através do seu próprio poder criador!  
NADA é seu inimigo! 
E NADA deve ser combatido nem sequer transcendido, apenas elevado e tornado permeável através da constante observação das Verdades Maiores da Vida, aquelas que transcendem muitas falsas verdades humanas!

Compreenda que ao entrar no mundo fenomênico, seu objetivo era o de expressar-se através de uma mente (que permite a existência de um Eu Temporário) e aprender a expandi-la, e não tentar se livrar dela. A meditação que propõe-se nesta obra abordará de frente os seus problemas DE BASE, aquelas programações que estão gravadas no fundo da mente e que são responsáveis pelas experiências desagradáveis que você atrai para si.

Para resolver problemas mais profundos, um dia você terá que encarar o conteúdo da sua própria mente, seja conscientemente (intencionalmente) ou então de forma inconsciente, “arrastado” pelas experiências duras que você mesmo atrai para evoluir, para ser capaz de perceber (ter epifanias sobre) programações distorcidas que já tem que largar. E isto não é tão complicado quanto parece, viu? Sugiro que você aproveite o seu estado meditativo para, lá dentro, encontrar, encarar e rever as causas que lhe levam a atrair certos desafios para a sua vida, a atrair os problemas recorrentes que, no fundo, apenas tentam lhe dar a oportunidade de rever seus conceitos sobre si e sobre a vida, abrindo espaço para a sua própria evolução.

O processo de meditação aqui proposto consiste em aprender a conduzir sua mente consciente (aquela parte da sua mente que lida com o dia a dia do seu estado acordado) para os caminhos de sua escolha intencional, sem deixar que ela fique vagando sem rumo, absorvida em si mesma e refém de crenças distorcidas e pensamentos difusos que habitam até o seu inconsciente (cujas “programações” distorcidas foram um dia validadas primeiro pela parte consciente da mente – mesmo que em outra vida).

Para tal, você precisará aprender a “domá-la”. Até porque a vida, como a conhece aqui, é totalmente criada por você através da sua própria mente – tudo obviamente lastreado pelo poder da sua Consciência Maior, que lhe deu o Livre Arbítrio para que você pudesse viver a aventura de ser simultaneamente o Criador e a Criatura da própria experiência.

Assim sendo, a ideia é utilizar a meditação no sentido de GERAR a atmosfera ideal para que você se recrie. Durante ela, a sua mente estará mais propensa a aceitar sugestões de análise, a aceitar seus comandos e diretrizes intencionais no sentido de se redescobrir num nível mais profundo. Só esta intenção, por si mesma, já fará desencadear uma série de processos de revelação patrocinados pelo foco desta intenção e pelo seu Eu Maior, que lhe ajudará nesta empreitada.

Para quem estiver interessado, ao final deste material (nos Adendos) é apresentada uma Sugestão de Meditação (com suas Etapas) e mais algumas Considerações Adicionais sobre meditação. Se você encontrar outra técnica que lhe pareça mais interessante, Ok, utilize-a. O importante é conseguir atingir um estado de paz e ausência de ruídos externos (distúrbios de pensamento).

Nos tópicos a seguir será mostrado como você pode aproveitar um estado meditativo para dar-se conta de crenças distorcidas, limitantes e invisíveis que normalmente lhe passam despercebidas, mas que um dia, em alguma vida, tiveram o aval de sua mente consciente (aquela que lida com o estado acordado) para que se instalassem em seu inconsciente. Você terá acesso a uma metodologia que visa lhe ajudar a encontrar aquilo que só parece estar escondido bem fundo lá dentro da mente. A intenção será procurar tudo que já não combina mais com quem você está escolhendo ser a partir de agora, e trocar aquelas crenças indesejáveis por outras novas que sua própria intuição lhe apontará – mas somente após as devidas epifanias que você está por atingir.

^ Voltar ao topo


6 – CRENÇAS

Crenças são fortes convicções que você tem acerca de si e da vida! São ideias forjadas ao longo de todas as suas existências (sim no plural), as quais foram criadas, adotadas ou emprestadas de terceiros à medida que você foi vivendo e interagindo com sua Realidade Aparente (o cenário de sua vida). Suas crenças constituem-se, para todos os efeitos, em suas “verdades temporárias”, mas nem sempre elas estarão alinhadas com as Verdades Maiores da Vida. E é aí que começam seus problemas dentro do que chamamos Jogo da Vida, porque Crenças são certezas que se materializam (mesmo que sejam certezas que estão totalmente desalinhadas para com as Verdades Maiores da Vida).

^ Voltar ao topo


6.1 – REAVALIANDO CRENÇAS NO DIA A DIA

Você quer mudar aquilo que não gosta em seu cenário de vida?

Então o tipo de trabalho mental proposto aqui poderá lhe colocar no estado mental ideal para rever os mecanismos de atração que estão atuantes dentro de você, os quais são os responsáveis por criar todas as experiências da sua vida. Isto porque a vida não apenas lhe sucede, é VOCÊ quem a cria, incluindo TUDO que lhe chega – porque você é 100% responsável por TUDO que lhe acontece…. TUDO, sem exceção!!!!

A mente é uma poderosíssima ferramenta da Consciência Maior. E aqui neste nível de Relatividade, a sua Realidade Aparente não passa de uma criação mental feita por você mesmo, normalmente de forma inconsciente (conforme já mencionado antes).

Assim sendo, dentro da aventura da sua vida, você tanto pode ser apenas um passageiro que reage ao que criou inconscientemente, bem como pode aprender a se tornar o criador consciente da própria aventura. Independente do caminho, você é sempre responsável por tudo que lhe chega. E, conforme já descrito anteriormente, essa sua “realidade” é criada através dos seus PENSAMENTOS, PALAVRAS, SENTIMENTOS e AÇÕES. Estes são os elementos de base que você usa para construir o cenário da sua própria Vida! Porém, todos estes elementos estão intimamente interligados com suas CRENÇAS pessoais.

E, repito, por mais que um destes elementos de criação (pensamentos, palavras, ações) aponte na direção desejada, ele não se alinhará com os demais enquanto houver uma crença distorcida e contrária habitando a sua mente. Mas saiba que para poder atrair o resultado que tanto deseja, você precisa encontrar uma harmonia criativa entre tais elementos. Palavras, pensamentos e ações que são repetitivas e vazias não criam o que se quer enquanto você não as alinha e harmoniza entre si. E isto, meu caro, só se faz através da adoção de uma NOVA CRENÇA que esteja alinhada àquilo que se quer, uma crença que inclua merecimento, visão de abundância, ausência de medo, certeza do resultado e total desapego.

Repito…. Note que posturas com a presença de um único elemento de criação alinhado com o seu desejo — apenas palavras, ou então apenas pensamentos ou apenas ações que, mesmo sozinhas, estejam alinhadas ao seu objetivo — não terão a mínima força criativa, pois não refletem seu verdadeiro sentimento mais profundo ligado àquela crença distorcida que você um dia adotou e que ainda alimenta, a qual lhe diz que você não pode ter o que deseja. E daí os elementos de criação, desalinhados e não harmonizados entre si, não têm poder, justo porque sua decisão atual está sendo fraca e não está superando a crença limitante, não tendo assim qualquer força criativa.

Saiba que o que altera a sua realidade na direção do seu desejo não é a repetição em si, mas a crença que está por trás dos elementos com os quais você se comunica com o universo. E não adianta pensar ou falar repetidamente uma coisa se, lá no fundo, você tem uma convicção contrária e que é mais forte que sua nova ideia. Digamos que enquanto suas novas ideias não tiverem mais energia que suas antigas convicções, você não mudará as crenças e nem sua realidade. Em outras palavras, se você não reavaliar suas crenças e não as trocar por outras mais adequadas, não colherá o que deseja.

E apesar de que a repetição — como forma de autossugestão — até possa lhe ajudar a convencer a sua mente a se abrir para que você altere seus valores, a verdade é que tal repetição não terá a devida força enquanto você não aceitar que realmente precisa encarar e mudar suas crenças.

Pensamentos, palavras e até ações tornam-se vazios e sem força quando crenças contrárias estão enraizadas e não são encaradas com posturas e escolhas suficientemente fortes a ponto de alterar o conteúdo da sua mente.

Enquanto suas crenças limitantes não forem substituídas por outras mais alinhadas às Verdades Maiores da Vida, você estará sempre tendendo a pensar, falar e agir de forma alinhada àquelas limitações, pois você acredita nelas — e assim continua se autossugerindo o oposto do que quer, sempre numa espécie de auto-hipnose negativa.

Cabe à máquina do Universo (sua mente) a missão de criar um cenário de vida que sempre refletirá aquilo que está se passando dentro de você (mais precisamente, na sua mente).

Ahhh, e acredite…. Tudo e todos irão realmente lhe refletir, irão corroborar suas crenças, até as mais terríveis.

E quer saber? É exatamente assim que é para ser a experiência de um ser humano dentro da Relatividade (mesmo que ele ainda não tenha se dado conta disto).

Como já foi explicado, eu insisto em deixar claro que você (uma mera possibilidade dentro do Eu Verdadeiro) realmente quis se tornar um Eu Temporário, um personagem propositalmente esquecido de sua origem para poder brincar como se fosse apenas um minúsculo Ser, um ínfimo humano quase esquecido dentro da imensidão do universo – apenas para ter uma perspectiva completamente diferente de tudo que você ACHAVA que já conhecia a partir do seu ponto de vista anterior! Mas esta sua nova condição é temporária, porque aos poucos (vida após vida) você começará a perceber que pode guiar toda a sua criação de uma forma consciente, que não precisa ser um passageiro da vida aparentemente à mercê do que lhe chega (até porque é sempre você mesmo quem cria tudo que lhe chega, seja essa criação feita de forma consciente ou inconsciente). Em outras palavras, você vai  sempre seguindo adiante no seu processo de resgatar seus canais de acesso a uma Consciência Maior até que um dia — em alguma vida — perceberá que TUDO está DENTRO de você!

Porém, enquanto estiver aqui como um Ser retornando para sua Fonte, você estará no processo de LEMBRAR de tudo isto. E quer você aceite ou não, são suas CRENÇAS que estão criando literalmente tudo e todos contidos na sua experiência.

Cada pessoa cria seu próprio mundo e também É um mundo à parte!”

^ Voltar ao topo


6.2 – REAVALIANDO CRENÇAS NA MEDITAÇÃO

Sempre que meditamos, nós estamos colocando o foco em um assunto em particular! E isto vale até para aquela meditação que visa “calar” a mente! Sim, até ela é feita através de um foco definido, de um objetivo claro! Ou seja, sempre há um direcionamento na meditação, nem que tal foco seja “calar” a mente, “tornar-se o Observador que se observa, tornar-se alguém que não toma parte de nada, não pensa e não faz…. experimentando um estado de apenas SER”.

Isto implica na percepção de que precisamos usar a mente até para “calar” ela mesma, ou seja, precisamos convencer nossa mente a nos permitir uma experiência onde ela se aquieta totalmente — temporariamente.

E sabe por que é assim?

Porque apesar de sermos muito mais que um corpo e uma mente, nós escolhemos entrar num jogo onde aprenderíamos a criar a própria experiência SEMPRE através de uma mente (inicialmente desorientada pelas primeiras escolhas desalinhadas que NÓS fazemos, pelos primeiros valores que nós adotamos e gravamos na mente). E uma vez dentro de tal aventura Relativa, saiba que a decisão final sempre terá que ser tomada por você através da parte consciente da sua mente, da parte focada na sua aventura diária (a MENTE CONSCIENTE). E mesmo que você tenha ajudas intuitivas que transcendem a mente, ainda assim a sua decisão final passará pelos filtros de valor (crenças) que você mesmo inseriu na mente ao longo das suas incontáveis jornadas.

Ou seja, depois que você esqueceu Quem É e mergulhou num personagem temporário (graças à existência de uma mente), terá que expandir a mente e o próprio personagem temporário com o qual se identifica, aos poucos dando-se conta de que no fundo você é muito mais que a ilusão que aufere com os limitados sentidos físicos.

Em outras palavras, não temos como fugir à tarefa de sempre voltar para o plano mental e AMPLIAR tal mente. Não há como fugir do nosso lado Criatura, não era esta a intenção do Jogo. O objetivo é, sim, elevar este lado Criatura, este lado que opera através de uma mente que precisa de constante direcionamento SEU (o Ser que transcende e pilota a mente).

Para ampliar sua mente, basta fazer escolhas cada vez mais elevadas e alinhadas ao seu coração, avaliando crenças inadequadas e descartando aquilo que já não combina mais com quem você está escolhendo expressar agora, até que sua mente um dia (junto com o Eu Temporário em espiritualização) se torne 100% permeável ao que vem do seu Eu Verdadeiro, ao que vem da Consciência Maior! E daí tal Eu Temporário — que também é você e reflete cada vez mais você à medida que se expande — se tornará um outro Eu Verdadeiro, em unicidade com aquele que o criou, mas ainda com individualidade.

É assim que funciona o processo de espiritualização (lembrando que não há um destino final, pois você está sempre se expandindo, e inclusive até a própria Consciência Maior está sempre se expandindo com a constante expansão das suas partes temporárias: nós).

Ou seja, cabe a você guiar e expandir sua mente.

E não será fugindo da constante análise do conteúdo da mente que você conseguirá a façanha de se iluminar! Aliás, tudo na vida conspira para lhe trazer experiências reveladoras e para lhe fazer REPENSAR suas crenças. E você acabará tendo que reavaliá-las, seja da forma que for. Estou apenas mostrando que este processo pode ser acelerado, sugerindo que você o faça de forma objetiva e focada por alguns poucos minutos (não por horas), dentro de um ambiente meditativo que exclui ruídos externos e facilita o trabalho de apenas prestar mais atenção aos pensamentos, palavras e ações que tem no dia a dia. Por trás deles se escondem as crenças! E o simples fato de você iniciar tal busca já colocará outras partes do seu Ser em ação no sentido de lhe auxiliar. Fique tranquilo, não é nenhuma ciência complexa que necessite conhecimentos psicológicos!

Bem… Claro que uma meditação onde se aquieta a mente também tem um enorme valor, pois com ela você aufere uma paz que irá lhe trazer mais clareza na tomada de decisões. Porém, é inevitável que você sempre terá que reformular o conteúdo da própria mente com as decisões que VOCÊ toma usando a Mente Consciente, a parte desperta dela, em estado de vigília. Ali que reside grande parte do seu Livre Arbítrio — e também em algumas outras esferas mais altas do seu Ser, onde você (em estado alterado de consciência) consegue ter uma amplitude maior e tomar decisões mais abrangentes, mas ainda através de uma parte mais alta da própria mente consciente, uma espécie de Mente Consciente Maior que também faz parte de você e também responde por seu Livre Arbítrio.

Dito isto, afirmo que os benefícios da meditação poderão ser ampliados se você aprender a fazer outro tipo de meditação que não seja apenas “calar” a mente. A sugestão aqui feita é a de aproveitar este momento de maior paz meditativa para colocar um outro propósito especial nisto, um foco em um outro assunto: rever suas crenças distorcidas. Trata-se de algo rápido, coisa de poucos minutos, basta começar a querer observar quais crenças estão por trás de certas desventuras que você colhe. Só esta intenção já tem muito poder.

E depois carece de paciência, nada se resolve assim da noite para o dia. Tudo isto é bem mais simples do que parece, só carece de calma e persistência, muita persistência! É algo que acabará se tornando um hábito! Aliás, depois que conseguir fazer uma análise mais focada com uma primeira crença, você irá adquirir um senso crítico e começar a questionar tudo que ACHA que sabe. Com o tempo você começará a avaliar seus pensamentos e ideias de forma natural e automática, sem ter que se esforçar.

Quer um exemplo?

Peguemos uma crença distorcida bem simples que se esconde por trás do fato de dizer “Se Deus quiser!” (Deus ou qualquer outro nome que dê à Consciência Maior). Vamos avaliar o que está escondido ali!

A maioria das pessoas fala isto automaticamente, não é verdade? Mas certamente você nunca parou para se dar conta de uma crença distorcida que está por trás de tal frase, não é mesmo?

Pois eu lhe afirmo categoricamente que, ao utilizar tal frase, você infelizmente está negando seu próprio poder!

Sim, pois está delegando para Deus as decisões que competem só a você! Elas não cabem a Deus, porque você que é o Criador da sua aventura como Criatura. Não Deus!

Ei…. Deus não tem desejos, Ele sabe Quem Você É, sabe que você já nasceu salvo dentro de uma brincadeira onde todos estão destinados a se iluminarem. Saiba…. Deus não quer nada em especial, Ele não tem preferências, tampouco julga ou condena, e por isto não precisa nem sequer nos perdoar, pois nunca viu nada do que fazemos (incluindo nossos maiores tropeços) como erros ou pecados que careçam de perdão, apenas como experiências que Seres eternos dão uns aos outros, num longo ciclo cuja jornada sempre culmina na Luz da Consciência Maior. Sem exceções!

Deus observa a perfeição que há por trás de tudo! Ele sabe que as maiores “imperfeições” constatadas na Relatividade são, na verdade, suas maiores perfeições, pois nos dão a oportunidade de nos experimentarmos de uma forma única, Relativa e aparentemente limitada, mas com resultados inimagináveis quando da inevitável iluminação de cada Ser.

Quando você diz “Se Deus quiser!”, saiba que você está se eximindo da responsabilidade que lhe cabe em DECIDIR! Saiba que, em tal momento, Deus apenas diz (apesar de você raramente ouvi-lo): “Meu filho, o que você realmente quer? Decida, o Universo está esperando”! E assim que você decide (seja lá o que for), Ele continua: “Seja feita a SUA vontade”! Sim, a sua, jamais a Dele.

Deus lhe ama tanto, Deus tem um amor tão incondicional que Ele quer para você aquilo que você quer para si mesmo, independente de que você ainda esteja perdido e criando um Caos. Ele SABE que qualquer “inferno” é autocriado e temporário, sabe qual é o seu destino “final” — pois Ele não está dentro da linha do Tempo — , e já vê você lá na frente, iluminado…. e por isto sempre lhe solta e não decide nada por você, apenas o orienta via CORAÇÃO, AMOR!

Bem…. Você aprendeu a avaliar uma das crenças distorcidas (de impotência, neste caso) que se escondem por trás de uma simples frase aparentemente ingênua, certo? E agora você já pode passar a se expressar de forma diferente, dizendo algo do tipo “Eu hei de conseguir”, reivindicando o poder para si, mas ainda assim agradecendo a Deus e aprendendo a confiar que tudo dará certo ali na frente, por mais fortes que sejam os desafios e tropeços ao longo do caminho — e nem que este “ali na frente” seja só daqui a muitas e muitas vidas! Porque só o fato de você SABER que um dia emergirá iluminado já é o suficiente para que você ESCOLHA se sentir mais em paz desde já!

Solte-se! Confie! E agradeça!

Entenda, pois, que a vida está sempre conspirando para lhe trazer a experiência ideal a fim de que você — um Ser que propositalmente esqueceu-se de sua grandeza a fim de dar início à brincadeira da vida como a conhece aqui — faça escolhas cada vez mais elevadas e evolua, expanda-se!

A meditação propicia um cenário ideal para acelerar este processo de rever conceitos limitantes e distorcidos que você “comprou”, “emprestou” de terceiros ou criou em sua mente. Comece a colocar um propósito na sua meditação! Comece a observar suas ideias de forma mais criteriosa. Comece a se ter em mais alta conta, você é mais poderoso(a) do que imagina!

Entenda, pois, que permitir que crenças criem sua realidade aparente (seu cenário de vida) é o objetivo do Jogo da Vida. Ou seja, você — enquanto mera possibilidade dentro do seu Eu Verdadeiro — quis entrar em um jogo onde teria que criar sua “realidade” através de uma mente consciente (através daquela parte da mente que lida com o estado acordado, de vigília), com total Livre Arbítrio para que você pudesse ir alterando o conteúdo da mente como um todo (incluindo a parte inconsciente dela) sempre que achasse necessário – acertando e errando até que um dia finalmente percebesse que “tudo se origina de você e a você retorna”, até que se desse conta de que VOCÊ é o Criador de tudo! Ah, e isso demora muitas vidas? Sim, mas…. e daí? Curta a jornada se você já sabe que seu destino é BRILHAR!

Neste processo de constante expansão, as crenças que você mesmo inseriu na sua mente sempre serão utilizadas por você como filtro para avaliar as experiências que você colhe, as experiências que a própria mente — como a máquina materializadora — tornou físicas em seu dia a dia.

E sua mente sempre lhe induzirá a descartar tudo aquilo que não se enquadra neste conjunto de valores que você a fez adotar, ela sempre lhe induzirá a focar naquilo que corresponde a este conjunto, até que um dia você perceba que cabe a VOCÊ ser o piloto da própria mente (e não o inverso), que cabe a você largar certos conceitos que já não combinam mais com quem você escolhe ser naquele momento…. alterando o conteúdo de sua mente e, assim, permitindo que o cenário materializado por ela mude, dado que outras experiências diferentes já passarão então a ser atraídas por novas crenças adotadas POR VOCÊ, o piloto da mente — o Eu Temporário em expansão que transcende tudo, mas que no momento se expressa desta forma relativa, tendo a tarefa de elevar-se à medida que busca o equilíbrio entre o que vem da Consciência (intuição, coração) e o que capta na aventura relativa.

Compreenda que você está no processo de se dar conta de tudo isto, de se dar conta de que suas crenças o fazem atrair/criar exatamente aquilo que espera – por mais “errado” e dolorido que venha a ser. Saiba que você afeta tudo à sua volta, e assim cada átomo, cada molécula, cada pessoa ou universo irá LHE REFLETIR.

Por isto é certo dizer que “cada pessoa cria seu mundo e É um mundo à parte”.

Após muitas vidas — centenas, milhares delas…. e cada uma delas vivida em infinitas versões de mundos paralelos (uau, imagine o número de “horas de voo”, o tamanho desta aventura) — , um dia você finalmente começará a se dar conta de que PRECISA rever certos conceitos, certas crenças que influenciam a forma como você PENSA, FALA e AGE (os elementos de base com as quais você constrói seu cenário de vida).

Todos os seus pensamentos, palavras, sentimentos e ações acabam sempre passando pelo filtro do seu conjunto de crenças. Está tudo interligado e, portanto, afetando inclusive o balanço químico do seu corpo. Seu corpo é uma obra divina, e apesar de ele ser resiliente e resistir bravamente às crenças distorcidas da mente, um dia ele as refletirá e você adoecerá. Mas, assim como você criou esta doença primeiramente na mente (e depois refletida no corpo), você também pode reverter o processo.

O perigo começa somente quando você se recusa a encarar o conteúdo da sua mente. Saiba que a própria intenção de conhecer-se mais profundamente e encarar a realidade das suas experiências (os motivos que o levam a atrair certas situações indesejáveis) já pode ser extremamente benéfica, pois assim as emoções pertinentes aparecerão, clamando pelo ímpeto de alguma ação que possa gerar mudança.

Ninguém pode fazer isto por você.

Seu Eu Superior quer sempre ajudá-lo, mas respeita suas escolhas e crenças, mesmo as mais limitantes, pois respeita seu total Livre Arbítrio, e também sabe que você está no seu próprio processo de descobrir sua identidade original e cósmica, aquela que transcende as aparências do Eu Temporário que você acha que é. Ei….. você é muito mais do que aquela imagem que vê refletida no espelho todos os dias, você só esqueceu disto…. TEMPORARIAMENTE! Ainda assim, sua tarefa é elevar este personagem temporário, e não tentar livrar-se dele, buscando uma espiritualidade que tenta erroneamente descartar o lado Criatura (como muitos filósofos já tentarm fazer, sem sucesso )!

Pois é assim que é para ser esta brincadeira mentalmente criada — e que você chama de “sua vida” (como a conhece aqui). Este esquecimento de sua identidade original (chamado de Obnubilação da Consciência) foi necessário para que você pudesse intencionalmente mergulhar no Faz de Conta e assim dar início ao jogo.

Você estará sempre em segurança, mesmo na iminência da mais terrível das experiências. São só experiências temporárias de um Ser eterno! Não leve tudo a sério demais….

E agora…. vamos avaliar mais algumas crenças?

^ Voltar ao topo


6.3 – CRENÇAS LIMITANTES

Permita-me demonstrar a você, leitor, como as crenças podem ser persuasivas e, ao mesmo tempo, traiçoeiras. Vamos a alguns exemplos:

A) SAÚDE MENTAL e PENSAMENTOS POSITIVOS

Muitas pessoas imaginam que é preciso ser sempre positivo, alegre e educado para poder ter uma boa saúde mental, sem jamais demonstrar tristeza ou desapontamento para com os outros.

Porém esta crença torna-se perigosa porque impede o fluxo de muitas emoções contrárias (como emoções de negatividade, de tristeza, de irritação ou decepção). E, ao represá-las, você mesmo estará se tornando uma bomba relógio.

A maioria das pessoas ainda não está pronta para ignorar algo negativo, pois ainda estão cheias de MEDOS, ainda não passaram por certos estágios evolutivos conscienciais que são necessários para que a pessoa consiga colocar quaisquer negatividades dentro da perspectiva adequada! E ao se forçarem a não olhar para o negativo, estão fazendo o inverso: colocando o foco nele. E assim a negatividade só crescerá em suas vidas, com as emoções negativas (que são meros indicadores) emergindo o tempo todo em suas vidas, na tentativa de alertá-los que há algo errado em seus conjuntos de valores!

Ao se forçarem o positivismo enquanto ainda despreparadas, as pessoas só irão piorar a própria situação — diferente do caso daqueles filósofos que já estavam prontos para fazer isto, que já estavam consciencialmente preparados para reconhecer o caráter ilusório por trás de quaisquer negatividades que aflorassem em suas experiências (pois já haviam assimilado ao menos algumas Verdades Maiores da Vida).

As emoções não são suas inimigas, pelo contrário, elas clamam por alguma ação, antes que a situação se torne ainda mais grave. Toda emoção está querendo lhe dizer algo, e se você lhe der vazão, ela levará a pensamentos, ações e a novos sentimentos, que por fim lhe levarão a novas emoções e novos sentimentos, num grande ciclo que leva a um caminho de autoconhecimento cada vez mais equilibrado, evitando desfechos mais drásticos que acontecem sempre que você reprime emoções, mesmo as negativas (conforme será muito bem explicado no item “EMOÇÕES”, mais adiante). Ao tentar mostrar-se sempre positivo e fazendo vista grossa para suas emoções, você estará, pois, negando-se o livre fluir do seu Ser, negando certas dimensões naturais da experiência humana que poderiam, caso aceitas, ajudá-lo a limpar tanto o corpo quanto a mente, colocando estas emoções negativas para fora, em vez de represá-las e acabar pagando caro futuramente.

Se você está convencido de que certas emoções e sentimentos negativos são perigosos, então novamente esta crença, por si só, irá gerar um medo destes indicadores negativos, os quais você procurará evitar a todo custo. E daí no futuro, depois de muito esforço evitando o que não quer (mais dando foco indireto àquilo, mesmo que tente ignorá-lo), você poderá acabar quase surtando toda vez que se der o direito de demonstrar um pouco de emoções e constatar que não está tendo aquele comportamento “razoável” e certinho que espera de si. Você irá considerar que está perdendo o controle, quando na verdade as suas emoções estão apenas tentando lhe ajudar a perceber um atoleiro emocional fruto de falta de alimento adequado para a mente (Verdades Maiores)! E daí você se sentirá cada vez mais inferior e incapaz de resolver suas angústias, uma nova crença que torna tudo muito, muito pior — pois ela será materializada, e é assim que você se verá com mais frequência em sua realidade autocriada: inferior e incapaz!

Entenda que você até pode sufocar (reprimir, enterrar, esconder de si mesmo) suas emoções e sentimentos, mas por mais imprevisíveis e poderosos que lhe pareçam, ainda assim eles não são seus inimigos, nem mesmo aquelas que lhe parecem tenebrosos. Eles são sinalizadores e estão tentando lhe ajudar a dar-se conta de que algo está errado nos valores que gravou em sua mente. Perceba, portanto, que a culpa não é das emoções ou sentimentos em si, mas das suas crenças distorcidas. Não rejeite suas emoções e nem quaisquer sentimentos! Aceite-os, abrace-os e permita seu fluxo dentro de você.

Pare de temer encarar sensações negativas! Encare elas de frente! Mas procure urgentemente conhecer e assimilar as Verdades Maiores da Vida. São elas que lhe darão um “chão firme” onde se apoiar enquanto encara e desmistifica emoções e sentimentos negativos que emergem para alertá-lo a rever seus valores. Um dia você também estará pronto para fazer pouco caso para quaisquer sensações negativas, simplesmente porque já compreenderá seu caráter ilusório.

Se você se fecha para as emoções e sentimentos (sejam intuitivos ou gerados pelas emoções), você perde o contato com sua essência, você perde o seu equilíbrio, pois estará negligenciando o poderoso mecanismo evolutivo (mecanismo de “navegação”) associado ao livre fluir de emoções, sentimentos e pensamentos, o qual visa restabelecer a harmonia natural do seu Ser.

É bem verdade que pensamentos positivos e amorosos são o ideal! Sucede que as suas crenças sobre si mesmo e sobre o mundo irão automaticamente atrair pensamentos, palavras e ações alinhados com suas convicções mais profundas. Até porque a mente de quem ainda não despertou para a Verdade acaba peneirando aqueles eventos e informações da realidade física que confirmam suas crenças, descartando todos os sinais contrários (inclusive a intuição que vem do Eu Verdadeiro) — mas só porque assim você programou sua mente, enchendo-a de medos de que sua realidade não seja como crê, algo que lhe deixa desconfortável e inseguro (e daí a ordem indireta, dada à mente, para ignorar o que lhe parece não encaixar no seu conjunto de valores).

Ao usar a mente consciente para ordenar que seu inconsciente comece a automaticamente inibir qualquer estímulo que possa trazer sensações fortes e negativas, você também estará negando a si mesmo o retorno necessário, o feedback que seria dado para sua mente consciente, a qual está muito bem preparada para utilizar este mecanismo de “navegação” que opera na base do “dar e receber”, com uma emoção/pensamento levando a sentimentos, que fazem emergir mais emoções e mais pensamentos (e até intuições) que por fim o levarão — no devido tempo — à raiz dos problemas. Porém, não será temendo, ignorando e travando sensações negativas que você permitirá que tal dispositivo de “navegação” opere adequadamente (o qual também seria assessorado por seu Eu Verdadeiro na questão intuitiva — se você permitir o fluxo disto tudo).

Não tente usar um otimismo superficial e forçado para fingir que não percebe algo que recorrentemente o atormenta. Claro que chegará o dia em que qualquer pensamento negativo já não terá poder para perturbá-lo, pois você já terá aprendido a colocá-lo dentro de uma perspectiva na qual já percebe o efeito ilusório de tudo que é negativo — uma perspectiva onde você já aprendeu a ver o bem por trás de tudo aquilo que rotula como sendo “mal”, sabendo que tudo e todos conspiram para lhe ajudar.

Porém, enquanto não chegar lá (enquanto o negativo ainda lhe atormentar de forma recorrente), saiba que quaisquer sensações ou eventos “negativos” que emergem de forma recorrente também fazem parte do seu mecanismo de “navegação”, e eles não passam de meros indicadores que apontam para o fato de que há algo desalinhado no conteúdo da sua mente, tendo assim a missão de fazê-lo se dar conta de que precisa rever as crenças da sua mente consciente — e não se iluda, toda crença é consciente, pois sempre foi adotada de forma consciente (senão não haveria Livre Arbítrio). Aos poucos isto será demonstrado ao longo desta obra.

O ato de encarar as sensações negativas que são recorrentes, enfrentando-as e permitindo-se sentir até os medos que emergem, automaticamente começará a desmistificar o caráter poderoso que uma vez depositamos naquelas convicções distorcidas que são a fonte dos medos (e das negatividades sentidas) — desde que você encare tudo com as Verdades Maiores em mente (explicadas ao longo desta obra).

Tal façanha acabará fazendo com que você encontre a resolução de tudo aquilo que o atormentava com frequência. Isto porque você — munido das Verdades Maiores e já com outra perspectiva de tudo — terá enfim colocado a luz da verdade sobre um conjunto de valores antigos e distorcidos, percebendo que só se sentia de uma certa maneira porque tinha convicções equivocadas que justificavam tal reação. E tudo isto só é possível graças àquelas sensações negativas que o fizeram se dar conta de que não podia mais fugir, que precisava encarar sensações que lhe atormentavam e lhe desequilibravam.

Quando você insiste em evitar pensamentos, emoções e sentimentos negativos que vivem lhe atormentando, está fazendo isto por puro medo de encarar aquilo no qual deposita poder (o negativo)…. e prefere seguir as instruções de quem lhe afirma “olhe somente para o positivo”, mesmo quando ainda não está pronto para ignorar ilusões negativas (e ainda lhes dá poder, quando as teme e finge que não as vê)! Você terá que fazer o que aqueles mestres do positivismo já aprenderam a fazer (mas raramente sabem ensinar): desmistificar o negativo! Só assim você poderá então passar a ignorá-lo, como eles fazem. Por receio de não saber lidar com algo de pior que possa eventualmente emergir ao encarar o negativo, você foge! E ao fugir, seu foco está, SIM naquilo que teme, mesmo que evite olhar. E bem…. aquilo no qual você foca se expande!

Quando algo lhe importuna seguidamente, encare-o!

Fingir que não vê algo recorrente (focando no positivo como meio de fuga) só piora tudo. Chegará o dia em que focar no positivo lhe será NATURAL, como já é para muitas pessoas que já conseguiram desmistificar a ilusão de tudo que é negativo.

Tais pessoas já compreenderam que só o Amor é real!

Saiba que a sua mente está equipada para captar tudo aquilo que tem a ver com o que você, o piloto dela, define como ponto focal. Sua mente possuiu uma série de habilidades latentes, e está apta a acionar automaticamente uma infinidade destes recursos especiais à medida que você vai descartando crenças distorcidas e adotando novas crenças sobre a natureza da Realidade Aparente na qual está imerso (sua vida). E estes recursos são consideráveis, pois contam com os poderes da Consciência Maior, da qual você está somente superficialmente a par. Pois é, amigo(a), você é um Ser multidimensional muito mais grandioso do que imagina!

Quanto mais cedo você realinhar o conteúdo da sua mente com as Verdades Maiores da Vida (descartando crenças limitantes), mais rapidamente a ilusão do Jogo da Vida se desfará. E a partir daí, focar no positivo será cada vez mais óbvio para você, sem que tenha que forçar isto, pois o negativo já não lhe impressionará mais, já não emergirá em sua vida com frequência — e, se aparecer, você já estará pronto para fazer pouco caso para tais ilusões!

Entretanto, desprezar o negativo é uma atitude que só serve para quem já percorreu uma certa jornada evolutiva e já está preparado para ignorar quaisquer emoções, sentimentos e pensamentos negativos, pois já compreende sua natureza. Portanto, se sensações negativas ainda lhe afligem, você deve primeiro desmistificar tudo que enxerga como negativo (através da assimilação das Verdades Maiores da Vida), para só então começar a pensar em fazer pouco caso de tal negatividade. Ou seja, focar somente no positivo é algo que só é possível quando você já compreende que o negativo é ilusão.

E eu lamento informar que este não é o caso da maioria das pessoas deste planeta, para os quais focar só no positivo (de forma forçada) será contraproducente! Não tema nada, não fuja de nada! Um dia você compreenderá que tudo no universo é seu amigo! E daí você estará preparado para rapidamente colocar luz sobre quaisquer emoções, sentimentos e pensamentos negativos, passando logo a olhar o lado positivo que há por trás de quaisquer experiências, inclusive das mais duras!

(NOTA: este tema sobre o positivismo forçado é profundamente abordado no item EMOÇÕES E SENTIMENTOS, logo adiante.)

B) A FELICIDADE

Compreenda que você jamais será capaz de sentir-se realmente feliz enquanto acreditar que não tem direito à felicidade. Se este for o seu caso, então se você perceber um pouquinho de felicidade em algum momento, você é capaz até de se sentir culpado por usufruir de algo que julga que não merece – sabe-se lá por qual motivo, mas não há como negar que isto está gravado em algum lugar da mente em função do valor que você ainda dá a algo que já passou. O passado tem o valor que se lhe dá! Perdoar-se de verdade (e decidir não cometer mais aquele mesmo erro que tanto lhe marcou) já pode ser suficiente para neutralizar uma crença doentia. Lembre-se, você não é seu passado, isto não define Quem Você É de verdade (além das aparências deste jogo da vida).

C) AUTENTICIDADE

Você nunca conseguirá dar-se o direito de ser enérgico com as pessoas (e mostrar suas reais emoções de descontentamento para com elas) se você pensa que é tremendamente errado fazer isto. E ao se conter, você acaba represando uma expressão enérgica natural, a qual se acumulará até que um dia inevitavelmente exploda fortemente e sem motivo aparente. É inevitável…. acredite!

Muitas pessoas estão convencidas de que demonstrar raiva ou irritação é sempre algo negativo, e por isto usam uma máscara de sorriso no intuito de não serem interpretadas como pessoas más. Tais emoções não expressadas um dia cobrarão seu preço e buscarão sua válvula de escape, podendo resultar em algum ato de violência física descontrolada, justo porque não foi dada vazão àquelas emoções quando elas pediram passagem (aceitação).

A irritação para com outros, se demonstrada, pode ser uma emoção estimulante e, sob certas circunstâncias, terapêutica. E tenderá a evitar uma catástrofe, em vez de patrociná-la! É a repressão exagerada de emoções que leva certas pessoas a atos explosivos de violência física.

Sem falar no fato de que a vazão dada a emoções pode até abrir espaço para certas epifanias. Por exemplo, você pode, a partir deste ato, dar-se conta de que tem se acovardado frente a crenças contraditórias por anos, e então pode resolver levantar-se em revolta contra elas (as crenças) e, literalmente, libertar-se daquela vida antiga e dar início a algo novo. Ao contrário, fazer de conta que está tudo bem e represar irritação ou raiva quase sempre acabará em algum ato de violência em algum momento futuro. Observe a perfeição que existe no reino animal! Entre eles, é algo muito comum e saudável deixar que uma certa “agressividade natural” flua através de meros sinais não-verbais enviados aos congêneres, sem necessidade de ação física. Isto EVITA a violência física, em vez de patrociná-la. A liberdade para demonstrar irritação ou insatisfação para com alguém denota elevada autoestima, denota que a pessoa não é hipócrita e verbaliza qualquer descontentamento com outra pessoa, sem reter aquelas emoções provocadas pelo outro. Repito, isto é algo que previne uma situação de combate físico, em vez de patrociná-lo.

Qualquer ação de violência física já é uma distorção desta “agressividade natural”, e ela só teve que acabar se tornando física porque a demonstração das emoções de descontentamento (via diálogos ou sinais de insatisfação) foi frequentemente reprimida.

D) O MATERIAL COMO INFERIOR AO ESPIRITUAL

Mais uma crença problemática e que assola muitas pessoas.

Se você acredita na perfeição do espírito e até busca ser tão perfeito quanto ele, mas ao mesmo tempo alimenta a ideia da imperfeição do corpo físico, então você sempre estará em conflito interno, você sempre se achará a um passo de expressar sua própria grandeza e sempre terá motivos para se achar inferior e pouco edificante.

Você jamais poderá se elevar espiritualmente enquanto desprezar aquela sua parte que se manifesta como criatura física. Saiba que o seu espírito escolheu intencionalmente se expressar na carne, e a sua parte física, por sua vez, não o torna menos digno, só lhe dá a oportunidade de se experimentar de uma maneira diferente, mas nem por isso menos mágica. Para que você possa apreciar toda a magia do seu Ser enquanto encarnado, você terá que começar a contemplar a perfeição da sua expressão física, a considerar-se suficientemente especial e digno, independente de quaisquer aparentes problemas ou defeitos.

As aparentes imperfeições da nossa experiência não passam de ilusões de um jogo, e justamente por isto pode-se afirmar que as “imperfeições” constatadas na Relatividade são as maiores perfeições dela mesma, pois abrem espaço para o nascimento do Jogo da Vida!

Ei…. Se tem um sinal que seus sentimentos genuínos vivem lhe transmitindo é o de que seu corpo não é inferior ao seu próprio espírito! Aliás, o corpo é o próprio espírito na carne! Valorize-o! Seu espírito quis estar aqui se expressando fisicamente, e exatamente do jeitinho que você é, independente de você gostar ou não, aprovar ou não. Compreenda que o Absoluto também está dentro do Relativo, pois a PARTE sempre contém o TODO no reino da Consciência Maior.

Porém, compreenda que apesar de seus sentimentos genuínos (e emoções pertinentes que afloram) serem sua bússola, eles sempre estarão sujeitos a serem avaliados de acordo com os seus próprios FILTROS DE VALORES, por mais distorcidos que estejam. Você sempre tentará fazer com que o mundo externo se encaixe no seu sistema de crenças, chegando ao ponto de ignorar os sinais que não estão em conformidade com aquilo que acredita. Sua mente até os capta, mas como ela está limitada pelas crenças que você inseriu nela, então ela coloca aqueles sinais num compartimento quase invisível.

Portanto, se você é uma pessoa que valoriza demais o espiritual em detrimento do físico, repense suas crenças (seus Filtros de Valores), pois você pode estar se prejudicando sem sequer se dar conta.

E) RELIGIÕES

A maior parte da humanidade tem algum tipo de fé e se sente confortável em acreditar em um conjunto de ideias que possa trazer algum significado existencial para suas vidas, acreditar em um conjunto de crenças capaz de ao menos minimizar A IDEIA do medo e do desamparo, capaz de alimentar a fé de que há um sentido nesta aventura humana e de que existe alguém que os protege mesmo nos seus momentos mais escuros — trazendo assim a esperança de que não deixarão de existir totalmente assim que cruzarem a tão temida fronteira da morte, vindo assim a ter outras oportunidades de se redimirem de seus tropeços. Vale notar que mesmo quem não escolheu nenhum tipo de religião também pode, ainda assim, ter fé. Ou seja, a expressão da fé não está necessariamente ligada a qualquer religião, visto que a pessoa pode ter uma crença intuitiva em algo maior, o que a conforta e traz paz.

A sociologia define RELIGIÃO como sendo um sistema solidário de crenças e de práticas tidas como sagradas, sendo que todos aqueles que a ela aderem se reúnem numa mesma comunidade moral chamada igreja.

A verdade é que as religiões têm, sim, um papel importante nos estágios embrionários do despertar do Ser, trazendo a ele algum tipo de conexão espiritual básica.

Porém….

Lamento informar que infelizmente todas as religiões deste mundo — sem exceções — contêm graves distorções em suas crenças, a serem abordadas em seguida. Ainda assim sugiro que não devemos ser contra as religiões, pois elas têm uma serventia (mesmo que temporária) no despertar do Ser em espiritualização.

Portanto….

Chegará a hora em que todos acabarão tendo que se soltar de tais conceitos e crenças religiosas, pois em certo momento evolutivo do Ser, as crenças limitantes inseridas nas religiões irão atrapalhar o seu DESPERTAR! Só que isto não pode ser forçado, tem que vir de dentro, e se torna bastante óbvio quando é chegada a hora de cada um.

Ou seja, por um lado as religiões cumprem seu papel no sentido de ajudar as pessoas nos seus primeiros passos de abertura para a espiritualidade — e só isto já tem um valor tremendo. Mas, por outro lado, todas as religiões atuais não passam de uma MULETA temporária, dadas as distorções de base contidas nelas! Em outras palavras, as religiões têm sua importância — até deixarem de ter!

Explico….

Em função das inúmeras distorções presentes em todas as religiões — TODAS — , elas acabam tornando a pessoa refém de algumas inverdades ou, pior ainda, meias verdades. Assim sendo, saiba que chegará o momento na vida de cada Ser onde ele terá que largar a muleta religiosa para poder continuar a evoluir consciencialmente, pois em tal caso ela já teria cumprido seu papel de ajuda temporária, e dali em diante já estaria atrapalhando o despertar do indivíduo.

E é justamente esta questão que vamos abordar agora….

Primeiramente, é importante que você compreenda que, neste momento da sua jornada evolutiva, o seu espírito resolveu se experimentar através de uma roupagem temporária de carne e osso, tendo adotado um personagem temporário para tal (que é você, como se enxerga). Entretanto, isto não aconteceu ao acaso, ele de fato quis se experimentar justamente dentro desta moldura de realidade física, e por isto ele jamais a rejeitaria, pois foi uma escolha consciente! 

Porém, infelizmente muitas filosofias que ensinam a negação do seu lado de criatura física (negação da carne) acabam terminando por pregar a negação do próprio Eu Temporário – e construindo um desprezo por ele.  Todas estas filosofias religiosas e dogmas utilizam-se muito de uma “culpa artificial” para induzir as pessoas em determinada direção, o que faz com que aquela saudável “culpa natural” (muito bem utilizada pelos animais de forma intuitiva) seja distorcida para servir àqueles nefastos propósitos manipulativos.  E uma parte sombria das mentes sem acesso à Consciência Maior irá adorar usar a COMPAIXÃO para exacerbar a “culpa artificial”, tornando tais pessoas em reféns de ilusões autoimpostas pelo ego — mas só porque cada um permite isto, ninguém é vítima de nada! Não existem vítimas no universo, não importa a situação!

Entenda que aqui, neste planeta, somente ao ser humano é atribuído o direito e a liberdade total de criar — através da sua mente — sua Realidade Aparente (aquilo que chama de “sua vida”), sendo que cada um cria a sua própria realidade. O fato é que os Seres vivos (animais, plantas, etc) ainda não chegaram lá, pois estão se preparando para administrar os gigantescos desafios de um dia encararem (desde que queiram) a experiência do Livre Arbítrio total, seja na condição humana ou de qualquer mundo, na condição física ou não-física.

Tal experiência envolve esquecer a própria origem cósmica (Obnubilação da Consciência) e, através de uma poderosa mente (inicialmente pouco expandida), adotar um Eu Temporário (este que você vê no espelho diariamente) com total Livre Arbítrio para criar o que for — inclusive um aparente inferno — durante incontáveis existências, experimentando-se sob diversas roupagens distintas enquanto aprende a “navegar” num mar de experiências dentro do qual será sempre o único Criador da própria aventura como Criatura.

Plantas e animais em geral ainda estão fluindo na sua experiência de uma maneira mais protegida, mais conectados à sua Essência que os humanos, guiando-se ora por um instinto básico, ora pela sabedoria que vem diretamente da própria Consciência Cósmica — daí a razão de plantas e animais, por vezes, realizarem feitos que deixam os humanos estupefatos. Ou você achou que toda a evolução é obra do acaso? Ou que, talvez, as Teorias de Charles Darwin explicariam tudo? Não seja ingênuo!

O Livre Arbítrio do ser humano é tão amplo que abre a possibilidade para ele inclusive poder negar tanto seus instintos básicos quanto sua intuição elevada, o que também abre espaço para que ele possa ficar se culpando pelo passado ou sofrendo por um futuro projetado – coisas que um animal não precisa encarar (ao menos não de uma forma que envolva qualquer autopunição) –, o que torna o desafio humano algo muito mais complexo que o dos outros Seres (mas ainda assim este desafio não é em vão, pois há, SIM, um propósito nisto, explicado ao longo desta obra).

Esta nossa liberdade criativa também abre facilmente caminho para que a “culpa artificial” (uma culpa autoimposta que não vem da nossa Essência) anule a perfeição do sistema de “culpa natural” que existe em todos os Seres para guiá-los da melhor maneira possível enquanto eles se expressam como Seres Relativizados.

Pois é justamente através desta culpa artificial que todas as religiões acabam – de forma consciente ou inconsciente – manipulando seus seguidores. O fato é que todas as filosofias desta área vendem ao devoto – direta ou indiretamente – a ideia de que existe algo de errado em sua experiência terrena (a qual, apesar de complexa e impactante, é também mágica e reveladora, inclusive para o seu Eu Verdadeiro e até para a própria Consciência Maior, os quais se expandem com as epifanias dos Seres relativizados).

Assim sendo, tais filosofias religiosas fazem com que o devoto seja levado quase que inconscientemente a se considerar uma criatura inferior ou má enquanto estiver se expressando como um Ser num corpo físico, fazendo-o ver-se como inadequado (e consequentemente culpado) pelo simples fato de existir fisicamente. E, para piorar, isto é corroborado até mesmo pela ideia do Pecado Original, como se o amor expresso através da intimidade amorosa fosse algo pecaminoso! Aliás, muitas crenças religiosas acabam automaticamente remetendo o indivíduo a uma autoinferiorização.

Quanto obscurantismo tem sido impingido à humanidade em nome de mantê-la refém de um domínio nefasto…. Que lástima!!!!

E ao sentir-se inferior ou mau, isto por si só irá causar uma experiência adversa na vida da pessoa, levando ela a rejeitar a base da sua própria moldura existencial na experiência física – a qual, volto a lembrar, foi a intenção do espírito, o qual quis expressar-se fisicamente para ter uma perspectiva diferente de si, da Vida e de Deus. Imersa em tal dilema patrocinado pelas religiões, a pessoa até poderá conseguir enxergar o seu corpo físico como sendo um fantástico veículo de expressão, mas jamais conseguirá vê-lo como sendo uma expressão física natural que, na verdade, não é inferior ao seu PERFEITO SER espiritual, apenas proporciona experiências diferentes!

Muitas escolas orientais (bem como numerosas outras escolas sobre espiritualismo e correntes de pensamento mais moderno) também reforçam a enorme importância dos “níveis inconscientes do Eu”, e ensinam você a desconfiar da mente consciente (a parte acordada que lida com o dia a dia)…. Por favor, desconfiar logo dela, a grande responsável pela criação do seu cenário de vida! Que lástima!

Entenda, pois, que aquelas lembranças e traumas que estão escondidos no fundo do seu inconsciente somente se instalaram lá porque assim foi determinado POR VOCÊ usando a parte consciente da sua mente, a parte acordada para o dia a dia – mesmo que tenha sido em outra vida sua. Ou seja, recordações e traumas negativos (e rotulados como algo “a ser evitado”) só permanecem escondidos no inconsciente por decisões conscientes da sua parte, mas continuarão alimentando fantasmas e reforçando crenças distorcidas que afetarão o cenário da sua vida enquanto não forem encarados, enquanto você não rever e desmistificar tais informações e as crenças distorcidas associadas a elas.

Daí a importância de encarar tudo de frente de forma consciente!

PILOTANDO SUA MENTE

É através da sua Mente Consciente que você (o piloto da aventura) manipula o conteúdo geral da mente e comanda o espetáculo da própria aventura, aceitando ou rejeitando crenças e intuições, e definindo programações a serem cumpridas pelo inconsciente.  Ou seja, você é o piloto por trás da mente que ora se identifica com o Criador da aventura, ora com a Criatura que a experiência (o personagem temporário e esquecido da verdade, suscetível a tudo que já gravou na mente no passado)!

Você mergulhou num cenário Relativo, formou ideias, tirou suas conclusões de cada experiência que viveu e depois a sua vida passou a ser um reflexo do que você mesmo inseriu na mente -- com o intuito de permitir que você seja o Criador da própria aventura. 

Caberá a você um dia começar a questionar suas próprias convicções sobre a realidade aparente que o cerca, momento em que já estará começando a buscar pelo próprio despertar. 
É assim que funciona o jogo da Vida (não apenas da vida física, pois você continua criando sua realidade aparente mesmo quando abandona o corpo físico e parte deste mundo, mantendo uma mente que transcende tempo e espaço).

Portanto, é fazendo escolhas de maneira consciente (usando a mente consciente) que você empresta, adota ou cria suas crenças, as quais depois são materializadas pela mente através do poder do Eu Verdadeiro.

Entretanto, que fique claro que é tão somente através da sua conexão intuitiva com o Eu Verdadeiro que você — simultaneamente o Criador e a Criatura, alternando entre tais perspectivas — conseguirá um dia alinhar suas crenças e fazer o Eu Temporário conseguir finalmente emergir do jogo (já refletindo totalmente a Essência Máxima do seu piloto: você).

Assim sendo, você só será capaz de resolver aquelas distorções gravadas no seu próprio inconsciente (e que também criam sua realidade aparente) através da mente consciente, reavaliando experiências e resultados, emoções e sentimentos, causas e consequências (apesar de também contar com a ajuda do Eu Verdadeiro que emerge através do inconsciente, via intuição). Veja bem…. que fique claro, aqui, que apesar de o nosso INCONSCIENTE ser de fato uma janela para o nosso espírito, ele ainda assim aceitará todas as ordens e ideias dadas a ele pela Mente Consciente (pilotada por Você), pois é assim que nossa experiência Relativa foi projetada para ser em função do Livre Arbítrio, cabendo a você (que é mais que um corpo e uma mente) ser o volante que guia tal mente, ser aquele que constantemente colhe resultados, avalia e recria o sistema de crenças que mantém na mente, sempre buscando mudar para melhor e expressar uma versão cada vez mais elevada de si mesmo. E não será fugindo dos pensamentos, emoções e sentimentos que você resolverá seus problemas.

Neste processo, nunca se esqueça que informações e dados são peneirados pela sua mente de forma automática no sentido de sempre buscar algo físico que corrobore as crenças que você sustenta na mente. O resto é ignorado. É assim que você acaba filtrando erroneamente tudo que chega a você à medida que está evoluindo, sempre usando as próprias crenças como base de análise, ficando “cego” às verdades que tentam constantemente se revelar — um processo que só é rompido com questionamentos, com a atenção dada a intuições elevadas que docemente lhe sugerem para repensar aquilo no qual crê.

E é por isto que o ser humano constantemente despreza tanto intuições elevadas quanto sinais que a vida traz o tempo todo: porque se nega a rever suas próprias convicções! Mas a culpa não é da mente. A verdade é que uma parte insegura da pessoa QUER ACREDITAR que o mundo é exatamente conforme as crenças conscientemente adotadas por ela — mesmo não sendo. E assim ela tenta buscar (e até forçar) sinais que lhe transmitam alguma paz — uma segurança que só pode ser obtida através do acesso à Consciência Maior, o único porto seguro dentro da Relatividade.

Ressalto que nenhuma das teorias religiosas existentes contempla um entendimento das funções da mente consciente e da sua expansão e evolução ao longo das vidas de um Ser que está sempre indo adiante rumo ao resgate do acesso à Consciência Maior que lhe originou (e da qual ele nunca saiu de fato, só no Faz de Conta em que ele vive, na ilusão mentalmente criada).

Saiba…. Sua mente está SEMPRE se expandindo (nem sempre de uma forma linear), sempre se tornando mais abrangente e permeável à própria Consciência Maior. Aliás, este é o desafio do jogo: expandir a mente e o Eu Temporário que ela tornou possível existir.

Para aprofundar um pouquinho esta análise, vejamos algumas ideias centrais que residem por trás da maioria das religiões (e logo em seguida os comentários pertinentes):

  • A IDEIA DE UM ESTADO SUPERIOR OU DE ENTIDADES SUPERIORES: Devido à inegável falibilidade humana (que é parte intencional do Jogo da Vida), devido ao aparecimento — vez por outra — de Seres que já manifestavam características mais elevadas e devido à própria intuição humana, não foi de se estranhar que a humanidade iniciasse uma contemplação a um Estado de Ser muito mais elevado (ou então a Seres superiores). E isto inevitavelmente leva as pessoas a uma mentira: a ideia de inferioridade em relação aos que enxerga como superiores (explicada logo adiante).
  • A IDEIA DO CÉU: Muitas religiões mundo afora nutrem a ideia da existência de um céu, uma espécie de paraíso divino que representa a salvação de um indivíduo pecador, um destino espiritual final (ou mesmo temporário, dependendo da religião) que é atingido somente por boas ações, e que evita um sofrimento no outro extremo, o inferno. E como algumas religiões (como no Cristianismo) não contemplam a existência de reencarnações, sofrem com a adoção de um radicalismo relacionado ao desfecho de suas vidas, imaginando que após suas mortes irão ou para o tal céu, ou para um inferno…. sem meio termo (e sem a liberdade daqueles que sabem que poderão se reinventar eternamente em novas vidas. Já outras doutrinas compreendem a ideia da reencarnação — como é caso do espiritismo, uma religião cristã que considera a existência de colônias espirituais onde o Ser em evolução visa edificar o “Céu absoluto” em si mesmo a partir do “Céu relativo”. Algumas filosofias orientais também consideram a existência de um ou de vários céus temporários, ou seja, sempre transitórios, daí a busca pela iluminação, pela moksha (libertação), pelo Nirvana.
  • OS CONCEITOS DE NIRVANA e MOKSHA: A palavra Nirvana significa, em Sânscrito, “extinção”. Para as religiões que adotam tal ideia, o Nirvana é um estado de total paz e tranquilidade que seria atingido pelo ser humano ao percorrer uma busca espiritual que passa necessariamente pela supressão do eu individual, ou seja, passa pela extinção do desejo e da consciência humana individual na tentativa de atingir o êxtase de uma paz perfeita e sem sofrimentos. Seria uma iluminação, uma libertação (Moksha) do ciclo de reencarnação e do sofrimento envolvido, mas que só poderia ser alcançado com a eliminação da individualidade.

Bem, estas são apenas algumas ideias centrais sobre as religiões neste planeta, mas que já são suficientes para preparar o leitor para os profundos questionamentos que virão a seguir, visando fazê-lo perceber os problemas que se escondem por trás de todas todas estas filosofias.

O fato é que todas as versões religiosas padecem de graves distorções de percepção.

Até mesmo as religiões que já contemplam alguns conceitos mais alinhados de espiritualidade (como a reencarnação e o carma) possuem, na base, graves falhas de perspectiva, com fortes desalinhamentos em relação às Verdades Maiores da Vida.

Em todos os casos os devotos ainda dormem, esquecidos da própria grandeza enquanto se sentem pequenos diante da divindade. E por mais que busquem sua divindade de formas distintas, quase sempre a buscam fora de si mesmos. Mas mesmo quando a buscam dentro de si (o Deus interior), o fazem com certo desprezo ao seu próprio lado Criatura, tentando evoluir a partir da exclusão da fisicalidade, e não da inclusão, da conciliação. Consideram o estado físico quase que como um castigo, quando encarnar foi, na verdade, a intenção do espírito (vide nesta obra “O MATERIAL COMO INFERIOR AO ESPIRITUAL”, outra crença gravemente distorcida).

Vamos ampliar um pouco a perspectiva acerca das ideias listadas acima? Quem tal entrarmos dentro delas com a lanterna da Luz da Verdade?

I) A IDEIA DE UM ESTADO SUPERIOR OU DE ENTIDADES SUPERIORES…. Uma boa parte de uma humanidade ainda sem rumo acabou tirando conclusões precipitadas sobre nossa Essência. Muitos iniciaram uma adoração a Seres superiores. Outros não fizeram isto, mas ainda assim desprezavam o seu lado Criatura, considerando-o como sendo uma manifestação inferior. O problema por trás disto é um só…. Em ambos os casos, houve uma postura de autoinferiorização, ou seja, a imediata adoção de uma falsa e perigosa crença de que somos inferiores a Deus — quando na verdade somos Ele mesmo!

Seja por desprezar o lado Criatura ou por adorar divindades, a falsa crença de uma inferioridade inata é sempre prejudicial. E assim, por regra do jogo, tal falsa crença se materializará, ou seja, enquanto nutrirmos tal crença, colheremos na prática a vivência de uma inferioridade inegável (ao menos nas aparências). Não estou querendo afirmar que a figura de uma inegável Consciência Cósmica Transcendental seja pouca coisa, pelo contrário. Mas sempre que nos sentimos pequenos diante da grandeza de tal Fonte, estamos com problemas!

Sucede que nossa inferioridade é apenas aparente, pois estamos dentro de um Jogo de Manos Valia Aparente, um jogo onde cada um alegre e insistentemente pediu para entrar, pois tinha absoluta convicção da grandeza daquilo que viveria na Relatividade (mesmo que depois tenha esquecido disto, para poder jogar o jogo). Cada Ser é uma fatia da Consciência Maior e simultaneamente Ela própria, por inteiro. A PARTE sempre contém o TODO no reino da Consciência Maior.

Sim…. Estou afirmando categoricamente que VOCÊ É DEUS! O próprio Deus (ou Alá / Jeová / Brahma…. ou qualquer outro nome que atribua à sua Consciência Maior que lhe originou e da qual você nunca saiu de verdade, só na aparência).

Saiba…. Você continua sendo Deus — O Deus — mesmo quando se comporta como o oposto Dele. Você não pode deixar de ser Deus! Só o faz nas aparências de um jogo temporário do qual não há como sair perdedor (apesar de tal percepção de vitória poder demorar milhares de existências). E um dia você se dará conta disto, quando então poderá dizer que está se iluminando, que está expressando o Deus interior!

Porém, você jamais fará isto enquanto desprezar a grandeza do seu lado Criatura, enquanto tentar suprimir desejos e vontades, enquanto tentar extinguir seu lado aparentemente falível, o qual não é inferior a Deus, mesmo que pareça! Daí a incongruência da busca pelo Nirvana (extinção)!

Filosofias que seguem tais ideias se esqueceram que apesar de nosso lado Criatura por vezes SE COMPORTAR muito abaixo do nosso lado divino, NINGUÉM É SEU COMPORTAMENTO!

O comportamento de um Ser é algo apenas temporário que não o define (a não ser na limitada ótica daqueles que estão com uma perspectiva cósmica retraída, por ainda estarem “dormindo” dentro do jogo no qual estão imersos)! Aliás, nem o passado, os tropeços, sucessos ou derrotas de um Ser definem quem ele é de verdade! Porque aquilo que ele É De Fato transcende sua natureza temporária.

Cada pessoa é um Ser eterno de natureza divina que está vivendo aventuras temporárias dentro das quais ele apenas parece falível e claudicante enquanto esquecido de uma grandeza que um dia indubitavelmente permitirá que emerja, independente do quanto demore! E ele terá todo o tempo que o tempo tem para fazer isto (até porque é ele mesmo quem o cria, pois o tempo nem real é).

Pois é, my friend. Eu já lhe avisei que você é bem mais do que pensa que é! Está tão difícil assim de acreditar? Humpf….

II) A IDEIA DE CÉU…. Os devotos das religiões que contemplam a ideia de “paraíso” passam a vida buscando atingir um êxtase de uma vida plena, feliz e sem sofrimentos, mas através de um péssimo hábito de autoinferiorização patrocinado pela idolatria a um Estado de Ser Superior ou a figuras divinizadas (vários Deuses, santos, divindades) sem se darem conta de que não são inferiores a ninguém (nem sequer ao próprio Deus / Alá / Jeová / Brahma, etc), sem perceberem que o céu ou o inferno não estão fora deles, mas dentro, pois cada um cria seu mundo e É um mundo à parte. Carecem da compreensão de que estão imersos num jogo divino onde todos já nasceram salvos, ou seja, onde ninguém precisa ser salvo, pois todos um dia compreenderão seu caráter eterno e sentirão que o tal “paraíso” que tanto buscam sempre esteve dentro deles, basta ampliar a percepção!

Mas tal “céu interior” jamais poderá ser alcançado via depreciação da experiência física, como muitos religiosos e filósofos o fazem. Todos um dia acessarão um estado Absoluto de unicidade que aprecia e admira a experiência Relativa, que não considera nosso lado Criatura inferior. Um estado Absoluto onde — apesar da unicidade — ainda existe a individualidade preservada, ao contrário da visão de muitas filosofias e da visão do próprio ego (que reluta em se expandir por temer sua própria extinção, quando no fundo só se integrará à Consciência Cósmica, só se tornará permeável ao Eu Verdadeiro que o criou).

Dentro deste jogo, TODOS SÃO DEUS, todos são individualizações da Consciência Cósmica que também a contêm por inteiro (mesmo que tenham esquecido disto para poder jogar o jogo), pois no reino da CONSCIÊNCIA MAIOR, a Parte sempre contém o Todo.

III) OS CONCEITOS DE NIRVANA e MOKSHA…. As filosofias que adotam a ideia do NIRVANA desprezam a verdade de que ninguém jamais se elevará consciencialmente enquanto tentar desprezar e eliminar uma parte sua — seu lado criatura, considerando-o inferior no caso — , mas sim elevando-a consigo, conciliando. Nem mesmo o primeiro Buddha (Siddhartha Gautama) conseguiu se iluminar verdadeiramente, justamente por desprezar seu lado criatura, por não ter conseguido conciliar corpo, mente e espírito de forma adequada, deixando seu lado físico e suas relações interpessoais completamente abandonados. E assim, apesar das inquestionáveis conquistas espirituais atingidas, mais tarde ele teve que reencarnar para corrigir tal “deslize” e aprender o que significa CONCILIAÇÃO.

Consciência implica em conciliação, inclusão, e jamais exclusão!

Filosofias que concebem o Nirvana não compreendem que todos os nossos desejos são genuínos, e não há nada de errado ou inferior com o ato de QUERER algo para si, com o ato de desejar o que quer que seja. Até porque o ato de QUERER é o primeiro passo da criação. Ele pode não garantir nada (pois a materialização de um desejo depende de muitas outras crenças), mas sem o “querer”, nada acontece! (NOTA: mais sobre a importância do “ato de querer” em VISUALIZAÇÃO).

Entenda…. Não é negando e excluindo uma parte sua que você se elevará, mas incluindo e conciliando – e isto se refere até ao ego, o qual jamais precisou ser combatido como pregado por muitos filósofos de todo o mundo. O Eu Temporário só precisa se tornar permeável ao que vem do Eu Verdadeiro, jamais eliminado e nem sequer transcendido. O Eu Temporário quer se conhecer, e ele tem o direito a seus desejos, pois foi desta maneira que você decidiu se experimentar, mesmo que não se lembre agora.

E assim o Eu Temporário estará sempre se expandindo à medida que vai se espiritualizando e se abrindo ao que vem da Essência. E tem mais…. O Eu Temporário jamais será extinto, ele manterá sua individualidade mesmo depois de já estar iluminado e em unicidade com o Eu Verdadeiro, pois uma vez criado, torna-se um Ser único e indestrutível destinado a ser um outro Eu Verdadeiro capaz de gerar novos personagens em espiritualização!

Observe que cada religião apresenta um conjunto de crenças ou filosofias associadas a ela. Porém, mesmo não sendo iguais, todas elas sempre compartilham uma característica em comum: acreditam no sobrenatural, creem em forças que, apesar de invisíveis, controlam as suas vidas se não se comportarem adequadamente…. o que dá abertura para o MEDO, que é o oposto do AMOR, o oposto de Consciência Elevada.

E é aí que começam a aparecer expressões que, apesar de parecerem ingênuas, já contêm graves distorções de percepção, levando a péssimos caminhos, como por exemplo:

  • “Se Deus quiser….”
  • “Assim Deus quis!”
  • “É a vontade de Deus!”
  • Etc.

Pode não parecer, mas ao usar expressões deste tipo, a pessoa abdica do próprio poder, por transferi-lo a alguma divindade que considera superior. E assim ela perpetua a ideia de inferioridade, além da ideia de que não é ela quem comanda sua própria experiência!

Ao empregar tais expressões, a pessoa demonstra que ainda DORME, demonstra não estar DESPERTA para a verdade de que só ela controla sua vida, ninguém o faz por ela, nem mesmo Deus. Aliás, cada pessoa é Deus, a soberana e única CRIADORA da sua aventura como CRIATURA. Ou seja, cada um cria sua “realidade” com tudo nela contido — entrelaçando-se com a “realidade” dos outros numa gigantesca experiência multidimensional — , e não um Deus que reside fora dela e que julga, escolhe ou tem preferências.

Ao delegarem para Deus o que lhes acontece ou acontecerá, as pessoas incorrem no grave erro de não assumirem a responsabilidade pelo que criam, sempre debitando ou creditando a outrem o que a vida aparentemente lhes trouxe ao acaso (quando na verdade nada lhes chega ao acaso, são elas que criam).

Veja bem…. Não é errado rogar a Deus por algo, afinal de contas ele é a Grande Matriz da qual nos originamos, a Grande Mãe, o Grande Pai. Porém, nestes momentos de aflição, Ele mesmo sempre lhe pergunta (apesar de você normalmente não ouvi-lo): “Qual é a sua escolha, meu filho? Decida! É você quem cria”!

Enfim, todas as religiões têm — em maior ou menor grau — a ideia do pecado, do erro e da culpa artificial (que implica em autopunição, penalização) permeando suas diretrizes. Não conseguem entender que NÃO EXISTE “certo e errado”, apenas o que os aproxima ou os distancia de suas Essências — mas que, em última análise, é sempre temporário e relativo, pois todos retornarão à Consciência Maior da qual se originaram, não há outro destino, nem para o maior “pecador” dos pecadores.

Isto não significa que você estará isento de pagar por atitudes desalinhadas, mas significa que até isto chegará ao fim algum dia, é inevitável (vide Adendo “O CARMA” para mais explicações, incluindo detalhes sobre reencarnações e a ilusão do tempo).

Saiba que estamos aqui para “ERRAR e acertar” (com ênfase no “errar”). Sim…. Porque só dentro de um jogo de menos valia aparente (um teatro, um Faz de Conta) é que podemos nos tornar aparentemente inferiores ao que realmente somos — e assim experimentar a ideia do erro, a ideia do medo, a ideia do mal, a ideia da aparente inferioridade…. tudo ilusões de um jogo de deuses.

Só o amor é real !

A maldade não passa de uma experiência que a pessoa apenas interpreta como sendo o mal, justo por não estar tendo — naquele instante — a perspectiva mais ampla da aventura que está vivendo. Se você tivesse tal perspectiva ampliada (a qual vai muito além da perspectiva humana), entenderia que:

  • você só passa pelo que tem que passar (em função do conjunto de crenças que nutre);
  • você só é destratado por ter atraído isto para si (e justo por alguém que precisa ou aceitou lhe dar tal experiência).
  • você só destrata quem atrai tal experiência para si ou aceitou (a partir de outra esfera) se submeter àquilo por você (o que obviamente terá consequências para você, Carmas);

Somos todos UM nos ajudando a DESPERTAR. Não existem coincidências no reino da Consciência Maior, cada Ser é responsável por tudo que vier a experimentar!

Estamos todos mergulhados numa longa jornada de Seres Eternos (imortais) vivendo aventuras temporárias, Seres que entraram numa brincadeira cheia de ilusões que é puro amor quando observada de outras esferas, Seres que se ajudam mutuamente e que estão em espiritualização, em resgate da sua conexão com a Consciência Maior.

Quanto à humanidade, infelizmente ela continuará perdida enquanto sustentar crenças religiosas que apresentam um “Deus” que tem vontades, e cuja “vontade” pode trazer vida e cura, ou morte e destruição, um Deus com sentimentos de julgamento, de preferência, de escolha ou aborrecimento, UM DEUS QUE IMPÕE MANDAMENTOS que jamais existiram!

Mandamentos???? Por favooooor!!!!

Com tais crenças, a única certeza é a incerteza.

Com essas convicções, qualquer mal, doença ou anormalidade pode ser justificado como sendo “a Vontade de Deus” — um Deus que nada tem a ver com a Verdade! Porque o verdadeiro Deus é puro amor incondicional, e justo por isto Ele quer para nós aquilo que nós mesmos queremos para nós, independente de ser “errado”. Ou seja, Ele nos solta, pois SABE que tudo que vivemos são só experiências temporárias de Seres eternos, e por isto não intervém no nosso Livre Arbítrio!

Perceba, portanto, que tais filosofias sobre espiritualismo podem conduzi-lo a uma profunda falta de confiança tanto no seu corpo quanto na sua mente.

Isto porque ao tentar viver de acordo com os padrões de perfeição do espírito – completamente impossíveis de se atingir na expressão humana (e nem é o propósito desta experiência) – o aparente fracasso é inevitável, aumentando ainda mais os sentimentos de inferioridade e culpa. Compreenda que ao perder a confiança no corpo e na mente, você acabará tentando banir a apreciação por seu lado criatura, e isto só amplia ainda mais seus sentimentos de menos valia.

Tenha em mente que enquanto se expressa como um Ser Relativizado, você estará sujeito a certas limitações das molduras do cenário no qual escolheu mergulhar intencionalmente, e apesar de você até talvez conseguir mudar muitas coisas neste cenário (inclusive dobrar certas “leis” imutáveis), ainda assim terá que aprender a estar em paz apesar da existência de quaisquer limitações aparentes, expressando o que for possível expressar da sua divindade neste mundo — e sempre por escolha, jamais por obrigação. Ah…. e com total gratidão!

Vale notar que algumas correntes religiosas estão tão convencidas da miséria da condição humana que vivem espalhando A IDEIA do MEDO, vivem prevendo catástrofes, destruições mundiais e um apocalipse iminente, o que acaba amplificando ainda mais o forte obscurantismo que já existe em nosso mundo…. Mas a verdade é que eles mesmos se sentem tão miseráveis que não têm sequer vontade de se aprofundarem, não se interessam em realmente lidar com as crenças que fazem emergir tais sentimentos obscuros, não se interessam em ampliar seus níveis conscienciais para sair desta péssima hipnose coletiva de falsa impotência e autoinferiorização.

Em muitos casos, todas as mais nobres qualidades humanas, quando expressadas, são creditadas à intervenção de uma divindade (uma ajuda superior), enquanto aquelas características menos admiráveis que a pessoa expressa são debitadas (atribuídas) à sua inferioridade, à sua impureza ou à sua falibilidade humana – o que a fará, por associação, ver-se como indigna.

A pessoa, assim, se priva do uso de muitas de suas habilidades, pela simples crença na sua própria inferioridade.

Ela não considera que é tão poderosa quanto seu Eu Verdadeiro, pelo simples fato de que esqueceu disto (para alegremente entrar no jogo da Vida, um jogo que sabia que seria tão contundente quanto mágico). E daí a pessoa segue sua jornada de forma medíocre, criando uma realidade básica e limitada em função das crenças de inferioridade que foram aceitas, compradas ou emprestadas ao longo do caminho (crenças que sempre são forçosamente materializadas pela mente, transformadas em um cenário físico, conforme “regras” do Jogo da Vida).

Desta forma, a pessoa já não enxerga qualquer habilidade mais elevada como sendo um atributo inato seu, mas sim uma ajuda superior. E até ficará enciumada quando perceber outros humanos demonstrando tais qualidades incomuns (como se fossem sobrenaturais e, por isto, para poucos escolhidos).

Claro que tudo isto é um Jogo, e todos estão destinados a acordarem dele, por mais vidas que levem, não importa o quanto errem, não importa o quanto pequem. Porque a partir de uma perspectiva elevada, é fácil perceber que você só erra com quem ainda precisava daquela experiência ou se dispôs a passar por ela. Não existem coincidências!

Acredite! Você é um ser perfeito, uma obra-prima de Deus, uma fatia Dele e simultaneamente Ele(Ela) por inteiro! E por mais que seus comportamentos ainda não reflitam isto, é só uma questão de tempo (dias, anos, vidas, séculos, milênios) para que você desabroche e brilhe com toda a sua luz original!

Saiba que você já é um Ser grandioso, mesmo enquanto expressa o oposto disto em uma brincadeira da qual não tem como sair perdedor (a não ser temporariamente). Não importa o seu passado, seus erros, acertos, insucessos ou sucessos. Você está destinado a voltar a refletir Quem Sempre Foi: Deus (ou seja lá qual nome dá à Consciência Maior)! Sim, você contém Deus por inteiro, pois no reino Dele/Dela, a PARTE sempre contém o TODO!

E saiba que nesta brincadeira que chama de Vida, não existem ESCOLHIDOS de Deus (ideia que não passa de uma distorção manipulativa de mentes sombrias), porque ninguém é julgado ou segregado por uma Esfera Maior que segura na mão a chave da Porta do Céu!

Mas apesar de muitos serem CONVIDADOS para se abrirem para a Consciência Maior, infelizmente são pouquíssimos os que estão decididos a dar o passo adiante!

Muitos são os convidados, mas poucos são os ESCOLHIDOS DECIDIDOS!”

Esta foi a frase original de um Ser que nasceu com Consciência Contínua há pouco mais de 2 mil anos, com o objetivo de ajudar a humanidade a sair da escuridão! Infelizmente distorceram suas palavras INTENCIONALMENTE !!!! Na famosa frase anterior, a palavra indevidamente usada foi riscada e substituída pela palavra original proferida na época.

Pois bem…. Neste instante você está sendo convidado a despertar!

Será que está decidido?

Humpf….

F) ABUNDÂNCIA

Abundância não se refere só a bens materiais, mas ela se estende a amor, amizades, alegrias, diversão….

Você é rico de tempo? Você se sente rico de gratidão, ou de DINHEIRO?

Pois bem, esteja ciente de que aquilo que lhe impede de expressar a fartura natural do seu Ser é sempre uma CRENÇA DESALINHADA em relação ao que deseja. E assim, por mais que você até possa por vezes falar, por vezes pensar e por vezes agir de forma alinhada ao que quer para si, você só conseguirá realmente materializar o objeto do seu desejo se for capaz de manter um alinhamento harmonioso e duradouro destes pilares da criação (pensar, falar e agir). Porém, tais pilares só se alinham genuína e definitivamente se você primeiro mudar suas crenças a respeito do objeto do seu desejo.

Palavras, pensamentos e ações só criam quando harmonizados entre si de forma duradoura e como consequência de uma nova crença que os alinhou.

Ou seja, em última instância, quem cria qualquer realidade sua é sempre o seu conjunto de crenças, e estas são tornadas físicas por uma poderosa mente cuja missão é materializar crenças, uma mente alimentada pelo poder da Consciência Maior que dá a você (não à mente) total Livre Arbítrio – e até tenta ajudá-lo via intuições que emergem no inconsciente, mas sempre respeitando suas escolhas.

Por isto, comece já a assumir a responsabilidade de rever o conteúdo com o qual andou alimentando a sua mente, passando a repensar cada experiência que vive na certeza de que só colheu o que plantou previamente na mente, na convicção de que nada lhe sucedeu ao acaso, mas sim como FRUTO das crenças que aceitou e alimentou.

Veja bem….
Você não é a sua mente e nem seu corpo. Você é o Ser que se experimenta ATRAVÉS de uma mente! Sua mente apenas traz à existência física as crenças que você escolheu, criou, emprestou ou adotou ao longo de uma enorme jornada de incontáveis existências.

Assuma as rédeas da sua vida!

Crenças, crenças, crenças. Daí o nosso foco nelas.

Ei…. Você quer mudar a expressão da abundância em sua vida? Pois…. Técnicas de Visualização, amigo(a).

Bem, fique tranquilo, já chegaremos lá.

Mas antes lhe sugiro que leia a publicação “SR. DINHEIRO”, no Blog onigya.com (gratuito e sem propagandas). Ela lhe ampliará os horizontes a respeito da abundância da experiência humana em geral, e também mostrará o que existe por trás da ilusão de escassez do nosso querido e brincalhão Don Dinero! Só depois investigue as técnicas de visualização aqui propostas, as quais lhe ajudarão a mudar crenças e, em seguida, realidades.

^ Voltar ao topo


6.4 – ENCONTRANDO E REVELANDO CRENÇAS

Há algumas formas de chegar nas raízes das suas crenças distorcidas:

A) A maneira mais prática, rápida e eficaz de fazer isto é usando-se uma técnica de Trabalho Mental bem simples (ao menos em teoria), através da qual você nem sequer precisa saber quais são as crenças distorcidas que habitam sua mente e o limitam. Esta forma se chama VISUALIZAÇÃO, ou seja, imaginação colocada em ação. Ela constitui-se na maneira mais elevada de recriar-se, pois você simplesmente irá focar no que deseja ter ou conquistar, podendo inclusive ignorar qualquer passado (ou até recriá-lo). Esta técnica será apresentada mais adiante nesta obra, sendo um dos pontos centrais de toda esta obra.

B) Uma outra forma bem objetiva (mas que carece de mais concentração e empenho) é ser franco consigo mesmo, escrevendo num papel tudo que imagina ser uma crença distorcida, tentando abordar as mais diversas áreas de sua vida. Você pode acabar descobrindo que alimenta crenças conflitantes, ou seja, descobrindo que acredita em coisas completamente distintas dependendo do momento e das circunstâncias. Tratam-se de crenças opostas que regulam tanto suas emoções quanto seus sentimentos, bem como as condições do seu corpo e de sua vida — sem falar no fato de que servem como filtro para quaisquer intuições elevadas, podendo facilmente deturpá-las. Examine os conflitos, questione tudo, vá a fundo e, principalmente, tenha paciência. Outras esferas do seu Ser entrarão em ação só porque você colocou o foco nesta questão, e assim logo começarão a emergir algumas crenças invisíveis que interligam aquelas posturas aparentemente conflitantes. Estas crenças invisíveis, conforme já explicado, são simplesmente aquelas fortes convicções que você sequer nota, seja porque as considera como sendo a própria realidade (em vez de uma ideia que cria tal realidade) ou então porque você escolhe conscientemente aceitá-las num momento e ignorá-las em outro instante quando lhe convém (mesmo estando a par delas), pois representam áreas de conflito e stress que você prefere evitar. Entretanto, todas as crenças sempre estarão prontamente disponíveis assim que você estiver determinado a examinar o conteúdo da sua mente por inteiro (suas crenças, seus valores, seus medos, suas feridas, seus pensamentos aterrorizantes, etc), sabendo que todas as distorções e reações automáticas gravadas no inconsciente foram primeiro validadas intencionalmente por você através da mente consciente em algum momento de alguma vida de sua longa jornada de volta à Fonte.

C) Outra maneira de chegar nas crenças é avaliar as suas emoções e sentimentos, e então retroceder em busca das crenças pertinentes que os fez emergirem.

Seja qual for a sua escolha, todos levarão você a encarar (direta ou indiretamente) a mesma coisa: a causa, a raiz de tudo, as crenças paralisantes, as crenças aparentemente antagônicas (mas que possuem uma crença em comum entre elas, uma crença de ligação) e até as invisíveis (que parecem estar escondidas de você, mas sempre prontamente disponíveis para a mente consciente que estiver sinceramente focada em encontrá-las).

Você não precisa saber como o Universo lhe trará o que busca, apenas ter a certeza de que será ajudado por muitas esferas.

Todas estas abordagens requerem entrega, determinação e total honestidade para consigo mesmo, com coragem para se deixar levar pelos pensamentos, emoções e sentimentos que você tanto evitou por tanto tempo.

^ Voltar ao topo


7 – EMOÇÕES E SENTIMENTOS

De acordo com as convenções do conhecimento humano, emoções são reações cruas e inconscientes que emergem no corpo físico como resposta a estímulos que a vida nos apresenta. As 7 emoções básicas universalmente reconhecidas pela ciência são: alegria, tristeza, raiva, aversão, surpresa, medo ou desprezo. Vale notar que as emoções negativas são incompreendidas e até temidas pelos humanos, pois parecem lhes tirar o controle sobre si mesmos. Mas só parecem, conforme se explicará logo adiante.

Ainda de acordo com as convenções humanas, sentimentos são percepções subjetivas em relação às emoções, são rótulos e interpretações que damos a elas. Ou seja, a ciência considera que os sentimentos são uma consequência das emoções, são interpretações e reações mentais posteriores que temos em relação às emoções, com um componente bastante racional.

Entretanto — e ao contrário das correntes de pensamento da psicologia humana — , existem sentimentos que podem ser completamente diferentes, sentimentos que se manifestam independentemente das emoções, pois não são necessariamente uma consequência delas. Neste caso, tratam-se de sentimentos viscerais que precedem o tempo e o espaço, porque provêm da intuição originada no Eu Verdadeiro, sendo então chamados de Sentimentos Genuínos ou Do Coração (o coração verdadeiro, não aquele simulado pelo nosso ego perdido).

Tais elevados sentimentos intuitivos simplesmente emergem através da mente inconsciente (que é uma janela para o espírito), e não são necessariamente frutos de quaisquer emoções (apesar de também poderem ser consequência de outros estímulos anteriores). Sentimentos genuínos (intuitivos) são sugestões amorosas que provêm de outras esferas do seu Ser e que estão completamente isentas de quaisquer distorções. Elas poderão ser captadas pelo piloto da mente consciente (você) — ou não. E, se captadas, ainda poderão ser aceitas ou rejeitadas por você, dado o seu Livre Arbítrio.

Eis aí a importância de prestar atenção nos SENTIMENTOS GENUÍNOS, no que vem do coração!

Aprenda a se guiar pelo coração! E por favor…. deixe a sua razão e qualquer raciocínio lógico humano atuarem tão somente como meros coadjuvantes na tomada de quaisquer decisões importantes. Quanto mais conectado nos sentimentos genuínos, mais fácil se tornará A JORNADA DO EU TEMPORÁRIO ao longo de incontáveis existências vividas sob diferentes “roupagens”!

Infelizmente o ser humano tem uma forte tendência racional no sentido de não querer sentir! E a própria ciência parece dar mais valor ao caráter explosivo das emoções (considerando-as mais cruas e autênticas) que aos sentimentos. A verdade é que um leva ao outro, num ciclo interminável que faz parte de um mecanismo de “navegação” do Ser, com todos estas sensações (emoções, sentimentos oriundos de emoções e sentimentos genuínos intuitivos) fazendo parte deste mecanismo.

Pois é…. A ciência humana ainda não consegue aceitar o fato de que somos Seres multidimensionais captando mensagens transcendentais, não consegue compreender a verdade de que temos uma mente que transcende o cérebro, a qual já existia antes do corpo físico nascer, bem como continuará a existir depois de ele parar de funcionar — uma mente que também faz parte de uma Mente Maior que engloba todas as vidas (passadas, futuras e paralelas) de um Eu Temporário multidimensional em espiritualização! Aliás, saiba que inclusive somos mais que tal Mente Maior, pois somos simultaneamente o Criador que guia a Criatura (apesar de nem sempre acessarmos tal perspectiva enquanto estamos dormindo dentro da própria aventura)!

E a não ser que a ciência humana mude drasticamente sua percepção, ela nem conseguirá entender tudo isto tão cedo, justamente por necessitar de provas que não podem ser dadas para quem as demanda, só para quem já acredita em algo transcendental sem precisar de provas — quando, então, terá TODAS !

A verdade é que emoções e sentimentos estão intimamente relacionados, e é justo por isto que são usados pelas pessoas quase que como sinônimos, apesar de não serem exatamente a mesma coisa. Embora possamos dizer que as emoções são irracionais e imediatas, que os sentimentos são o produto de uma análise consciente da situação e que a intuição (sentimento genuíno) transcende todos, ainda assim a verdade é que emoções e sentimentos não ocorrem de forma unilateral. Um leva ao outro, ou seja, não há emoção sem sentimento…. e vice-versa. Tudo é dinâmico e está em um constante processamento interligado.

E agora algo revelador….

Saiba que tanto emoções quanto sentimentos de todos os tipos estão sempre sujeitos à influencia por parte do conjunto de crenças que você inseriu e manteve na mente ao longo de incontáveis existências. Ou seja, todas as suas reações emocionais e sentimentais sempre são tendenciosas, fortemente influenciadas por seu conjunto de valores, pelas convicções que você gravou na mente, independente de tais crenças, hoje, lhe serem invisíveis. Até mesmo as intuições oriundas do Eu Verdadeiro acabam sofrendo uma interferência por forçosamente terem que atravessar o filtro do conjunto de valores da mente da pessoa — até para que seja garantido o Livre Arbítrio do personagem em espiritualização.

Portanto, qualquer reação emocional sua, por mais crua e inconsciente que seja, ainda assim está completamente sujeita à influência das suas crenças. Em outras palavras, até mesmo as suas emoções mais automáticas e irracionais são, no fundo, uma consequência dos valores que você um dia gravou na sua mente de forma consciente — mesmo que o tenha feito em outra existência. Tudo aquilo que um dia você conscientemente rotulou como perigoso, temível, digno de pânico, nojo, tristeza, alegria, aversão…. etc ainda afeta suas reações emocionais mais inconscientes.

E o mesmo vale para todos os seus sentimentos (tanto os que emergem das emoções quanto os oriundos da intuição). Isto é, emoções e sentimentos são completamente passíveis de distorções na sua interpretação de base, sempre por conta das crenças que você alimenta.

Vivemos num mundo de manifestação de crenças! E todas as suas crenças, my friend, no fundo foram sempre forjadas de forma consciente!

É por isto que, ao longo desta obra, é dado tanto ênfase ao fato de que você pilota toda a sua mente — e consequentemente a sua experiência Relativa — através da parte consciente da mente, aquela parte em estado de vigília que elege conscientemente as convicções nas quais acreditar e acaba, assim, influenciando tudo que o inconsciente assume como tarefas automáticas. Veja, é fato que grande parte da sua experiência de vida é construída de uma forma que lhe é inconsciente, mas ainda assim tudo isto é materializado sempre em sintonia com as crenças que você um dia — em alguma existência sua — elegeu de forma consciente, mesmo que sob o calor do momento ou sob o caos de alguma dolorida desventura. Ainda assim todas as crenças são sempre elegidas por você (o piloto) através da sua MENTE CONSCIENTE (a parte que detém o menor potencial da mente, mas que responde pelo Livre Arbítrio do Ser). Seu inconsciente, apesar de ser poderoso e ainda ser uma janela para o espírito, apenas obedece os seus comandos, as escolhas do piloto que dirige a mente consciente.

Está mais que na hora de você perceber que é um Ser multidimensional cuja mente de uma vida se interliga com as mentes de outras vidas suas, através de uma “Mente Maior” (por assim dizer), a qual é como um favo de mel de abelhas, onde cada furo corresponde a uma mente de uma vida passada, futura ou paralela — uma analogia muito simples, mas que torna a compreensão um pouco mais palatável. E é justo por isto que crenças antigas — mas sempre acessíveis, apesar de por vezes aparentemente invisíveis — ainda lhe afetam num jogo onde sempre há continuidade, pois você carrega para outra vida os desafios que ainda não superou na vida anterior, adotando a cada existência uma nova faceta para um mesmo Eu Temporário sempre em evolução (mesmo que nem sempre de forma linear). E apesar de o tempo não existir de verdade, ainda assim há certas premissas que entram em jogo e fazem com que a aparente continuidade temporal das suas vidas tenha, de fato, sua importância (leia mais sobre este assunto no Adendo O CARMA).

E por que nossa aventura Relativa funciona assim?

Simplesmente porque é desta maneira que o Jogo da Vida foi criado para ser, com tudo que você capta estando obrigatoriamente sujeito ao conteúdo da sua mente, aos seus filtros de valor ou crenças — as quais, apesar de sempre serem conscientes (mesmo que não pareça), acabam programando INCLUSIVE as reações automáticas da sua mente inconsciente.

E, dentro do jogo da vida, tudo isto só é possível graças à existência de uma mente, esta maravilhosa ferramenta da Consciência Maior que nos permite criar um Eu Temporário com o qual nos identificamos (uma identificação que é necessária, pois apesar de sermos muito mais que um personagem temporário, cabe a nós elevá-lo até o nível máximo ao longo de muitas existências, quando então ele já refletirá nossa essência por completo). Mas durante tal jogo da vida, inserimos em nossa mente muitos valores que nem sempre estarão alinhados com as Verdades Maiores da vida, criando assim realidades físicas distorcidas — daí a necessidade de estarmos sempre revendo todas nossas crenças, conforme sugerido à exaustão nesta obra.

Por força do Livre Arbítrio — que é nossa liberdade básica e sempre garantida, mesmo sob hipnose — , tanto emoções quanto sentimentos (sejam eles genuínos ou meros sentimentos oriundos de emoções) estão sujeitos a fortes interferências ao sabor das crenças conscientemente adotadas por cada um de nós. E isto é verdade mesmo no caso das reações inconscientes que expressamos, cuja resposta emocional automática já estava pré-programada na mente inconsciente como consequência das crenças previamente escolhidas pela pessoa.

Compreenda….

Seu passado tem apenas o valor que você lhe dá!

São as suas crenças sobre experiências passadas que criam tudo no seu presente (seu único ponto de real poder). Quando você conseguir expandir a mente a ponto de assimilar as Verdades Maiores da Vida, perceberá que nem aquele seu passado de outras vidas lhe afetará, ou seja, você não precisará mais pagar o preço pelos seus tropeços de outras existências, quando então você estará flutuando acima de qualquer Carma (vide Adendo O CARMA). Você não é seu passado, ele não define Quem Você É de fato!

No jogo da vida, você será levado a aprender a guiar sua experiência Relativa com as escolhas que faz através de uma mente consciente, estando sujeito a todo o conteúdo que já havia inserido nela no passado (inclusive na mente inconsciente), num ciclo evolutivo onde você estará sempre revendo suas crenças, seja de forma consciente (intencional) ou de forma inconsciente (sendo arrastado pelas experiências que você mesmo cria, sem se dar conta de que é o Criador delas). Você não tem como descartar a mente e o Eu Temporário enquanto evolui, e mesmo que por vezes tente “calar” sua mente, ainda assim terá sempre que retornar a ela e continuar o processo de expansão dela, até torná-la permeável à Consciência Maior.

É por isto que, em se tratando de emoções e sentimentos, cada pessoa reagirá aos eventos da vida de maneira individual e com seus próprios propósitos em mente. As crenças únicas e altamente particulares de cada pessoa ajudam a desencadear os quadros emocional e sentimental geral dela.

A psicologia atual acredita que as emoções, por serem mais cruas e inconscientes, são mais autênticas, permitindo assim uma análise mais precisa da mente de um indivíduo. O que ainda não compreenderam totalmente é que as reações emocionais da pessoa já estão completamente “contaminadas” pelas crenças dela. Não são só os sentimentos (nascidos como consequência das emoções) que estão sujeitos às crenças distorcidas do indivíduo, mas todo o seu Eu Temporário. As crenças de um Ser afetam inclusive a interpretação que ele dá aos sentimentos intuitivos que transcendem até as emoções. Como forma de preservar o Livre Arbítrio total da pessoa, tudo está sujeito à influência do sistema de valores dela, o qual foi criado pela própria pessoa, sempre de forma consciente (mesmo que depois ela tenha escondido muitas informações no inconsciente).

Compreenda o seguinte…. São nossas crenças conscientes que dirigem (em grande parte) tanto nossas reações humanas quanto a interpretação que damos aos sentimentos genuínos intuitivos (aqueles que apenas aparecem em nossa mente com pela amorosa intenção do Eu Verdadeiro em nos ajudar).

E é justo por isto que a maioria das pessoas ignora sentimentos genuínos e intuitivos (sentimentos do coração), porque suas crenças os levam a interpretarem as sugestões do próprio espírito como sendo inadequadas, justo porque suas mais profundas convicções não os permitem aceitar — sem provas — algo que não entendem e, portanto, temem. Mas enquanto uma pessoa necessitar de quaisquer provas por parte da Consciência Maior, jamais as terá! O primeiro passo é aprender a confiar!

Uma vez que cada pessoa tem seu próprio Sistema de Crenças, cada um reagirá de forma diferente aos estímulos da vida. Uns podem reagir com admiração ao ver, digamos, uma cobra, enquanto outros poderão entrar em pânico. Cada um reage com base nas convicções que tem de si, da vida e do estímulo proporcionado pela experiência à sua frente.

Compreenda, portanto, que um mesmo estímulo (a cobra, por exemplo) pode gerar diferentes emoções em indivíduos distintos. E até uma mesma emoção (como o pânico diante da presença da cobra) também pode despertar diferentes sentimentos em cada pessoa, pois cada um está em um estágio diferente de expansão da mente em direção à Consciência Maior. E isto leva à seguinte frase:

Enquanto você não conhecer suas crenças, você não entenderá suas emoções e nem seus sentimentos!

É no seu sistema de crenças que reside a chave para a elevar o nível da atualmente tão popular Inteligência Emocional (a habilidade de lidar tanto com as próprias emoções como com as emoções de outras pessoas do entorno, ou seja, a capacidade de se entender e entender aos outros, de “ler” o próprio mundo emocional e o dos outros também). É colocando a luz das Verdades Maiores da Vida sobre as suas crenças e experiências que você irá começar a se entender cada vez melhor e a descartar aquelas convicções que já não combinam com quem você está escolhendo ser agora! A propósito, tais Verdades Maiores estão difundidas ao longo de toda esta obra.

Perceba que são as crenças que você tem — acerca de si, da vida e do que lhe acontece — que irão lhe fazer reagir de determinada forma a qualquer estímulo, que irão lhe influenciar na aceitação ou rejeição de sentimentos intuitivos, que lhe farão expressar emoções de alegria, tristeza, raiva, aversão, surpresa, medo ou desprezo perante acontecimentos da vida…. e gerar os sentimentos pertinentes (os rótulos ou percepções subjetivas que você dá às emoções) — tudo sempre sujeito ao sistema de valores que você adotou, emprestou ou criou ao longo de vidas.

ENCARANDO EMOÇÕES E SENTIMENTOS 

Jamais tema as suas emoções e sentimentos, eles estão tentando lhe fazer enxergar algo que você insiste em não perceber.  Toda emoção quer lhe provocar para que tome alguma atitude!  Todo sentimento — seja ele alinhado ou desalinhado com sua essência, genuíno ou oriundo do seu ego — quer lhe fazer reagir, repensar e rever conceitos.   
Quaisquer emoções negativas que emergem devem sempre ser encaradas para que você possa se dar conta de que há algo que não está adequado, de que você precisa mudar CRENÇAS que possui acerca de si e da vida!  
Quando você estiver expressando emoções de tristeza, raiva, aversão, medo ou desprezo sem aparente motivo, saiba que há, sim, um motivo.... sempre há!   E ele reside dentro de crenças que você alimenta na mente, dentro de convicções que o fazem reagir de determinada forma por pura incompreensão de tudo que reside por trás de sua aventura Relativa.  

Ao começar a avaliar e compreender as crenças que alimenta, suas emoções aparentemente inexplicáveis passarão a fazer sentido, porque elas sempre estão querendo apontar algo, sempre estão tentando lhe ajudar a perceber algo, lhe ajudar a DESPERTAR de ilusões nas quais está imerso. Sim, porque quando observamos nossa jornada de uma perspectiva mais elevada, todos os nossos problemas não passam de ilusões temporárias de deuses que somos!

Por exemplo, o medo de uma mera barata pode estar registrado no seu inconsciente em função de alguma desventura desagradável ocorrida com algum inseto muitas vidas atrás, e isto lhe afeta porque você — na época — conscientemente rotulou aquele tipo de animalzinho como perigosíssimo e digno de respostas emocionais rápidas, enérgicas e automáticas (ou pode até ser fruto de um pânico do inconsciente coletivo a respeito de baratas, mas que você aceitou conscientemente como sendo real, sem encarar a verdade que está por trás). Entretanto, pouco importa qual é a exata crença e quando você a inseriu na mente, pouco importa quando você rotulou uma experiência passada como terrível e gravou no inconsciente uma resposta automática a isto!

Só o que importa é o que você escolhe pensar AGORA!

Se você encarar o pânico e observar o pequeno animalzinho à sua frente de forma calma, sem permitir que seus reflexos emocionais automáticos lhe hipnotizem e lhe levem a imaginar doenças ou imundices, a barata logo se tornará apenas outra criatura de Deus. E isto pode ser feito mesmo sem a presença da barata, apenas avaliando suas reações emocionais automáticas, querendo compreender o que há por trás delas.

E como se faz isto?

Lembrando das Verdades Maiores da vida e colocando a luz da verdade sobre o seu pânico!

Tais Verdades Maiores são reveladas dentro deste livro, pouco a pouco. Porém, no intuito de lhe fazer logo começar a olhar para o exemplo da baratinha de modo diferente (e vê-la como um Ser inofensivo, independente de tudo que carregue junto consigo), vamos avaliar algumas delas aqui e agora, pois isto já servirá também para quaisquer situações.

VERDADES MAIORES DA VIDA  RESUMO

- Você é 100% responsável por tudo que lhe acontece, pois cria sua própria Realidade Aparente (o cenário temporário no qual vive, que não é a sua verdade, apenas uma aventura).
- Não existem vítimas nem algozes no universo; não existem sequer inimigos, tudo é seu amigo (a não ser que você os torne inimigos nutrindo crenças desalinhadas, quando então criará tal cenário ilusório e experimentará tal situação no mundo físico).
- Só existe UM de nós aqui, o "outro" é apenas uma diferente versão sua em roupagens distintas. Você é UM com tudo e todos!
- Tudo e todos refletem VOCÊ, e lhe darão a experiência que você precisa, não necessariamente a que quer. 
- Tudo se origina de você e a você retorna. 
- Tudo conspira para lhe ajudar a despertar para sua verdade!
- Não existem coincidências!
- Você é um Ser Multidimensional que transcende tudo aquilo que acha que conhece. 
- Você é um Ser eterno vivendo aventuras temporárias.
- Apesar de você emprestar um cenário inicial no qual escolhe mergulhar quando nasce, a partir daí tudo é autocriado.  Nada lhe acontecerá ao acaso, mas sempre como fruto de sua criação individual (que magicamente se entrelaça com a criação individual de outros Seres dentro de uma realidade Multidimensional). E isto vale não apenas para a realidade física, pois você jamais deixa de criar, mesmo quando está sem um corpo físico.
- Aquilo no qual você foca se expande!
- Toda doença é ilusão. Toda doença nasce primeiro na mente, e pode igualmente ser curada ao derrubar o véu das ilusões do Jogo da Vida (respeitadas algumas limitações temporárias das premissas do cenário deste Jogo). 
- Toda doença tem também seu propósito de "cura" das ilusões, ou seja, de ajuda no processo do DESPERTAR do Ser.  E algumas delas podem até ter um propósito muito mais elevado do que parece, inclusive para os que vivem ao redor do enfermo.
- Nada neste mundo pode verdadeiramente lhe ferir (independente do que aconteça a esta existência física sua, ao seu corpo), porque você é um Ser eterno que está apenas tendo aventuras temporárias.
- O Amor é a única coisa Absoluta dentro do Relativo. É por isto que só o amor é real! Todo o resto faz parte de um jogo, uma ilusão mentalmente criada que você chama de Vida.
- Você é a própria Consciência Maior.  Uma fatia Dela e ao mesmo tempo Ela por inteiro. E você só se esqueceu disto (intencionalmente) para poder entrar num jogo maravilhoso chamado Relatividade!
- Você não precisa ser salvo, pois já nasceu salvo! Você é eterno!
- Você é um TODO que contém tudo e todos! E por isto nada lhe falta de verdade (a não ser dentro da ilusão deste jogo autocriado). Compreenda que você só está aprendendo a materializar (aqui neste nível) aquelas farturas que sua intuição já sabe que lhe pertencem em outras esferas!  O simples fato de você desejar algo demonstra que você já entrou em contato com a Verdade, com um Saber que lhe afirma que aquilo que você quer já lhe pertence (embora ainda não tenha se manifestado aqui nesta dimensão, pois você está aprendendo a fazer isto).  Tenha mais paciência consigo mesmo enquanto aprende a ser o Deus que cria toda a sua Realidade Aparente (seu cenário) a partir do aparente oposto disto, a partir da ilusão de NÃO SER DEUS! 
- Você Sempre Foi, ainda É e Sempre Será DEUS: uma fatia Dele que ao mesmo tempo também contém Ele por inteiro, assim como acontece nos hologramas, onde cada cantinho da imagem é uma réplica da imagem inteira). No reino da Consciência Maior, a PARTE sempre contém o TODO! E é por isto que um grão de areia contém não apenas o universo, mas todo o Multiverso.... e muito mais!

(NOTA: ao longo desta obra as Verdades Maiores são explicadas em profundidade. Mas esta não é a intenção agora).

Compreenda que você não fica doente por causa de bactérias ou vírus que encontra ao longo da vida (e que até associa com a pobre baratinha), mas pela ideia que faz a respeito deles, pela crença na sua aparente fragilidade e pelo medo que nutre. Não é a barata ou qualquer outro Ser que deve ser evitado com pânico, pois independente do que carreguem consigo, não têm poder algum sobre o que você cria!

É você quem cria tudo, inclusive qualquer doença.

Se você nutre a crença de que é frágil e, portanto, precisa se proteger, então voilá! Seja feita a sua vontade, “pequeno” Deus.

Bem, convenhamos…. é claro que você não conseguirá mudar da noite para o dia uma ideia tão enraizada em sua mente por incontáveis vidas (como a das doenças), mas uma hora terá que começar o processo de enxergar através das ilusões.

E MEDO é ilusão.

Doença é ilusão.

Escassez é ilusão!

Qualquer coisa negativa é ilusão!

Entretanto….

Enquanto emoções, sentimentos e pensamentos negativos o afligirem, não os evite. Encare-os!

Eles são apenas um lembrete de que você ainda precisa mudar o conteúdo da mente! E não será evitando estes lembretes que você chegará no conteúdo que precisa rever (crenças distorcidas acerca de si e da realidade que vive). Muitas pessoas que aparentemente focam só no positivo já passaram por um longo processo de aprendizado, já entraram em contato com muitas Verdades Maiores e já derrubaram muitos véus de ilusão, já aprenderam a fazer pouco caso para o que é negativo, e por isto tais ideias negativas já não os perturbam muito. Porém, este não é o caso da maioria, e é por isto que você ainda tem que dar vazão a quaisquer emoções, pois elas sempre querem lhe apontar algo.

É o que um bom psicólogo faz por você num sessão de terapia, ele o encoraja a encarar e revelar suas mais profundas emoções e medos, pois assim poderão chegar na raiz do problema. Porém, o ideal é que você mesmo comece a encarar emoções e sentimentos no seu dia a dia, analisando cada escolha que faz, cada experiência que atravessa, observando a si e a seus pensamentos. (Voltaremos a isto em seguida.)

Agora, veja que interessante. Perceba que aquelas Verdades Maiores citadas continuam tendo o mesmo efeito em qualquer situação, inclusive se trocássemos uma baratinha por um leão faminto. Hehehe…. Tá certo, tá certo, a maioria de nós fugiria, hein? Mas saiba que você pode ampliar a percepção até neste exemplo do leão…. Sim, porque um dia você chegará lá, um dia chegará no ponto de não temer nem sequer um leão faminto (ou qualquer “monstro”) — EU GARANTO!

Neste caso, observe só como a luz da Verdade tem potencial para iluminar a sua mente! Siga meu raciocínio…. Se você é UM com todos, isto denota que aquele outro Ser à sua frente — o leão, a barata, o vírus, a bactéria, etc — também é outra parte sua, e justo por isto merece no mínimo seu respeito. Um mestre que já acessa plenamente a Consciência Maior jamais temeria nem sequer um leão faminto, e justo por isto nunca seria atacado por ele. Tampouco temeria uma baratinha, um vírus ou uma bactéria, não é mesmo? Pooooor favor! Hehehe….

Ok, é verdade que não se chega a tal estado de Consciência Elevada tão rapidamente, mas todo este potencial reside latente dentro de você, e aguarda sua escolha, sua decisão!

Que tal começar a requisitá-lo?

Observe bem este exemplo a seguir, o qual retrata as armadilhas que podem se esconder atrás de uma emoção ou um sentimento!
Quando você passa por uma determinada situação (evento/ atitude/ escolha) onde SENTE que algo não lhe faz bem, tal percepção de mal estar pode ser tanto uma verdade quanto uma ilusão, fruto de suas crenças acerca daquela situação. Ou seja, seu mal estar (emoções, sentimentos, pensamentos conflitantes) pode ser fruto de uma ilusão, uma consequência de convicções distorcidas. E se você não encara tudo de frente apenas por achar que não deve focar no negativo, estará protelando seu despertar.

Sucede que se você julga ou tem preconceitos sobre uma certa situação e a considera como algo altamente inadequado, então quando você eventualmente vier a passar por ela, seu mal estar só refletirá o que você pensa daquela situação, e não a própria situação em si.

Por exemplo, se você julga que viver uma aventura romântica de uma noite é algo condenável, inapropriado, feio e inadequado, então até mesmo uma repentina entrega a um romance genuíno de uma noite (que foi patrocinado por um encanto amoroso genuíno) lhe fará sentir-se mal, dado que você condena isto como se fosse inadequado. Veja bem…. Não estou querendo afirmar que as coisas deveriam ser mais rápidas no amor, mas apenas quero esclarecer que por vezes as aparências enganam, pois você é um Ser multidimensional que já viveu incontáveis vidas — e a outra pessoa que você encontrou também!

Um julgamento racional precipitado (típico dos humanos) não leva em conta, por exemplo, que aquela outra pessoa que você recém conheceu (e para a qual rapidamente se entregou) podia ser alguém que você já conhecia há vidas, e pelo(a) qual já nutria grande encanto, mesmo que você não lembra disto aqui nesta sua aventura atual. Ou tal pessoa pode ser um grande a ideal para se viver um amor que estava aguardando o momento certo para eclodir. E seu receio em entregar-se sem pensar (fruto de crenças e medos) pode facilmente colocar tudo a perder, pois encontros assim não costumam se repetir com frequência na vida de uma pessoa, e se não aproveitados, facilmente se diluem no nada!

Ou seja, tal atitude (de entrega súbita aos sentimentos genuínos daquele momento naquela aventura amorosa para com uma pessoa “estranha”) pode ser extremamente nobre de um ponto de vista mais elevado, só que se você ainda assim a julga como perigosa, é porque tem convicções desalinhadas com as Verdade Maiores da Vida — e porque não aprendeu a confiar no coração.

E se você teme tal entrega amorosa “abrupta”, caso você se arrisque a experimentá-la, poderá vir a se sentir mal, confuso e até muito amedrontado em relação ao seu futuro, pois estará diante de uma dissonância cognitiva, ou seja, uma situação de conflitos internos onde de repente você se dá conta de que existe uma incoerência entre os comportamentos que acredita serem certos e aqueles que realmente praticou. Por um lado você julga tal situação (de entrega aos sentimentos e à situação à sua frente) em função dos riscos de arrependimento caso se entregue rápido demais no amor, sem garantias, com perigo de se machucar emocionalmente. Mas por outro lado você se pega agindo de forma contrária ao que sua razão pedia, e entra em conflito mental e até se pune, normalmente cedendo ao MEDO — o pior caminho!

Se o mal estar de tais conflitos internos como estes for muito forte e você persistir em não encará-lo, sinais de alerta começarão a emergir, como por exemplo o não funcionando adequado do corpo, ou um estado emocional muito desconfortável, com elevado pedágio mental sendo pago. Tais sinais são excelentes avisos de precaução, avisos de que se fazem necessárias certas mudanças em seus valores. É nestas horas que as pessoas cedem à razão e sufocam o coração, os sentimentos genuínos que vêm da alma.

Ao passar a prestar atenção nas emoções e sentimentos (inclusive quaisquer sentimentos comuns, fruto das emoções), você começa uma nova fase onde aprende a fluir prestando atenção em todas as sensações que afloram no corpo e na mente, sem fugir deles, sabendo que eles só tentam lhe ajudar a “endireitar” o conteúdo da mente.

Quero deixar claro que relacionamentos irresponsáveis (onde não há real admiração pelo outro Ser à sua frente) não são adequados do ponto de vista evolutivo, pois baixam sua vibração. Ainda assim fazem parte da nossa jornada — até não fazerem mais, porque você já não se interessa mais por eles. Já entregas a sentimentos genuínos feitas com base naquilo que vem do coração SEMPRE elevam sua vibração, independente de você ter se entregue de coração, de corpo e de alma para um estranho que recém conheceu!

Nunca temos que julgar nada, apenas SENTIR e nos entregarmos aos sentimos genuínos do coração. A razão é péssima conselheira em qualquer decisão importante, por mais que os humanos racionais discordem desta afirmação. E se o seu coração (o genuíno, não o ego disfarçado como tal) lhe pede para se atirar em direção a uma pessoa estranha que mal conhece, pois faça. Mas também não vá adiante caso só a sua razão (ideias, desejo) estiver presente, com a intuição sutilmente pedindo que se afaste.

Compreenda que você não sabe tudo que está por trás dos cenários que atrai. Por isto, jamais julgue…. e jamais se julgue.

Vale notar que este raciocínio nunca será válido para alguém influenciado por quaisquer drogas (inclusive álcool), pois todas as drogas que reduzem os sentidos acabam baixando a vibração do Ser, e enquanto sob influência de qualquer tipo de droga que o priva dos recursos mentais plenos e do devido acesso à Consciência Elevada, ele raramente atrairá um encanto amoroso sublime, somente algo naquele mesmo nível (semelhante atrai semelhante). Consciência não combina com drogas, sejam elas quais forem — inclusive aquelas famosas feitas de vegetais da selva e usadas sob a ilusão de serem transcendentais (mais sobre isto logo adiante).

O medo das suas emoções — e a consequente repressão delas — faz muito mais estragos em sua vida do que dar-lhes permissão para que se expressem e lhe levem a algum sentimento, o qual — mesmo podendo estar distorcido por suas crenças — irá gerar mais emoções no corpo, atrair outras experiências e outros sentimentos.

O livre fluir de emoções e sentimentos, aliado à sua curiosidade e real intenção de se autoanalisar, sempre irão lhe trazer um feedback, um retorno. A sua decisão consciente de investigar sua própria mente é a chave para dar o Start e fazer com que as engrenagens do universo comecem a girar no sentido de lhe trazer informações e epifanias pertinentes. Outras esferas do seu Ser entrarão em ação para auxiliá-lo nesta exploração da própria mente.

E o que é melhor: você não precisa entender nada sobre o assunto e nem sequer ter ajuda externa, pois tudo que você precisa saber está DENTRO de você — inclusive toda a sabedoria do universo (a qual lhe chega de diversas formas, mas somente depois que você DECIDE acreditar nela e requisitá-la).

Saiba que há toneladas de energia criativa por trás das emoções, e quando você resolve parar de reprimi-las e passa a segui-las acreditando que elas o levarão a compreensões sobre si e sobre sua vida, tal energia é liberada e lhe permitirá criar um outro nível de experiências e epifanias rumo à dissolução das crenças limitantes. A própria Vida quer lhe ajudar neste processo de rever crenças. Aliás, ela sempre esteve lhe ajudando, provocando e tentando fazê-lo repensar seus valores.

Agora você só está sendo convidado a estar mais atento, a prestar mais atenção nas experiências, nas emoções, nos sentimentos e pensamentos que suas crenças fazem emergir — pois crenças não apenas se materializam (como um cenário físico que corresponda a elas), crenças também afetam todas as suas reações.

Emoções e sentimentos, observados, levam a reflexões e a outros sentimentos e mais emoções, pois um sempre leva ao outro num ciclo que tenta lhe ajudar a trazer mais compreensões acerca da sua percepção sobre si mesmo e sobre sua vida, por fim levando-o a epifanias e revelações sobre o conteúdo da sua mente, sobre os valores que você precisa rever. Passe a confrontar suas atuais crenças com as novas verdades que está conhecendo nesta obra, passe a questioná-las de acordo com a verdade que emerge do seu coração.

Compreenda que mesmo que você seja completamente leigo nos assuntos ligados à mente, ainda assim a simples intenção de iniciar uma autoanálise atrairá tudo que você precisa de forma mágica. Apenas passe a prestar atenção nos sinais, nas novas intuições e até nos seus sonhos, pois até estes últimos começarão a gerar seu efeito positivo (independente de você lembrar deles ou não). Sim, dentro do seu sonho você facilmente por receber ajuda de seu Eu Verdadeiro para testar novas aventuras hipotéticas além das fronteiras convencionais, vivenciando aventuras oníricas de forma mais elástica e menos presa à moldura da experiência física — desde que você aceite isto, desde que acredite que pode e merece ser ajudado até no sonho!

Você cria tudo, lembre-se! E jamais para de criar! Você cria inclusive os canais necessários para o início de um longo processo de DESPERTAR! Até esta obra é uma criação sua, dentro de uma realidade autocriada. Uma outra parte sua (eu) escreveu isto para que você, quando pronto, pudesse ter um “empurrão” a mais em seu despertar.

Mas faz-se necessário que você primeiro decida fazer isto, pois é você (com sua decisão consciente) quem cria sua realidade aparente, é você quem canaliza as energias de ajuda, é você quem faz as engrenagens da sua vida girarem — e não seu Eu Verdadeiro, muito menos Deus, os quais apenas “sopram” amorosas sugestões, sem pressa, pois enxergam sua experiência além do tempo e do espaço, sabendo que você está sempre protegido dentro de aventuras ilusórias e temporárias. Porém, não há como “fugir” desta aventura buscando encerrar sua experiência antecipadamente (atraindo ou criando uma partida prematura).

A única forma de emergir do jogo é EXPANDINDO sua mente, seu Eu Temporário — e jamais tentando se livrar deles. Tudo que você não conseguir superar em uma vida é levado para a sua próxima existência, quando você adotará outra roupagem para um mesmo Eu Temporário em constante evolução! Entretanto, saiba que você terá infinitas oportunidades, e nunca está abandonado à própria sorte — somente quando ACHA que está, pois cria tal ilusão (mesmo sendo falsa). Você nunca está sozinho, mesmo quando parece estar! Saiba que todo o poder está em você, pois você também é Deus! E tal poder é acionado com as suas decisões intencionais, com a escolha consciente feita por você (o piloto) e através da sua Mente Consciente (o volante), visando compreender melhor a vida e a si mesmo para poder se expandir e expressar sua própria grandeza dentro do jogo, para conhecer-se como o Deus Criador da própria aventura como Criatura.

Quando você finalmente resolver criar coragem para fazer escolhas de uma forma diferente da habitual — passando por cima de limitações ilusórias e acreditando que pode ter até aquilo que lhe parece impossível — , então o objeto do seu desejo só não se materializará em sua vida se ainda existirem na sua mente algumas decisões e ideias prévias (crenças limitantes) que são contrárias e mais fortes do que as suas convicções e decisões atuais.

Para romper crenças limitantes, você terá que prestar atenção tanto nas suas emoções como até nos sentimentos (sejam eles genuínos ou influenciados por seu ego), os quais — se encarados sob a luz oriunda das Verdades Maiores da Vida e analisados no sentido de se conhecer melhor, sem receios — irão pouco a pouco levá-lo a questionar toda a sua realidade atual e aquilo no qual você crê. E quando você enfim conseguir criar uma emoção forte o suficiente para romper as barreiras que o afastam do objeto do seu desejo, voilá…. tudo se resolverá em “pouco” tempo.

Bem…. que fique claro que tal intervalo de “tempo” é tanto menor quanto maior sua mestria em acessar sua Consciência Cósmica, podendo inclusive chegar a ZERO — momento em que você já estará curvando a realidade aparente e todas as suas leis, sejam elas quais forem! Na verdade não existem leis no universo, apenas premissas — ou suposições de raiz — de um jogo. (Mais sobre isto no Adendo O CARMA.)

Todas as emoções que você sente lhe dão muitas informações sobre o que se passa dentro de nossa mente. Se as suas emoções estão confusas e negativas, não as culpe e nem fuja delas! Saiba que elas são apenas sinalizadores que informam que suas crenças estão desalinhadas e por vezes até conflitantes entre si, levando os sentimentos que emergem a ficarem igualmente confusos.

Enquanto você não começar a investigar estas informações, estará navegando cegamente pela vida. Comece ao avaliar suas ideias toda vez que passar por alguma experiência desagradável, toda vez que tiver pensamentos, emoções ou sentimentos desagradáveis. E faça isto sempre tendo em mente que você cria sua própria realidade aparente (seu cenário de vida). Comece a questionar se suas convicções sobre si, e sobre a vida, realmente estão alinhadas com as Verdades Maiores da Vida citadas ao longo desta obra.

Questione tudo!

Inclusive (e principalmente) o que os eruditos falam! A maioria dos humanos apresenta uma consciência básica que está pouco acima do nível instintivo animal (ui, sinto muito se tal revelação for muito dolorida para seu ego), mesmo sendo Deuses esquecidos de sua própria grandeza. E a maioria vive desesperado atrás de TER e ADQUIRIR (inclusive conhecimento), quando bastaria SER! Vivem querendo entender o que JAMAIS poderá ser entendido com a razão! A Consciência Maior não pode ser compreendida racionalmente, apenas sentida e vivida!

No início, questionar tudo lhe parecerá um tanto quanto difícil, mas com o tempo isto se torna algo natural e automático, pois até o seu inconsciente estará atuando neste sentido, atento a tudo e rapidamente fazendo emergir questionamentos na sua mente consciente, para que VOCÊ (através desta última) decida o que quer, escolha o caminho sua aventura.

Nunca tente colocar uma emoção (como, por exemplo, um súbito medo) de lado — ou, como muitos sugerem, “no seu devido lugar”. Ou seja, não tente podá-la. Apenas aceite tal emoção como um indicador de que algo está desalinhado em seus valores mais profundos, em suas perspectivas sobre si e sobre a vida! Porque se você estivesse mentalmente alinhado com a Consciência Elevada, então você NADA TEMERIA, tampouco teria pensamentos negativos. Você até poderia sentir um receio de seguir certo caminho, mas jamais interpretaria tal sensação como medo, e sim como uma doce sugestão intuitiva para não seguir naquela direção — apesar de ser livre para fazê-lo.

Nos momentos de crise, não tente forçar sobre si uma falsa paz ou falso positivismo. É aqui que muitas teorias do pensamento positivo forçado erram desastrosamente (conforme já relatado nesta obra). Muitas filosofias do pensamento positivo não conseguem explicar aos seus leitores como fazer para focar só no positivo. Isto porque tais filósofos não conseguem compreender plenamente o seu próprio sucesso nesta área da vida. Eles simplesmente não se dão conta de que a maioria das pessoas ainda não está pronta para evitar algo negativo, pois ainda estão cheias de MEDOS, ainda não passaram por certos estágios evolutivos que são necessários para a pessoa conseguir colocar quaisquer negatividades dentro da perspectiva adequada! E ao forçarem o positivismo enquanto ainda despreparadas, só irão piorar a própria situação! Explico….

Veja bem…. É uma verdade inquestionável o fato de que “aquilo no qual você foca se expande! Só que enquanto uma pessoa ainda alimenta medos e não tem a perspectiva adequada sobre eles, ao tentar evitar o negativo a toda custa — ou seja, tirar o foco do negativo, guiado por tais filosofias do pensamento positivo — , ela estará fazendo o oposto! Ela estará colocando o foco exatamente no negativo, pois temê-lo é dar poder, é dar foco (mesmo enquanto tenta freneticamente ignorá-lo)!

E quando a pessoa perceber que o seu pensamento positivo não funcionou, isto só ampliará o seu temor, a sua sensação de não conseguir resolver ou controlar sua vida. E assim um sentimento de impotência tomará conta, o que torna tudo ainda pior, pois esta crença (na própria inferioridade e incapacidade de resolver sua vida) se manifestará fisicamente — por força das regras do jogo da Vida, onde nossas crenças são sempre materializadas.

E isto é o que sucede diariamente com a maioria das pessoas, onde o indivíduo ainda não está maduro para aceitar determinadas crenças positivas, porque ainda não conhece as Verdades Maiores da Vida — as quais o libertariam e automaticamente reduziriam emoções, sentimentos e pensamentos negativos (caso ele conhecesse, aceitasse e assimilasse tais Verdades), sem que o indivíduo tivesse que forçosamente evitar qualquer ideia negativa que cruzasse sua mente, como se isso fosse a solução! E não, não é!

Ou seja, não é evitando o negativo que você irá evoluir, e sim encarando-o e colocando-o na perspectiva adequada. Explico….

Emoções, sentimentos e pensamentos negativos são só sinais (indicadores) de que sua mente não está alinhada com a Verdade, mas cheia de crenças distorcidas. Eles não são a causa, mas a consequência! Apesar da poderosa energia por trás das emoções, elas só ficam confusas por conta de crenças desalinhadas que você inseriu e manteve na mente por muitas existências. Quanto mais você realinhar o conteúdo da sua mente com as Verdades Maiores da Vida, mais rapidamente a ilusão do Jogo da Vida se desfará. E a partir daí, focar no positivo será cada vez mais óbvio para você, sem que tenha que jamais forçar isto, pois o negativo já não lhe impressionará, e emergirá cada vez menos em sua mente! Mas isto é para quem já percorreu uma certa jornada evolutiva — que não é o caso da maioria deste planeta.

Tais filosofias de positivismo também não sabem como explicar devidamente o sucesso que eles mesmo já conseguem manifestar em suas vidas. E a verdade é que muitos de seus defensores já tinham entrado em contato com muitas das verdades transcendentais (mesmo que nem saibam nomeá-las), ficando óbvio — para eles, mas não para quem ainda não tem tal estrutura consciencial — que podem olhar diretamente só para o que for positivo, dado que já desmistificaram tudo que é negativo!

Porém, esta ideia (de focar só no positivo e jamais olhar para o negativo) não pode ser forçada sobre quem não está pronto, sob pena de piorar as coisas!

Antes de tentar impor sobre si mesmo certos pensamentos para os quais não está pronto, procure conhecer as Verdades Maiores da Vida. Elas abrirão sua mente. Saiba que as explicações das filosofias de pensamento positivo não possuem, em sua maioria, as bases corretas para lhe fazer compreender qual a razão para adotar pensamentos positivos em meio ao caos que vive. Ideias positivas que funcionaram para uns (no caso, os gurus que as ensinam) podem falhar brutalmente para outros, mesmo que repetidas à exaustão — levando-os a uma amarga sensação de derrota e impotência ainda maior, o que só tornará a situação ainda pior. Sucede que alguns já estavam prontos para adotar certas ideias, enquanto outros ainda precisam ganhar mais perspectiva.

Nos casos onde esta estratégia funciona, a pessoa já entrou em contato com muitas Verdades Maiores da Vida e já as assimilou, o que faz com que elas já percebam a ilusão por trás de tudo que é negativo, pois já compreendem razoavelmente como a vida funciona. Ou seja, no caso destas pessoas que já têm sucesso com tais filosofias, as emoções negativas (e os pensamentos associados a elas) já não emergem com a mesma ferocidade, pois tais pessoas já enxergam através do véu do jogo. Sucede que tais pessoas nem sempre sabem ensinar como chegaram lá, negligenciando certos passos que acabam fazendo com que sua técnica não funcione para uma grande maioria.

A maioria dos filósofos desta linha de pensamentos positivos nem compreende que não é a repetição que cria algo, mas sua crença naquilo que afirma. Ou seja, não adianta pensar ou falar repetidamente uma coisa se, lá no fundo, você tem uma convicção contrária e que é mais forte que sua nova ideia. Digamos que enquanto suas novas ideias não tiverem mais energia que suas antigas convicções, você não mudará as crenças e nem sua realidade. Se você, por outro lado, acreditar profundamente naquilo que decidir, não precisará repetir, e tudo mudará rapidamente (desde que sua decisão tenha emoção e convicção suficientes para alterar qualquer crença contrária). Entretanto, se você fica repetindo à exaustão sem encarar de verdade aquelas convicções limitantes da sua mente, significa que ainda não está tão interessado em mudar e que continua temendo pelo resultado, usando a constante repetição apenas para tentar se autoafirmar e minimizar a própria insegurança — o que torna tudo pior, pois você está dando força ao que teme.

Só mudando suas crenças que você mudará o resultado. E, para descartar crenças limitantes, só derrubando o véu das ilusões! Para tal, a pessoa tem que entrar em contato com as Verdades Maiores da Vida, tem que acreditar nelas (uma façanha que nem todos conseguirão rapidamente) e, por fim, assimilá-las dentro do seu Ser Temporário em evolução.

Claro que a autossugestão (com pensamentos positivos repetidos à exaustão) até pode lhe ajudar a ir além das programações antigas da própria mente, fazendo com que você consiga regravar outros valores mais apropriados nela. Entretanto, se você prestar atenção, notará que as suas próprias crenças conscientes (inclusive as mais distorcidas) são as mais importantes sugestões que você recebe no dia a dia — e ironicamente, você as recebe de si mesmo, pois não as questiona.

Assim sendo, caso você não aceite sugestões intuitivas oriundas de outra esfera mais elevada do seu Ser, você viverá em constante auto-hipnose, preso num looping de autocriação distorcida.

Em outras palavras, a repetição não terá a devida força enquanto você não aceitar que realmente precisa encarar e mudar suas crenças. Pensamentos, palavras e até ações tornam-se vazios e sem força quando crenças contrárias estão enraizadas e não são encaradas com posturas e escolhas suficientemente fortes a ponto de alterar o conteúdo da sua mente. A mente é uma mera ferramenta, cabe a você (o piloto dela) conscientemente descartar convicções limitantes e trocá-las por outras novas e mais elevadas!

Comece a se dar conta de que não há hipnose mais forte que a auto-hipnose proporcionada por suas próprias crenças!

Perceba a existência de uma espécie de conversa interna onde as programações antigas da sua mente tentam lhe convencer de que não há nada de errado com seu conjunto de valores. E assim sua mente vive tentando validar o conjunto de valores do seu mestre (você), coletando todos os sinais externos a favor das crenças já existentes e descartando tudo aquilo que não se enquadra, inclusive as intuições elevadas.

Ou seja, todas as novas ideias que chegam a você são aceitas ou rejeitadas de acordo com o fato de você acreditar ou não que elas são verídicas para você (alinhadas com suas convicções). E assim você somente aceitará sugestões vindas de outros se elas se enquadrarem no seu sistema de crenças, nas convicções que alimenta a respeito da realidade e de si mesmo.

DESCARTANDO FALSAS IDEIAS 

Pare de alimentar falsas ideias sobre a realidade. É função sua avaliar os dados disponíveis na sua mente consciente e confrontar suas crenças, questionando a validade delas perante as Verdades Maiores da Vida e perante as sugestões intuitivas que seu Eu Verdadeiro lhe envia, recriando seu sistema de valores de forma que suas crenças (que são sempre conscientes) se alinhem cada vez mais com sua Essência, com sua Verdade!

E não tente culpar sua Mente Inconsciente. Saiba que todos os traumas e memórias desagradáveis que habitam seu inconsciente foram escondidos lá de forma consciente, permanecendo aprisionados no inconsciente em função de crenças conscientes que forçam tal situação e realimentam um pânico que facilmente desapareceria caso a sua perspectiva fosse ampliada. Sim, todos os seus medos são sempre frutos de crenças conscientes distorcidas!  

Dentro do Jogo da Vida, quando você finalmente conseguir tornar suas crenças alinhadas às Verdades Máximas, você jamais experimentará emoções de medo, não importa qual seja o cenário!   Eu lhe garanto!

Compreenda que memórias traumáticas, por si sós, não têm real poder. O poder reside nas CRENÇAS adotadas em função dos traumas, e não nos traumas em si. 

Uma vez que memórias traumáticas são avaliadas sob a luz das Verdades Maiores, todo o problema some — apesar de a memória ainda estar lá.  E tudo muda apenas porque outras crenças foram adotadas pela pessoa assim que ela conseguiu atribuir outros significados e rótulos aos eventos traumáticos vividos, assim que ela pôde enfim vislumbrar uma perspectiva mais elevada que permitiu a ela a compreensão e aceitação do que viveu (atraiu/criou), bem como o caráter ilusório que reside por trás de qualquer experiência Relativa em qualquer mundo.

Portanto, que fique claro que a chave da sua evolução reside na análise do conteúdo da sua Mente Consciente.

Seu Eu Verdadeiro estará sempre acompanhando tudo de perto tentando ajudar o piloto da mente (você) a se abrir para novas perspectivas a fim de poder alterar o conteúdo da mente e elevar o Eu Temporário!  Por vezes você precisará passar por algumas experiências que até lhe parecerão muito pesadas, mas que infelizmente terão sido necessárias (ou inevitáveis) para chacoalhá-lo sempre que você teimar em não perceber que está numa direção completamente oposta à que realmente gostaria.

Entretanto, que fique claro que seu Eu Verdadeiro não tem preferências, tampouco julga qualquer tropeço! Ele apenas sabe a verdade que vai dentro de você, e apesar de Ele lhe dar Livre Arbítrio total, uma hora poderá interceder radicalmente — a seu pedido em outros níveis — no sentido de lhe ajudar a criar alguma brusca guinada na sua aventura (por conta de alguma grandiosa teimosia sua em não querer enxergar a Luz das Verdades).  

Mas que fique claro que nada é decidido sem a sua anuência em níveis mais altos do seu Ser, em níveis que ainda contemplam o respeito ao seu Livre Arbítrio (mas cujas decisões você raramente se lembrará).

Pois é, você é um Ser multidimensional.  Acostume-se com esta ideia!

Agora deixe-me esclarecer algo importante. Tudo o que foi afirmado sobre muitos gurus do pensamento positivo não implica em falsidade da parte deles, não significa que o sucesso deles seja falso — pelo contrário. Eles estão convictos daquilo que passam, estão deslumbrados com suas próprias vitórias e epifanias, e muitos realmente querem ajudar. Mas a maioria ainda nem compreendeu COMO já conseguem focar só no pensamento positivo e porque isto funciona para eles — e não para outros. O fato é que já estavam mais avançados, já tinham uma perspectiva mais ampla do que aqueles que ainda ficam tropeçando e patinando no mesmo lugar, por mais que tentem usar tais técnicas.

Filosofias de pensamento que lhe sugerem elevar-se acima de suas emoções e focar só no pensamento positivo — evitando a toda custa emoções e sentimentos negativos — podem ser muito traiçoeiras para quem não tem a maturidade a consciencial necessária e podem ainda tornar sua jornada muito mais complicada. Tais teorias de positivismo tentam lhe fazer aceitar convicções positivas para as quais você pode ainda não ter a devida estrutura para assimilar, e apesar de terem funcionado para uns, falham grotescamente para outros.

Portanto, se sensações negativas ainda lhe afligem, você deve primeiro desmistificar tudo que enxerga como negativo (através da assimilação das Verdades Maiores da Vida), para só então começar a pensar em fazer pouco caso de tal negatividade. Ou seja, focar somente no positivo é algo que só é possível quando você já compreende que o negativo é ilusão.

E eu lamento informar que este não é o caso da maioria das pessoas deste planeta, para os quais focar só no positivo (de forma forçada) será contraproducente!

Saiba que deixar uma parte emocional sua de lado (emoções e pensamentos negativos, no caso) é garantia de derrota. Enquanto tais emoções existirem, há que se enfará-las buscando a razão delas, pois elas não são causa, e sim efeito, consequência de lago a ser repensado em seus valores mais profundos.

Toda emoção está querendo lhe comunicar algo.

Preste atenção e comece um trabalho de investigação onde você se observa e onde tenta conhecer melhor as Verdades Maiores da Vida (espalhadas ao longo dessa obra). Faça isto até chegar nas crenças distorcidas a respeito da sua realidade, que são as únicas responsáveis por fazer tais emoções e pensamentos negativos emergirem.

Repito! Enquanto você não conhecer suas crenças, você não entenderá suas emoções e nem seus sentimentos!

Portanto, a solução não está em focar só no positivo, mas em alterar suas crenças limitantes.

Após começar a realinhar suas crenças, o foco no positivo começará a ser algo muito óbvio e automático, e não algo forçado! Pois você já nem terá mais tantas emoções e pensamentos negativos à medida que expande sua perspectiva com as Verdades Maiores da Vida em mente (desde que aceitas e assimiladas como verdades que transcendem a razão humana, e não apenas suposições).

Lembre-se…. Suas emoções negativas são apenas um lembrete de que algo está desalinhado nos valores que você inseriu na sua mente. Compreenda que ao adotar pensamentos positivos e não ter o sucesso esperado depois de muito empenho, a sua derrota só lhe levará a mais insegurança e sentimentos de impotência.

Muitas teorias de positivismo forçado baseiam-se no conceito de que existe algo intrinsecamente negativo ou errado na natureza emocional do homem, e tentam negar emoções e pensamentos negativos na ilusão de estarem ajudando, enquanto permitem que o espírito seja sempre descrito como perfeito, tranquilo e inabalável. E isto acaba se tornando imediatamente uma crença, ou seja, uma crença na inferioridade humana, onde o indivíduo é induzido a nem olhar direito para este seu lado errante (cheio de emoções, sentimentos e pensamentos negativos), como se tivesse que negar este aspecto do seu Ser e olhar só para situações hipotéticas ideais!

Sucede que ao negar uma parte do seu Ser, o indivíduo nega a si mesmo, nega o seu lado Criatura que só precisava de orientação, não de negação. Ao aceitar emoções e pensamentos negativos como provocações para instigá-lo a querer evoluir e passar a conhecer melhor as verdades da vida, você abre portas para que a própria Consciência Maior comece a lhe trazer o que necessita naquele instante. Não tema nada, não fuja de nada! Um dia você compreenderá que tudo no universo é seu amigo! E daí você estará preparado para rapidamente colocar luz sobre quaisquer emoções, sentimentos e pensamentos negativos, passando logo a olhar o lado positivo que há por trás de quaisquer experiências, inclusive das mais duras!

Navegue todo o seu espectro de emoções sem medo, e use elas como motivador para REAGIR!

A crença de que você é inferior ao seu próprio espírito não reflete a verdade, pois sua vida aqui é só mais uma experiência temporária que não define Quem Você É além das aparências do jogo. Ainda assim, se você nutre a ideia de que é inferior (justo porque tem pensamentos negativos, quando lhe dizem que isso é muito errado), tal crença irá obrigatoriamente ser materializada na sua experiência, pois este é o papel da sua mente (tornar física as suas convicções mentais, inclusive as piores delas). E daí você passará a constatar, na fisicalidade, aquilo que lhe parece ser a inferioridade. Aliás, você terá todas as provas de que realmente é inferior, mesmo não sendo! E isto realimenta a sua crença de inferioridade, que daí se expressará ainda mais na fisicalidade, e assim por diante num ciclo fechado…. até que uma hora você — de tanto sofrer — tenha emoções explosivas de irritação e saturação com a vida que vinha levando (olha a emoção ajudando aí), passando a finalmente questionar a natureza da sua própria realidade, questionar suas emoções e sentimentos negativos, que já viviam gritando e pedindo para que você REAGISSE.

Ufaaaaa! Demorou!

A ideia de permitir aflorar apenas as emoções e sentimentos mais nobres não combina com o propósito do jogo no qual mergulhamos, que é o de permitir que a alma seja a fonte de luz, inspiração e ação que nos guia em meio ao aparente caos da aventura deste jogo. Saiba que nós entramos no aparente caos intencionalmente, e não por castigo ou falta de visão! Queríamos viver experiências de Menos Valia Aparente, onde fingiríamos ser menos do que somos para culminarmos (após centenas ou milhares de existências) com uma nova visão sobre a própria Consciência Maior, inclusive expandindo-a (sim, tornando Deus “maior” do que Ele já era, pois até Ele está em constante mudança e expansão).

E a sua Alma, my friend, se comunica com você precisamente através de seus SENTIMENTOS — no caso, os Sentimentos Genuínos (intuitivos ou do “coração”), aqueles que precedem o tempo e o espaço e apenas emergem no seu inconsciente assim, do nada, independente de tudo, apesar de poderem aparecer como consequência de algo! Porém, sua Alma também conta com o fato de que você sempre usará suas emoções e sentimentos humanos (por mais “contaminados” que estejam por suas crenças distorcidas). Infelizmente nós, humanos, tivemos a péssima ideia de começar a negar passagem para aquelas emoções e sentimentos que não são tão bonitinhos — no caso, os negativos.

Que lástima! Infeliz daquele que sugeriu isto!

Emoções e sentimentos humanos fazem parte de um sofisticado mecanismo de “navegação” do Eu Temporário, para permitir que ele (você) interaja com o mundo! Mas servem também para indicar a existência de desalinhamentos no conteúdo que você insere e mantém em sua mente. Em outras palavras, este mecanismo de “navegação” visa, entre outras coisas, lhe instigar a questionar seus valores, a rever aquilo que você pensa de si e de sua experiência Relativa. E o que lhe motiva a isto são exatamente as emoções, sentimentos e pensamentos negativos, que servem como indicadores de que seu sistema de crenças está desalinhado com sua Essência, com a Consciência Maior.

Tal mecanismo está sempre em evolução, sempre lhe dando feedback (retorno) sobre toda a sua aventura Relativa, e ao mesmo tempo apontando (via emoções e sentimentos inquietantes e negativos) a existência de problemas com as suas ideias e convicções acerca da sua experiência — que são sempre as crenças limitantes que você alimenta e retroalimenta, as quais deverão ser abordadas e alteradas por você, de forma consciente, a fim de reduzir emoções e sentimentos negativos e tornar mais alegre e prazerosa a sua experiência.

Cabe só a você a tarefa de mudar o conteúdo da sua mente, e a mais ninguém!!!! Nem seu Eu Verdadeiro e nem sequer Deus se envolvem, porque não têm preferências nem sequer desejos. Eles apenas lhe fazem sugestões via intuição, baseados no que você diz querer — e respeitam totalmente seu Livre Arbítrio sempre, mesmo quando você resolve criar ou atrair um verdadeiro caos!

Entretanto, fique sabendo que você não está abandonado à própria sorte. Não, não! Porque, aqui, tudo e todos sempre conspirarão para lhe despertar, e isto certamente não seria diferente para com seus sentimentos e emoções, que estão sempre tentando lhe chacoalhar, lhe esmerilhar e lhe fazer querer mudar.

Infelizmente fomos ensinados a evitar encarar certas emoções negativas ou pensamentos assustadores, em vez de aceitá-los e deixá-los fluir a fim de que eles nos conduzam naturalmente à raiz de qualquer problema, às causas de quaisquer crenças negativas. Se estas emoções negativas fossem encaradas como aliadas, poderíamos viajar através delas e, com paciência e confiança, irmos nos reinventando e mudando de rumo até poder enfim trocar de crenças e contemplar sentimentos de alegria, gratidão e vitória, alcançando uma libertação daquela prisão propiciada pelas crenças limitantes que originaram tais emoções e sentimentos negativos.

Ou seja, emoções e sentimentos são aliados, jamais inimigos a serem combatidos ou suprimidos. Se forem seguidos com confiança, sem restrição e sem medos, com o tempo — após um ciclo de muitas experiências, revelações e epifanias — eles o levarão a entendimentos profundos acerca de suas reações, a estados psicológicos e espirituais de compreensão e paz transcendentais.

Ao colocar luz sobre suas crenças desalinhadas — a luz proveniente da compreensão e assimilação das Verdades Maiores da Vida (descritas ao longo desta obra) — , você terá as perspectivas adequadas para enfim poder rever tais convicções limitantes uma a uma, descartando as que já não combinam mais com quem você escolhe ser agora. E assim sua vida mudará, pois sua mente é incumbida de materializar o novo conjunto de crenças que você está adotando, e ela faz isto através do poder da Consciência Maior, a qual não questiona e não julga, apenas dá Livre Arbítrio e faz acontecer.

Tenha a certeza de que evitar emoções e sentimentos “feinhos” é garantia de sofrimento e de interrupção do seu processo de evolução consciencial! Já os Sentimentos Genuínos (intuição) são uma categoria totalmente à parte, pois são a verdadeira Bússola da Alma, a qual transcende a Relatividade e vive lhe passando mensagens intuitivas que estão muito, muito além do tempo. Entretanto (e por força do Livre Arbítrio), todo este mecanismo de “navegação” está sujeito a graves distorções de percepção causadas pelo seu sistema particular de crenças, que atua na base de tudo, permitindo-lhe filtrar, aceitar ou rejeitar cada percepção sua, e justo por isto afetando tudo que você cria.

Compreenda que todas as experiências que você atrai na vida (individual e coletivamente) acabam servindo para lhe provocar para que reaja e escolha qual faceta do seu Ser quer expressar agora. Tudo que lhe acontece acaba servindo para lhe esmerilhar e lhe fazer repensar valores e tomar novas decisões (adotar novas convicções), inclusive aquelas experiências mais duras que emergem em meio aos cenários catastróficos que por vezes você atrai. Ou seja, tudo e todos conspiram para lhe despertar.

Dito isto, agora passe a sempre ter em mente que quando você atrai experiências desagradáveis — como a de ter uma planta de estimação “acidentalmente” decepada por alguém, ou a experiência de ver seu animal de estimação adoecer/morrer, ou seu carro ser roubado/batido, ou a perda de um importante bem material, etc — , há também algo positivo por trás de tal desastre. Sempre há!

Até na morte há libertação. Porque a morte nem é real, é só uma passagem! Há mais vida na morte que morte na vida!

E tampouco existe aquilo que se chama de “mal” (com a conotação que se dá aqui na Terra), porque o próprio “mal” é o bem disfarçado de “mal”, apenas para nos dar a experiência que nós mesmos atraímos e que interpretamos como sendo o “mal” (por pura falta de perspectiva elevada).

Só o amor é real!

Todo o resto é ilusão temporária de Seres eternos que estão apenas brincando de NÃO SER aquilo que jamais podem deixar de ser: a própria Consciência Maior (Deus).

Nas horas em que você estiver atravessando fortes emoções doloridas, coloque luz sobre elas, não fuja de tais emoções. Por mais tenebrosas que pareçam, elas querem apontar algo que você teima em não querer observar! Deixe-as fluir e desaguar suas poderosas energias, usando isto como mola propulsora para reagir de forma elevada, para fazer novas escolhas mais elevadas e alinhadas com as Verdades Maiores da Vida. E por favor sempre, SEMPRE seguindo o próprio coração — o coração verdadeiro, pois seu ego adora se disfarçar de coração e distorcer tudo, sempre sabotando para tentar evitar MUDANÇA, pois a teme.

Mas o ego não é seu inimigo, viu? Nunca foi! Não combata sua parte relativizada, seu Eu Temporário, pois você escolheu se tornar ele (ao menos dentro do jogo) com um objetivo muito nobre e especial. Você constrói seu Eu Temporário a cada escolha que faz com sua Mente Consciente, e tem a tarefa de expandir esta construção mental que chama de ego. E ele, pobrezinho, só se baseia nos valores que você mesmo adotou conscientemente no passado — mesmo que agora não se lembre e culpe a todos (o inconsciente, o ego, a vida, Deus) por suas próprias desventuras.

E quer saber como se faz para não fugir de emoções doloridas ou assustadoras? Obviamente que é através das Verdades Maiores da Vida. Mas permita-me dar o pontapé inicial.

Em primeiro lugar, tente se lembrar de que apesar de você ter emprestado um cenário inicial onde escolheu mergulhar (nascer), a partir daí tudo que você atrai é autocriado, ou seja, é de sua inteira responsabilidade, mesmo quando envolve terceiros, pois eles sempre lhe refletem — sim, lembre-se que você é um Ser eterno que transcende este cenário e que todos nós vivemos numa realidade multidimensional. Ainda assim, cada um cria sua própria Realidade Aparente de forma individual, a qual se entrelaça magicamente com as realidades dos outros num infinito Multiverso (em outras palavras, cada um contém incontáveis versões paralelas um tanto quanto independentes, mas interligadas). Quando algo ou alguém já não combina mais com quem você está escolhendo ser naquele instante, voilá, tudo muda, pois você é o único Criador da sua aventura como Criatura.

E, segundo, tente se dar conta de que tais duras e desagradáveis desventuras da vida também acabam servindo a um propósito maior, que é o de tentar lhe fazer passar por emoções tão contundentes que são capazes de lhe dar a oportunidade ideal para fazer emergir decisões conscientes de total mudança, tão profundas e carregadas de energia emocional que acabam gerando o empuxe necessário para fazer o seu “foguete do despertar” decolar! Tudo vem para o bem, e até os seus mais graves tropeços são aproveitados como mola propulsora para você despertar e emergir do Jogo.

Infelizmente é nestas horas que algumas pessoas adotam um caminho que atrai ainda mais escuridão.

O CAMINHO DAS DROGAS 

É nas horas de incompreensão, impaciência, revolta ou desespero acerca da própria aventura que muitos aceitam o caminho das drogas, por pura e simples tentativa de fuga de emoções e sentimentos que não compreendem, mas que só estão tentando sinalizar que há algo errado e clamam por ação – ou melhor, uma reação (no sentido de chacoalhar a pessoa para que reveja seus valores e mude suas crenças distorcidas, que são as únicas responsáveis pelo caos na vida dela)!   E não se iluda, o álcool se enquadra nesta categoria, onde uma "liberdade" obtida por seus efeitos (falsa liberdade, daí as aspas) não passa de uma forma de evitar encarar as responsabilidades que cabem à pessoa na criação da sua realidade aparente (seu cenário de vida), uma fuga do árduo trabalho de começar a se interessar em olhar para dentro e evoluir em direção ao despertar.  

Entenda que se você não suporta tantas emoções, sentimentos e pensamentos confusos e doloridos, com certeza não é o caminho da sedação via drogas que lhe ajudará.  Quaisquer drogas que reduzam minimamente seus sentidos já têm seu preço a pagar!  Claro que somos todos livres para experimentar, afinal de contas somos eternos, certo?   Verdade! Porém.... isto só levará a 2 consequências importantes: a continuidade do sofrimento advindo da inconsciência (da falta de acesso a uma Consciência Cósmica) e a protelação do seu despertar!

Tal fuga temporária proporciona uma falsa ilusão de liberdade e bem estar justamente porque o indivíduo, temporariamente dopado, anula os sinais do seu mecanismo de "navegação" pela vida (que são justamente as emoções e sentimentos confusos que estão "berrando" no sentido de lhe alertar que o conteúdo da mente precisa ser revisto urgentemente).  Esta folga na pressão exercida por tal mecanismo de "navegação" lhe soa como um tempo, umas férias temporárias com direito a não ter que olhar para dentro (que é o objetivo do "esmeril" de tal mecanismo).   

E quanto mais se foge disto, pior a situação, pois tal ação é uma fuga que está sempre facilmente acessível, levando o indivíduo a não se interessar em olhar para dentro, a não querer procurar a fonte do mal estar, dado que agora tem como fugir dela -- mas não sem pagar cada vez mais caro.  Isto porque quanto mais se dopa o corpo e a mente, mais aumenta a penetração da parte egoica na mente do Ser, distanciando-o cada vez mais da solução dos problemas e do caminho do despertar. 

Saiba que esta parte egoica só reluta em aceitar sua própria evolução porque a teme, na ilusão de que será extinta quando da iluminação do Ser – algo que não é real, pois o Eu Temporário nunca será extinto, ele irá se expandir (junto com a mente), se espiritualizar e se iluminar por completo (sob sua direão), mas mantendo sua individualidade (apesar da unicidade com o Eu Verdadeiro que o criou), tornando-se um outro Eu Verdadeiro distinto e diferente que já reflete a essência do seu piloto (você) por inteiro.

Agora.... a situação se torna ainda pior e "perigosa" quando fortes emoções, sentimentos e pensamentos negativos são bombardeados contra a mente dopada de uma pessoa ou forçados a sair dela por algum profissional que a acompanha – lembrando que qualquer "perigo" é sempre uma observação feita de um ponto de vista Relativo, pois tudo é ilusão de um grande jogo (mas que pode se tornar bem dolorido e protelado por milhares de vidas).   Nestas horas de delírio sem fronteiras, estão sendo negados (por causa do efeito das drogas) os confortos dos parâmetros estabilizadores da Mente Consciente (a parte acordada da mente), a qual, perdida, se encontra desprovida de seus mecanismos usuais para lidar com o mundo que conhece.  E assim um pânico se instala lá no fundo da mentem, enquanto o ego exulta por saber que está ampliando o seu controle sobre a situação, reduzindo as chances de evolução em direção ao que teme: a iluminação.

E não se iluda, isto inclui qualquer droga que reduza seus sentidos, pois isto é algo que baixa a sua vibração, reduz os canais para com a Consciência Elevada e amplia a penetração de pensamentos obscuros de um ego coletivo descontrolado há eras (por culpa dos próprios criadores da aventura: nós, humanos).

Toda droga que reduz seu estado de alerta é tentativa de fuga!

E a falsa liberdade sempre cobrará seu pedágio!  Nosso corpo não foi criado para lidar com isto, e apesar de sua resiliência e capacidade de se reerguer de constantes agressões (pois o corpo tende a refletir a divindade que aufere na Consciência Cósmica), uma hora ele adoecerá, fruto do desequilíbrio da própria mente, servindo inclusive para apontar que algo está errado nos seus valores, e precisa ser urgentemente abordado com novas escolhas de valores feitas de forma consciente.

Apesar da aparente euforia e liberdade inicial proporcionada pelas drogas que alteram seus sentidos (uma sensação que vicia), as consequências são sempre desastrosas em termos de evolução consciencial.  O próprio álcool destroi uma camada superficial que existe na periferia do cérebro, a qual é responsável pela captação dos sentimentos mais elevados da intuição que vem do Eu Verdadeiro!  O ser humano só não descobriu isto ainda!

Se você quer se expandir, evite todas as drogas que reduzam seus sentidos!  Todas!  Inclusive aquelas da moda ou as tidas como aceitáveis.

Saiba que quando você resolveu se experimentar através de um personagem temporário, o objetivo era um dia conseguir auferir a própria grandeza mesmo enquanto ainda Criatura.  A intenção nunca foi a de fugir de seu lado mais denso (via drogas ou artifícios quaisquer) para, assim, achar que vai conseguir perceber sua própria grandeza e imensidão.  Não, não vai. A intensão sempre foi, sim, a de fazer tudo isto através deste seu lado Criatura, junto com ele, elevando-o ao ponto de Ele mesmo (que também refletirá cada vez mais você e sua Essência) se dar conta de que SEMPRE FOI DEUS (ou qualquer nome que você dê à Consciência Maior)!

Confie!  Entregue-se à doce condução sugerida pelo Eu Verdadeiro, às intuições, ao coração. É por não confiar no Eu Verdadeiro que você recorre a tratamentos químicos ou, pior, drogas psicotrópicas.  Porém, se você não confia numa cura natural a partir de outras esferas elevadas, então você mesmo a bloqueará, pois você é o senhor absoluto de sua própria experiência.

O uso de drogas como “recreação” (fuga da realidade) ou terapia de despertar, portanto, só deixará a sua mente ainda mais dopada, confusa e temerosa, ainda mais suscetível à penetração das negatividades reinantes neste plano — por mais que sua mente mude radicalmente no início. Porém, por trás de tal aparente mudança para melhor se escondem novas crenças e novos medos, normalmente muito, muito mais obscuros e perigosos num nível inicialmente imperceptível — principalmente se algum “terapeuta” (que lhe guia enquanto está dopado) lhe convencer a aniquilar seu atual Eu Temporário “problemático”. Isto forçará seu Eu Verdadeiro a fazer emergir outro ego em regime de urgência com a finalidade de tomar o lugar do anterior, recém “assassinado” (pois aqui só podemos nos experimentar através de um Eu Temporário, faz parte desta realidade). E isto, meu caro, não será nada bom para você a médio longo prazo. É um verdadeiro atentado a si mesmo, com consequências nada agradáveis ao longo de sua jornada. Ou seja, você paga caro por isto!

Agora…. Ok! Você é livre, não é verdade?

Afinal de contas, é só mais uma experiência temporária de um Ser eterno, certo?

Certíssimo!

Somos sempre livres até para errar, e desconfie de quem lhe disser o contrário — até porque “errar” é um termo Relativo. Fique à vontade para fluir sem fronteiras ou limites, pois apesar de atitudes como esta (fuga da realidade via drogas) prolongarem seu sofrimento por mais alguns meses/anos/vidas/eras, o seu destino é sempre um só: o retorno à Fonte.

Compreenda que quando a sua vida está desagradável (mesmo que nem perceba ou até discorde), a fuga para quaisquer drogas (incluindo qualquer dose de álcool) lhe dará uma ilusão de libertação temporária, pois você afrouxa e reduz momentaneamente aquelas emoções e sentimentos negativos que o afligem — os quais são meros indicadores de que algo está errado em seu conjunto de valores, indicadores e provocadores que tentam lhe alertar (por vezes de forma radical) que você precisa reagir, mudar, repensar suas crenças, olhar para dentro!

Enfim, sugiro que você evite tais rotas de fuga e enfrente sua realidade de cara limpa. Ah, sua aventura se torna cada vez mais extasiante e inebriante à medida que você vai despertando do sonho da vida. Saiba que as terapias conduzidas por seu Eu Verdadeiro durante o sono (no sentido de lhe ajudar) são muito, muito mais profundas que quaisquer experiências com drogas externas. Ninguém pode lhe guiar melhor que sua Alma! Porque enquanto dorme, seu Eu Verdadeiro lhe ajuda a passar por experiências e aventuras dentro de molduras mais elásticas (em comparação com aquelas do seu dia a dia) que servem para lhe provocar, para lhe instigar a reagir. E tais experiências oníricas inclusive visam alterar toda a química do seu corpo de uma forma drástica, quando necessário. Apenas confie e se entregue.

Apesar de suas emoções e até os seus sentimentos estarem por vezes completamente contaminados por suas crenças distorcidos, ainda assim eles fazem parte de um fantástico mecanismo de “navegação” feito para lhe despertar. Ou seja, dê vazão a emoções e sentimentos, eles são seus parceiros no sentido de indicar crenças distorcidas em sua mente, e estão sempre em mudança à medida que você vai se abrindo. “Surfe” tais sensações e deixe que elas apontem o que há por trás delas, o que as motiva. Veja-as como suas aliadas no caminho do despertar.

Porém, você precisa primeiro aprender a não temer suas emoções e sentimentos. Sim! Porque para a maioria das pessoas, o medo de certas emoções e sentimentos desagradáveis é uma reação quase instintiva — justo porque ainda não têm a devida perspectiva elevada, ainda não compreendem como funciona a vida em termos mais amplos.

Entenda, pois, que ao “surfar” suas emoções e se deixar levar sem medos, você não se tornará alguém inferior, pior ou mal. Ou seja, deixar as emoções fluírem e experienciá-las não é o mesmo que aceitá-las como definições ou afirmações a respeito de Quem Você É.

Crenças não são verdades sobre você, são apenas…. ideias temporárias que criam uma realidade que as reflete no dia a dia.

Ok, Ok. Crenças realmente afetam suas escolhas, sua vida, seu comportamento. Mas ei…. Você não é seu comportamento. Você não é seu passado, seus tropeços, seus erros. Você tampouco é seus sucessos e vitórias!!! Experiências Relativas não definem Quem Você É além das aparências. Seu comportamento só mostra que faceta do seu Ser você está escolhendo expressar agora. Idem para seu passado, derrotas, sucessos, etc. Você é muito mais que tudo isto! E se você não gosta mais do que vê como seu cenário de vida, então MUDE SUAS CRENÇAS.

Portanto, pare de temer o sistema de “navegação” (emoções e sentimentos) com o qual foi agraciado para fluir ao longo de sua aventura e, com a ajuda dele, despertar do jogo da vida. Emoções e sentimentos sempre querem lhe apontar algo que precisa encarar, algo que você teima em não querer observar.

Para dar início a este processo de autoconhecimento, apenas reconheça a existência de distorções no seu conjunto de valores e então DESEJE encontrar suas crenças limitantes. Feita esta escolha de forma intencional, profunda e verdadeira, toda a ajuda do universo lhe será trazida — ou você acha que esta obra chegou a você ao acaso? Humpf!

Você é muito mais do que este personagem temporário com o qual por ora se identifica — mas cuja evolução cabe só a você. Ao longo de uma grande jornada que contempla incontáveis existências, você estará se identificando ora com sua parte temporária, ora com seu Eu Verdadeiro, até um dia conseguir elevar este Eu Temporário ao nível da Consciência Máxima.

Mediante alguma autoanálise, quase todas as pessoas irão encontrar áreas nas quais as suas emoções são expressadas somente até certo ponto. Neste caso, elas não são seguidas (“surfadas”) e processadas adequadamente.

Entenda que se você negar a validade de uma emoção em si e fingir que não a vê, então você nunca será levado a QUESTIONAR qual é a crença por trás daquela emoção, qual é a crença que o faz reagir automaticamente daquela forma.

Saiba que todas as suas emoções lhe levam a algum destino produtivo em termos evolutivos. Nunca é improdutivo “surfar” suas emoções e buscar compreender as raízes daquelas reações que parecem, por vezes, desconexas e sem sentido (como um pânico total ao ver uma mera barata). A permissão que você se dá para fluir com suas emoções lhe leva a outros sentimentos, a outras emoções, e depois a mais outros sentimentos…. até que finalmente você comece a ter epifanias e compreensões, quando então você estará se redescobrindo e percebendo as causas que faziam emergir sensações que até então você não compreendia. Este é o tal mecanismo de “navegação” do seu Ser enquanto imerso no jogo!

Suas emoções, seguidas sem medo e com paciência, sempre irão levá-lo a dar-se conta das suas próprias crenças – basta não impedir este processo.

Compreenda que você nunca está à mercê das suas emoções – a não ser que as tema e as reprima. Emoções são sempre impulsos que clamam por uma ação, que pedem por uma atitude no sentido de você tentar compreender o que se passa em sua mente, no sentido de fazer você rever valores e ter uma nova postura frente aos acontecimentos que fizeram tais emoções (aparentemente sem sentido) emergirem.

Sempre que você escolhe não dar vazão a emoções, então – amiga(o) – você está com sérios problemas.

Compreenda que ao escolher deixar-se levar por emoções e sentimentos (independente de estarem influenciados “contaminados”), você começa aos poucos a reintegrar corpo, mente e espírito, ampliando até seu acesso ao seu lado intuitivo. O simples fato de parar de temer emoções e sentimentos já lhe ajudará muito além do que você imagina! Só que quando você tenta negar ou lutar contra sentimentos e emoções, você NEGA o mecanismo de “navegação” do seu lado Criatura (que quer lhe ajudar a se realinhar), negando assim a sua própria Essência (que escolheu se expressar no corpo físico).

Permita-se fluir com as emoções e não impeça o fluxo de sentimentos de um momento para o outro, dando assim espaço para que a criatividade natural de muitas esferas do seu Ser possa guiá-lo em direção a uma solução terapêutica – muitas vezes obtida também através de outros caminhos que você nem imagina, como as experiências oníricas (sonhos).

Sim, assim que você toma a decisão de buscar conhecer-se melhor e começa a acreditar que pode ser ajudado por outras esferas, seu Eu Verdadeiro começa a agir através de diversas maneiras, e isto inclui não apenas uma intuição mais atuante, mas até uma fantástica ajuda terapêutica durante os seus sonhos (desde que você permita, queira e não tema isto).

Ninguém é melhor terapeuta que o seu próprio Eu Verdadeiro! Mas se você o trava com seu Livre Arbítrio e seus medos e crenças, então não usufrui de um potencial ilimitado que carrega latente dentro de si. Você possui um arsenal de “ferramentas” evolutivas que sempre estiveram à sua disposição – mas raramente foram solicitadas. Comece a acreditar mais em um conjunto de poderes que você passou vidas negligenciando! Você é muito mais poderoso do que imagina!

Quando você reprime emoções e sentimentos e não se permite experienciá-los honestamente, você trava todo um fluxo natural, represando energias indesejáveis.

Permita que a luz do seu Eu Verdadeiro ilumine qualquer sistema de crenças distorcido que você retém na mente. Uma vez que você tenha se aberto a tal ajuda, você logo começará a se dar conta de que certas sensações desconfortáveis só lhe assolam por causa de uma mera ideia distorcida que justifica tal reação.

Por exemplo…. Certamente você já ouviu a máxima de que “aquilo no qual você foca se expande!, certo? E esta afirmação está corretíssima, é uma das Verdades Maiores da Vida! E assim isto justifica ainda mais a sua reação de temer o negativo, com medo de expandi-lo ao colocar o foco nele! Esta é a ideia central (a crença) que lhe leva a evitar olhar para qualquer coisa negativa.

Concorda?

Para corroborar sua escolha, muitos “sábios” lhe dizem para não focar no negativo (independente de você nem estar preparado para isto — pois eles se baseiam em si mesmos, dado que eles já estavam prontos para tal, já tinham cumprido etapas prévias de expansão de percepção). E assim você os segue, afinal de contas, o sucesso deles (ao menos em alguma questão da vida) atesta suas técnicas.

Sucede que o ato de temer algo (e não olhar para aquilo) também é focar neste algo! Ao temer alguma coisa, seu foco está nela, mesmo que finja que não a nota! Está mentindo para si, de tão apavorado que está! Aqueles filósofos que só olham para o negativo já passaram pelo estágio de compreender a ilusão do negativo! Mas será que você já conseguiu? Tem certeza?

Pois lhe afirmo categoricamente que quem ainda tem medos que o atormentam não está pronto para ignorá-lo! Só encarando e desmistificando as causas por trás de tais medos que você conseguirá, um dia, ignorá-los, e não forçando o positivismo sobre si, como pregado à exaustão neste mundo!

Que lástima, um Deus com medo e refém de ilusões autocriadas! Não é evitando algo que você tira o foco dela, PELO CONTRÁRIO! É encarando e desmistificando que você amplia a perspectiva e então pode passar a fazer pouco caso de algo que já não o assusta mais. Ou seja, é encarando seus medos — com a ajuda das Verdades Maiores da Vida — que você poderá desmistificar ilusões! A emoção do medo é poderosa, há muita energia por trás disto!

E se neste momento de sua vida você se encontra meio acuado e tentando reprimir cada ideia negativa que lhe vem à cabeça (porque assim andam lhe ensinando), então PARE!!!! Que tal perguntar a si mesmo por que coloca tanta fé e poder em algo negativo? Hein? Ou seja, de onde vem tanta crença no poder destrutivo de qualquer minúsculo pensamento negativo?

Ei! Quem dá poder a qualquer coisa (negativa ou positiva) é VOCÊ. Seu foco consciente em qualquer assunto o faz crescer!

Pois basta!

Encare quaisquer monstros e perceba a verdade por detrás das ilusões do cenário da vida! A verdade de que só o amor é real! Todo o resto não passa de um conjunto de ilusões que fazem parte de uma brincadeira autocriada, um jogo magnífico que lhe deixa atormentado somente enquanto se encontra esquecido de Quem Você É além das aparências — mas um jogo cujas epifanias proporcionadas um dia o deixarão muito, muito orgulhoso de si mesmo.

Que tal você agora perder o medo de encarar o negativo de frente e passar a desmistificá-lo com as Verdades Maiores da Vida em mente? Que tal começar a adotar uma postura mais corajosa diante de quaisquer desafios da vida? Saiba que após compreender e assimilar novas verdades sobre si e sobre a vida, você já estará com uma perspectiva ampliada e já poderá adotar a postura de alguém que sempre espera por algo POSITIVO, mesmo enquanto ainda vê coisas negativas e lida com elas sem receios!

Seguindo este caminho sugerido, uma hora você estará apto a escolher fazer pouco caso para quaisquer sensações negativas. Mas não porque as quer evitar, e sim porque já as compreende, já sabe que são meras ilusões — uma postura facilmente atingível para quem já tem uma perspectiva expandida sobre si e sobre a vida! Que tal já começar a se imaginar assim desde este instante?

Se você buscar interiorizar as Verdades Maiores e passar a se observar a partir delas, ficará fácil se tornar alguém que faz pouco caso do negativo. É uma postura de alguém que já amadureceu consciencialmente. Mas, claro, faça isso aos poucos e sem apegos, senão a ansiedade destruirá tudo, pois a própria ansiedade em si é algo negativo, dado que contém insegurança, falta de fé, pressa e impaciência.

Crie o hábito de se autoanalisar! Não é tão complicado quanto parece! Mas saiba que este é um longo processo que nunca irá parar, pois você terá que sempre dar os devidos alimentos (verdades) para a sua mente. Você é o piloto dela, lembra?

Que tal começar a acreditar na benevolência do universo? Sim, pois o universo é seu servo, e ele quer lhe dar tudo, desde que você ALIMENTE esta crença de confiança, desde que você acredite que tudo no universo sempre conspira a seu favor, e não contra. E quer saber? Esta é a mais pura verdade! E se a sua vida ainda não flui desta maneira, é só porque você NÃO PERMITE, pois ainda vive no medo e na insegurança.

Por fim, preste atenção:

“O corpo é a mente que se vê! A mente é o corpo que não se vê!”

Corpo e mente são uma coisa só, aparentemente separados um do outro, mas intimamente entrelaçados. Juntos eles possuem um sistema autorregulatório que permite que sua própria cura aconteça — se você não interferir. Ao reprimir emoções e sentimentos, você está interferindo nos processos evolutivos do seu personagem, pois não está permitindo que a sua própria mente (altamente capacitada) e seu Eu Verdadeiro lhe ajudem a encontrar as soluções para os desafios da sua vida. E isto fatalmente irá culminar em enfermidades do próprio corpo.

Permita-se deixar guiar por seu mecanismo de “navegação” (emoções e sentimentos), mesmo que ele ainda esteja confuso e afetado por crenças desalinhadas! A verdade é que se você confiar nele, ele sempre buscará se autoajustar à medida que você (o piloto) vai se autoanalisando e se abrindo às emoções, aos sentimentos, à intuição e às novas verdades que recém conheceu nesta obra — as Verdades Maiores da Vida.

E por favor, preste especial atenção em tudo que vem do coração (sentimentos genuínos e intuitivos), deixando sua razão quase que totalmente de lado, no máximo como mera coadjuvante na tomada das decisões mais básicas do seu dia a dia!

Ei…. dê aos seus sentimentos e emoções o devido respeito! Encare-os e lhes dê passagem, eles estão querendo ajudar.

Nesta empreitada, cada emoção ou sentimento, mesmo “contaminado”, é uma dica no sentido de apontar algo conflitante por trás de crenças que geram uma realidade indesejada.

^ Voltar ao topo


8 – PERDAS

Você sabia que, em todos os casos de perdas, há uma compreensão maior esperando o momento certo para se revelar a você? Uma compreensão oriunda da Consciência Maior e que é capaz de lhe dar aquela paz que você tanto tem procurado no meio do caos. Bem, é justamente esta luz – esta perspectiva mais ampla – que eu quero lhe transmitir aqui e agora, em poucas palavras.

Vamos lá!

Imagino que não seja tão difícil de perceber que PERDAS fazem parte da nossa Escada da Vida, certo? Agora, será que você é capaz de compreender que, em nossa jornada, nós evoluímos através daquilo que interpretamos como PERDA?
Sim, você entendeu bem: evoluir através das perdas! E mais…. Experiências que apenas rotulamos como perda – por falta de uma perspectiva mais ampla, falta de acesso a uma Consciência Cósmica!

Calma lá, eu explico!

Perceba que primeiro você perde a conexão com sua mãe, quando lhe cortam o cordão umbilical. Depois você cresce um pouquinho e logo perde a noção de que é o centro do universo — basta nascer um irmãozinho ou adentrar qualquer outro ambiente onde existam mais crianças.

Mais tarde, aos 7 anos, você perde boa parte daquela conexão com o “outro lado” (aquele “canal sobrenatural” se fecha, para que você tenha a imersão necessária no jogo da vida). E nos anos seguintes você acaba conquistando muitas coisas que, com o tempo, também inevitavelmente perderá: amigos, amores, dinheiro, bens, coisas….

Por fim, um dia você também acabará “perdendo” a própria vida como a conhece aqui (“perdendo” entre aspas, pois a morte é só uma passagem), quando então, já do outro lado, terá a oportunidade de acessar uma perspectiva mais ampliada e então dar-se conta de que vivia dentro de uma brincadeira da qual todos um dia despertarão (após muitas existências, tropeços, recomeços e epifanias).

Ei, saiba…. Perdas são ilusões!

Um dia, em algum momento de alguma existência sua, você se dará conta de que NUNCA PERDEU NADA, pois notará que tudo não passava de uma brincadeira onde todos estavam sempre protegidos, mesmo em seus momentos de maior escuridão.

E neste instante de iluminação, você finalmente terá acesso a tudo e todos que ACHAVA que tinha perdido.

Bem-vindo à CONSCIÊNCIA ELEVADA.

^ Voltar ao topo


9 – A CULPA

A culpa é um dos piores sentimentos que podemos escolher expressar. Porque ficar remoendo aquilo que já passou só irá lhe manter naquele atoleiro de negatividade.
E só há uma forma de se libertar da culpa que se sente por algo do qual a pessoa se arrepende de ter feito ou deixado de fazer: através das Verdades Maiores da Vida!

Pois é, daí que vem a expressão “a verdade liberta”, pois ela lhe dá a oportunidade de ter outra perspectiva sobre si, sobre os outros e sobre a vida — uma oportunidade que nem sempre é aproveitada enquanto se está despertando.

Então vamos a estas verdades libertadoras….

Primeiro, compreenda que estamos nos expressando aqui (nesta forma relativizada) tanto para “errar” quanto para “acertar”, porque só aqui podemos nos esquecer de Quem Somos de verdade e, assim, brincar de NÃO SER aquilo que jamais poderemos deixar de ser: Deus (ou Consciência Maior, ou Amor, ou qualquer outro nome que você dê a ela).
Não existe “certo ou errado”, apenas o que nos aproxima ou nos afasta de nossa Essência. E aquilo que interpretamos como “errado” terá seu custo do ponto de vista cármico, mas não elimina sua essência divina e tampouco o impedirá de retornar à Fonte! Todos um dia conseguirão! TODOS! Eu garanto!

Segundo, compreenda que Deus — meu caro — não é pai nem mãe! Ah, não mesmo! Você não está aqui para agradar a Deus, mas para aprender a expressar Ele (que também é Ela) depois de ter entrado num jogo onde intencionalmente esqueceu-se de Quem Você É. Em relação a Deus, nós estamos mais para cópias Dele do que qualquer outra coisa.
Somos Deus, cada um de nós!
Somos uma fatia Dele e simultaneamente Ele por inteiro, num processo semelhante às holografias, onde a PARTE sempre contém o TODO! Deus está por inteiro em cada partícula subatômica do universo. E é por isto que ele está por inteiro em você também.

Terceiro…. Quando entrou na brincadeira, você sabia que iria errar, errar e errar muito! E todos aqueles que você “magoou” também sabiam disto, assim como também sabiam que fariam coisas “erradas” para outros semelhantes. Faz parte da jornada. Alguns estão mais adiantados neste processo, outros já se iluminaram e retornam para se submeter a passar por experiências duras POR VOCÊ, para retirá-lo do sono da alma (a brincadeira, o Jogo da Vida — que tem, sim, um propósito elevadíssimo, já comentado ao longo desta obra).

Quarto, você pode fazer coisas inadequadas e pagar por elas, mas você não tem poder para magoar ninguém. É cada Ser que escolhe se sentir magoado. Se você faz algo muito, muito ruim para um Ser iluminado, ele jamais o julgará e jamais se magoará, pois já compreende o caráter relativo expressado pelo outro, e já o enxerga a partir da LUZ que vê nele, mesmo que ela ainda esteja apagada. E tal ser iluminado (disfarçado de humano) sabe que só pode ajudá-lo a se elevar se observá-lo a partir daquele potencial latente (daquela luz esperando para ser acendida de dentro para fora). Ou seja, tal Ser lhe vê como você É além das aparências, ignorando comportamentos, passados, “erros” e posturas (ou falta delas).
Entenda que você não consegue magoar quem já compreende a vida, por pior que seja o seu comportamento para com ela. Sucede que o mesmo se aplica a todos, ou seja, você tampouco magoa os outros, que só se sentem tristes por ainda não terem a perspectiva elevada, uma perspectiva que lhes permitiria compreender o processo de despertar daqueles que ainda tropeçam.
Agora, claro que seus “erros” terão um custo a ser pago, uma dívida cósmica (explicada no adendo O Carma). Mas você sempre terá oportunidade de resolver todas elas, pois você é eterno, e terá tantas oportunidades quanto precisar.

E quinto e último, você chegou num nível evolutivo onde já pôde usufruir a oportunidade de se experimentar via Livre Arbítrio. Ela é fantástica, mas vem com um duro preço: o de conseguir escolher caminhos totalmente desprovidos de Consciência Elevada, o que lhe abre espaço para muitas escolhas ruins enquanto ainda não despertou. E uma das piores escolhas se chama CULPA ARTIFICIAL, uma culpa que é distorcida e que não vem da sua natureza espiritual, mas de um ego contaminado por valores distorcidos.

A CULPA ARTIFICIAL 

A verdade é que todos os Seres da natureza são dotados de um sistema de culpa natural, instintivo, o qual vem da Escola e nós aponta o caminho ideal. Ele permite que os Seres acertem e errem, mas depois passa a atuar como um lembrete inconsciente que visa fazer com que não se repita algo que já foi feito e não teve um resultado agradável. E este sistema natural é usado pelos animais, mas também está gravado na memória celular de cada ser humano. 
Sucede que o ser humano já evolui para outro estágio, onde já pode se testar com total Livre Arbítrio. E assim o ser humano acaba não sabendo mais usar aquele sistema perfeito do animal que já foi em alguma existência longínqua, aquele sistema onde o Ser é instintivamente guiado pela própria Consciência Maior. Agora o ser humano terá que aprender a ELEGER seus sentimentos de forma consciente (via mente consciente), não mais com a ajuda de esferas elevadas — caso contrário não estaria usufruindo de Livre Arbítrio total.

Com o Livre Arbítrio, o ser humano chamou para si a responsabilidade de um dia conseguir PERCEBER-SE como o próprio Criador, através de suas escolhas conscientes, feitas através da Mente Consciente (que afeta toda a sua experiência, inclusive o inconsciente).

E assim o ser humano facilmente permite que suas próprias crenças distorcidas o manipulem, o façam transformar compaixão em pena e autopunição!
Não há nada de errado com a compaixão, mas há muito de errado com a PENA, que implica em um julgamento de inferioridade do outro Ser (e ele não é inferior, pois tudo e todos são Deus, são eternos, só estão vivendo aventuras temporárias). E a pena leva à AUTOPUNIÇÃO!

E é aí que a CULPA ARTIFICIAL entra em cena, pois ela tem um caráter punitivo que não vem da Essência, mas da falta de compreensão da vida.

O mesmo raciocínio vale para a TRAIÇÃO, onde a pessoa se pune pelo que considera um grave erro, quando por vezes ela nem errou, só seguiu sua vontade genuína.
Sim, porque a única traição verdadeira se chama AUTOTRAIÇÃO, quando você não se permite fazer o que genuinamente quer (um conceito complexo explicado no livro MANUAL DO HOMEM APAIXONADO).

Enfim….
Não há nada de elevado em ficar se torturando por coisas que fez ou deixou de fazer.
Sim….
Você não se torna uma pessoa virtuosa por se punir por aquilo que fez ontem ou há 10 anos atrás. Se você errou, saiba que terá oportunidade de corrigir isto. A vida sempre é benevolente, e por mais que demorem anos, décadas ou vidas para que você consiga corrigir o que lhe leva a se punir, saiba que VOCÊ CONSEGUIRÁ. E se sabe que conseguirá, que tal parar de se punir? A Essência da pessoa que você “magoou” certamente não lhe julga e torce para que você se perdoe! Porque ela sabe que enquanto se punir, estará protelando o próprio despertar!

É impossível evoluir enquanto se escolhe a CULPA!

Busque pelas Verdades Maiores e as assimile em seu dia a dia. Quando você começa a compreendê-las, começa a entender que:

A) você só consegue fazer algo “errado” com alguém que atraiu aquilo ou alguém que quis passar por aquilo (por alguma razão). Isto porque cada um cria a sua realidade dentro de uma experiência multidimensional, conforme tão divulgado ao longo desta obra. Não existem vítimas nem algozes no universo! Não existem coincidências.

B) o simples fato de você se arrepender de algo já faz com que a experiência vivida tenha sido válida. Você evoluiu a partir de tal compreensão seguida ao “erro” que cometeu, e é isso que importa.

C) Quando sua jornada é observada de uma perspectiva mais elevada, todos compreendem que somos UM e estamos nos ajudando mutuamente, nos dando experiências. Ninguém lhe julga, muito menos a Consciência Maior.

D) Você terá tantas oportunidades quanto necessitar.
Você é um Ser eterno vivendo aventuras temporárias. Calma, você terá outras oportunidades de “pagar” ou retribuir pelo que fez ou deixou de fazer.

E) SÓ EXISTEM OPORTUNIDADES no universo, e todas as experiências estão tentando lhe ajudar a se abrir para sua própria essência. Não raro, as experiências duras são as que mais lhe fazem dar saltos evolutivos em termos de abertura para a Consciência Cósmica.

Abra a sua mente para tais verdades. Quanto mais expandida a sua mente (em termos de abertura para a Consciência Cósmica), mais você se dará conta de que só comete “erros” com quem atraiu aquilo ou se dispôs a passar por aquilo para lhe ajudar (para lhe dar a experiência que precisava). Claro que isso não se exime de pagar por suas próprias ações inadequadas, a vida certamente lhe cobrará (vide Adendo “O CARMA” para se aprofundar). E você conseguirá resolver tudo ao longo da grande JORNADA DO EU TEMPORÁRIO, que se recria sob novas facetas (novas roupagens) a cada vida, sempre criando novas oportunidades — orientado pelo seu Eu Verdadeiro — para superar aquilo que deixou mal resolvido em existências anteriores.

Compreenda que tudo e todos conspiram para lhe ajudar a DESPERTAR, e da mesma forma que você errou com alguém, saiba que aquele alguém também já fez isto em outras existências dele — e no entanto foi adiante, agora colocando-se na outra extremidade do espectro, passando pelo que uma vez submeteu outro Ser.


Cada um de nós está dando e recebendo, aprendendo e ajudando os outros a aprenderem. Cada um de nós está evoluindo um pouco mais a cada uma das incontáveis aventuras (vidas) de um Eu Temporário em crescente expansão enquanto se experimenta sob diferentes facetas (roupagens temporárias). A cada vida sua este Eu Temporário (sempre sob nova faceta, mas carregando os desafios anteriores não superados) se expande um pouco mais, se aproxima um pouco mais da verdadeira essência do seu piloto: você! Até que um dia já não haverá mais distinção entre seu Eu Temporário e você (o piloto), que o terá elevado até o mais alto nível: o nível do Eu Verdadeiro. E você terá se tornado outro Eu Verdadeiro a partir daquele Eu Temporário, estando em unicidade com o Eu Verdadeiro que o criou, mas ainda mantendo sua individualidade.

Ou seja, você jamais deixa de existir como um Ser à parte, individual e diferente — que é o maior medo do seu ego, o qual luta contra a iluminação justamente por temer isto. Não lute contra tal ego! Lutar contra é dar energia. Em vez disto, eleve-o! Esta e sua missão, elevar o Eu Temporário e torná-lo UM com sua Essência. Você por vezes se verá como a Criatura (o Eu Temporário em espiritualização), e por vezes como o Criador (o Eu Verdadeiro que o ilumina, via intuição, coração). Mas o fato é que você é os dois, e elevará o ego, em vez de tentar se livrar dele. Seu ego também quer evoluir, ele só reluta por responsabilidade SUA — que inseriu tantos valores distorcidos numa estrutura mental temporária que lhe permite fingir que não é DEUS.

Quanto mais Consciente, mais você entenderá que cada pessoa cria seu Mundo e é um Mundo à parte. E se você entender isto, se libertará de muitas culpa, sabendo que aquela pessoa não estava ali ao acaso quando você cometeu algo que o remoi até hoje — ela estava ali porque atraiu ou porque quis.

Há perfeição em tudo no universo.

Aliás, eu diria que as imperfeições da Relatividade são suas maiores perfeições (no sentido de nos dar as experiências ideais que precisamos, na hora exata).

Compreenda que quando você permanece na culpa, você está INCONSCIENTE das verdades da vida. E você está lidando, sim, com uma CULPA ARTIFICIAL.
A CULPA NATURAL (presente em animais) não envolve penitência como a Culpa Artificial. Ela existe como uma medida de precaução, um lembrete antes de um novo evento que está na iminência de acontecer.

O que importa é O AGORA, o momento presente.

Primeiro porque você não é o seu passado, ele não lhe define. Você é o que escolhe ser AGORA, independente do que tenha feito há 1 segundo atrás.
Segundo que todos somos Seres em evolução, em transformação, e a cada dia estamos nos tornando uma melhor versão de nós mesmos. Assim sendo, você provavelmente já não tomaria mais certas decisões que você tomou no passado. E isto deveria bastar para se perdoar.

Alegre-se, porque você EVOLUIU — e agora se deu conta disto!

A partir de hoje, prossiga adiante sem se punir. Erga a cabeça e perdoe-se pelo que fez a outra parte sua (à qual chama de o “outro”). Não existe o “outro”!

Só existe um se nós aqui!

^ Voltar ao topo


10 – PRECONCEITOS E JULGAMENTOS

Uma pessoa só JULGA algo ou alguém porque ainda possui (adotou) crenças que não refletem a verdade do seu Ser — e assim interpreta a si e aos outros sob uma perspectiva inadequada.

Ao julgar comportamentos alheios, a pessoa demonstra não ter maturidade consciencial. Caso contrário, saberia que ninguém é seu comportamento (tampouco seu passado, seus erros, seu fracasso, seu sucesso, etc). .

Sim, você leu corretamente! Por pior que seja o comportamento (o passado, os erros,….) de alguém, isto não define Quem Ele É além das aparências, dado que tal situação é apenas uma expressão transitória de um Ser eterno em processo de espiritualização.

Cada Ser está no seu devido estágio evolutivo. Alguns são mais antigos nesta brincadeira (viveram muito mais vidas), e outros ainda tropeçam mais. E, justo por isto, alguns tropeçam mais que os outros.

Se você já está mais consciente dentro desta brincadeira (se já está acessando mais a Consciência Cósmica), então você não julgará nada nem ninguém, apenas porque já sabe que cada pessoa está no seu processo, e que cada pessoa atrai para si eventos e circunstâncias compatíveis com seu nível.
Se você está mais consciente, também já sabe que ninguém passa por uma experiência ao acaso (dado que sua aventura é sempre autocriada, onde tudo e todos a refletirão dentro de uma realidade Multidimensional).

Saiba que você só faz o “mal” para quem ainda precisa passar por aquela experiência (ou se dispôs a passar por aquilo para lhe ajudar — mesmo que nem se lembre disto). Bem, mas é claro que você pagará pelo que inflige aos outros (vide Adendo “O CARMA”), mas ainda assim nada acontece ao acaso com ninguém! Seja uma bala perdida que atinge uma pessoa, uma prisão injusta, um incêndio, um caso de estupro, uma morte prematura, um texto diferente que cruza o seu caminho, etc…., nada é casualidade.

No fundo, não existe o mal. Ele não é a ausência do bem, como alguns definem. Ele é o próprio bem disfarçado de “mal” para esmerilhar aqueles que ainda precisa passar por isto — ou que escolheram isto (em outros níveis) para dar a experiência a alguém que amam muito.

Julgar qualquer atitude dos outros — por piores que sejam — é, portanto, uma demonstração de que você ainda tem muito que evoluir. Não significa que você tem que concordar ou apoiar os deslizes dos outros (e nem significa que eles não pagarão por aquilo), mas você um dia apenas compreenderá que já esteve no lugar deles, e que não há o que se julgar. Aliás, o próprio Eu Verdadeiro de cada Ser nem precisa perdoá-lo por seus “erros”, pois jamais o julgou — e sabe que tudo não passa de uma aventura temporária de Seres eternos em espiritualização (nós), os quais estão sempre protegidos, mesmo nos seus momentos de maior escuridão.

Quanto aos PRECONCEITOS vividos por minorias, saiba que qualquer tipo de preconceito sempre começa dentro da própria pessoa que foi julgada/discriminada.

Ela mesma atrai o que teme.
Ou seja, se uma pessoa se sente inferior em função de uma diferença em relação a uma maioria que considera privilegiada, então ela própria atrairá a experiência de julgamento/segregação/preconceito a fim de lhe provocar, de lhe fazer perceber que há valores desalinhados em sua mente.

Tal pessoa escolheu nascer em tal situação aparentemente desfavorecida para superar crenças distorcidas que já alimentava em outras existências anteriores. E enquanto se sentir inferior ou descriminada, atrairá experiências que comprovam suas crenças (mesmo elas estando distorcidas). A intenção é levar o indivíduo a rever seus conceitos, a parar de extrair seu valor autoaferido a partir de fatos ou circunstâncias externas.

Rever o conteúdo da mente é missão de cada Ser em espiritualização, em resgate do acesso pleno à Fonte.

O simples fato de querer rever seu conjunto de valores já terá enormes efeitos, abrindo assim espaço para as terapias do seu próprio Eu Verdadeiro, as quais sucedem em estados oníricos e a nível de intuições. Ao escolher um caminho de autoconhecimento e ausência de medo de encarar fortes sensações que emergem, você receberá toda a ajuda do universo. E não existe terapeuta melhor que seu Eu Verdadeiro, o qual está sempre tentando lhe ajudar — quando você permite (porque na maioria das vezes não percebe sinais e sentimentos genuínos que têm o objetivo de lhe chacoalhar).

Aprenda a não temer mais nada e a confiar!

E pare de culpar os outros pelo que lhe acontece. Sua experiência é autocriada, e os “outros” são você em diferentes “roupagens”, e justo por isto sempre lhe refletem — trazendo-lhe a experiência ideal que você precisa, não necessariamente a que quer.

Somos todos UM!

^ Voltar ao topo


11 – VISUALIZAÇÃO (ANCORANDO SEU FUTURO)

A mais fantástica técnica de Trabalho Mental se chama VISUALIZAÇÃO. Porque ela tem o potencial de fazer você alterar crenças distorcidas enquanto cria um cenário imaginado, mesmo que nem conheça as crenças que alimenta. E a mais poderosa visualização é aquela em que você imagina um futuro desejado (apesar de ela também poder ser usada para recriar um passado traumático).

A técnica de Visualização — que não deia de ser uma espécie de meditação também — consiste basicamente em dar a si mesmo (na imaginação) aquilo que você julga que não pode ou não merece ter.

E não se iluda, tal técnica está muito acima da psicologia convencional humana, pois ela lida diretamente com o divino potencial criador da mente, mas de forma indireta, o que torna tudo mais fácil — desde que a pessoa tenha a coragem de se ENTREGAR de corpo e alma às emoções que emergem dentro da visualização (imaginação em movimento).

E por que ela é tão poderosa?

Porque ao tentar dar a si mesmo — na imaginação — aquilo que julga impossível, você terá que PRIMEIRO enfrentar a transpor crenças contrárias, crenças distorcidas que lhe dizem que aquilo é impossível! Mas saiba que nada é impossível! Nada !!!!

E assim, ao se dar (na imaginação) aquilo que você julga que jamais poderia ter, VOCÊ RESOLVE TUDO! Mágico assim!

Fácil, não é? Nem tanto! Eu explico…. Mas vamos começar bem do começo, ok?

Você sabia que TUDO aquilo que chega a você foi criado por algum tipo de visualização mental? Sim!
Olha só….
Alguém um dia criou o cenário do mundo no qual você resolveu, agora, mergulhar para se experimentar de uma maneira diferente, numa espécie de jogo de “menos valia aparente” que você chama de vida: SUA VIDA. Um jogo no qual você esquece Quem É, adota um Eu Temporário – esse personagem que você vê no espelho diariamente – e finge ser menos do que Realmente É (daí a expressão “menos valia aparente”), apenas para conhecer-se melhor! Obviamente que em algum momento da sua jornada (depois de muitas vidas) você irá despertar da brincadeira, mas sempre através de um cenário de vida (uma Realidade Aparente) autocriado!

Uma vez que você tenha se inserido no cenário deste jogo – algo que é feito sempre de forma intencional –, dali em diante você estará criando tudo através daquilo que visualiza (direta ou indiretamente), pois estará sempre projetando um futuro esperado (visualizado), estará sempre usando as expectativas e a imaginação, sempre criando um futuro (positivo ou negativo) à medida que imagina cenários prováveis de acordo com seus filtros pessoais de valor (suas crenças).
Ou seja, todos nós JÁ ESTAMOS USANDO a imaginação (a visualização) para criar nossa realidade cotidiana, só que muitas vezes fazemos isto na direção errada. E sim, como já foi explicado, você sempre cria o cenário da sua realidade aparente – aquilo que você chama de sua vida (como a conhece aqui)!

Há que se compreender que nossas CRENÇAS acabam se manifestando na prática (materializando-se), pois é assim que a brincadeira da Relatividade foi criada para ser. Veja, nós não somos apenas uma mente e um corpo, mas uma vez mergulhados aqui na fisicalidade, iremos criar nossa realidade aparente (nosso cenário de vida) ATRAVÉS do que inserimos e mantemos nesta nossa mente.

Ou seja, aqui neste nível de realidade, será forçosamente O CONTEÚDO DE NOSSA MENTE que irá se materializar, que se transformará no cenário da nossa vida. Tal conteúdo é inserido em nossa mente por nós mesmos ao longo de muitas existências, e apesar de a mente também receber muita ajuda intuitiva do nosso Eu Verdadeiro, nós sempre teremos total Livre Arbítrio para aceitar ou fingir que nem notamos tais informações intuitivas, elevadas e sempre disponíveis.

E mesmo que sejamos muito mais que uma mente, esta é a forma como nossa realidade aparente é criada aqui neste nível de existência, ou seja, a mente materializando tudo que você insere e mantém nela. Isto porque estamos vivendo em um Jogo de Menos Valia Aparente, onde pensaremos que somos menos do que realmente somos, só para que no final possamos compreender com mais profundidade QUEM REALMENTE SOMOS.

Para ser franco, somente primeiro esquecendo Quem Somos de verdade é que poderemos ter a compreensão mais ampliada da nossa Verdade, o que acontecerá após centenas ou milhares de existências quando atingimos nossa iluminação.

Assim sendo, neste jogo aqui, você primeiro primeiro passa por uma obnubilação Cósmica (você se esquece da sua identidade original), começando toda a brincadeira sem a perspectiva elevada que sempre lhe foi inerente.
Dentro do jogo, tudo conspirará para lhe DESPERTAR.
E um dia – em algum momento de sua jornada eterna – você perceberá que você mesmo é o único CRIADOR de sua aventura como CRIATURA, pois tudo e todos sempre lhe refletirão, fazendo com que você sempre atraia a experiência que precisa, não necessariamente a que quer.

Cabe a cada um de nós elevar essa mente humana usando usando os insights enviados pelo nosso Eu Verdadeiro (intuições, sonhos, sentimentos genuínos), bem como nosso aprendizado adquirido ao longo de incontáveis vidas — e acumulado em uma Mente Maior nossa que transcende vidas, a qual se assemelha a um favo de mel, cada furinho do favo sendo uma mente humana de uma diferente vida física sua. Tudo conspira para nos fazer emergir do sonho da vida. E quando isto acontecer, teremos ganhado uma nova compreensão sobre O QUE É ser Deus! Sim, você é a própria Consciência Maior, a qual escolheu intencionalmente se manifestar de uma forma diferente – individualizada (como sendo Você, temporariamente esquecido de que é simultaneamente tudo)–, somente para que Ela possa ter uma experiência gigantesca que culminará com uma nova e inédita perspectiva sobre si mesma e sobre a Vida! Sim!!!! Até mesmo a Consciência Maior está sempre se expandindo! Deus não é uma “coisa” acabada, está sempre evoluindo ATRAVÉS de nós!

Compreenda que neste nível de Realidade Aparente, cabe à nossa mente materializar nossas crenças, até que despertemos para o fato de que nós criamos nossa realidade, quando poderemos finalmente tomar as rédeas da mente (no sentido de rever seu conteúdo) e elevá-la, sem tentar eliminá-la, calá-la ou transcendê-la (devendo apenas acalmá-la, guiá-la, elevá-la e expandi-la, tornando-a PERMEÁVEL ao Eu Verdadeiro). A mente não é sua inimiga, ela é a brincadeira em si. Mas por vezes ela será manipulada por seu ego – o qual também foi criado e e guiado por você, é um subproduto SEU (e que permite que o jogo da vida tenha lugar).

Tome as rédeas e eleve sua mente! Expandida, um dia ela ficará permeável à luz da Essência, tornando-se a própria Consciência Maior.

Dito isto, nunca se esqueça que as crenças que você adquire, cria ou empresta de terceiros pelo caminho influenciam, sim, seus pensamentos, palavras e ações — os elementos com as quais você constrói a paisagem da sua vida –, bem como acabam bloqueando ou dando vazão a uma série de comunicações elevadas. Sim, sua criação também pode ser influenciada pela abertura que você dá (via crenças) ao que vem do seu Eu Maior através da intuição, de alguns sonhos, dos sentimentos genuínos que emergem, etc.

Entretanto, tal comunicação elevada somente será possível se você permitir que estes estímulos e ajudas do Eu Maior sejam ouvidos e levados em conta a fim de primeiro alterar suas crenças distorcidas, para só depois permitir que você forme um novo conjunto de pensamentos, palavras e ações alinhados às novas convicções adotadas.

Pois é, complicado, né? A questão é a seguinte…. Conforme já explicado antes, aqui nesta brincadeira chamada Vida (como você a conhece aqui) cabe à sua mente materializar APENAS aquelas crenças que você insere e mantém nela. Assim sendo, apesar da ajuda intuitiva do Eu Maior, a alteração do cenário de sua vida dependerá sempre de primeiro alterar as suas crenças. É, pois, uma brincadeira onde você aprenderá a criar o cenário da vida ATRAVÉS do conteúdo de uma mente, mesmo que você seja na verdade muito mais do que uma mente.

Tudo e todos estarão sempre tentando lhe ajudar a largar crenças distorcidas para adotar outras mais alinhadas à sua verdade. Por isto, aprenda a ser grato até àquelas experiências mais duras, pois até elas têm um propósito. E lembre-se, você é um Ser eterno vivendo aventuras temporárias. Você é imortal, apesar de cada personagem que assume não parecer ser. Jamais perca tal perspectiva.

Bem, depois destas colocações, que tal você começar a acreditar que pode criar o futuro desejado?

Que tal se tornar o CRIADOR CONSCIENTE do seu futuro, em vez de ser só o CRIADOR INCONSCIENTE que apenas reage ao que criou?
Sim, “reage ao que criou“, pois você está sempre criando tudo que lhe chega, seja de forma consciente ou INconsciente. Sua vida não apenas acontece com você, é você quem a cria.
Não seria melhor, então, aprender a criar conscientemente em vez de ser arrastado pela vida como consequência de suas criações INconscientes? Perceba que, dentro das suas criações inconscientes, você não se enxerga como o criador delas, apenas como alguém que reage ao que a vida “traz”.

Mas saiba…. nada lhe sucede ao acaso. Nada lhe é empurrado ou forçado, porque é você quem cria ou atrai TUDO.

Então, que tal começar a projetar um novo futuro? Um que você gostaria de experimentar, mas teme tentar!

O que?
Se isto é possível?
Claaaaaro!
E é aqui que entra a VISUALIZAÇÃO consciente!

Visualização nada mais é que enxergar-se em um cenário desejado (seja ele futuro ou passado), por mais improvável que lhe pareça. É usar a imaginação para criar qualquer fantasia que você deseje, deixando-se levar pelo que o coração pede, sem pensar, sem racionalizar, sem temer e sem julgar. E claro…. quanto maior a imersão e a entrega às emoções durante a visualização, maiores serão os efeitos em sua vida física aqui e agora.

Bem, você pode usar a visualização de 2 maneiras:

  • PASSADO: você pode recriar um episódio antigo seu com um novo desfecho mais agradável e feliz, e assim trazer uma nova paz de espírito para si, a qual será o resultado da sua total entrega a tal experiência na imaginação;
  • FUTURO: você pode mergulhar em uma fantasia imaginada na qual se permitirá viver mentalmente qualquer objetivo que julga ser improvável ou impossível de ser feito em sua realidade física.

Em ambos os casos, a visualização inevitavelmente influenciará sua vida física como um todo – desde que haja uma entrega adequada e profunda às emoções que surgirem durante a experiência imaginada! Ou seja, se não houver total rendição ao que se imagina e às emoções geradas, nada mudará em seu dia a dia! Compreenda que sua mente é resistente a mudanças, e ela não irá se abrir tão facilmente a novas crenças se você não tiver coragem de acreditar no que cria mentalmente. Pois saiba que é justamente a adoção de novas crenças que irá trazer mudanças em sua vida física, pois sua mente é uma máquina materializadora de realidades, cabendo a ela tornar físicas todas aquelas fortes convicções (crenças) que você – o Criador da sua aventura como Criatura – inseriu e manteve nela por vidas.

Pois bem, apesar de a visualização com recriação de experiências passadas ter sua força, a mais importante delas ainda é a aquela que foca em visualizar um futuro desejado, pois caso haja real entrega neste trabalho mental, sua força será tão grande que resolverá também quaisquer problemas do seu passado, forçando um prévio realinhamento mental (com adoção de novas crenças) para que a visualização de um futuro desejado possa se tornar viável em sua mente! Ou seja, eis aqui um caminho onde você nem precisa mais se preocupar com aquilo que já passou (e nem com vidas passadas, pois jamais conseguiria resolver todos os seus carmas via terapias de regressão). E é justo por isto que esta opção (visualização de um futuro desejado) será abordada com mais profundidade. Mas fique tranquilo, isto será explicado em detalhes e inclusive de uma forma por vezes até redundante, o que lhe ajudará a fixar na mente estes conceitos aparentemente tão incomuns.

Agora você me pergunta: “Por que a visualização (imaginação colocada em ação) havería de mudar a vida física prática de alguém?”

Ahaaaa…. E eu lhe explicarei!

Sucede que aquilo que você cria a nível mental não é inferior à sua experiência física!!!! Mas para que tais criações imaginárias acabem surtindo efeitos práticos na sua vida física, elas precisam ser feitas com uma entrega profunda da sua parte. Entretanto, tal entrega às emoções durante a visualização só será possível depois que você convencer a sua mente a primeiro mudar aquelas suas CRENÇAS LIMITANTES que são contrárias ao que você está criando na sua imaginação (lembre-se, você é mais que uma mente, e cabe a você guiá-la)! Uma vez alteradas tais crenças distorcidas (algo que foi obrigatório para que você acabasse conseguido viajar profundamente nas emoções), então voilà – sua realidade física também começará a se alterar automaticamente.

Sim, você está aprendendo a enfrentar e derrubar barreiras mentais que um dia você havia erguido, e você fará isto ao criar cenários imaginários e se entregar às emoções que emergirem de tais aventuras mentais.

Você pode recriar uma experiência antiga com um novo e mais adequado desfecho, ou imaginar-se vivendo aquilo que julga improvável ou impossível.

Seja qual for a experiência que você se dê o direito de viver mentalmente na visualização, tal façanha acabará levando você a alinhar crenças distorcidas, tornando possível aquilo que você julgava impossível – desde que haja uma profunda entrega à experiência imaginada e às emoções que emergem.

E isto, meu amigo(a), isto não é algo tão simples de se conseguir, requer muita força de vontade da sua parte.

Por exemplo: digamos que de repente você resolva decidir usar as técnicas de visualização aqui ensinadas para se imaginar ganhando um prêmio, na tentativa de finalmente conquistar a fartura financeira que sabe que merece (todos merecemos). Daí você começa a acreditar na possibilidade de ganhar tal prêmio, passa a mentalmente se imaginar indo atrás do prêmio e finalmente recebendo aquele valor. E então toma ações práticas alinhadas a isto – algo que também se faz necessário). Porém, se nada acontecer rapidamente na prática, você poderá facilmente permitir-se desanimar e acabar ESCOLHENDO os seguintes pensamentos :

  • minha mente não tem força;
  • estas técnicas não funcionam para mim;
  • não mereço ter sucesso;
  • devo estar pagando carmas muito pesados;
  • quem nasce rico fica mais rico, e quem nasce pobre está condenado;
  • etc.

Perceba que, em tal caso, a experiência colhida (de insucesso) só reforçou crenças negativas e limitantes que já habitavam a sua mente. Todos os itens descritos acima são crenças limitantes – até o próprio carma pode ser considerado, num nível mais profundo, uma Crença de Base ou Suposição de Raiz que é assumida ao entrar no jogo da vida, visando moldar a estrutura desta aventura Relativa (mais detalhes adiante). Pois saiba que cabe a você alterar tais crenças com fé e certeza no resultado almejado…. e também com muito desapego, paciência e foco no AGORA.

Porque todo o seu poder de criação está no AGORA, e não em outro tempo. Ninguém é o seu passado! Ninguém é sequer o seu próprio comportamento (isto nem sequer o define, pois algo temporário não tem força para definir um Ser eterno em constante transformação)! Saiba….

Você é o que você escolhe ser Aqui e Agora!

Saiba que o passado não tem a mais mínima força, a não ser aquela que VOCÊ LHE ATRIBUI!

Ah, e você lhe atribui sim. Explico….

O fato é que nossa mente não compreende que passado, presente e futuro coexistem, pois desde o início do jogo ela aceitou a premissa do tempo e a ideia da existência de dívidas do passado. E até é importante que seja assim neste jogo — ao menos até que você comece a flutuar acima do carma. Sim, você leu direito: flutuar acima do carma é possível SIM! Senão ninguém se iluminaria! Calma que eu explico….

Veja, é claro que Carmas têm efeitos em nossas vidas, até porque nossa mente é levada a aceitar a premissa de que o passado nos afeta – um passado que sequer existe de verdade se considerarmos que o tempo é outra ilusão da mente (sim, “passado, presente e futuro são persistentes ilusões”, como dizia Einstein).

Sim, a verdade é que tudo existe, de fato, somente no momento presente. Porém, esteja ciente de que até foi muito importante que nossa mente tenha sido induzida à premissa (à Suposição de Base) do carma quando entramos dentro das molduras em que foi criada essa nossa experiência da vida Relativa! Senão seria mais difícil de voltar a se lembrar da Unicidade que nos permeia, seria mais complicado ainda resgatar nossa conexão com nossa Consciência Maior.

Pois bem…. Apesar de não ser tão simples se livrar de Carmas negativos, ainda assim é possível! Aliás, todos um dia conseguirão fazê-lo (não necessariamente nesta existência em particular)!

E tem mais….

Saiba que tal processo de libertação PLENA de dívidas cármicas não passa pela análise de vidas passadas!

Você leu corretamente…. Terapias de regressão a vidas passadas até podem ajudar em casos pontuais, mas jamais resolverão a questão de forma plena! JAMAIS! Seria impossível se livrar de tantas dívidas cármicas (assumidas ao longo de incontáveis existências) através de constantes terapias. Repito, elas podem ajudar neste processo, isto é fato! Mas também afirmo que há uma forma mais rápida e eficaz. Aliás, tal forma é, na verdade, o ÚNICO caminho possível para que você um dia possa flutuar acima de todos carmas (independente de tê-los pago ou não). E este caminho não carece de foco no passado, nem mesmo no passado passado recente DESTA sua atual vida.

Sim, você aprenderá a fazer isto focando no Aqui e Agora!

Ei…. Você quer saber como ir além dos Carmas?

Nos Adendos há um presente para você, caso se interesse em compreender os carmas e caso queira saber como flutuar acima deles sem ter que vasculhar todas as suas vidas passadas. Este tema controverso é abordado de forma muito profunda lá, levando em consideração inclusive o fato de que o tempo não existe, ou seja, o passado pelo qual você se culpa ainda está acontecendo! (Hehehe.)

Adiante….

Se você mantiver, por tempo suficiente, a postura de verdadeiramente acreditar naquilo com o qual sonha conquistar e se ainda agir FISICAMENTE de forma alinhada ao que deseja , você flutuará acima de qualquer carma ou ideia negativa associada a tal desejo, pois terá se alinhado (ao menos neste quesito) com a Consciência Maior e transcendido tudo que o impedia de expressar a natural abundância que lhe é inerente!

Vale mencionar, neste momento, que nós estamos imersos num nível de experiência onde só PENSAR e FALAR de forma alinhada com o que se deseja não é suficiente para materializar aquilo. Quando se trata de criar algo de maneira intencional, só pensamentos e palavras não são suficientes neste nosso nível de realidade aparente. Entenda que, ao menos aqui neste nível, faz-se necessário uma AÇÃO FÍSICA alinhada aos pensamentos e às palavras para que a criação desejada aconteça – e isto somente após transcorrido um determinado tempo de alinhamento harmonioso entre os componentes desta trindade criadora (Pensamentos, Palavras e Ações) –, caso contrário você estará criando um caos. No caso do exemplo mencionado antes (atrair fartura financeira), você terá que falar e pensar de forma alinhada ao que quer, e a ação física associada poderia ser: buscar um novo trabalho, jogar na loteria, pedir um empréstimo, investir em algo que seu coração lhe pede para fazer, etc.

Porém, esta tarefa se torna aparentemente difícil porque pensamentos e palavras seguem suas crenças, e se suas crenças a respeito de um assunto são distorcidas, torna-se inútil ficar apenas repetindo pensamentos e palavras vazios enquanto você não decidir primeiro mudar suas crenças mais profundas a respeito do tema. Porque o que realmente cria o seu cenário físico são as suas crenças, visto que sua mente (a máquina materializadora de cenários) tem a missão de sempre trazer suas crenças à existência física – alimentada pelo poder da Consciência Maior, a qual lhe dá Livre Arbítrio para se experimentar como quiser (de acordo com aquilo que insere e mantém na mente), inclusive como alguém que vive a ilusão de PARECER SER um Zé Ninguém…. até que reaja!

Compreenda que assim como as crenças negativas criaram um resultado, as positivas também criarão, só há que se respeitar um tempo de transição (entre as crenças descartadas e as novas recém adotadas) onde ainda haverá uma certa inércia na criação, com as crenças negativas ainda produzindo resultados por algum tempo até que outros resultados diferentes comecem a emergir como fruto das novas crenças escolhidas. Para que isto seja possível, há que se ter DESAPEGO e PERSISTÊNCIA. E não dá para ficar toda hora procurando pelos resultados, há que se soltar sem uma data determinada, por mais que possa demorar. Tal tempo será diferente para cada pessoa!

Compreenda que você pode estar tendo que se desfazer de muitas crenças negativas, inúmeras das quais podiam ser fortes crenças de núcleo com dezenas de crenças satélites que as orbitavam. Saiba que muitas delas podem parecer “invisíveis” à sua percepção, pois você as vê como parte da realidade, não se dando conta de que o atual cenário problemático da sua vida foi criado por tais crenças distorcidas (as quais são responsabilidade puramente sua, pois foi você quem, um dia, as adotou e as manteve na sua mente – e ela, pobrezinha, só fez o que lhe cabe: materializou o que você inseriu e manteve nela). Cabe a você alterar o conteúdo da sua mente, e a ninguém mais!

Saiba…. A certeza inabalável no resultado daquilo que você almeja inevitavelmente acabará produzindo seu efeito, mesmo que isto leve anos para acontecer!

Mas a boa notícia é que você nem precisa saber quais traumas ou crenças estão envolvidas, nem tampouco fazer terapia de regressão a vidas passadas em busca de causas (carmas). Não importa o que seja, se o seu trabalho de visualização for feito com profundidade e alinhado aos desejos do seu coração, suas crenças mudarão através do seu Poder do AGORA (o único “lugar” onde você realmente tem poder para mudar algo) – e depois (só depois) sua realidade física também mudará (desde que você não se apegue aos resultados, na certeza de que tudo já lhe pertence em outros níveis, o que lhe traz uma paz tão forte que lhe permite soltar seus sonhos para que eles se materializem no momento mais oportuno).

Compreenda que aqui neste mundo – dadas as “regras” do jogo – você só poderá dar a si mesmo (criar, materializar) aquilo que acredita ser possível. Ou seja, se a sua crença é de que algo é impossível ou improvável, então é exatamente assim que sua realidade se manifestará (com aquele algo realmente sendo impossível para você). E, da mesma forma, tudo aquilo que você JULGA como sendo difícil de alcançar acabará de fato sendo difícil – pelo menos para você (dadas suas crenças)! No entanto, se você conseguir – dentro de sua imaginação – fazer com que algo aparentemente impossível se torne possível e viver essa experiência intensamente, então tal façanha terá o mesmo valor que se tivesse sido realizada fisicamente – até porque seu cenário de vida física também é um ilusão criada pela mente, ou seja, tudo é uma criação mental, tanto a vida física quanto a imaginada. Você está apenas começando a decifrar os mistérios acerca de como cria sua própria Realidade Aparente – aquela experiência à qual chama de Vida (que não é sua Realidade Maior, é apenas uma experiência temporária entre incontáveis outras) – sem sequer se dar conta de como o faz…. até então, pois agora você está entrando em contato com as Verdades Maiores, aquelas Verdades que lhe libertam.

Entretanto, saiba que tornar possível o impossível é algo que só poderá acontecer se você primeiro conseguir superar barreiras limitantes, se você primeiro mudar seu sistema de valores (suas crenças). Em outras palavras, você só conseguirá transformar sua realidade (e viver algo que anseia muito, física ou mentalmente) se você PRIMEIRO alterar as crenças que o impedem de fazer aquilo. Daí a força da visualização, que permite que você viva algo impossível na imaginação, desde que primeiro altere crenças limitantes (gravando crenças positivas em seu lugar, mesmo que nem entenda como faz isto – e nem precisa). Então, feito isto, é inevitável que sua vida física também mude, pois você terá mudado o Status de uma crença, de impossível para possível. Daí só falta ter desapego e não ficar contando horas nem dias, ou seja, há que se soltar na certeza de que virá aquilo que você quer (ou algo superior).

Bem…. nunca se esqueça que você está sempre visualizando, sempre projetando um futuro (seja ele bom ou ruim). A diferença é que agora você acabou de descobrir que pode fazer isto de forma intencional, guiada, encarando quaisquer medos ocultos oriundos de crenças distorcidas – o que lhe dá a oportunidade de poder criar “o amanhã dos seus sonhos”.

E aqui, com este material, você aprenderá a fazer isto. Mas, para tal, precisará começar a aceitar Quem É além das aparências, precisará conhecer e assimilar as Verdades Maiores da Vida (que vão muito além das limitadas “verdades” humanas).

Ao guiar sua visualização na direção dos seus sonhos e desejos, você será inevitavelmente obrigado a reavaliar suas crenças limitantes, mesmo que nem as conheça – e nem é necessário conhecê-las, porque o simples fato de você se permitir visualizar e viver uma experiência mentalmente criada é algo que, para acontecer, já obrigou você a primeiro ter que libertar-se de crenças distorcidas que, por vezes, lhe são invisíveis, dado que você nem percebe (por achar que aquilo que lhe sucede é uma criação do próprio mundo, e não sua criação). Em outras palavras, para poder visualizar profundamente seus objetivos sonhados, você terá que primeiro mudar as crenças distorcidas que são contrárias ao que você almeja experienciar. E você pode muito bem fazê-lo durante a visualização, mesmo que você nem conheça quais são aquelas crenças a descartar. Basta ter a coragem de se entregar totalmente às experiências que se permite criar na imaginação, com toda a sua emoção!

Ei…. TUDO em sua experiência é uma criação SUA, nada lhe chega sem sua prévia aceitação, pois você é o CRIADOR da sua aventura, mesmo quando a cocria com outros (pois mesmo neste caso da cocriação, a sua realidade multidimensional sempre irá refletir VOCÊ). Sim, nós não vivemos dentro de um simples universo, mas num multiverso com incontáveis versões de você e com infinitas possibilidades que se entrelaçam, onde a individualidade da criação de cada um sempre é respeitada enquanto todos os Seres se experimentam nas suas infinitas possibilidades de criações individuais – cada Ser sempre interagindo com versões de “outras pessoas” que sempre refletirão ele mesmo (dado que cada um cria seu mundo e também É um mundo à parte, conforme já explicado anteriormente ao longo deste material). Não existe o “outro”, somos UM. E é por isto que, em seu mundo, só existe VOCÊ interagindo com outras versões de si mesmo em diferentes “roupagens” (corpos) – daí o motivo de tudo e todos sempre lhe refletirem. E é justamente por isto que CULPAR O “OUTRO” por algo desagradável que lhe sucedeu nunca é uma atitude de uma pessoa realmente DESPERTA em termos de Consciência. Quem culpa o “outro” por algo desagradável ainda dorme!

Tudo se origina de você e a você retorna!!!!

Pois é, esta experiência é muito maior do que você jamais imaginou, não é mesmo?

Voltando à visualização, você está sendo convidado a entender que através dela você poderá finalmente sair daquele atoleiro mental onde você fica insistentemente EXIGINDO que as coisas sejam do jeito que o seu Eu Temporário (e normalmente inseguro) QUER para que, só então, você possa finalmente se entregar de corpo e alma a tudo que a vida traz.

Comece a alterar sua realidade atual ao imaginar-se tendo tudo aquilo com o qual sonha. Ancore um futuro melhor para você usando a ferramenta da visualização (a isto chamamos ANCORAGEM DE FUTURO).

Use o seu NOVO SABER (adquirido aqui ao longo de todo este texto) para guiar a sua mente nessa travessia pseudo-perigosa, convencendo ela de que não há perigo ao permitir-se VISUALIZAR que você já está tendo o banquete que mais quer, mesmo que ainda só mentalmente.

Repito: o que você cria a nível mental não é inferior à sua experiência física!!!!

Agora sejamos francos, o que é que você realmente quer mais que tudo?
Ahaaaa, eu SEI!
E lhe afirmo categoricamente que cada um de nós quer viver todos os tipos de fartura de quaisquer coisas, PRINCIPALMENTE DO AMOR. Porque o maior anseio de qualquer Ser em qualquer mundo é AMAR E SER AMADO!

Comece a acreditar que merece todas as farturas, e se dê o direito de receber tais presentes, mesmo que apenas a nível mental no início, via visualização. Aquilo que você se dá o direito de viver mentalmente (e em profundidade) torna-se uma possibilidade física também, pois para viver tal experiência na imaginação, você primeiro teve que mudar crenças contrárias. E não dê muita bola se a mente duvidar disto, achar que é encenação. Acredite, uma hora ela se abrirá com o emprego de tal técnica!

Ei….
Dentro desta visualização, arrisque-se! Ouse! Faça o que der vontade!
Saiba que você está sempre protegido, mesmo nos cenários mais sombrios. Isto porque você é um Ser eterno vivendo aventuras temporárias, e sempre terá infinitas oportunidades dentro de suas incontáveis existências.

Compreenda que aquilo que você SE PERMITE propositalmente imaginar e viver mentalmente acabará se manifestando mais rapidamente no plano físico. E quanto mais profunda for a entrega aos sentimentos e emoções associadas à visualização, mais rapidamente seu sonho (ou algo ainda superior) irá se materializar em sua vida física, pois primeiro certas crenças suas tiveram que ser alteradas para que só depois sua visualização pudesse de desenvolver com a devida entrega (dado que você só pode se entregar de verdade àquilo no qual acredita).

E eu volto a reforçar o seguinte: para que você consiga se dar o direito de viver algo mentalmente na imaginação (e em profundidade), você acabará obrigatoriamente tendo que primeiro alterar suas crenças contrárias e limitantes, senão tal visualização não terá efeito algum. A boa notícia é que você nem precisa saber com quais crenças está lidando. A própria visualização (com a devida profundidade e entrega da sua parte) lhe obrigará a encarar quaisquer crenças, inclusive as mais invisíveis. Apenas visualize com entrega e emoções, o resto se resolverá sozinho na medida em que você valida emocionalmente a experiência imaginada!

Volte a sonhar alto!

E se a sua visualização ficar insossa, sem graça e sem profundidade, é porque você não conseguiu alterar as crenças desalinhadas durante o processo – ou seja, faltou entrega à experiência, e assim sua visualização terá FALHADO no sentido de alterar sua vida para melhor. Nada acontecerá!
Compreenda que suas crenças terão que se alinhar àquela realidade imaginada para que tal técnica surta efeito, mesmo que você nem conheça tais crenças distorcidas. Não pense em procurar elas, apenas se entregue à visualização (e às emoções que ela gera).

Quando a sua entrega à visualização não for adequada, a fantasia criada será rejeitada pela sua mente, o que denotará que sua mente ainda não largou as crenças distorcidas que um dia – em alguma existência sua – você mesmo inseriu nela, sempre de forma consciente e intencional (por mais que depois você possa ter empurrado para o inconsciente todas as informações que envolveram a criação de tais crenças).

Sem a entrega necessária, o processo não altera crenças e não surte efeito prático em sua realidade (em seu cenário de vida). Volte a repeti-la, desta vez com mais elementos, mais empenho, mais criatividade e mais emoção, inserindo na visualização inclusive as dificuldades encontradas ao longo do caminho e a superação de todas elas.

Se necessário, minta para a mente, porque daí sua “mentira” estará alinhada com as Verdades Maiores quando observamos toda esta experiência de uma perspectiva mais elevada.

Por exemplo, diga para si mesmo:
Eu SINTO…..
Eu TENHO….
Eu SOU….

Seja lá o que for que você expresse depois destas afirmações, o poder destas palavras será proporcional à sua crença naquilo que afirma. Veja, não é a repetição que muda nada, mas sua crença naquilo que fala, sua vontade e coragem de querer mudar (conforme já explicado antes).
Agora, continue se expressando apenas com palavras que se alinhem com aquilo que você QUER para si, e não com aquilo que NÃO QUER. Esteja à altura daquilo que deseja para si mesmo. Uma vez que você aprenda a se visualizar lá em cima onde você quer chegar algum dia, assim será (em uma questão de tempo).

Jamais afirme qualquer coisa com o verbo no futuro. Não diga “Eu serei…., Eu terei”. Quem diz que “será” está indiretamente afirmando que AINDA NÃO É. Da mesma forma, quem diz “eu terei” está confirmando mentalmente que AINDA NÃO TEM. Porque “eu terei” não é o mesmo que “eu tenho”. Lembre-se, você tem que se visualizar como alguém que já tem aquilo que busca. Visualização! Até porque esta é a Verdade Maior: você já tem tudo! Só está aprendendo a materializar isto aqui neste nível.

Portanto, sempre coloque a sentença no tempo presente, por mais que soe como mentira para sua mente. Lembre-se, cabe à mente materializar o conteúdo que você inseriu e manteve nela. Entretanto, você é mais que uma mente, você o CRIADOR da sua aventura como CRIATURA, e cabe a você realinhar os valores da própria mente.

Pois é basicamente assim que funciona a Brincadeira da Vida, a qual leva centenas ou milhares de existências suas para que um dia possa chegar ao “fim” (sua iluminação), cada vida sua sendo vivida em uma infinidade de realidades paralelas por outras versões suas, simultaneamente . Ou seja, a coisa é gigantesca. Você é gigantesco!

Compreenda que uma frase como “Eu sou poderoso” pode soar como mentira para o ego, mas é uma VERDADE MAIOR. Porque se você é Deus – e você de fato é, pois você é uma fatia Dele e simultaneamente Ele/Ela por inteiro –, então é óbvio que você é poderoso, só ainda não aprendeu a manifestar tal divindade que lhe é INERENTE.

Saiba que tudo já lhe pertence, você só está aprendendo a expandir a mente, a remover as crenças distorcidas para permitir que a Mente Consciente volte a ter acesso à Fonte natural da qual você se origina, resgatando seu acesso ao potencial e à graça que lhe são inerentes.

Compreenda que aquelas pessoas que já manifestam sua divindade só o fazem porque já tornaram suas mentes PERMEÁVEIS à própria Essência. Nestas pessoas, o Eu Temporário delas já se tornou permeável à luz do Eu Verdadeiro (uma luz que antes foi temporariamente apagada para que a Brincadeira da Vida pudesse ter começado).

Uma pessoa assim já atingiu um estado em que sua mente já se expandiu, seu ego (Eu Temporário) se espiritualizou, já se tornou permeável às Verdades Maiores da vida – a mente de tal pessoa já foi elevada, já expandiu-se e já se tornou a própria Consciência Maior. Neste processo, você não elimina a mente. Não se evolui descartando, mas sim integrando, conciliando tudo. Sua mente não é sua inimiga! Passe a vê-la como amiga, como fruto de SUA criação (e de mais ninguém). Você tem apenas que torná-la permeável, eliminando crenças distorcidas adquiridas ao longo dos incontáveis cenário nos quais mergulhou!

A mente é a própria brincadeira em si, uma obra-prima da Consciência Maior dentro da Relatividade, a qual permite que você brinque COMO SE NÃO FOSSE aquilo que jamais poderá deixar de ser (a não ser que você finja).

E você fingirá NÃO SER o que você É através da poderosíssima ferramenta da MENTE, com a criação de um Eu Temporário em constante evolução (sempre em espiritualização, vida após vida), o qual tampouco será eliminado à medida que ele evolui, mas igualmente expandido até resgatar sua UNICIDADE com seu Eu Verdadeiro – e sem nunca perder sua individualidade. Saiba que o poder de materializar o conteúdo da mente (seja lá o que você insira nela) provém da própria Consciência Maior, que dará Livre Arbítrio para você criar o que quiser através de uma mente inicialmente esquecida da identidade original do seu capitão (você) e desalinhada devido às crenças distorcidas que você cria, adota ou empresta ao longo do caminho (e insere na mente, cabendo a ela apenas a tarefa de materializar tudo isto). E você será livre para criar o que quiser, mesmo que seja um “inferno”. Todo o cenário da sua vida sempre dependerá do conteúdo (crenças) que você inserir e manter em sua mente! Uma hora, em alguma existência sua, você emergirá deste sonho, desta brincadeira. Não tenha medos, você estará sempre protegido, mesmo enquanto ainda tropeça, cai, levanta, sacode a poeira e continua sua jornada (cuja vitória é inquestionável, por mais que demore).

Agora eu repito….
Use a imaginação para visualizar algo que deseja, e se entregue à fantasia criada. O resto é consequência, você não necessita entender de ciência de foguetes nem de psicologia!

Agora…. é importante que fique bem claro que foi você quem escolheu cada crença, nada lhe foi imposto em vida alguma. E tem mais…. você escolheu suas crenças pessoais e coletivas sempre de forma CONSCIENTE…. mesmo aquelas crenças que acabou empurrando para o seu inconsciente a fim de evitar sofrimentos.
Compreenda que apesar de o nosso INCONSCIENTE ser de fato uma janela para o nosso espírito, ele ainda assim aceita todas as ordens e ideias dadas a ele pela Mente Consciente (aquela que lida com a vida cotidiana do nosso estado de vigília). Pois é assim que nossa experiência Relativa foi projetada para ser em função do Livre Arbítrio, cabendo a você (que é mais que um corpo e uma mente) ser o volante que guia tal mente, ser aquele que constantemente colhe resultados, avalia e recria seus sistema de crenças, sempre buscando expressar uma versão cada vez mais elevada de si mesmo.

Ei, saiba que é a sua mente consciente que torna inconsciente qualquer informação, trauma, ideia ou lembrança. No fundo, nenhuma das suas impressões sobre o mundo é verdadeiramente inconsciente, algumas só estão lá escondidas por uma decisão sua que um dia foi bem consciente (intencional), com o intuito de evitar mais dor, mais sofrimento — em vão, pois em algum momento toda aquela energia represada sempre acabará explodindo para poder lhe ajudar a evoluir.

O simples desejo de tornar consciente o inconsciente já começa a render seus frutos desde o momento que você lê afirmações como estas que escrevemos aqui e acredita serem possíveis. Crenças, sempre elas!

Ou seja, para alterar programações inconscientes, você um dia terá que avaliá-las de forma consciente, mesmo que nem se dê conta de como está fazendo. Porque a vida lhe forçará a fazer isto (nem que seja através de sofrimentos experienciados por centenas de existências)! A não ser que você use um atalho: a VISUALIZAÇÃO.
Mas sempre tente visualizar de uma maneira que contemple o uso adequado das Verdades Maiores da vida, as quais lhe permitirão DESPERTAR para sua verdade e aceitar até o impossível.

Saiba…. Ao entrar no jogo da MENOSVALIA APARENTE (também conhecido como Relatividade), foi-lhe prometido pela própria Consciência Cósmica (que também é você) que tudo e todos iriam conspirar para lhe DESPERTAR, por mais vidas que isto viesse a levar.

Usar a imaginação para visualizar um sonho aparentemente impossível é a melhor forma de acelerar a alteração de crenças distorcidas (e, por conseguinte, alterar a realidade). E você nem precisa saber quais crenças paralisantes estão envolvidas. O simples fato de viver mentalmente aqueles cenários que lhe parecem impossíveis já força você a encarar quaisquer crenças limitantes, mesmo que nem perceba que está fazendo isto. Foque naquilo que quer e se entregue à aventura visualizada; os realinhamentos de crenças acontecerão automaticamente se houver a devida profundidade no nível de emoções geradas, mesmo que você não entenda como isto funciona. Tudo tem a ver com superar barreiras (crenças geradas por traumas) que o impedem de viver algo que deseja – seja no plano físico ou no mental. Entretanto, observe que a entrega às emoções é o que valida a superação das barreiras mentais e abre espaço para a alteração de crenças, pois ao ter superado barreiras, sua mente se abrirá para outras ideias, para novas crenças, uma vez que ela constatou a vivência de algo que julgava impossível. Portanto, tenha a certeza de que se não existirem emoções permeando a visualização, nada mudará! Ponto!

Em outras palavras, a alteração nas suas crenças (e na sua vida) será proporcional à sua entrega durante a visualização (daí a importância de viver emoções durante este trabalho mental).

De onde você acha que vem o ditado “A imaginação cria a realidade!” ?

Visualização é a imaginação colocada em prática, algo que MOLDA seu futuro (desde que haja muita emoção envolvida – sim, tem que parecer real para mente).
O seu ego é ardiloso e não aceita qualquer cenário mental de água de açúcar. Você tem que construir cenários futuros incluindo até as maiores dificuldades junto, para assim tornar tudo verossímil àquela construção psíquica desprovida de acesso a uma Consciência Maior (seu ego, seu Eu Temporário – aquele que você vê no espelho todos os dias) por conta dos valores que você, o piloto da mente, adotou.

Compreenda que você está SEMPRE criando sua “realidade”, e quando usa sua imaginação para visualizar algo negativo, acaba autohipnotizando-se numa direção que nem quer (mas na qual CRÊ).

Ao viver algo desejado através da imaginação, você REDUZ o aparente vazio (a falta de algo ou alguém) na mente! Isto porque o vazio é ilusão, a falta de qualquer coisa é sempre uma ilusão do jogo da vida. A verdade absoluta é a de que temos tudo, só ainda não aprendemos a manifestar tudo que queremos.
Só o amor e a unicidade são reais, nossa experiência aqui não passa de um jogo de menos valia aparente onde esquecemos Quem Somos e vivemos temporariamente esquecidos da nossa verdade! Ao imaginar-se em cenários que contemplam a plenitude e a abundância, você está visualizando a verdade absoluta do seu Ser, onde tudo já lhe pertence – e apesar de isto ser a mais pura verdade, isto poderá parecer mentira para a sua mente, a qual ainda está em processo de tornar-se, em processo de expansão (guiado por você).

Ao se permitir visualizar a si próprio como alguém que já tem aquilo que parece não ter, as ansiedades diminuirão, pois você já estará vivendo antecipadamente aquilo que tanto deseja. Desta forma, você estará transcendendo a ilusão do “não ter”!

Ei….
Tudo já lhe pertence, e à medida que você se permite ir vivendo ANTECIPADAMENTE os eventos (na imaginação), o tempo de espera pelo objeto do desejo reduzirá (sendo capaz de chegar a ZERO quando o Ser já estiver iluminado).

Aquilo que criamos mentalmente jamais é inferior à experiência física – até porque todos os eventos físicos um dia também começaram na mente, nasceram através dela.

Mas apesar do fato de a mente também receber ajuda do Eu Verdadeiro (intuição, sonhos, etc.), ainda assim nós só veremos materializado aquilo que a mente ACEITA. Ela é, pois, o filtro limitador, a magnífica ferramenta da Consciência que abre espaço para o nascimento do Jogo da Vida (como você o conhece aqui). Cabe a cada um de nós expandir sua própria mente, tornando-a cada vez mais permeável à Consciência Cósmica da qual nos originamos, permitindo assim que o Eu Temporário (o personagem que você vê no espelho diariamente e leva o seu nome atual) reflita cada vez mais sua Essência, sem jamais deixar de existir como um novo Ser à medida que evolui, mantendo sua individualidade mesmo depois de estar iluminado e em unicidade com seu Eu Verdadeiro, seu criador!

E por que isto é assim?
Apenas porque a experiência da Relatividade foi criada para ser exatamente desta forma, conforme já explicado ao longo deste material.

O papel da visualização é, pois, o de lhe dar a oportunidade de mudar o que a mente aceita, fazendo isto justamente através da vivência antecipada (a nível mental) daquilo que você mais deseja, mas considera improvável ou impossível de realizar em seu mundo físico.
Entretanto, esteja ciente de que você não conseguirá se imaginar fazendo algo que a mente não aceita. Assim sendo, à medida que você faz a visualização e dá vazão às emoções, sua entrega lhe permitirá recriar crenças, alterando o que a mente irá posteriormente manifestar na fisicalidade.

Se a sua visualização não tiver a devida profundidade, então ela não terá a força nem o alcance necessários para reconstruir crenças distorcidas. O segredo é se entregar ao processo e deixar as emoções fluírem, pois ela darão a energia necessária para alterar o conteúdo distorcido que habita sua mente (inserido lá nela por você mesmo, de forma consciente, em alguma existência).

Compreenda que ao se visualizar TENDO o que deseja e quer, você estará fazendo sua mente acreditar em certas possibilidades que ela considerava impossíveis, pois você já estará vivendo a experiência de TER O QUE DESEJA de forma antecipada, visualizada.

Mas para que você pudesse fazer isso com profundidade, primeiramente você teve que adotar novas crenças mais adequadas sem que você sequer percebesse que estava fazendo isto, o que depois fará sua realidade aparente mudar (seu cenário de vida), pois cabe à sua mente refletir (no plano físico) aquilo que você inseriu e manteve nela.

Portanto, agarre o que quer na visualização. Dê qualquer presente a si mesmo lá. Seja o que for: amor, emprego, aventura, viagem, fantasia, intimidade, amizade, etc.

Ao permitir-se fazer o que quer “lá” (na visualização), você estará SE AMANDO e abrindo a mente à ideia do “Eu posso….”, “Eu sou….”.

Entenda que a mente é uma máquina materializadora, mas VOCÊ É O PILOTO. Não se torne refém de crenças distorcidas.

DESPERTE JÁ!

Saia da monotonia, deixe de lado o aborrecimento com o que a vida traz. É você quem cria ou atrai tudo que chega a você! Passe a dar mais vazão ao simples ato de querer algo! Não há nada de errado em querer o que quer que imagine, até o impossível.

Compreenda que toda a criação começa no ato do QUERER, um processo que é interrompido pela própria pessoa quando pensamentos e ações dela refletem um ressentimento por ela ACHAR que não tem aquilo que ainda não se manifestou fisicamente. Tudo já lhe pertence, até o que você ainda não aprendeu a manifestar, é só questão de TEMPO (outra incrível construção mental que não passa de uma ilusão necessária para a brincadeira existir).

Ou seja, pensamentos e ações desalinhados com a verdade (a verdade de que já se tem tudo) não permitem que O ATO DE QUERER produza seu efeito. E assim a mente não lhe permite materializar os seus desejos. Ainda assim o ato de querer não está errado, você só tem que aprender a estar à altura daquilo que deseja, com pensamentos focados na ideia de JÁ TER o que não tem, e não focados no vazio do cenário que lhe diz que ainda não tem.

Compreenda, pois, que O ATO DE QUERER é a parte fundamental de tudo. Portanto, queira, queira muito – apesar de isso não bastar.

Comece a agir COMO SE – como se já tivesse o que quer, como se já fosse o que deseja ser (visualizando isso no dia a dia).

Enfim, o objeto do seu desejo só poderá ser materializado se:

1) se você primeiro o QUISER; há que se desejar aquilo, o ATO DE QUERER se constitui no primeiro passo. Sem isto, nada acontecerá! Portanto, não tenha o menor receio de querer materializar qualquer sonho que ousar ter! E embora o simples ato de querer não seja suficiente, ainda assim ele é essencial.
2) se você adquirir a CRENÇA de que aquilo que quer é possível, independente do quão improvável pareça;
3) se você se DESAPEGAR de qualquer resultado esperado, através da certeza de que o objeto do seu desejo já lhe pertence antes mesmo de tê-lo fisicamente, você só está aprendendo a materializá-lo. E, justo por isto, um dia (em algum momento da sua eternidade) este sonho estará materializado diante de você. Tal conceito, assimilado e praticado, já lhe trará uma paz antecipada. Saiba que o apego a um resultado contém medo, e portanto sempre o afastará do objeto de seu desejo.

Para resumir, queira e acredite, mas também solte para que seu desejo (ou algo ainda superior) venha na hora que for mais adequada! Apenas esteja certo de que virá!

Portanto, a partir de agora, pare de se culpar por querer tanto alguma coisa.
Queira, queira muito…. o que quer que seja! Queira qualquer coisa que desperte desejo em você!
Você é livre para querer tudo, até o que parece condenável – mas atenção, jamais deixe de escutar a bússola do seu coração (intuição), pois ele jamais lhe induziria a ter ações desalinhadas com sua Essência, as quais iriam implicar em carmas negativos, e você certamente pagaria por isto.
Não se sinta pequeno ou mal por querer tanto alguma coisa.
QUERER é o primeiro passo para se criar algo dentro da Relatividade.
Quando você deseja algo, isto significa que você já entrou em contato com a verdade do seu Ser, o qual sabe que aquilo que você quer já lhe pertence em algum nível. E então, agora, você só terá que aprender a materializar seus desejos neste nível físico no qual você está se experimentando temporariamente.
E tudo isto inevitavelmente passa pelo realinhamento da sua MENTE, a Máquina Criadora de Realidades.

Procure conhecer as Verdades Maiores da vida, elas sempre permeiam todos os nossos materiais (publicações, livros e vídeos). Uma vez compreendidas e devidamente assimiladas, sua mente conseguirá se abrir à ideia de que tem capacidade para materializar qualquer desejo que você ouse expressar, pois em tal caso você já a terá ensinado a aceitar o querer sem medos, e ela já acreditará na viabilidade do que quer que seja. E caso consiga também se desapegar de resultados, no devido momento terminará recebendo aquilo que quer ou algo ainda superior!

Em outras palavras, quando realmente QUER alguma coisa, sempre admita isto para si, você é o Criador da sua aventura, tudo é permitido, inclusive o que é “errado” – o que não significa que você não arcará com as consequências de atos que o afastam da sua Essência, mas que também são permitidos!

Nada é proibido no reino da Consciência Cósmica, apesar de algumas escolhas terem consequências desagradáveis – faz parte do jogo, somos Seres eternos vivendo aventuras temporárias, fazendo coisas boas e más, “certas” e “erradas” à medida que retornamos à Fonte.

Feito isto, depois você deve começar a ACREDITAR que aquilo que deseja pode de fato acontecer sim. E, por fim, você deve aprender a SOLTAR, sendo paciente com a ilusão do tempo, pois isto pode demorar um pouco até que você possa finalmente ver resultados – ou até muito, depende só de você!

Compreenda que a ilusão do “NÃO TER ALGO DESEJADO” normalmente nos deixa irrequietos. A paz só é alcançada com a certeza de que aquilo virá sim, aliada à verdade de que você é um Ser eterno tendo aventuras temporárias, e portanto terá todo o tempo que o tempo tem para aprender a manifestar qualquer desejo.

E se o objeto do seu desejo demorar um pouco para aparecer, qual o problema? Curta a jornada enquanto está mergulhado na ilusão do “NÃO TER” aquilo que sempre foi seu. Você é um Todo que contém tudo e todos, e está só brincando dentro de um jogo onde nada falta, apesar da ilusão.

Se você aprender a ficar tranquilo enquanto espera a materialização de algo que sabe que já lhe pertence em outros níveis, então você já começará a viver, agora, a plenitude de uma paz antecipada, pois em tal caso você já saberá visceralmente que o universo não tem como lhe negar aquele sonho que você se deu o direito de querer, mas no qual também acreditou e teve a coragem de soltar com desapego, mantendo em mente a ideia de que você é o Criador da sua aventura (só que agora criando de maneira consciente). Ou seja, se você consegue escolher a alegria oriunda da antecipação pela chegada de um presente que você mesmo encomendou para si, sem ficar oscilando e duvidando da sua chegada, e mantendo esta postura independente do tempo que leve, então é inevitável que aquele objeto do seu desejo – ou algo ainda melhor – se materialize. Mas atenção aqui…. lembre-se que você não tem parâmetros racionais para avaliar como é possível que algo diferente do que foi tão desejado acabe sendo ainda superior no curto, médio ou longo prazo, mas uma parte maior sua tem sim esta percepção expandida…. e tal parte maior se manifesta através dos sentimentos genuínos do seu coração (intuição), que são a sua bússola oriunda da Consciência.

Isto é tão importante para que o processo da visualização funcione que eu vou repetir esta última parte usando outras palavras. Veja…. Quando você – no momento presente – já se sente abençoado com o fato de saber que um dia materializará aquilo que tanto quer, então você está demonstrando completude, desapego e gratidão para o universo, uma postura que acelera todo o processo de atração…. mas que também abre espaço para que algo ainda melhor apareça. Sim, porque enquanto está relativizado, você não sabe necessariamente o que é melhor para você, mas uma parte maior sua sabe, e Ela é tão benevolente que sempre tentará lhe trazer algo ainda melhor do que aquilo com o qual sonha, desde que suas crenças e seu Livre Arbítrio permitam!

Por fim, saiba que este jogo da vida visa lhe dar uma perspectiva única e diferente acerca de si e da vida, um ponto de vista que só é possível de se ter quando você esquece Quem É além das aparências, vivendo milhares de existências enquanto vai se lembrando de sua identidade original, se dando conta de que você é o próprio Deus – uma fatia Dele(Dela) e Ele próprio simultaneamente, pois no reino da Consciência Maior, A PARTE sempre contém o TODO. E tal Consciência está plenamente inserida em tudo, inclusive num átomo ou numa partícula subatômica. Qualquer PARTE do TODO também contém este último! É por isto que se diz que um grão de areia contém todo o universo! Na verdade, ele contém o próprio Multiverso!

Bem, apesar de todo este conceito descrito acima não ser tão difícil de compreender, a nossa mente tende a relutar em aceitar tantas coisas novas. Cabe a você persistir em digerir e interiorizar tantos conceitos novos.

Compreenda que de nada serve o ATO DE QUERER se você se ressente pelo fato de ainda não ter o que quer. Daí o poder do QUERER não atrairá o que se sonha, e de nada adiantará ficar repetindo um trilhão de vezes se você escolhe não acreditar, repetindo de forma vazia sem encarar de frente as crenças limitantes.

Apesar de a autossugestão poder ajudar, nada mudará de verdade enquanto você não decidir encarar de frente o conteúdo limitador que você um dia inseriu na sua mente. Ou seja, não é a repetição em si que cria, mas a CRENÇA naquilo que se afirma (conforme já explicado mais profundamente).

Entretanto, a fim de que você não acabe se culpando, é muito importante que compreenda que o ATO DE QUERER jamais será errado, feio ou mesquinho – o que não significa que você não arcará com as consequências de escolhas que o afastam da sua Essência (conforme já explicado)! Grande parte do nosso medo de nos permitirmos querer algo reside nas más interpretações influenciadas pelas crenças (individuais e coletivas) que são desalinhadas com nossa verdade, as quais sempre afetam nossos pensamentos, palavras e ações (os elementos básicos da criação).

Esteja ciente de que toda vez que você tentar a façanha de viver uma experiência “impossível” no nível mental, você estará ao mesmo tempo sendo obrigado a mudar o conteúdo da sua mente – a qual lhe diz que aquele seu sonho distante é improvável ou impossível de acontecer (pois foi assim que você programou sua mente no passado). E tal visualização só fluirá (vindo a surtir seus efeitos na sua vida prática) se você primeiro mudar tais crenças distorcidas – mesmo que nem as conheça. Agora…. saiba que isto só pode ser atingido através da megaenergia que existe por trás das emoções. Ou seja, a sua entrega à visualização lhe forçará a mudar crenças. Pois saiba que a mente não diferencia uma experiência física de uma imaginada, e se a sua entrega for total, isto validará o enfrentamento, a superação e a alteração das crenças limitantes envolvidas na situação em questão.

Você precisa compreender de uma vez por todas que a sua vida atual é fruto do conjunto de crenças que você adotou ao longo de uma enorme jornada…. Um conjunto que você continua a nutrir, e por isto que nada muda.

Você quer mudar de vida?

Então mude as suas crenças, porque a mente sempre as materializa.
E tenha a mais absoluta certeza de que seus pensamentos, suas palavras e suas ações sempre tendem a se alinhar com o conjunto de valores que você um dia gravou na sua mente, ou seja, com suas crenças. Em outras palavras, você tenderá a falar, pensar e agir em alinhamento com as suas crenças, por mais distorcidas que elas estejam! E mesmo que em alguns momentos você até possa conseguir falar ou pensar ou agir de forma diferente das próprias crenças, estes elementos de criação certamente não estarão harmonizados entre si – em função daquelas crenças – e não terão poder para mudar o cenário da sua vida conforme você gostaria. Daí o motivo de a mera repetição não criar, pois ela é vazia enquanto você não decide abordar a raiz do problema: CRENÇAS DISTORCIDAS!

E crenças distorcidas, meu amigo(a), podem ser alteradas mais rapidamente via VISUALIZAÇÃO!

Agora…. será que sua visualização vai mesmo funcionar?

E eu lhe digo: – “Não sei, responda-me você! Pois é você quem cria”!

A verdade é que se você realmente se abrir, acreditar e se entregar inteiramente às emoções e sentimentos que emergirão na visualização, então certamente surtirá efeitos em sua vida — em maior ou menor grau, dependendo da sua entrega . E tal técnica só não funcionará se a sua convicção for inferior à força da crença contrária (ou se você começar a duvidar depois, cheio de receios ou ansiedades).

Querer, escolher, decidir, imaginar e soltar (desapegar-se do resultado) são todas etapas importantes desta criação guiada. Entretanto, enquanto uma crença distorcida for mais forte que sua abertura para um cenário imaginado, você somente colherá o que reflete aquela crena antiga, e nada mudará!

Mas calma lá…. Eu reservei um trunfo para o final desta técnica, um verdadeiro “ás na manga” que pode dar uma “turbinada” no seu trabalho de visualização de futuro. Vamos lá….

ANCORAGEM DE FUTURO AMPLIADA 

Existem maneiras de ampliar a força da visualização no sentido de convencer sua mente a se abrir, dado que ela está cheia de resistências associadas às crenças antigas que você mesmo inseriu e manteve nela por eras. Ou seja, a mente é relutante porque assim você a ensinou. Suas crenças – forjadas no calor de momentos cheios de emoção – funcionam como programações, e ela tenta rejeitar tudo que não se encaixa nestas convicções que mantém acerca da sua "realidade" (ensinadas por você, o piloto da mente, que ora se vê como a Criatura tentando se encontrar no caos, ora como o Criador que faz escolhas elevadas). 

E quando se trata da técnica de Visualização de algum objetivo futuro desejado, a maneira ideal de "turbinar" tal visualização é AGIR COMO SE!  Como se já tivesse certeza do resultado, como se já tivesse aquilo que almeja – o que no fundo é uma verdade, pois você já tem tudo, só está aprendendo a materializar seus desejos aqui neste nível também.

E como fazer isto na prática? 
Dando passos em direção ao seu objetivo, ou seja, tendo atitudes físicas práticas em alinhamento com o objeto do seu desejo.  Por exemplo, fazendo uma reserva em um clube para uma festa futura que deseja muito, mas que lhe parece aparentemente impossível de acontecer (seja lá qual for o motivo da sua descrença). Ou então adquirindo bens materiais que se alinham com o seu objetivo. O importante é agir alinhado ao coração, e não à razão (que lutará contra no início, pois tem argumentos contrários: crenças limitantes).

Deixe-me mostrar um caso prático!
Existem culturas onde é comum que se compre o enxoval da noiva antes mesmo que a moça sequer tenha o primeiro namorado. Compram utensílios para a futura casa dela, presentes e por vezes até mandam fazer um vestido de noiva. E pasme.... Isto tem poder sim, pois tais pessoas estão AGINDO na certeza de que haverá um casamento, independente de ainda nem sequer existir um namorado, que dirá um noivo? Claro que a menina-moça pode neutralizar isto, pois é ela quem dirige sua aventura. Entretanto, os pais e parentes estão ajudando ela a aceitar tal ideia futura como se fosse uma verdade inquestionável, o que tem enorme potencial para fazê-la alterar o conteúdo de sua mente e se abrir para tal futuro, facilitando tudo. E como tudo que todo Ser mais quer em qualquer universo é AMAR E SER AMADO, então tal atitude se alinha com os anseios mais profundos dela, tornando mais provável o aparecimento de tal romance no momento oportuno, mesmo que demore anos e que aconteça de forma bem diferente do esperado (com um noivo "diferente", mas de acordo com o que os anseios da moça).

Sucede que ao comprar algo significativo – em termos de empenho e emoção gerada – e alinhado ao objeto do desejo da pessoa, cria-se uma FORTE tendência no sentido de atrair aquele cenário desejado (a não ser que a pessoa não creia nem um pouco e faça isto apenas porque a obrigaram a fazer). Tal poder certamente tem explicação do ponto de vista da Consciência Maior. Basicamente se chama Alteração de Crenças. Em tal situação, a pessoa estará agindo COMO SE: como se já tivesse o objeto do desejo, como se tal futuro fosse inevitável, como se não tivesse dúvida. E assim a mente da pessoa começa a abrir mão de crenças contrárias e limitantes que um dia ela própria forjou na mente – ainda que em outra vida (pois a mente transcende esta vida física da pessoa).     

Agir COMO SE é uma forma de visualização que tem respaldo físico, tem um algo a mais no sentido de convencer uma mente resistente. Você, como piloto da mente, pode e DEVE se posicionar contra crenças limitantes, julgamentos e racionalismos que SENTE serem inadequados.  E "AGIR COMO SE" é uma forma de seguir o coração e fazer pouco caso das crenças contrárias e limitantes.

Só o fato de começar a cogitar tais ações práticas e se abrir para isto já começa a afetar a sua realidade. Ao agregar um componente de ação física, a força é multiplicada. Isto porque, assim, você está dando um passo de FÉ! Está acreditando que vai atrair o objeto do seu desejo, investindo nisto e evitando pensar muito, deixando a razão de lado e agindo de forma elevada, sabendo que na verdade – uma verdade que transcende a ilusão – você já tem tudo aquilo que parece faltar em sua vida, sendo que é só questão de "tempo" (na visão relativa) para que aquilo se manifeste também aqui, dependendo das suas crenças. 

Quanto maiores as emoções geradas no sentido de já viver antecipadamente aquilo que se quer, maior a força. Daí a importância de colocar a imaginação em ação, ou seja, fazer a visualização de cenários futuros (com a força amplificada por alguma ação física alinhada).

O fato é que existem realidades e Estados de Ser mais elevados onde uma ação nem se faz necessária. Mas não é o caso neste nosso nível de Relatividade. Aqui nesta realidade, faz-se necessário uma ação – aliada aos pensamentos e palavras afins – para colocar as engrenagens do universo para girar rapidamente.  Entretanto, a grande da verdade é que estes elementos de criação (pensamentos, palavras e ações) só se alinham harmoniosamente para CRIAR ALGO DESEJADO se você primeiro mudar a crença limitante que os abastecia, pois eles tendem sempre a se alinhar às crenças, não tendo força quando só um dos elementos é guiado para um caminho mais ousado. 

E é aqui que as suas ações físicas podem fazer a diferença!  

Atitudes (ações físicas) na linha de comportar-se "COMO SE" – como se você já estivesse onde quer chegar – ajudam a enfraquecer crenças contrárias numa mente já não tão convicta de seu conjunto de valores em função das novas escolhas que o seu piloto (você) está fazendo de forma consciente. Isto acaba abrindo espaço  para o surgimento de novas crenças alinhadas com o que se quer. E então pensamentos, palavras e ações começam a mudar como consequência da mudança das convicções num nível mental bem profundo. E por fim o universo começa a trabalhar na direção do seu QUERER, pois a sua mente estará materializando aquilo no qual você (o Todo Poderoso) está ousando crer.

Agora.... Não se esqueça que você não só pode, como DEVE querer, querer e querer muito.  Ao contrário do que muitas filosofias ensinam, querer não afasta nada, muito pelo contrário: QUERER é o primeiro passo da criação.   A única questão é que o ATO DE QUERER, apesar de necessário, não garante nada enquanto você não parar de NECESSITAR aquilo que tanto quer. Ou seja, o problema não é o querer, mas o fato de necessitar o que se quer.  Queira, queira muito. É absolutamente necessário que você queira algo para um dia atraí-lo. Desdenhar é MEDO, é insegurança quanto ao resultado.  Porém, depois de querer, pare de NECESSITAR! Se você quer atrair algo para si, há que se soltar a necessidade de tê-lo, na certeza de que um dia virá, independente da demora (conforme já explicado em profundidade nesta obra).

Enfim, tudo tem a ver com guiar sua MENTE. Ou seja, ser o piloto que aprende a criar o cenário de sua vida através daquilo com o qual alimenta a própria mente!  Na qualidade de uma ferramenta maravilhosa cujo poder vem da própria Consciência Cósmica, a mente tem a missão de materializar as crenças do seu detentor, sejam elas quais forem. Por isto é certo dizer que é sempre você quem dá ou tira algo de si mesmo, e mais ninguém. E aliás Deus também não dá e nem tira, ele apenas proporciona esta experiência a uma parte Dele próprio ao fazer-se VOCÊ – e, enquanto você, Ele se esquece da própria origem para descobrir na prática o que é SER O CRIADOR à medida que vai expandindo sua mente para um dia abarcar a própria Consciência Cósmica por inteiro! 

Este tipo de Trabalho Mental (visualização com ações físicas guiadas) acaba criando um "atalho temporal" entre você e o objeto do seu desejo! É um empurrão que você dá a si mesmo em sua própria aventura, usando técnicas de quem já consegue se abrir para sua Consciência Maior! 

Enfim, estamos lidando com crenças. 

Tal trabalho consiste em ações físicas contrárias às crenças limitantes, o que inevitavelmente leva ao seguinte resultado: MUDANÇA das crenças limitantes. Isto porque, ao agir assim, você dá um passo físico alinhado com alguma fé (mesmo que ainda relutante). Para dar tal passo, você PRIMEIRO foi obrigado a alterar (total ou parcialmente) crenças contrárias, senão nem teria feito nada. E mesmo que você faça de forma receosa, ainda assim foi fruto de alguma abertura. Claro que se uma pessoa fizer isto só para provar que não funciona, COLHERÁ EXATAMENTE o que está escondido por trás de tal convicção.... e não funcionará -- para ela! Pois ela é a Criadora da aventura, inclusive quando se autossabota. 

Pensamentos, palavras e ações são elementos de criação que sempre tendem a refletir suas crenças. E se você conseguir guiar um deles contra uma crença limitante (porque assim decidiu), não produzirá efeito enquanto não alinhar todos estes elementos de criação (pensamento, palavras, ações). E.... my friend! Você só alinha harmoniosamente tais elementos de criação se PRIMEIRO alterar a crença limitante que você um dia gravou na mente (e que sempre é consciente, mesmo quando "invisível" a você).   Ao agir COMO SE, você terá dado o primeiro passo contra crenças contrárias (desde que haja um ínfimo fio de credibilidade nisto).   

Sua mente sempre tenta rodar a programação que você um dia criou, e assim ela se aferra aos valores que você adotou ao longo de eras (com uma mente que transcende essa atual vida sua). Mas aos poucos a mente começará a ceder e a ficar confusa, pois percebe seu piloto agindo com a convicção em algo que CRÊ. E é assim que novas crenças são gravadas na mente, o que muda o cenário por ela materializado.

Quando falam em PODER DA MENTE, lembre-se que o poder está em você, não nela. A mente é apenas uma maravilhosa ferramenta da consciência Maior. 
Ao AGIR COMO SE, você (o piloto da mente) está usando a CONSCIÊNCIA para mudar tudo, está fazendo um caminho inverso para alterar crenças.  Ou seja, na perspectiva da mente, você estará "fingindo" ter aquilo que não tem, mas na perspectiva elevada você está agindo como alguém que já SABE que tem tudo, pois transcende a ilusão do NÃO TER.

Quer mudar o cenário?

Mude as crenças!

Ao abrir portas de possibilidades mentais, você ALTERA seu universo e muda o mundo que atrai para si! 
Repito....
Agir "COMO SE" extrai a sua força do passo de fé que foi dado.
Sucede que para se dar tal passo de fé, VOCÊ TEVE QUE IR CONTRA crenças limitantes. Ao ir contra elas, reduz a força delas, começando a tornar possível o impossível.

Parece fácil, né?

E é!

Mas nestas horas você tem que ser determinado, pois terá que inicialmente ir contra o lado racional, contra uma mente que tenta desdenhar e sabotar tudo em função do que ACHA que sabe (ensinada por você no passado).
E é aí que muitas pessoas desistem. 

Vivemos num mundo de MANIFESTAÇÃO DE CRENÇAS.

Repense as suas!

Você quer conquistar algo ou chegar a algum lugar na vida?

Visualize-se lá!

Ou seja, veja-se como se já estivesse lá!

^ Voltar ao topo


12 – CONCLUSÃO

Você é um todo que contém tudo e todos! Portanto, nada lhe falta de verdade, a não ser nas aparências, na ilusão do jogo da vida! Saiba que a sua missão mais profunda é trazer para este seu nível de realidade aparente toda a plenitude do seu Ser. E você conseguirá, não importa quantas centenas ou milhares de existências leve.

Enquanto não chega lá, pare de culpar a sua mente ou o seu ego pelas suas infelicidades ou desventuras! Pare de considerá-los um empecilho para a sua evolução consciencial! Eles não são seus inimigos!

Portanto, jamais os combata!

Há muita crendice distorcida em cima deste assunto, com muitos filósofos ao longo da história querendo se livrar tanto da mente quanto do ego, sem saberem que este não é o caminho para a Consciência Maior.

Você jamais se elevará totalmente enquanto tentar desprezar seu lado Criatura.

A missão é incluir e conciliar, jamais combater ou excluir. Você não tem inimigos! Não de verdade! Mas enquanto achar que tem que combater algum suposto inimigo, ah….. criará um com todo seu poder — e um bem feroz!

Sua mente é apenas uma ferramenta da Consciência Cósmica que permitiu que seu Eu Verdadeiro criasse um ego (do Latim, um “Eu”, um personagem ), um Eu Temporário que, para todos os efeitos, é você — apesar de você ser muito mais que isto, pois você é simultaneamente Criador e Criatura. Cabe a você (através da conexão com seu Eu Verdadeiro) expandir a mente deste Eu Temporário e fazer com que, assim, ele cresça em direção à totalidade — até que um dia, por fim, ele represente totalmente Quem Você É além das aparências. E tudo isto sem que este Eu Temporário (você) jamais perca esta nova individualidade, mesmo quando já em unicidade com o Eu Verdadeiro que o criou.

E saiba que expandir a própria mente é algo que você será levado a fazer o tempo inteiro, pois das duas, uma: ou você olha para dentro de si e busca reavaliar suas crenças de forma consciente (repensando intencionalmente todas as convicções que inseriu na sua mente ao longo de eras), ou será forçado pela própria vida a fazer isto de forma indireta e inconsciente (e uma hora, de tanto sofrer, não lhe restará outro caminho a não ser começar a olhar para dentro de si de forma consciente). Assim sendo, por que protelar o inevitável?

Compreenda que ao não se interessar em avaliar o conjunto de valores que mantém na mente, você acaba abdicando da criação consciente da sua experiência, pois não assume as rédeas da criação, não assume a total responsabilidade por tudo que lhe acontece (pois não existem coincidências)…. preferindo culpar os outros quando está infeliz, convenientemente esquecendo-se de que é o Criador da própria experiência, escolhendo inclusive sentir-se vítima da vida — uma reação típica de pessoas que estão inconscientes de sua própria Verdade, muitas das quais então escolhem o caminho da fuga (álcool, drogas) ou da depressão oriunda de uma sensação de impotência escolhida que nada tem de NATURAL, pois não reflete a verdade do Ser. Sim, toda pessoa deprimida está fingindo que não tem poder — e acreditando nisto, sendo capaz de morrer enquanto teima em deixar as rédeas da criação ao vento!

Ao passar por angústias existenciais e teimar em não olhar para dentro em busca da fonte de tais emoções e sentimentos duros (que sempre reside nas crenças distorcidas que você mantém na mente), você acaba inevitavelmente sendo arrastado e “esfolado” pelas péssimas desventuras que você mesmo atrai para si sem se dar conta da total autoria de tudo que lhe chega (pois você é o Criador da sua própria aventura).

Por fim (e depois de muito sofrer), você ironicamente também acabará tendo que forçosamente olhar para dentro de si em busca da fonte de tantos sofrimentos — cuja causa sempre reside nas crenças limitantes adotadas, as quais não lhe permitem enxergar em meio ao caos, não lhe permitem ter a devida perspectiva elevada que naturalmente emergiria se você já tivesse assimilado as Verdades Maiores da Vida. Isto lhe brindaria com a única e verdadeira paz, que é aquela oriunda do seu acesso à Consciência Maior, o único porto seguro dentro da Relatividade.

Compreenda que com a mente expandida e a perspectiva ampliada, fica fácil de auferir (captar) a magia e perfeição que existe em tudo na vida, o que lhe permite encher-se de gratidão com quaisquer cenários que criou e atraiu (inclusive os mais duros), reconhecendo sua responsabilidade total na criação da própria aventura. Isto abre espaço para que você comece a conduzir toda a sua criação de uma maneira elevada e cada vez mais mágica e abundante, pois em tal caso você já terá aprendido a não necessitar de mais nada, mesmo querendo.

E daí o universo — seu servo — já começará a refletir por fora (na sua vida física) toda a divindade que você já está vivendo por dentro.

Agora…. saiba que fingir que está tudo bem — com o foco forçado no positivo, mesmo diante de fortes e recorrentes sensações negativas — não resolverá nada enquanto você não estiver pronto para desmistificar tudo que é negativo, enquanto não derrubar o véu da ilusão que reside por trás do que lhe parece ser o “mal”.

Pare de aceitar passivamente o que colhe e entenda que tudo e todos sempre lhe refletem, sempre espelham o conteúdo que você, o Criador, inseriu na própria mente da Criatura que você também é dentro do Jogo da Vida! Assuma as rédeas da sua criação, comece a encarar qualquer fantasma que lhe aflige de forma recorrente, até um dia conseguir desfazer seu caráter ilusório (quando então você nem mais lhe fará caso, estando finalmente pronto para olhar só o positivo, dado que o negativo já não fará sentido).

Comece a se questionar acerca das próprias convicções, sempre confrontando-as com as Verdades Maiores da Vida. Torne isto um hábito!

E assim, após incontáveis vidas sob diferentes facetas ou “roupagens” (corpos), chegará o momento em que tal Eu Temporário (você) terá se tornado um outro Eu Verdadeiro com características distintas daquele que o gerou, quando então uma infinidade de outras portas, aventuras e dimensões se abrirão no sentido de lhe dar a oportunidade de se experimentar como lhe aprouver — seja criando outros Eus Temporários, outros mundos ou outros Estados de Ser.

O PROPÓSITO DA VIDA 

Quando você entra no Faz de Conta que é a Vida Relativa e escolhe se tornar um personagem temporário esquecido de sua origem e que precisa ser guiado e expandido por você mesmo ao longo de incontáveis existências sob diferentes "roupagens", você se autoimpõe a missão de resgatar sua Consciência Cósmica a partir do oposto dela, a partir de um estado "não-Deus" (ao menos nas aparências, pois você jamais deixa de ser a própria Consciência Maior).

Você inicialmente mergulha num cenário que você mesmo escolhe antecipadamente. E então, obnubilado (esquecido), aceita as premissas daquele ambiente criado por outros, gravando na sua mente -- de forma consciente -- muitas crenças desalinhadas, justamente devido à falta de perspectiva de uma mente ainda embrionária, ainda em processo de expansão.  A partir dali você passa a ser o Criador da própria aventura como Criatura, um Ser multidimensional que no início não tem noção de como cria sua experiência, e muito menos de como sua criação individual se inter-relaciona com as criações individuais dos outros Seres também multidimensionais.

E apesar de levar muito "tempo" (numa perspectiva relativa) até que você se ilumine dentro da sua longa jornada, saiba que ao finalmente dar-se conta de Quem Você É de verdade — numa percepção adquirida de "baixo" para "cima" —, você irá exultar por enfim compreender que você sempre foi o próprio Deus individualizado numa PORÇÃO que também continha o TODO, a totalidade.  E tal epifania da iluminação é tão impactante que expande inclusive Deus, o qual está em constante transformação e se torna ainda "maior" a partir da iluminação desta PORÇÃO que é você!  

Sim, você expande a Consciência Maior quando finalmente emerge do jogo.  É um momento de indescritível êxtase que só pode ser atingido através da imersão nesta aventura da Relatividade onde você primeiro se esquece de Quem É para poder entrar no Faz de Conta.  

Atingida a iluminação, já não haverá mais diferença entre aquele personagem temporário em espiritualização e você. Ou seja, quando iluminar-se, o Eu Temporário já estará refletindo totalmente a expressão divina máxima que você É.  Em tal caso, o Eu Temporário (você) já terá se tornado um novo Eu Verdadeiro diferente daquele que o criou, apesar da unicidade entre ambos.  Enfim, perceba que o grande medo do ego — que é o receio de ser extinto durante sua iluminação — não tem reais fundamentos, pois o Eu Temporário jamais deixará de existir, apenas se tornará totalmente permeável ao que vem da Essência Divina ao mergulhar por inteiro na Consciência Maior.  

A partir daí, você passará a sentir um imenso prazer em ajudar os "outros" a também despertarem para suas verdades, pois você já estará se dando conta de que os "outros" são, no fundo, versões diferentes de você mesmo.   Em tal caso, você já estará se percebendo como a própria Consciência Cósmica contida em tudo e todos — e assim você passará a prazerosamente irradiar a Consciência Elevada toda vez que estiver próximo daqueles que já estão prontos para se abrirem para isto.... mas também permitirá que os demais (cujo momento de despertar ainda não chegou) continuem sua brincadeira, sem jamais pensar em julgá-los, sabendo que eles também chegarão no destino de luz do qual todos nos originamos e do qual nunca saímos de verdade, só nas aparências de um Faz de Conta que chamamos de Vida (como a conhecemos aqui).

Ah, meu caro leitor, você nunca deixou de ser a própria Consciência Maior — ou Deus, ou Amor, ou Consciência Cósmica…. ou qualquer outro nome que prefira dar para esta totalidade. Você só está no processo de lembrar-se disto!

Quando você não assume as rédeas no sentido de buscar a constante expansão da mente (através da revisão dos seus valores), ela acaba rodando no piloto automático, levando você — enquanto esquecido de que também é o Criador — a assumir decisões baseado nas programações (crenças) que você mesmo instalou e manteve na mente por eras. Assim sendo, pare de tentar fugir da sua tarefa de guiar sua mente.

Harmonize sua mente sempre que achar necessário — via técnicas de meditação, via silêncio mental, etc –, realinhando corpo, mente e espírito. Mas saiba que ainda assim você sempre terá que retornar à sua mente para expandi-la, para fazer o Eu Temporário crescer e retornar à sua origem.

Não é evitando sua mente (e seu lado Criatura) que você se elevará, mas sim lembrando-se da sua Identidade Maior e usando as intuições oriundas dela, as quais emergem via Mente Inconsciente (a janela para o espírito). Porém, o volante da sua aventura Relativa reside na sua Mente Consciente, nas decisões que você (o piloto da mente) toma de forma intencional — o que afeta toda a sua mente e todo este personagem temporário com o qual você se identifica (e do qual você não tem como fugir, tendo a missão de expandi-lo para um dia poder emergir do Jogo da Vida e compreender a grandeza tanto do jogo quanto do que significa SER DEUS).

Dentro de sua aventura, você será o Deus Criador de tudo que lhe acontece, pois está imerso numa realidade multidimensional que sempre refletirá o conjunto de crenças que você inseriu e manteve na mente. Portanto, é importante que você compreenda que sua mente não é a causa dos seus problemas! Nunca foi e nem nunca será!!!!

Há que se esclarecer que as confusões da sua vida são fruto do CONTEÚDO ERRÔNEO que você mesmo inseriu na mente, seja nessa ou em outra vida, acredite você ou não. A mente (lastreada pelo poder da Consciência Maior) apenas materializa aquelas crenças que você (o piloto dela) inseriu nela. A mente é só uma ferramenta da Consciência Maior que torna físicas as suas convicções, mesmo as mais terríveis! Esta é a missão dela: permitir a existência de um personagem temporário inicialmente esquecido de sua origem e apresentar a você (que também é este personagem, bem como seu Criador) o resultado da sua criação como piloto da mente!

Compreenda que a mente não tem vontade própria, cabendo a você — que é muito mais que uma mente, mas que por ora se expressa através de uma mente — pilotar ela. É tarefa sua (e somente sua) expandir esta mente, elevar o Eu Temporário perdido e esquecido, o personagem que você assumiu no jogo e que , para todos os efeitos, é você enquanto relativizado (apesar de você ser muito mais que uma mente ou um Eu Temporário).

E, nesta JORNADA DO EU TEMPORÁRIO, você por vezes se identificará com ele, e por vezes com o Eu Verdadeiro, porque você é ambos, você é simultaneamente Criador e Criatura. Porém, você não tem como largar ou abdicar do Eu Temporário (que também é você), tendo a missão de ajudá-lo a evoluir vida após vida sob diferentes “roupagens”, até que ele se expanda ao nível do Eu Verdadeiro.

Assim sendo, você sempre precisará rever o conteúdo da mente e fazer novas escolhas conscientes (usando a mente consciente, preservando o Livre Arbítrio do personagem), para que esta mente se expanda sempre, permitindo que este Eu Temporário evolua através de novos valores mais elevados adotados pelo piloto da mente (você) quando em contato com sua Essência. Em outras palavras, o Eu Temporário só se eleva nos momentos em que você se permite ter a perspectiva elevada, se permite aceitar intuições vindas do Eu Verdadeiro (que também é você). É nestes momentos de entrega aos sentimentos genuínos e intuitivos que você transcende o personagem e cria coragem para questionar o caráter da sua realidade aparente, tendo então a oportunidade de se conectar no Eu Verdadeiro, mudar crenças distorcidas e expandir o alcance da mente, bem como expandir o próprio Eu Temporário.

Quando você conseguir fazer tal personagem temporário se iluminar, ele estará totalmente harmonizado e integrado a você, refletindo toda a sua Essência, sendo você — estando também totalmente permeável e em unicidade total com o Eu Verdadeiro que o criou, mas ainda mantendo sua individualidade.

Saiba que se você não guia a sua mente e deixa as rédeas soltas, você acabará sendo arrastado por programações distorcidas que você mesmo inseriu nela em algum momento de uma longa jornada sua que engloba muitas existências e muitas facetas de um Eu Temporário em constante evolução sob diferentes roupagens a cada vida –mas com uma continuidade evolutiva!

Bem…. Por mais que seja cansativo escutar repetidamente esta afirmação, tenho que fazê-la novamente a fim de não deixar quaisquer dúvidas: é sempre você quem está criando tudo, inclusive via crenças que lhe são por vezes até invisíveis, seja porque você as ignora em alguns momentos que lhe convêm (aceitando-as em outros), seja porque você as confunde como sendo fatos da vida, e não como meras ideias suas que criam realidades aparentes por vezes muito distorcidas.

Saiba que a única coisa Absoluta dentro do Relativo se chama AMOR! Todo o resto é ilusão de um jogo.

E aqui, dentro do jogo, todas as “leis” podem um dia acabar sendo alteradas, ou seja, todos os cenários são possíveis, embora muitos sejam improváveis (por uma limitação temporária dos jogadores).

E se você acredita que o seu mundo se limita tão somente àquilo que os seus sentidos humanos captam, sem questionar, sem ouvir o coração (a intuição), então saiba que você está preso num looping de autocriação distorcida, pois tudo e todos sempre corroboram suas crenças, mesma as mais terríveis.

Este ciclo fechado funciona assim: você colhe resultados que são um fruto das crenças que alimentava na mente (pois você cria sua realidade, inclusive com crenças distorcidas). Depois sua mente automaticamente busca por sinais físicos que confirmem a veracidade daquelas crenças, ignorando sinais contrários (algo comum quando ainda não se despertou para a Verdade) e reforçando assim a validade das próprias convicções distorcidas. E isto fará com que você ache que estava certo, mesmo não estando, permanecendo preso num looping distorcido que sempre é autocriado. Ou seja, o cenário da sua vida continuará a refletir aquelas convicções que você alimenta, inclusive aquelas que alimenta de forma indireta, sem se dar conta.

Enquanto você não parar para questionar o que considera ser sua realidade, você permanecerá “confirmando” aquilo que esperava e reforçando suas crenças distorcidas que criaram os eventos, ficando preso neste ciclo sem fim até que aceite uma perspectiva mais ampliada que emerge via coração, via intuição (pois não vem da mente ou do Eu Temporário).

Comece a questionar a natureza do que considera ser sua REALIDADE. O looping só é rompido com constantes questionamentos, com a atenção dada a sentimentos genuínos e descontaminados que docemente lhe sugerem para repensar aquilo no qual crê. A Consciência Maior está sempre tentando lhe despertar. Sucede que o ser humano constantemente despreza tanto intuições elevadas quanto sinais que a vida traz o tempo todo, justamente por usar suas crenças como base para filtrar o que capta, tentando fazer tudo se encaixar na forma como ACHA que a sua realidade é. E assim o ser humano segue sofrendo, justo porque se nega a rever suas próprias convicções!

A verdade é que uma parte insegura da pessoa QUER ACREDITAR que sua “realidade” é exatamente conforme as crenças conscientemente adotadas por ela — mesmo não sendo. E é por isto que tal “realidade” é chamada, aqui, de Realidade Aparente, pois sua Realidade verdadeira é apenas uma: O AMOR (também conhecido por Consciência Maior, Consciência Cósmica, Deus, Alá, Jeová, Brahma, etc — ou qualquer outro nome que expresse a ideia da totalidade).

Abaixo serão apresentados alguns exemplos de ideias desalinhadas que absorvemos automaticamente sem avaliá-las profundamente, sem colocá-las sob o escrutínio da devida perspectiva elevada (que é o que eu lhe recomendo começar a fazer a partir de hoje). Muitas crenças estão “invisíveis” por trás de afirmações tendenciosas que adotamos ou emprestamos sem questionar. Porém, o que cria sua realidade não é um mero pensamento superficial, e sim aquele Pensamento Primário que está profundamente enraizado por trás, uma forte convicção ou crença que tende a alinhar pensamentos, palavras e ações em torno dela!

Nos exemplos abaixo, é apresentado primeiro um pensamento comum deste mundo, e ao lado (em itálico) está a respectiva crença desalinhada, que nada tem a ver com a Verdade do nosso Ser.

PENSAMENTOS --> e CRENÇAS DESALINHADAS 
- Instale alarmes em casa, compre armas --> porque o mundo é um lugar perigoso e você tem que se defender!
- Faça um seguro dos seus bens --> porque você pode acabar perdendo tudo com alguma catástrofe! 
- Tenha seguro saúde --> porque você pode adoecer e não ter como pagar! 
- Faça checkup de saúde anual --> porque você pode ter alguma doença em estado embrionário!  
- Poupe para o futuro --> porque poderá faltar! 
- Não se entregue tão facilmente no amor --> porque você pode vir a se enganar e sofrer!
- Não fale com quaisquer estranhos --> porque eles podem ser maldosos e lhe enganar! 
- Faça contratos (inclusive de Casamento) para todas as suas atividades --> a fim de não ser enganado!  
- Coma menos --> porque você é obeso!
- Coma mais --> porque você é magro! 
- Etc.

Todas as frases da direita (em itálico) são crenças distorcidas e limitantes que não refletem sua verdade. E todas serão materializadas em sua experiência mais cedo ou mais tarde.

Mas atenção! Se você é do tipo que ainda acredita numa moldura existencial cujo sistema de crenças é baseado em precaução, prevenção e medo, então é melhor não abandonar tão rapidamente aquelas ideias distorcidas comuns da humanidade, como necessidade de seguros, de exames preventivos, de precaução, etc. Portanto, cuidado com radicalismos.

Entretanto, se você quer entender tudo isto mais profundamente para começar a repensar seus valores, seguem algumas explicações interessantes abaixo.

Você permanece obeso só por achar que precisa comer menos, pois há uma mensagem adicional por trás de tal ideia, uma crença que afirma indiretamente: “Sou obeso” (“preciso comer menos porque sou obeso“). Compreenda que você não é obeso porque come muito, mas o oposto disto: você come muito porque se acha obeso — e tudo isto apenas porque em algum dia do seu passado você decidiu conscientemente se achar obeso (mesmo que o tenha feito sem se dar conta), provavelmente a partir de uma situação de obesidade temporária que se resolveria sozinha se deixada intacta — mas ao encucar com tal ideia, transformou-a em permanente. E quanto mais tentar se privar de comer, mais estará reforçando a ideia “eu sou obeso”.

O inverso também vale para quem é cronicamente magro demais, pois são casos semelhantes em extremos opostos. E quanto mais a pessoa magra se obrigar a comer, mais estará reforçando a crença na própria magreza, pois por trás da autoimposição de comer mais está a mensagem que diz: “Sou magro” (“preciso comer mais porque sou magro“).

Cuidado com o que você coloca depois do EU SOU…. isto tem poder!

É por isto que dietas não têm força no longo prazo. Uma solução bem melhor é o jejum intermitente, que tende a levar ambos (o magro e o obeso) para o equilíbrio. Há livros sérios que abordam tal assunto! Porém, apesar de ajudar muito, também não é a solução definitiva.

Quer saber qual é a solução absoluta para isto? Pare de extrair o seu valor a partir da sua aparência física. Você não é apenas este corpo. E, por isto, a verdadeira autoestima nada tem a ver com seu corpo — nem com seu sucesso, fracasso, vitórias ou derrotas!

AUTOESTIMA MÁXIMA 

Não há nada que o ser humano necessite mais que alimento para a sua estima!   

E a autoestima máxima só pode ser obtida através da conexão com o Eu Verdadeiro.  Você jamais compreenderá o verdadeiro significado de amor-próprio enquanto não ampliar a sua perspectiva para além da básica perspectiva humana.  
Somente com um ponto de vista oriundo da Consciência Maior é que você conseguirá realmente se amar de forma completa, compreendendo que a única maneira de preencher qualquer vazio existencial é conectando-se no Eu Verdadeiro.

Ao emprestar a perspectiva elevada do seu Eu Verdadeiro, você compreenderá que nada lhe falta de verdade — a não ser dentro das ilusões mentalmente criadas do cenário da sua vida!

Pare de se importar com o fato de estar abaixo ou acima do peso, saiba que isto é algo temporário e que, como tal, não tem poder para definir Quem Você É de verdade. Faça as pazes tanto com a balança quanto com seu visual, aceite-se! E só depois comece a visualizar-se como gostaria de Ser fisicamente (vide item VISUALIZAÇÃO), trazendo para o momento presente aquela ideia criada na sua imaginação para um futuro próximo.

Enfim, a solução definitiva também reside na assimilação das Verdades Maiores da Vida. Você é um Ser multidimensional que ainda está com a perspectiva limitada. Amplie ela!

Você é um TODO que contém tudo e todos. Assim sendo, você é a “tampa da própria panela”! Ou seja, somente você mesmo pode preencher qualquer vazio existencial que sente. Buscar a sua completude numa outra pessoa (num relacionamento amoroso) pode ajudar por um tempo, servindo como um suporte amoroso, mas jamais funcionará a longo prazo, porque uma hora você terá que largar tal muleta — apesar do amor da outra pessoa — e aprender a tornar-se completo a partir de si mesmo, de dentro para fora, independente de quaisquer relacionamentos ou circunstâncias.

Vejamos algumas outras explicações….

Você atrai doenças pelo simples fato de achar que precisa fazer checkup de saúde anual, pois a crença na possibilidade de doenças está por trás de tal pensamento.

Se você acha que precisa poupar reservas financeiras para os tempos difíceis, então você nutre a crença de que poderá faltar dinheiro no futuro…. e então terá que passar a vida contando tostões (independente do tamanho das cifras que tem), pois sempre estará atraindo a escassez, sempre tenderá a perder o que já conquistou, dado que alimenta a crença de uma possível escassez futura — o que impede um fluxo de abundância que deveria ser Natural (vindo da Alma). Compreenda que pensamentos e crenças contrárias anulam a abundância Natural que nos é inerente.

O mesmo raciocínio vale para qualquer outra ideia de escassez, inclusive o medo de que possa faltar água potável no planeta…. ou o medo de não conseguir encontrar outro amor caso largue aquele que já nem lhe agrada mais.

Entenda que se você acha que precisa se defender de alguém (comprando armas e sistemas de alarme), voilá…. precisará, pois estará atraindo o perigo — mas só porque assim escolheu, só por acreditar na ideia do perigo (e assim materializá-la em sua experiência pessoal)! Se em vez disto você tivesse uma crença de estar sempre protegido, isto também se manifestaria — PARA VOCÊ!

Da mesma forma, se você acha que precisa se proteger de doenças fazendo até seguro-saúde, então fatalmente adoecerá, comprovando que estava “certo” (entre aspas, pois é algo que não passava de uma crença distorcida que se materializou)!

Se você acha que precisa se proteger de acidentes e imprevistos financeiros (fazendo até seguro residencial ou de seu automóvel), então também estará atraindo justamente aquilo que teme: catástrofes que lhe atingem!

Pois é…. você sempre terá seu Livre Arbítrio garantido, até mesmo se for para se prejudicar (pois tudo não passa de um jogo). E não adianta querer que Deus resolva, porque Ele sabe do seu caráter eterno, e lhe permite brincar como lhe aprouver, mesmo que sofra por um “tempinho” (eras).

Por mais difícil que lhe pareça acreditar, dentro de sua aventura pessoal tudo é atraído ou criado por você através das crenças que mantém na mente. Se acha que precisa correr atrás do dinheiro, então o dinheiro jamais correrá atrás de você! Já notou que isto é uma verdade para algumas pessoas? Sim, há pessoas para as quais a abundância financeira as persegue — mesmo que ainda tropecem em outras formas de abundância, onde a principal delas se chama Amor Romântico, cuja vivência em alto nível se constitui no maior desafio de qualquer Ser em qualquer mundo, pois AMAR E SER AMADO é o maior desejo de cada Ser — vide livro MANUAL DO HOMEM APAIONADO.

O mundo é o que você acha que ele é, pois sua aventura é autocriada. Você escolhe um cenário inicial onde mergulhar (nascer) e dali em diante são suas crenças (inclusive as de outras existências) que se materializarão! Claro que ao mudar de crenças, muitas poderão levar algum tempo para se materializarem, dada a inércia criativa das crenças anteriores.

Mas saiba que dependendo do seu nível de mestria, é possível, sim, converter instantaneamente água em vinho, ou multiplicar o pão!

Se você começar a se abrir, a questionar a sua realidade e a mudar de crenças, perceberá que você experimentará cada vez menos certas coisas que rotula como o “mal”, o negativo — por mais que viva no “mesmo mundo” que os outros. Sucede que você vive numa realidade multidimensional que reflete as crenças de cada Ser (individual e coletivamente, sem prejuízo das individuais). E mesmo que outros ainda experimentem coisas desagradáveis, elas não chegarão a você caso tenha crenças alinhadas com a Verdade, pois você já estará irradiando crenças diferentes em tal caso. A sua realidade única interage magicamente com a dos outros dentro de uma grande realidade multidimensional maior. Ainda assim a sua criação é somente sua (mesmo quando coincide com a de outros Seres com crenças semelhantes), e é justo por isto que tudo e todos sempre lhe refletirão!

Cada um cria seu mundo e É um mundo à parte!

A propósito, você sabe o que a Consciência Maior sempre responde a todas as suas escolhas desalinhadas? Ela afirma: “Amém, meu filho! Seja feita a SUA vontade!”

Sim, a sua vontade! Não a de Deus!

Porque Deus não tem vontade!

Deus sequer tem Mandamentos!

Deus quer para você aquilo que você mesmo quer para si (mesmo que você ainda escolha experimentar o caos)! Isso se chama AMOR INCONCIDIONAL! E Deus — ou qualquer nome que você dê a Ele (que também é Ela) — sabe que você é um Ser Eterno vivendo aventuras temporárias, por isto não precisa salvá-lo de nada!

Você já nasceu SALVO!

Lembre-se, os seus pensamentos primários é que são as verdadeiras crenças distorcidas que muitas vezes lhe são invisíveis, pois você nem as enxerga. Isto porque você assume elas como verdades existenciais, como fatos da vida — e não como meras ideias suas que acabam se materializando em seu jogo ilusório (e material), dado que você está reaprendendo a ser o CRIADOR do seu próprio mundo!

Perceba que, em geral, as pessoas têm medo de seus pensamentos, e assim não os examinam. Em geral, elas aceitam as crenças de outros (de “eruditos”, de “sábios” ou textos antigos) sem questionar o pensamento primário que reside por trás delas.

Saiba que um conjunto de crenças desalinhadas acaba sempre afetando sua percepção da vida, acaba distorcendo a sua interpretação de dados oriundos tanto do seu mundo exterior quanto do interior (intuição), afetando assim as suas palavras, pensamentos e ações — e a realidade aparente que você cria!

Ainda bem que tudo isto é temporário e que as ilusões um dia serão desfeitas. Porque uma hora você aceitará (em algum nível do seu Ser que ainda valide o Livre Arbítrio do personagem) a ajuda da Consciência Maior, a qual lhe convencerá a passar por experiências contundentes para que DESPERTE das ilusões que alimenta, para que se dê conta de que está criando na direção “errada” (uma que lhe afasta de sua Essência). E como uma das coisas que você mais deseja é expressar sua Essência no Relativo, uma hora será inevitável que você acabe querendo avaliar as causas de suas desventuras e sofrimentos — e daí já lhe será óbvio buscar pelas Verdades Maiores da Vida, como as descritas nesta obra.

A MENTE CONSCIENTE  

É na análise do conteúdo da sua Mente Consciente que reside a chave do seu crescimento.  Compreenda que é através a Mente Consciente (aquela parte que lida com o estado de vigília, acordado) que você, no Aqui e Agora, escolhe o que quer expressar e criar. É através dela que você (o piloto da mente) dirige a sua experiência relativa, pois apesar de ser a Criatura Temporária com a qual intencionalmente se identifica, você também é simultaneamente o Criador de tudo, podendo acessar perspectivas que transcendem sua mente e seu lado Criatura. 

Por vezes você se identificará com o Eu Temporário, por vezes com o Eu Verdadeiro, mas o fato é que você é os dois!  E sua missão é expandir a mente daquele personagem temporário (você, como se conhece aqui) que só pôde vir a existir como consequência de uma mente que lhe permitiu brincar de NÃO SER DEUS — até que um dia, de tanto você expandir a mente, ela acabará ficando permeável à Consciência Cósmica, quando já não haverá mais diferença entre tal personagem temporário e você em sua expressão máxima, pois o Eu Temporário terá se iluminado, tornando-se outro Eu Verdadeiro diferente daquele original que o criou (apesar da unicidade).

Saiba que as crenças conscientes que você escolhe e grava na mente (acerca da maneira como enxerga o mundo e a vida) passam a criar sua realidade aparente, seu cenário. 
É através da sua Mente Consciente que você (o piloto) manipula o conteúdo geral da mente e aceita ou rejeita tanto ideias e crenças quanto até mesmo intuições elevadas.  

A mente consciente, pois, é o volante através do qual você guia sua experiência, impactando toda uma série de outros processos inconscientes.  Ela é extremamente equipada para captar tudo aquilo que tem a ver com o que você define como ponto focal (ponto de interesse), trazendo-lhe informações através de duas janelas de comunicação distintas: uma com o mundo exterior e outra com o interior. Isto permite que você (o piloto com Livre Arbítrio) faça suas escolhas e crie sua aventura. Ou seja, através da mente consciente você tem que lidar com os dados que vêm tanto do mundo físico quanto do seu Eu Verdadeiro (mensagens intuitivas que emergem através do inconsciente, a janela para o espírito).

Porém, enquanto você estiver físico, é normal que se concentre mais nos dados da sua experiência física, deixando de lado as outras informações que não são tão essenciais para a sua jornada humana.   
É normal que seja assim, porque você está imerso num Faz de Conta e tem que lidar com ele.
A sua mente consciente — a qual transcende esta sua vida atual — está equipada para avaliar a realidade física do Eu Temporário (da Criatura, que também é você), tendo à sua disposição todo o poder e perspectiva ampla do Eu Verdadeiro.... desde que você acredite nesta verdade e se abra para tal, caso contrário irá boquear o próprio poder. Porque todo este poder é acionado por você, o piloto de tal mente ao qual cabe conduzir o Eu Temporário até que este um dia consiga expressar 100% da Essência Máxima que você sempre foi e sempre será!  

Enquanto você não assumir as rédeas da mente (no sentido de reavaliar suas convicções), ela estará rodando num piloto automático cuja programação é fruto das crenças antigas (e nem sempre alinhadas) que você inseriu nela, fazendo emergir cenários que refletem ideias nem sempre edificantes.

Comece a acreditar no seu próprio poder para se reinventar! Saiba que qualquer informação persistentemente desejada por você irá desencadear um processo para fazer emergir na sua mente consciente aquilo que você requisitar.   Mas somente após requisitar, não antes!  É seu Livre Arbítrio que comanda o espetáculo da sua vida! Cabe a você colocar o foco intencional naquilo que deseja avaliar. Cabe a você acreditar e persistir neste caminho de autodescoberta, na certeza de que encontrará tudo que busca, por mais que demore.

Aquilo que você busca também lhe quer. Você é UM com tudo!

Feito isto, sua mente irá buscar todas as informações associadas ao assunto focado, utilizando-se de capacidades transcendentais que vão muito além da sua compreensão, muito além desta sua vida nesta atual realidade. Na qualidade de um Ser multidimensional, sua mente está equipada para buscar informações em outras esferas do seu Ser, sendo você quem comanda tal espetáculo através das crenças que adota, as quais funcionam como comportas que abrem ou fecham o acesso a estas outras dimensões do seu gigantesco Ser.

E uma destas esferas — a mais elevada delas — é a do seu Eu Verdadeiro. Este lhe enviará apenas a informação que você pede ou aquela que achar importante, quase sempre através de uma comunicação intuitiva que emerge através do inconsciente, a janela para seu lado espiritual.   Mas há outras esferas ainda dentro da dimensão do tempo — seja em vidas passadas, paralelas ou futuras — que também podem lhe trazer fantásticos insights para lhe ajudar a escolher um determinado caminho mais elevado (quando então um forte sentimento lhe mostra a escolha óbvia, mas cuja compreensão racional lhe escapa, pois nenhum raciocínio lógico tem alcance para compreender de onde emerge uma certeza aparentemente sem explicação).

Compreenda que assim que você começa a solicitar mais dados sobre um determinado assunto — com o foco consciente que coloca nele —, imediatamente começará um processo responsável por fazer emergir informações oriundas de uma sabedoria que transcende esta sua vida.... a menos que você bloqueie este processo através de suas próprias crenças limitantes, que funcionam então como barreira para o acesso a uma sabedoria transcendental que sempre esteve à disposição (mas nem sempre acessada adequadamente).

Suas crenças conscientes agem, portanto (e em grande parte), como a comporta que libera ou inibe o fluxo destes dados transcendentais.  Daí a importância de você acreditar no poder latente que habita seu Ser, um poder que apenas aguarda pacientemente que você o ative!  

Você é muito mais poderoso do que imagina! Você cria toda a sua realidade!  

Em meio a tudo isto, é importante que fique claro que você não está à mercê da temida parte inconsciente da mente, não está flutuando à deriva e perdido, refém de forças sinistras e incompreensíveis. Porque são sempre as suas crenças conscientes que direcionam todos aqueles processos inconscientes que fazem o cenário da sua vida física emergir. Ou seja, a chave para expandir a sua mente e evoluir reside na constante reavaliação do conjunto de valores gravados na sua mente consciente! Permita o livre fluir de emoções e sentimentos, questione ideias à procura de crenças conscientes que estejam em desacordo com as Verdades Maiores da Vida, ouça a parte intuitiva do seu Ser e finalmente busque descartar aquelas crenças que já não refletem mais quem você está escolhendo ser agora, trocando-as por outras mais elevadas.

Entretanto, quando você (na qualidade de piloto da mente que é simultaneamente Criador e Criatura) se recusa a encarar toda a informação que está disponível na sua própria mente consciente, quando se nega a encarar de frente e rever todas as crenças conscientes que alimenta na mente, então um aparente conflito começa a emergir entre o que vem do Eu Verdadeiro (intuições) e as crenças do Eu Temporário. 
Ou seja, quando você se recusa a assumir as rédeas do jogo, você acaba permitindo que as programações da mente rodem no piloto automático, sempre conflitando com seus sentimentos genuínos do coração (intuição), que tentam incessantemente lhe alertar sobre a necessidade de rever seu conjunto de valores distorcidos.  

E não se iluda, tudo que se materializa em sua vida é reflexo das crenças conscientes que você, o piloto da mente, adotou.  Porque você sempre elege e grava tais crenças na mente de forma intencional, consciente — seja por êxtase, felicidade e amor, ou por medo, pânico e trauma.  E tais convicções eleitas de forma consciente (até para garantir o Livre Arbítrio) afetarão todo o fluxo dos processos inconscientes daí em diante.

A sua mente está sempre se desenvolvendo e se expandindo através das escolhas que você faz. E o Eu Verdadeiro produzirá resultados com base em quaisquer loucuras que você, o piloto da aventura, insira na mente. É claro que há limitações nesta criação, mas não porque o Eu Verdadeiro é incapaz de dar-lhes vida, e sim porque você ainda está em transformação, ainda está aprendendo a curvar o cenário no qual mergulhou.  É por isto que não é tão simples transformar água em vinho -- até que seja!  É por isto que não é tão simples alterar seu corpo, seu visual, sua altura, sua forma.... até que seja!   Chegará o dia em que coisas tidas como milagres lhe serão naturais, mas somente quando você já estiver totalmente pronto para transcender quaisquer ilusões relativas.

Dentro do Jogo da Vida, tudo à sua volta é um reflexo do conteúdo da sua Mente. E tal conteúdo, por sua vez, é o resultado das escolhas conscientes feitas por você em algum momento da sua longa jornada como um Eu Temporário em espiritualização.

Em sua trajetória de constante expansão mental, não tema nada, encare quaisquer emoções ou pensamentos aparentemente assustadores caso sejam persistentes (pois ao se forçar a ignorá-los, estará alimentando-os e fazendo-os crescer). Deixe aquela técnica de focar só no positivo para quando você já estiver pronto para ela, ou seja, para quando já tiver aprendido a desmistificar o caráter ilusório de tudo aquilo que é negativo, a enxergar o bem por trás de tudo aquilo que rotula como o "mal" — caso contrário você corre o risco de dar força àquilo que ainda teme encarar e do qual foge.

Lembre-se que no fundo o bem também está por trás de todas as experiências que lhe chegam, pois tudo conspira para lhe ajudar a despertar. Tente se ver mais como o Criador do que como a Criatura, sem jamais abandonar esta última (um erro grave). Ao colocar a luz das Verdades Maiores sobre as decisões que toma usando a mente consciente, você se tornará cada vez mais um Criador consciente, e assim jamais esquecerá que você não é apenas aquele Eu Temporário em espiritualização — apesar de também estar se expressando como ele. 

Compreenda que a sua mente apenas lhe obedece.  Ela não é sua inimiga, ela é a mais fantástica ferramenta da Consciência Maior dentro da Relatividade, pois lhe dá a oportunidade de se experimentar como se não fosse Deus, como se você fosse só um personagem perdido e pequenino, abandonado e esquecido — até que você amplie o alcance desta mente e faça o próprio personagem DESPERTAR para a verdade de que ele é maior que o universo inteiro.... finalmente percebendo que não são os astros que lhe afetam, e sim você que os afeta!
(NOTA: mais detalhes em "A MENTE INCONSCIENTE").

Se você deseja se reinventar mas acha que a sua mente lhe atrapalha, então lamento informar que você está enganado, redondamente enganado. Porque a sua mente apenas obedece seu dono, ela apenas reflete e materializa aquilo que você mesmo inseriu e manteve nela por incontáveis existências.

E então? Quer tornar-se a melhor versão de si mesmo?

Ah, pois então comece a rever o conteúdo da sua mente.

Veja bem…. Você não é sua mente nem seu corpo, é muito mais que isto. Mas por motivos muito especiais, você (enquanto era uma mera possibilidade dentro de seu Eu Verdadeiro) alegremente e cheio de euforia resolveu aceitar entrar em um jogo onde fingiria ser menos do que é — e acreditaria nisto! Para tal, teria que se expressar através de uma mente com uma identidade temporária — inicialmente esquecida das Verdades Maiores da Vida e de sua identidade original. Bem…. é claro que havia um propósito mágico por trás disto, conforme explicado ao longo a obra!

Tendo entrado na brincadeira, cabe a você, agora, despertar para a necessidade de questionar sua realidade aparente e reavaliar o conjunto de valores que andou adotando!

Mas é claro que você não precisa ter a menor pressa, afinal de contas lhe foi dito que você é um Ser eterno vivendo incontáveis aventuras temporárias. Certo?

Certíssimo!

Porém, a vida inevitavelmente acabará lhe obrigando a rever conceitos e convicções, ainda que seja de forma indireta e sofrida, pois você não tem como fugir à sua tarefa de expandir a mente e elevar o Eu Temporário.

Mas saiba que chegará o dia em que lhe será muito natural dar vazão a esta vontade de avaliar todas as suas crenças e o resultado da sua criação! Pois neste dia você já estará se dando conta de que ao mudar as crenças que alimenta na mente, sua realidade física também muda! Você já estará percebendo que é o único responsável pela aventura do Eu Temporário em espiritualização.

Um dia você entenderá que toda esta Jornada do Eu Temporário (com as incontáveis existências dele sob diferentes roupagens) é uma oportunidade imensurável para que você entenda melhor como é SER O CRIADOR, ser aquele que cria tudo através do que insere numa mente inicialmente desprovida de qualquer programação, esquecida da identidade do seu piloto (você), cabendo a você expandir esta mente, elevar o Eu Temporário que a própria mente permitiu que existisse a fim de que este seu jogo tivesse início. Tudo isto para que você, por fim, pudesse ter uma gigantesca epifania, expandindo até a própria Consciência Maior com sua iluminação.

Será que já chegou a sua hora para tal análise mais aprofundada da mente e da vida? Ou você está feliz com o que conquistou e não precisa de mais nada por enquanto? Humpf…. Responda você!

Mas lembre-se que você é sempre livre! Ninguém tem que se obrigar a nada!

Jamais!

Ao viver incontáveis existências tendo todo o conteúdo da sua mente materializado (um conteúdo que você administra), você terá a incrível oportunidade de um dia conseguir a façanha de perceber-se como aquele que erra e acerta, tropeça e levanta, chora e sorri, se desespera…. até que enfim se alinha com suas Verdades e descobre a perfeição e a divindade em tudo, até se dar conta da presença do Amor (ou Consciência, ou Deus) em tudo que há, inclusive nas experiências mais desagradáveis!

E tem mais…. Você compreenderá que só “errou” com quem ainda precisava experimentar seu erro (ou com quem escolheu passar por aquilo para lhe dar tal experiência). Da mesma forma, um dia você perceberá que só feriu quem ainda precisava (ou quis) passar por aquilo, só traiu quem precisava daquele sentimento para evoluir, só machucou quem ainda atraía aquilo para si. Isto porque não existem coincidências!

Num jogo gigantesco de Seres eternos, numa Matrix Divina como esta, cada um cria sua realidade, e todas elas se entrelaçam magicamente numa realidade Multidimensional cheia de realidades paralelas, sem prejuízo da criação individual de cada um.

E a única forma de um dia poder ter a perspectiva máxima de sua própria grandeza — oriunda da epifania durante a iluminação — é através desta aventura Relativa onde você se esquece de sua origem cósmica, se esquece que é Deus (uma fatia Dele e simultaneamente Ele/Ela por inteiro)! Tal perspectiva não é possível nem do Absoluto, pois “lá” um Ser não compreende o que significa experimentar-se como NÃO SENDO DEUS (ao menos nas aparências, pois ninguém realmente deixa de ser Deus, mesmo quando está no “inferno”).

Ahhh…. E é claro que assim que você mergulha na aventura, sua mente começa a ficar confusa com tantas crenças distorcidas que você mesmo — com suas interpretações ainda desencontradas acerca do que experimenta — acaba inserindo e mantendo nela…. assim como ficará confuso, também, todo o cenário físico materializado por tal mente, pois esta é a função dela. E ela lhe obedece, viu?

Mas saiba que, nesta aventura, você sempre teve e sempre terá a possibilidade de auferir a perspectiva elevada oriunda do Eu Verdadeiro, uma parte maior sua que não tem preferências nem vontades, apenas quer lhe ajudar a expressar o seu melhor, dando-lhe total liberdade criativa enquanto aprende a fluir e mesmo enquanto escolhe caminhos cheios de sofrimento.

Esta sua parte maior se comunica através do coração, através de pequenos sinais e através do seu inconsciente (parte intuitiva). Porém, apesar de a parte inconsciente da sua mente ser uma janela para o espírito, ela ainda assim terá que aceitar tudo que a parte consciente da mente resolve gravar nela. Tudo! Este é o Livre arbítrio, onde você terá o direito de errar o quanto quiser. E pagará por isto, claro, até um dia resolver começar a querer descobrir todas as Verdades Maiores da Vida e DESPERTAR do sonho.

Assim sendo, saiba que o comando da sua criação está sempre nas escolhas conscientes que VOCÊ faz através da mente consciente. Até as informações distorcidas que hoje habitam a sua mente inconsciente (e que também influenciam na criação da sua realidade) foram gravadas e mantidas escondidas lá por decisões conscientes da sua parte. Ou seja, as suas decisões conscientes moldaram todo o conteúdo da sua mente.

E quando sua aventura estiver muito sofrida, lembre-se que você é o único responsável por tal situação, pois em algum momento de sua longa jornada você conscientemente adotou crenças distorcidas (incluindo as mais prejudiciais ou tenebrosas) que agora fazem emergir um cenário indesejado.

Saiba que sua mente não avalia ou questiona crenças, ela apenas as executa! Cabe a você questioná-las e e revê-las. E você o fará, seja de forma intencional ou arrastado pelas desventuras e dissabores da vida.

Tem mais…. muitas das suas crenças limitantes lhe passam despercebidas pelo simples fato de você interpretar o cenário no qual está imerso como sendo fruto de fatos normais da vida, e não como consequência de tais convicções suas que foram materializadas. E por não se dar conta de que tudo que experimenta é uma criação sua, você se esquece de questionar a natureza de sua realidade aparente e rever o que lhe levou a criar aquilo.

Para complicar mais as coisas, a vida parecerá lhe provar que você estava “certo” (mesmo não estando), pois você materializa justamente as crenças nas quais acreditava, com tal cenário esperado servindo para reforçar ainda mais tais crenças distorcidas. E assim um cenário desagradável tende a se perpetuar, num looping de criação distorcida, conforme já explicado.

Eis abaixo algumas destas crenças limitantes que confundimos com fatos da vida, pois nem parecem crenças:

  • a vida é dura;
  • o amor é sofrido;
  • paixão é perigosa;
  • homem é tudo igual;
  • mulher é tudo interesseira;
  • dinheiro é difícil de ganhar;
  • o ser humano é maldoso;
  • a vida é uma batalha;
  • nada vem de graça;
  • no pain, no gain (sem esforço, sem ganho);
  • etc

Todas estas crenças citadas acima são completamente distorcidas, pois não refletem as Verdades Maiores da vida. O problema é que à medida que você constata cenários que refletem suas crenças (porque elas sempre são materializadas), você passa a acreditar ainda mais nelas, por mais distorcidas que estejam. Veja como funciona…. Você entra num jogo com um cenário pré-criado, assume crenças nem sempre alinhadas com seu Livre Arbítrio (gravando-as na mente), daí cenários que refletem aquelas crenças adotadas são materializados (com sua mente descartando sinais contrários por orientação sua, o piloto dela que ainda não está desperto para a Verdade, na tentativa de sentir-se seguro, dominando a situação), por fim reforçando a crença que acabou de emergir na matéria, ficando cada vez mais “cego” à verdade e preso num looping de criação distorcida.

E assim permanecemos por eras (muitas e muitas vidas) dentro de um ciclo autocriado completamente distorcido e cheio de duras experiências que só pode ser quebrado quando você começa a questionar tudo, a querer buscar a Verdade que está além de uma básica e rudimentar consciência humana fortemente atrelada à fisicalidade. E tais questionamentos são sempre oriundos da sua intuição, a qual um dia lhe será impossível ignorar, pois ela está constantemente tentando lhe fazer despertar. Daí a importância de deixar a razão de lado e usar o coração (intuição, sentimentos genuínos intuitivos), usando o raciocínio lógico apenas como mero coadjuvante na tomada de decisões, pois ele costuma ser um péssimo conselheiro para decisões mais profundas, pois lastreia-se num conjunto de valores que está cheio de distorções enquanto o Ser ainda não despertou!

Perceba que todas as crenças citadas anteriormente são muito conscientes e aparentemente óbvias para todos nós, pois são assumidas como verdades, como fatos da vida, e não apenas como ideias que criam uma realidade aparente que não necessariamente reflete nossa verdade! Apesar de tais crenças listadas parecerem verdadeiras, elas não são! Elas apenas são ideias assumidas, adotadas ou emprestadas de terceiros dentro de um jogo, e ganharão espaço em sua vida física só porque você lhes dá atenção, foco! Aquilo no qual você foca (individual e coletivamente), se expande!

Acorde!

Questione!

Veja…. É claro que a vida pode se mostrar como dura, o amor pode se revelar como sofrido, a paixão como parecendo perigosa, homens como parecendo todos iguais, etc…. (conforme aquela lista de crenças supracitada). Mas isto acontece porque você está com a mente contraída, pouco expandida. Você só enxergará a verdade por trás da ilusão quando estiver observando sua aventura com uma perspectiva elevada, quando finalmente buscar acessar uma Consciência Elevada, passando a ser o Criador que se observa enquanto Criatura, curtindo ambas as experiências, mas já sabendo ser o criador consciente que guia sua aventura. E o caminho para isto é através da assimilação das Verdades Maiores da Vida.

Saiba…. nem sempre a voz do povo é a voz de Deus! Quem pensa que dinheiro não pode cair do céu está enganado. Sim, enganado! Muitas pessoas já presenciaram a inexplicável aparição de dinheiro em certas circunstâncias — apesar de raramente se darem conta da verdade que está por trás (em função dos filtros de valor de suas mentes, que consideram que uma magia assim é algo impossível). Porém, este não foi o meu caso, pois posso lhe afirmar categoricamente que já testemunhei dinheiro literalmente caindo do céu sem que ninguém o tivesse atirado de um arranha-céu ou avião.

Um grande número de pessoas está redondamente enganado ao pensar que a maldade é intrínseca ao ser humano, quando muitos de nós já presenciamos a bondade emergir de pessoas extremamente cruéis.

O povo está redondamente enganado quando afirma que a vida é uma luta, pois não se dá conta de que ela só se transforma numa batalha justamente devido a tal crença coletiva (além da falta da devida perspectiva elevada para compreender o verdadeiro papel que os desafios da vida têm no nosso despertar).

O povo está convicto de que nem sequer um mero relógio trabalha de graça (ou seja, nada vem de graça), esquecendo-se que o universo trabalha incessantemente para garantir o Livre Arbítrio de cada pessoa, para garantir que cada Ser colha exatamente o que escolheu plantar na mente. Saiba que você sempre recebe o pagamento por tudo que faz, e mesmo que não cobre nada, ainda assim o receberá. Você é que não reconhece a chegada do pagamento, pois ele nem sempre ocorre da maneira que você espera.

O povo está enganado quando acha que precisa se esforçar para conquistar algo. Tal ideia fortemente enraizada na humanidade não passa de uma crença coletiva que fatalmente afeta o cenário humano, pois tal convicção (mesmo que distorcida em relação às Verdades Maiores) materializa-se como uma “realidade” inquestionável e até sofrida para aqueles que a sustentam. E assim, enquanto não despertarem para a Verdade, as pessoas continuarão num caminho autocriado cheio de distorções e sofrimento (apesar das fantásticas lições que emergem em situações difíceis)!

E a Verdade é a seguinte….

A FARTURA 

Atrair toda a fartura que se deseja deveria ser algo natural e cheio de alegria, exatamente como já o é para alguns humanos que despertaram ao menos parcialmente, que já se abriram no mínimo para a Verdade de que merecem toda a fartura do universo, incluindo amor fraternal, amor romântico, amizades, alegria.... bem como prosperidade financeira suficiente para se viver muito bem.  
(NOTA: Mais sobre este assunto na publicação SR. DINHEIRO, no nosso Blog onigya.com).

A Consciência Maior (Deus) não nos condenou a ganhar nosso sustento através do suor da face. Isto foi uma criação puramente humana!

Existem outras realidades onde uma diferente crença coletiva já impera, permitindo que não seja necessário ganhar o sustento básico trabalhando, caso não se queira. E, por incrível que pareça, em tais realidades cada Ser acaba encontrando algo que o encanta e enche de alegria, prazer e paixão, fazendo com que nem perceba que, enfim, está trabalhando — caso queira!

Isto porque num mundo que já é livre da IDEIA (imposta ou autoimposta) de que todos precisam trabalhar para se sustentar, a realidade criada acaba sendo diferente da nossa, e todos já conseguem desfrutar do básico para seus sustentos, independente de trabalharem ou não. Dentro de tal cenário (aparentemente impossível para a limitada ótica humana), fica muito mais fácil para que as pessoas acabem podendo enfim escolher um caminho através do coração, sem o uso da parte lógica e racional, sem aquela razão humana que, aqui, virou morada principal de um ego desprovido de acesso a uma Consciência Elevada — e, por isto, resistente a mudanças, teimoso, medroso e capaz de tudo para manter seus domínios obscuros…. mas só porque você assim o programou, seja após ter mergulhado aqui ou ao longo de outras existências suas.

Esta realidade mais harmoniosa, descrita acima, constitui-se em apenas mais um cenário que também é autocriado (como tudo na Relatividade), um cenário de vida (um outro mundo) onde todos já sabem visceralmente que ao menos a sua subsistência básica estará sempre garantida, independentemente do que escolham fazer. E por não duvidarem disto, colhem (materializam) tal cenário — até porque uma ideia de escassez assim sequer passaria por suas mentes, dado o nível consciencial mais elevado do qual já desfrutam!

A mesmíssima coisa ocorre aqui em outras áreas, como por exemplo nossa fartura de oxigênio! Você não duvida que haverá oxigênio para respirar amanhã, certo? E tal certeza faz com que não falte! A não ser que comece a duvidar (por causa do efeito estufa, dos meteoros, da poluição, da nossa aparente fragilidade perante a grandeza do universo, blá, blá, blá)!

Você se lembra do que Einstein comentou sobre a Lua? Foi explicado no início desta obra! Ele se intrigava com a ideia de que a lua não está lá quando não olhamos para ela! Ou seja, a ideia de que nós a criamos, de que ela só existe quando há um OBSERVADOR (uma Consciência) que participa e, com suas crenças, cria (materializa)!

Pois é…. Você está percebendo como as “certezas” humanas são tão voláteis quando nossa experiência Relativa é observada de uma perspectiva mais ampla? Algumas revelações da Física Quântica (a física das pequenas porções da matéria) deixavam até Einstein confuso, mas já apontavam para a Verdade. Porém, o fato é que nem sequer os físicos atuais compreenderam a natureza da nossa realidade ainda, atrelados que estão à razão e à necessidade de PROVAS! E jamais as terão com tal mentalidade!

Comece a questionar o que acha que sabe!

E continue buscando pelo seu DESPERTAR, mas sem a necessidade de receber quaisquer provas (as quais inevitavelmente começarão a se tornar naturais para aqueles que se entregarem à Verdade e aprenderem a crer sem necessitar ver).

Saiba que não será pedindo por provas que você as terá! Ouviram cientistas racionais?

Compreenda que sua mente obedece cegamente ao seu piloto (você), e ela não quer saber os motivos que o levaram a adotar certas crenças ou a ordenar ela a empurrar duras lembranças para o fundo do inconsciente (patrocinado por medo, sofrimento e, acima de tudo, falta de Consciência). Sua mente apenas materializa as crenças que você elege — as quais sempre são conscientes, mesmo que completamente invisíveis a você em função de seu atual filtro de valores!

Agora…. A aventura de uma pessoa se torna ainda mais complicada sempre que ela, por falta de uma perspectiva mais elevada, rotula duras experiências como sendo sofridas, perigosas e, portanto, dignas de serem esquecidas e enterradas no inconsciente, no esquecimento. Experiências não têm poder, mas o que você atribui a elas TEM SIM, e muito! Ao evitar encarar os problemas (e as emoções e sentimentos pertinentes), a pessoa foge da sua responsabilidade como criador, abrindo espaço para gravar na mente incontáveis distorções de percepção (crenças) que não refletem a verdade, pois são apenas as impressões dela acerca do que viveu! Tais impressões mudariam totalmente se analisadas sob a luz das Verdades Maiores da Vida. Não encaradas de frente, suas crenças distorcidas serão materializadas em cenários desastrosos, os quais comprovarão a aparente veracidade delas.

E não se engane, a situação ainda pode piorar muito! Isto acontece sempre que a pessoa resolve escolher sentir-se vítima da vida e JULGAR que não tem capacidade para encontrar uma saída! É neste ponto aí que muitos escolhem a FUGA (via depressão, doenças autocriadas, drogas, álcool, etc), patrocinada por falsos sentimentos de impotência frente aos problemas. Tal sensação de impotência (inevitavelmente auferida por cada átomo do corpo) é fruto da falta de perspectiva elevada acerca de si e da Vida (falta de contato com as Verdades Maiores da Vida), o que abre espaço para que a pessoa escolha erroneamente sentir-se incapacitada para resolver tais dilemas.

Mas a verdade é que a mente consciente de qualquer pessoa (independente da escolaridade) é altamente capacitada para ajudar seu piloto (ela mesma) a decifrar toda esta confusão — desde que a pessoa escolha olhar para dentro e se autoanalisar, se descobrir, aprendendo a derrubar um véu de ilusões que a retiraria imediatamente de qualquer posição de aparente falta de poder. A partir do instante em que a pessoa começar a aceitar e assimilar as Verdades Maiores da Vida e passar a olhar para dentro de si em busca de uma reavaliação de todos os seus valores, outras esferas do seu Ser entrarão em ação para ajudar — e tudo como consequência de uma decisão da própria pessoa no sentido de buscar descobrir-se melhor.

Ou seja, cada um é o piloto da sua própria aventura, aquele que detém o Livre Arbítrio para escolher o caminho. Deus não escolhe por você! Seu Eu Verdadeiro também não! A decisão é sua, aquele Ser em espiritualização que é simultaneamente Criador e Criatura, não podendo fugir à sua grande tarefa de fazer tal Criatura um dia iluminar-se plenamente!

Parece difícil? Calma lá….

Não se assuste, porque é assim mesmo que a experiência Relativa foi concebida para ser. Faz parte da brincadeira.

Você decidiu primeiro – e propositalmente – esquecer Quem Era, só para poder entrar no jogo da Vida, para se inserir num cenário através de um personagem, um Eu Temporário em constante evolução sob diferentes formas ou “roupagens”. E depois acabou se “contaminando” um pouco com a brincadeira. E pasme, você sabia que seria assim, e adorou a ideia de experimentar-se desta forma tão diferente.

Agora, por favor, não leve tudo tão a sério!

Não, não se preocupe demais, pois nem o seu ego – sua identidade temporária, esse personagem que você vê no espelho todos os dias – é seu inimigo de verdade, é só uma brincadeira. Um dia você se resgatará dessa aventura gigantesca, multidimensional e “demorada”. Mas, para tal, você primeiro terá que “endireitar” o conteúdo distorcido da mente como um todo, valendo-se das capacidades da sua MENTE CONSCIENTE e da assessoria do eu Verdadeiro (intuições, coração) para rever crenças distorcidas e falsas verdades que você tem como certas. Tal mente consciente irá acessar dados dos mundos interno (intuição) e eterno (sentidos humanos acerca da realidade física), cabendo a você — o piloto — fazer as escolhas com total Livre Arbítrio!

E o processo não é tão complexo como parece, viu? Você não precisa ser um psicólogo, um erudito ou ter a ajuda de um médium para tal.

Além disto, fique sabendo que a própria Vida está sempre tentando lhe ajudar a rever suas crenças, só que infelizmente você nem percebe. A verdade é que cada experiência que você atrai tem um propósito evolutivo, e você mesmo é o criador de todas estas experiências – apesar de quase sempre criá-las de forma inconsciente (sem entender a correlação entre Causa e Efeito).

REINVENTANDO-SE 

Comece a investigar o conteúdo da sua mente munido das Verdades Maiores da Vida! Basta prestar atenção nas mensagens intuitivas, passar a encarar emoções e sentimentos sem medo e começar a confrontar suas crenças atuais sob a luz daquelas Verdades Maiores (conforme já explicado no item EMOÇÕES E SENTIMENTOS e em outras partes desta obra). 
Você ainda pode usar a poderosa ferramenta da VISUALIZAÇÃO (já descrita em detalhes) para alterar crenças inadequadas que você sequer precisa saber que tem.  
E claro, uma vez alteradas tais crenças, o cenário da sua vida também irá se alterar!

Saiba que é nesta hora que a meditação pode lhe ajudar a criar a atmosfera ideal para trabalhar a sua mente — lembrando que meditação não é algo tão complicado quanto parece (tal palavra deriva de meditatum, um termo do Latim que significa “ponderar”).

Entretanto, faz-se necessário que se tenha um propósito de intencionalmente trabalhar a mente, permitindo-se ir além daquele objetivo de apenas calar a mente. Não que tal façanha seja ruim, muito pelo contrário! Porém, calar a mente não tem a mesma objetividade no sentido de realinhar seu conteúdo (apesar de também ter inúmeros benefícios, nem sempre tão imediatos)!

Isto porque uma vez dentro do Jogo, sua missão é constantemente rever os valores da própria mente com escolhas intencionais feitas dentro da própria aventura Relativa e sempre usando a mente consciente como volante da experiência. Ou seja, você é obrigado a retornar para a mente e guiá-la, expandi-la. Não há como abandoná-la! É assim que funciona este Jogo da Vida, justamente para que você um dia possa compreender que é você mesmo quem cria tudo a partir de uma condição aparentemente desprivilegiada — o que lhe permitirá ter uma perspectiva única e gigantesca quando finalmente vier a se iluminar!

Permita-me esclarecer melhor esta questão! Conforme já mencionado anteriormente, é muito válido aprender a abrir um espaço de paz total e “silêncio” fora da esfera do pensamento, indo além da dimensão do mero intelecto humano e conectando-se ao Absoluto — acessando, então, o EU SOU e entrando em contato com uma sabedoria transcendental, facilitando o alinhamento de corpo, mente e espírito. Porém, saiba que você só o faz ATRAVÉS da própria mente, convencendo ela a lhe dar abertura para temporariamente tornar-se o Observador que se observa, tornar-se alguém que não toma parte de nada, não pensa e não faz…. apenas É.

Mas você escolheu se expressar através de uma mente, e por isto não tem como se livrar dela (nem do eu Temporário) — e este nem é o seu propósito (até porque nem conseguiria se iluminar tentando tal caminho (de livrar-se do seu lado Criatura). É por isto que, por mais que medite, você sempre terá que retornar para a experiência Relativa a fim de também tornar-se este EU SOU através da mente (expandindo-a), através do Eu Temporário (elevando-o), através do PENSAR, FALAR e AGIR ao torná-los alinhados à sua Essência, ao Eu Sou. Ou seja, através do realinhamento das crenças que alimenta.

ESTE é o seu objetivo ao longo de incontáveis existências. Cabe a você, portanto, dar um basta no sofrimento e escolher mudar, dando-se conta de que, para mudar, você precisará expandir a mente e assim elevar o Eu Temporário — e não tentar se livrar deles.

E, repito, a meditação é perfeita como forma de criar a atmosfera ideal para esta sua autoanálise — permitindo-lhe excluir todos os ruídos de fundo e colocar um foco concentrado em detalhes específicos que deseja investigar. Com tal intenção clara e focada, aquele tema se expandirá e outras esferas do seu Ser entrarão em ação para ajudá-lo de maneiras que você sequer imagina.

Quando você aprende a meditar e consegue desacelerar a mente, finalmente encontra uma sensação maravilhosa e inédita, porque neste momento emerge um sentimento extremamente elevado de paz, dado que você enfim conseguiu calar certos pensamentos, emoções e sentimentos desagradáveis que eram indevidamente interpretados por sua mente, justo por ela estar desprovida do devido acesso à Consciência Maior (em função das crenças desalinhadas adotadas por você, o piloto da experiência). Sem prestar atenção na intuição, o looping de criação distorcida continua atuando, com os cenários colhidos por crenças limitantes retroalimentando mais pensamentos, emoções e sentimentos desalinhados, e assim por diante (conforme já explicado no início desta publicação).

Via meditação, damos um tempo nesse confuso looping no qual estamos “presos” vivendo a aventura da Criatura obnubilada (esquecida) que escolhemos expressar. Um looping de criação distorcida onde crenças limitantes dão origem a cenários distorcidos, com consequentes emoções e sentimentos também distorcidos e uma baita confusão ruidosa.

Com a meditação, passamos então a sentir uma certa euforia temporária que é fruto de uma espécie de férias mentais e biológicas, posto que certos circuitos foram desativados e, com eles, todo um desbalanceamento químico também, quando então passa a emergir uma sensação de leveza oriunda da desconexão com uma realidade física até então aparentemente opressora (fruto da falta de acesso a uma Consciência Elevada).

Enfim, ao desacelerar a mente finalmente acabamos encontrando uma espécie de paraíso, um oásis de calmaria onde nos deparamos com um grau mais elevado de Consciência.

E, apesar do bem que tal transcendência proporciona em realinhar corpo, mente e espírito, temos que forçosamente voltar à confusão mental causada pela distorção dos valores que nós (pilotos da mente) adotamos, pois nossa missão é expandir a mente e elevar o eu Temporário, e não há como descartá-los para evitar este caminho!

Bem, é aí que entra a minha sugestão para que você aproveite a calmaria da meditação para fazer algo a mais, algo que estará mais na linha do meditatum (Latim), na linha da ponderação de algum assunto em particular e com um foco bem determinado!

O fato é que infelizmente a maioria das pessoas se contenta com aquela meditação de silêncio e para por aí, não a levando para um outro estágio diferente, para um nível onde poderia tirar ainda mais proveito para reinventar-se, um nível mais objetivo e focado na avaliação do conteúdo da mente, conforme está sendo proposto nesta obra. Entenda que é exatamente neste estado meditativo de calmaria que temos, pois, maior facilidade para nos recriarmos, para nos reconstruirmos – se assim quisermos, se colocarmos intenção e se ACREDITARMOS que é possível, permitindo que outras esferas de nosso Ser entrem em ação e nos auxiliem.

Este material foi criado justamente para que você otimize suas técnicas de Trabalho Mental (Mentalização, Visualização, Reavaliação de Crenças, Análise de Emoções, etc), a fim de melhorar sua vida e acelerar a materialização de todos os seus sonhos. Assim sendo, experimente aproveitar este momento de paz para passar a alterar o conteúdo distorcido da sua mente, em vez de apenas tentar calá-la. Para os interessados, saiba que após aquietar a mente e criar essa atmosfera ideal, é possível se reinventar a cada visita a uma assim chamada OFICINA DA MENTE, conforme proposto nos Adendos deste material.

Agora, a estas alturas da explanação, faz-se importante esclarecer que muitos filósofos enxergam a mente e o ego quase que como inimigos a serem combatidos, transcendidos, superados, derrotados a todo custo ou silenciados. Isto se deve a dois motivos:

  • Uma mente sem acesso a uma Consciência Elevada nos tira toda a paz e torna nossa jornada um terror. E assim é fácil vê-la como inimiga, quando ela não passa de uma ferramenta da Consciência Maior que não tem vontade própria, só roda o programa que inserimos nela (crenças), permitindo que nos vejamos como um personagem temporário em espiritualização. Nossa missão é expandir a mente e torná-la permeável à Consciência maior, e não nos livrarmos dela!
  • Um ego rígido e teimoso nos trava a evolução. Mas a verdade é que ele é uma criação nossa, e reluta em evoluir apenas porque teme o que desconhece, principalmente a ideia de sua própria extinção com a iluminação, uma extinção que nunca foi real, pois nosso objetivo é elevar o Eu Temporário ao nível do Eu Verdadeiro, e não extingui-lo!

Dito isto, eu volto a repetir:

NÃO EXISTEM INIMIGOS 

Se você considera que existe algo no universo com potencial para ser seu inimigo (como o ego), então você fará com que assim seja através do seu próprio poder criador!  
NADA é seu inimigo! 
Portanto, NADA deve ser combatido nem sequer transcendido, apenas elevado e tornado permeável à Consciência Maior através da constante observação das Verdades Maiores da Vida, aquelas que transcendem muitas falsas verdades humanas!

É importante, neste momento, esclarecer a todos sobre a maneira nem sempre adequada como costumamos abordar as negatividades que emergem em nossa mente no dia a dia de nossa jornada. Veja bem, é claro que, durante uma meditação, experimentaremos algo prazeroso enquanto aquela parte “perturbada” da nossa mente estiver temporariamente silenciada ou “transcendida” — perturbada apenas porque está sendo privada por você do devido acesso à Consciência Elevada (por conta do conjunto de valores que você adota) . É uma folga que damos para o agito da mente com resultados que tendem a ser sempre positivos, pois se a meditação for minimamente bem feita, alguma paz já será auferida.

Entretanto, que fique claro que a falta de paz que você experimenta com a mente agitada não é culpa da sua mente, muito menos do seu ego (que é uma construção totalmente sua)! A responsabilidade pertence ao conteúdo que você mesmo (o piloto que é simultaneamente Criador e Criatura) inseriu na própria mente. Isto é, a responsabilidade reside nas crenças limitantes que você um dia adotou de forma consciente — mesmo que tenha sido feito em outra existência sua e que você nem se lembre de nada, mas cujos registros estão devidamente gravados numa Mente Maior sua, uma mente que engloba todas as suas existências…. garantindo assim a continuidade do jogo e da constante evolução do Eu Temporário de uma vida para a outra. (NOTA: ao longo da obra já foi comentado como esta Mente Maior funciona.)

Ou seja, a responsabilidade de tudo que lhe acontece é sempre sua, pois você é o piloto que guia a mente e cuja missão é elevar o Eu Temporário que você escolheu se tornar dentro do jogo da Vida.

Você um dia terá que compreender que o Livre Arbítrio sempre lhe foi garantido e que é você mesmo quem cria tudo em sua experiência, não seu Eu Verdadeiro e muito menos Deus. É por isto que se diz que não existem coincidências! E a Criatura cuja mente você pilota — a qual também é você — não tem culpa de que você não fez escolhas mais elevadas usando uma perspectiva de Criador, um ponto de vista que está sempre acessível via intuições e através do constante questionamento da própria realidade aparente que você vive. Pare de limitar-se a usar antigos valores limitantes e desalinhados que você mesmo um dia adotou em meio a algumas distorções de percepção. E pare de culpar a mente, o ego, o vizinho…. Deus.

Questione todo o conteúdo da sua mente pelo resto de sua eternidade, mas jamais se esqueça que ela é apenas uma fantástica ferramenta da Consciência que lhe permitiu viver um Faz de Conta, e cujos valores foram adotados por você, o piloto dela.

Agora…. saiba que infelizmente é justo por causa daquela calmaria conquistada numa meditação que muitos filósofos escolhem condenar a mente, decidindo que o ideal é calá-la ou transcendê-la para sempre, como se ela fosse a culpada por suas desventuras e dissabores.

E é aí que reside o perigo: a adoção da ideia de que nossa mente ou nosso ego são inimigos a serem combatidos!

Nossa mente não é a responsável pelos nossos infortúnios. Preste atenção nisto…. Tudo que sucede em nossa vida (incluindo problemas e confusões) é, sim, materializado por nossa mente (a máquina construtora do cenário), mas não por culpa dela, e sim por causa de todos os tipos de crenças que nós mesmos inserimos conscientemente nela ao longo de vidas — muitas das quais já nos são invisíveis (por falta da devida perspectiva elevada) e se tornam programações da mente que rodam de forma inconsciente e automática. Eis o motivo de sua vida, por vezes, não mudar: falta-lhe querer mudar.

Após você decidir que precisa mudar (seja por vontade, sofrimento, intuição ou ambição), tal postura — se genuína e carregada de emoções e sentimentos — automaticamente lhe levará a ter que rever suas crenças, pois todas as esferas do seu Ser entrarão em ação para conduzi-lo por este processo, apenas porque você (o piloto) tomou tal decisão.

Agora lembre-se…. não decidir também é decidir.

Para que algo mude em sua vida, você precisa escolher outro caminho! E a decisão tem que partir de você, pois você é o Criador da aventura, não Deus, não o seu Eu Verdadeiro, mas você, o detentor do Livre Arbítrio cuja mente materializará aquilo que você insere ou mantém nela de forma consciente (mesmo que depois você torne muitas informações inconscientes, sempre por decisões conscientes). E sua mente sempre obedecerá os comandos e programações de seu mestre (você), pois esta é a função dela: tornar físico tudo aquilo que você insere nela.

Repito, pois, que são suas crenças conscientes que dirigem o fluxo de processos inconscientes que trazem à existência física todas as suas fortes ideias. É na análise do conteúdo da sua mente consciente, portanto, que reside a chave da sua evolução.

À medida que você começa a questionar sua realidade aparente (seu cenário de vida) e rever crenças limitantes, você irá aos poucos se dando conta de que pode mudar tudo, e que um novo mundo estará se abrindo diante de você, um criador cada vez mais consciente da forma como cria sua aventura. E, claro, cabe a você buscar alguns instantes de calmaria e silêncio para começar a olhar cada vez mais para dentro, com o intuito claro de observar-se e questionar seus próprios valores.

Ou seja, cabe a você aproveitar momentos de ponderação (meditatum) com foco específico e voltado para uma autoanálise, em vez de apenas silenciar a mente.

Não que a ideia de transcender ou “calar” totalmente uma mente ruidosa seja ruim. Ela tem extremo potencial de alinhar corpo, mente e espírito, não devendo ser abandonada. Porém….

Porém….

Há um enorme perigo oculto por trás da ideia de achar que temos que sempre calar totalmente a mente. E tal perigo emerge sempre que você passa a considerar sua mente como inadequada (mesmo que o faça de forma inconsciente ou indireta, sem se dar conta). Ao fazer isto, você acaba trazendo para a sua vida o pior inimigo do universo: sua própria mente (agora aliada à ideia de um ego inimigo — quando, na vida, não existem reais inimigos). Ao adotar a crença de que a mente é um inimigo que precisa ser anulado (em vez de expandido), você transforma a mente em inimiga por um julgamento absurdo que é puro fruto de falta de Consciência Cósmica.

A mente é sua aliada na construção do seu cenário de vida, não passando de uma máquina materializadora de realidades que usa como base todas as crenças com as quais você a alimenta. Porém, você a transformará no pior dos inimigos enquanto achar que precisa eliminá-la para ser feliz. Até porque jamais a eliminará! Sua missão é expandi-la até torná-la permeável a tudo que vem do Eu Verdadeiro, até que ela finalmente abarque a própria Consciência maior. Silencie ela quando precisar buscar harmonização, mas jamais a veja como inimiga!

A mente é pura magia, e ela só precisa que seu dono (você) a guie para poder gerar um cenário de vida mais elevado. Ela só precisa que você a reabasteça com informações elevadas obtidas através da ampliação do seu acesso a uma Consciência Maior. É tarefa sua dar este melhor alimento a ela, em vez de achar que precisa eliminá-la e fugir a uma obrigação que cabe a você (realinhar o conteúdo dela).

Entenda que você escolheu entrar num jogo onde tudo se manifestaria fisicamente através do que você insere e mantém na mente. Ela é necessária para que você possa entrar na brincadeira, adotar um personagem temporário e fingir que não é Deus (e acreditar nesta mentira).

Pois saiba que até o ato de “calar” a mente só é conseguido através da própria mente, quando você a convence a abrir um espaço (em meio às crenças que você mesmo inseriu nela) para que você possa ser o observador que se observa, com a mente quieta por escolha do seu piloto e “dono”. Isto porque este jogo foi concebido para ser assim, com você sempre criando sua realidade aparente através de uma mente onde conscientemente insere crenças criadoras (nem sempre alinhadas)…. senão o Eu Temporário nem poderia existir (pois você não poderia se esquecer de sua origem cósmica para dar início a um jogo onde tem a intenção de redescobrir-se como o Criador através de uma maneira diferente, de “baixo” para “cima”).

Caberá a você constantemente buscar tornar a sua mente cada vez mais permeável ao que vem da sua Essência, sabendo que jamais poderá eliminá-la — até porque este não é o objetivo da brincadeira!

Nada é seu inimigo na vida!

NADA !!!!

Mas é claro que você é livre para calar ou transcender a sua mente sempre que quiser encontrar paz. E não me interprete mal…. Não há nada de ruim ou errado nisto, muito pelo contrário. Mas passe urgentemente a aceitar sua mente como sua GRANDE ALIADA, como a máquina materializadora da sua Realidade Aparente, do seu cenário de vida.

Porque é isto que a sua mente É!

Ela, probrezinha, só executa os comandos do seu mestre (mesmo aqueles gravados nela em outras existências suas). Ela só precisa de quem a guie! É, pois, uma serva sua!

Se a sua vida está um caos, não é culpa da sua mente, mas da programação que você mesmo inseriu nela de forma consciente ao interpretar suas aventuras e desventuras (nem sempre com a devida perspectiva elevada).

Você – e só você – é o único responsável por tudo que habita a sua mente, e mais ninguém!!!! Culpar outras pessoas é falta de perspectiva consciencial, pois elas apenas lhe deram as experiências que você quis ou precisava. Não existem coincidências, tudo e todos lhe refletem. Compreenda que você é mais que uma mente e um corpo, mas está se manifestando temporariamente desta forma dentro deste jogo que chama de Sua Vida, e alegremente aceitou as premissas do jogo.

A partir de hoje, eu lhe convido a começar a ser o Observador que observa o conteúdo da sua própria mente de forma crítica, questionando tudo que acha que sabe enquanto analisa qualquer assunto que deseja, espiando-a através dos sentimentos e emoções que emergem ao redor de qualquer tema que esteja avaliando detidamente durante a meditação. Lembre-se que meditar não passa de um momento de calmaria mental onde você se concentra e foca num único tema, à exclusão dos outros (mesmo que tal tema seja tornar-se o observador que se observa, sem a participação ativa da mente, experimentando assim o que chama de “calar” a mente).

Porém, experimente começar a colocar uma intenção na meditação, um foco em um assunto específico de seu interesse. Você receberá as pistas que precisa para levá-lo à raiz de programações distorcidas que habitam as profundezas do seu Eu Temporário (você, o personagem em processo de resgate de si mesmo, em processo de espiritualização através de incontáveis existências).

Repito…. Depois de ter aprendido a contornar a elevada rotação da mente, experimente também dar-se o direito de aprender a focar alguma questão ou problema em particular na sua vida, fazendo-o a partir deste estado mental mais tranquilo e mais isento de ruídos e distrações.

Assim você abrirá mais espaço para o aparecimento de SENTIMENTOS GENUÍNOS (intuitivos, oriundos do Eu Verdadeiro) relacionados ao assunto em análise, o que faz com que as emoções e sentimentos pertinentes venham à tona, servindo como a bússola que o guia em meio a um caos de informações. Suas emoções e sentimentos, se aceitos e devidamente experienciados (independente de seu teor), sempre lhe levarão a algum outro estado psíquico, que realimenta outro ciclo e que, lá na frente, um dia lhe fará acionar um gatilho de epifania, permitindo que você mude e adote outras crenças mais elevadas.

Reconheça conflitos internos, problemas e dificuldades em sua vida. E encare-os de frente, a fim de desmistificá-los sob a luz das Verdades Maiores da Vida descritas nesta obra. Ao fazer uma análise profunda dos seus conflitos, passe a prestar atenção, a valorizar, a ouvir e a seguir honestamente os sentimentos genuínos e descontaminados (intuições) que emergem do seu Eu Verdadeiro, e observe um novo ciclo de emoções e sentimentos aparecendo. Tenha a coragem de deixar-se levar por eles, de “surfá-los” sem julgá-los quanto ao conteúdo ou alinhamento. A cada novo pensamento ou intuição, novas emoções e sentimentos emergirão, levando a mais pensamentos, mais intuições, mais emoções e mais sentimentos, num ciclo de aprendizado que faz parte do seu mecanismo de “navegação” através do seu mar de aventuras.

Seguindo este fluxo, você será inevitavelmente levado às crenças por trás de suas sensações — mesmo que demore algum tempo, dado que outras esferas do seu Ser irão lhe ajudar indefinidamente (inclusive nos sonhos) enquanto mantiver tal intenção, dado que é você quem comanda o próprio espetáculo com as decisões intencionais que toma através da mente consciente. Uma série de revelações, epifanias e compreensões começará a resultar com o tempo, cada uma levando você para mais atividades psicológicas criativas. Entenda que tal processo é iterativo (cíclico) e pode ser relativamente lento, mas ainda assim ele é definitivamente o caminho mais objetivo e menos “demorado”.

Em outras palavras, ou você faz isto de forma consciente e objetiva (guiada, como está sendo demonstrado), ou será forçado a encarar tudo isto de forma indireta e inconsciente, arrastado por duras e sofridas experiências que nem sabe como cria (mas cria).

Veja bem, não é questão de sair procurando por crenças com uma lupa ou lista de tarefas, mas de SABER que tudo conspirará para levar você até lá – se você permitir e colocar sua intenção nisto.

Neste tipo de meditação com foco que está sendo proposta nesta obra, a chave para ir além e reinventar-se com mais objetividade é concentrar-se em um tema em especial (que lhe aflige), permitir que todas as emoções aflorem e observar tudo que SENTE a respeito. Ou seja, silenciar todo o entorno numa meditação simples e rápida (conforme explicado nos Adendos desta obra), focar em um único tema e deixar-se levar sem medo por todas as sensações que vierem a aflorar, sabendo que quaisquer emoções, pensamentos ou sentimentos são seus aliados, são seu mecanismo de “navegação” atuando no sentido de lhe levar à fonte do tudo que estiver associado ao problema/evento/fato que deseja avaliar.

Se você for honesto com todas as suas emoções e sentimentos (incluindo os mais assustadores, mas também os intuitivos) e apreciá-los sob a luz das Verdades Maiores da Vida, eles sempre lhe dirão algo. E isto alimentará um outro ciclo de pensamentos, emoções e sentimentos que, avaliado de forma recorrente e persistente, fatalmente começará a revelar-lhe informações preciosas acerca de suas crenças distorcidas.

Portanto, aculture-se a respeito das Verdades Maiores da Vida e depois crie o hábito de realizar rápidas meditações com a clara intensão de resolver um assunto específico de cada vez (inclusive usando técnicas de Visualização). Busque pela Consciência com regularidade e depois aprenda a olhar para dentro, com a clara intenção de conhecer-se melhor!

E saiba que lá dentro da sua Oficina da Mente (como é proposto nos Adendos sobre Meditação), ao intencionalmente observar um tema em especial — algo que deseja resolver ou melhorar — , seu natural mecanismo de “navegação” inevitavelmente acabará acionando novas sensações que, se forem devidamente acolhidas e “surfadas” sem receios, farão emergir novos estados psíquicos com mais e mais sentimentos e emoções, até que mais tarde (outro dia, outra semana, ou mesmo em um sonho) sentimentos genuínos e intuitivos oriundos do Eu Verdadeiro consigam ser captados por você, dado que já estará mais determinado a se reinventar e, justo por isto, com a percepção mais aguçada.

Não existe no universo um terapeuta melhor que seu Eu Verdadeiro! Confie! Você não é apenas aquilo que se considera ou somente aquele personagem que enxerga no espelho!

Seguindo este caminho com regularidade, você acabará finalmente tendo a epifania que precisa a respeito daquele assunto abordado, e cedo ou tarde poderá descartar alguma crença que já não estava mais à altura das suas novas decisões, que já não expressava mais Quem você estava escolhendo ser ultimamente!

E tudo isto apenas porque você se dispôs a investigar, a buscar, a querer um caminho melhor…. e o universo — seu mero servo — irá conspirar para ajudar. Você, assim, será ajudado a se dar conta do prejuízo que certas crenças causam, o que tornará mais fácil e óbvio desprender-se do que não lhe serve mais, adotando automaticamente crenças mais elevadas e que combinam com o novo patamar ao qual você mesmo decidiu se alçar.

E o que é melhor…. Você não precisa ter qualquer conhecimento técnico ou desvendar todos os processos envolvidos por trás de tal transformação. Apenas saiba que você receberá ajuda de outras esferas do seu Ser — até porque tal intenção de expandir sua mente está perfeitamente alinhada com seus propósitos mais elevados.

Entenda que isto não é algo técnico, é algo que seu Eu Verdadeiro sabe muito bem como fazer (apesar de você teimar em não ouvi-lo)! E a sua mente consciente está equipada para processar todas estas informações oriundas das suas realidades físicas, mentais e intuitivas (espirituais), desde que o piloto da mente — você (simultaneamente o Criador e a Criatura) — realmente decida isto, realmente escolha olhar para dentro a fim de reinventar-se!

O Livre Arbítrio é do piloto da mente! A sua intenção consciente e a sua autoanálise (feita com alguma regularidade) já serão suficientes para colocar em prática as engrenagens de todo um poderoso mecanismo de “navegação”. Basta entrar em contato com as Verdades Maiores da Vida, dar algum crédito a elas (na medida do possível, pois seu ego poderá relutar a princípio) e então começar a observar e a “surfar” suas emoções e sentimentos na certeza de que estará sempre protegido dentro de uma brincadeira da qual todos sempre acabarão saindo “vitoriosos”, independente de quanto “tempo” leve.

À medida que progride, você estará cada vez mais perto de compreender como suas crenças criam a sua Realidade Aparente, como as suas crenças se materializam e formam aquilo que você considera ser a sua vida (como a conhece aqui neste mundo).

Neste planeta, somente ao ser humano foi permitido o direito de ser o Criador Absoluto de sua experiência como Criatura, com TOTAL LIVRE ARBÍTRIO.

O LIVRE ARBÍTRIO

Não é tarefa fácil experimentar o Livre Arbítrio pleno e tornar-se o criador da própria “realidade”, tendo que abrir mão da conexão com a Consciência Maior para poder entrar neste jogo – que é o caso da experiência humana (processo chamado de Obnubilação Consciencial, esquecimento da origem cósmica).  

Aqui neste nível de Relatividade, os animais ainda não estão prontos para assumir esta liberdade cheia de duras consequências, não possuem uma mente dotada de Livre Arbítrio. Eles ainda fluem guiados pelo instinto, mas simultaneamente permeados pela Consciência Maior – sendo este o motivo pelo qual eles tanto nos surpreendem com lições incríveis de sabedoria divina, pois ainda estão mais conectados e protegidos pela Essência divina, ainda estão se preparando para a pesada – mas extraordinária – experiência do Livre Arbítrio na Terra.

Porém, viver a aventura da Relatividade com Livre Arbítrio total era exatamente a intenção do Eu Verdadeiro quando deu início na brincadeira através da criação de um Eu Temporário que é fruto de uma mente propositalmente esquecida da Consciência Maior num primeiro instante. 

E você – o piloto ao qual caberá expandir a mente e conduzir uma aventura autocriada – inicialmente se identificará totalmente com tal personagem temporário (com a Criatura), mas aos poucos irá despertando para a sua verdade cósmica transcendental, começando então a acessar a perspectiva do Eu Verdadeiro via intuições (dado que você também é Ele de alguma forma), o que lhe permitirá realizar a incrível tarefa de continuamente elevar o Eu Temporário dentro de sua fantástica jornada rumo à Fonte!

O desafio é ir lembrando aos poucos da sua própria Divindade e grandeza cósmica. É ir descobrindo, de “baixo” para “cima”, vida após vida, o que é SER DEUS através da experiência diária de NÃO PARECER SER DEUS.

E quando um Ser finaliza o processo de se elevar ao mesmo nível da Fonte da qual ele se originou, quando resgata a sua Consciência Plena, ele finalmente se dá conta de Quem Ele É (Quem Sempre Foi e Sempre Será), finalmente percebe O Que A Vida É e Quem É Deus. E o que é mais impressionante: este Ser finalmente perceberá que não foi extinto neste processo de iluminar-se (o que era o maior medo de seu lado Criatura, seu ego), que mantém sua individualidade preservada após emergir da brincadeira, mesmo estando em Unicidade com o Eu Verdadeiro que o criou!

É uma experiência tão avassaladora que expande não apenas seu Eu Verdadeiro (que viveu tudo junto com você), mas expande até Deus, o qual também experienciou tudo com você e tornou-se ainda “maior” (um termo Relativo para explicar uma expansão de autopercepção) através da iluminação vivida por você – que é uma fatia de Deus e também é simultaneamente Ele (Ela) por inteiro, num processo onde a PARTE contém o TODO, semelhante ao caso das holografias.

Em tal caso, seu Eu Temporário terá se espiritualizado totalmente, passando a refletir 100% da grandeza divina que você É (e sempre foi) além das aparências, pois tal Eu Temporário estará totalmente permeável à Consciência Cósmica. Em tal instante, não haverá mais diferença entre o Eu Temporário e Você (o piloto que era simultaneamente Criador e Criatura). Ou seja, aquela Criatura com a qual você se identificava terá se tornado um outro Eu Verdadeiro diferente daquele que o criou — e graças a você, que foi o responsável por tal expansão ao longo de um jogo simultaneamente sofrido e maravilhosamente grandioso (ao qual chama de Sua Vida), dentro do qual nada acontece ao acaso. A partir de então, você estará 100% espiritualizado, e poderá fazer o que quiser, inclusive criar novos mundos (você é Deus), novas aventuras e até novos Eus Temporários (e ajudá-los a se elevarem também)!

Voltando à sua mente, é claro que você ainda pode fazer aquele tipo de meditação que visa tão somente calar a mente. Ela é uma espécie de pausa no elevado ruído deste mundo, uma pausa mental que é fruto de uma conexão com o Absoluto! E tal meditação indiscutivelmente lhe ajuda a realinhar corpo, mente e espírito, facilitando o seu fluir em meio ao caos da aventura relativa.

Entretanto, compreenda que uma vez dentro do Jogo, sua missão é constantemente rever os valores da própria mente de forma intencional, ou seja, com escolhas conscientes que terão que ser feitas dentro do jogo usando a mente consciente como volante da experiência.

Assim sendo, você sempre é obrigado a retornar para a mente e tomar as rédeas para guiá-la, expandi-la. Não há como fugir disto, não há como abandoná-la!

Através desta nova metodologia que está sendo proposta aqui, você irá justamente colocar intenção consciente na ideia de expandir sua mente (através da revisão das crenças que inseriu e mantém nela). Você irá focar neste objetivo e se beneficiar enormemente de tal estratégia prática à medida que vai ficando cada vez mais a par da sua própria responsabilidade e influência direta sobre todos os eventos da sua vida.

Aos poucos você mudará o conjunto de valores que reside em sua mente, podendo parar de temer tanto o que vem do inconsciente (incluindo a intuição do Eu Verdadeiro) como quaisquer emoções ou sentimentos negativos que emerjam, pois você terá aprendido a confiar no que vem do Eu Verdadeiro e também terá derrubado o caráter ilusório e amedrontador que residia por trás de todas as sensações e pensamentos negativos, os quais só queriam lhe ajudar a olhar para dentro!

Mas que fique claro que isto só é possível quando se aprende a viver confrontando todos os pensamentos, emoções e sentimentos assustadores com as Verdades Maiores da Vida oriundas da Consciência Maior. Assim você os desmistifica, e um dia poderá ignorá-los totalmente como alguns mestres já aprenderam a fazer, olhando só para o lado positivo de tudo.

Mas atenção…. enquanto qualquer sensação negativa aparecer de forma recorrente, persistente e perturbadora em sua vida, não finja que não a vê (forçando-se a olhar para algo positivo), pois ela está apenas querendo lhe dizer algo. Conforme já foi explicado ao longo desta obra, só depois de aprender a desmistificar o caráter ilusório de tudo que é negativo (reconhecendo o bem por trás daquilo que você rotula como o “mal”) é que você estará pronto para enfim poder ignorar tudo que é negativo, sem fazer-lhe caso.

Assim sendo, uma hora você conseguirá ensinar sua mente a não enxergar mais ameaças ou temer imprevistos, justo por tê-la convencido a aceitar as Verdades Maiores da Vida, como aquela que diz: tudo conspira para lhe ajudar a despertar. Você então terá expandido a mente, tornando-a permeável à Consciência Maior, podendo sentir uma crescente unicidade dentro da qual sempre esteve imerso – só tinha esquecido disto…. até agora.

À medida que progride neste processo de redescobrir-se, você não irá mais julgar suas emoções como fazia antes, quando costumava dar passagem somente àquelas mais “bonitinhas” que se alinhavam às suas crenças. Suas emoções já não precisarão mais berrar para serem aceitas e vivenciadas, porque elas serão completamente acolhidas e admitidas como parte de Você, um Ser Eterno em processo de resgatar-se da brincadeira da Relatividade!

Quanto àquelas pessoas que são muito emotivas, muito sensíveis, a maioria delas usa pretextos para esconder o medo que têm do poder das suas emoções e sentimentos. E carregam consigo uma crença de que o poder das emoções é tão forte que toda a razão e o bom senso podem ser aniquilados pelo poder persuasivo delas — quando tanto emoções quanto sentimentos (mesmo os mais terríveis) só estão querendo lhe levar à raiz dos problemas, estão lhe provocando para repensar, estão atuando como indicadores de que algo precisa ser revisto no conjunto de valores que você gravou na sua mente. E uma vez que têm medo de perder o controle e se deixarem levar por tais emoções e sentimentos, elas se fecham ao menor sinal deles e não se permitem fluir, rejeitando o poderoso mecanismo de “navegação” do Ser — um mecanismo evolutivo baseado em emoções e sentimentos que dá um feedback (um retorno) à pessoa sobre o conteúdo da sua mente, mas que também tem por trás dele a Bússola da Alma (seus sentimentos genuínos, intuições).

Pois saiba que os sentimentos genuínos (do coração) sempre apontam para o caminho ideal, mesmo que não pareça num primeiro momento! E assim, ao rejeitar encarar emoções e sentimentos, você rejeita a atuação deste mecanismo evolutivo, permanecendo estagnado (ou em retrocesso) em termos de evolução consciencial.

Pois eu afirmo que tudo no universo é Amor. E eu afirmo que VOCÊ É AMOR.

E foi por amor a você que seu Eu Verdadeiro lhe permitiu viver uma ilusão mentalmente criada, onde você poderia fingir não ser o AMOR (Consciência Maior, Deus) – e até acreditaria…. por um tempo (durante centenas ou milhares de existências). Porém, a vida não passa de uma brincadeira. Todos chegarão no mesmo destino, que é a Fonte que nos criou, a Consciência Maior.

Você está sempre protegido, mesmo no pior dos cenários.

Apesar da mortalidade do seu corpo, você é um Ser imortal que apenas resolveu mergulhar numa brincadeira cujo cenário fictício fica limitado por uma moldura que tem um aparente início e um aparente fim (nascimento e morte).

Não se apegue tanto às ilusões que cria! Mas também não desdenhe seu lado humano, pois você só conquista a Divindade quando valoriza o seu lado Criatura e o eleva.

Crie coragem suficiente para que possa conceder às suas emoções e aos seus sentimentos o fluxo espontâneo e natural que eles merecem e precisam, sem julgá-los, sem evitá-los ou fingir que não os percebe. E confronte eles com as Verdades Maiores da Vida que conheceu nesta obra.

Suas emoções e sentimentos nunca irão lhe engolir, e eles sempre lhe darão um retorno caso sejam seguidos, conduzindo-lhe assim a uma próxima etapa, e mais outra, e outra, dentro de um ciclo de autoanalise que faz parte de um mecanismo de “navegação” cujo objetivo é sempre lhe levar à raiz dos problemas — desde que você permita que ele atue, sem fugir de emoções e sentimentos. Tal mecanismo sempre lhe dará um retorno, o qual inclusive é assessorado por suas intuições elevadas (quando você presta atenção nelas), o que abre espaço para que uma hora você consiga ter as epifanias necessárias para expandir a mente e elevar-se a novos patamares, tornando-se uma melhor versão de si mesmo a cada escolha que faz.

É só quando você represa emoções e sentimentos que se depara com uma série de conflitos internos, pois em tal caso estará travando a atuação do seu próprio mecanismo de “navegação”, cuja função sempre foi a de ajudá-lo a fluir num mar de conflitos e ideias, facilitando seu despertar (desde que você lhe permita atuar). Além disto, você estará represando fortes energias emocionais e sentimentais que só queriam lhe chacoalhar, clamando por sua atenção e por uma reação sua, a fim de que se interessasse em finalmente olhar para dentro para repensar seus valores.

Tais sensações e energias, desdenhadas ou ignoradas por muito tempo, levam o indivíduo a inclusive adoecer, pois até a doença entra em ação no sentido de ajudá-lo a rever crenças desalinhadas.

Agora…. É de extrema importância, insisto, que você entenda o poder e a natureza criadora da decisões que você toma com a sua mente consciente, porque caso contrário você erroneamente acreditará estar para sempre à mercê de condições ou situações sobre as quais você acha que não tem controle, à mercê de crenças ocultas ou traumas escondidos dos quais você se considera até vítima – quando na verdade foi o criador deles.

Ninguém é vítima de circunstância alguma, independente das desventuras, dissabores e traumas que tenha passado. É sempre você quem cria sua realidade, quem atrai suas experiências. Culpar os outros e não assumir a responsabilidade total por tudo que lhe acontece é pura falta de perspectiva elevada, falta de acesso à Consciência Maior.

“A vida não apenas lhe acontece. É você quem a cria com o que insere e mantém na sua mente!”

Entretanto, embora a mente tenha a função de materializar a sua experiência com base nas crenças que você abraçou ao longo de incontáveis existências, há que se deixar claro que a força motriz que faz com que tudo isso suceda automaticamente reside em outras porções do seu Eu. Ou seja, a Consciência Maior entra em jogo para garantir que mundos possam ser criados por você através do que insere e mantém na sua mente.

Perceba, pois, que a sua experiência é um milagre, e as aparentes imperfeições que você experimenta na Relatividade são, no fundo, as maiores perfeições dela no sentido de lhe proporcionar esta gigantesca e mágica experiência que chama de “sua vida”.

Não tenha medo de adotar novas crenças guiado por seus SENTIMENTOS GENUÍNOS oriundos do coração, pois eles vêm direto do seu Eu Verdadeiro, sendo puros e isentos de medo.

Seu Eu Verdadeiro (que também é a Consciência Maior, Amor, Deus, Alá, Jeová, etc) não tem desejos, apenas quer que você se experimente e expresse sua grandeza e divindade dentro do Relativo — quando estiver pronto para escolher isto, sem pressa — , uma façanha que lhe dará a oportunidade de se conhecer ainda mais profundamente do que já se conhecia antes de mergulhar nesta aventura da vida Relativa. E seu Eu Verdadeiro jamais julga suas escolhas, por mais caótico que seja o cenário que você está criando para si. Ele sabe que você é livre para se experimentar como lhe aprouver, por quanto tempo lhe aprouver, pois também sabe que todos estão tendo a experiência que escolheram, mesmo aqueles que podem estar se vendo como vítimas (uma “miopia” do personagem que é fruto da sua falta de perspectiva momentânea, um ponto de vista que não reflete a Verdade de nenhum Ser relativizado).

Conforme já mencionado, sempre que você intencionalmente busca por crenças distorcidas no sentido de querer trocá-las por outras mais adequadas, todo o seu Eu Maior irá ajudá-lo ao longo deste processo (e de uma forma cuja profundidade você não tem a mínima ideia). Mas enquanto você não escolhe isto de forma deliberada, intencional e consciente, seu processo de despertar não será acelerado, e você continuará naquele ritmo onde se sente vítima de circunstâncias e eventos que lhe acontecem, sem de dar conta de que é sempre VOCÊ quem está guiando (conduzindo, criando) sua própria experiência de acordo com o ponto focal no qual coloca sua atenção com a sua mente consciente (a janela com a qual observa o mundo externo) — lembrando que a mente consciente de qualquer humano está preparada para processar as informações dos mundos exterior e interior (o qual inclui as mensagens intuitivas do Eu Verdadeiro), permitindo que tal humano (o piloto que decide) faça as escolhas que quiser com seu Livre Arbítrio.

Digamos, então, que o Universo está sempre esperando a sua decisão para poder lhe trazer o que escolhe criar com suas novas crenças. Isto implica em dizer que você só conseguirá acelerar o processo de reinventar-se (revendo o conteúdo da própria mente) se escolher fazer isto. Caso contrário você até continuará aprendendo, porém mais lenta e dolorosamente, sempre tropeçando e levantando à medida que é forçado a rever crenças, mesmo que nem perceba.

Quando você aceita, interioriza e finalmente assume que é o único criador da sua realidade aparente (sua vida) — mesmo que a cocrie com outros numa “matrix” multidimensional que se interliga magicamente — , então você já não pode mais se eximir da responsabilidade que lhe cabe, não pode mais procurar por outros para culpá-los ou para que resolvam seus problemas por você.

Quando você acolhe e dá vazão a todas as emoções e sentimentos (na certeza de que todos querem lhe apontar algo importante), eles lhe obrigam a se pronunciar mentalmente, gerando mais um novo ciclo de sensações, com mais intuições, emoções e sentimentos envolvidos, sempre tendendo a levá-lo — com o devido tempo e persistência — à raiz dos problemas: crenças distorcidas. É, pois, o seu mecanismo de “navegação” em ação.

E mesmo na hipótese de você querer muito mudar sua vida e fazer um dos pilares de criação (um pensamento, uma palavra ou uma ação) apontar em uma direção mais elevada do que aquela contida no conjunto de valores que você nutre, ele não terá força para se sobrepor à forte crença que você nutre e assim criar algo diferente, pois tal elemento não estará em harmonia com os outros pilares (justamente em função dos valores limitantes que você alimenta). Faz-se necessário que você primeiro escolha mudar uma crença limitante, pois daí instantaneamente seus pensamentos, palavras e ações irão se realinhar com aquela nova convicção, criando noutra direção.

Sim, você tende a pensar, falar e agir em alinhamento com as crenças que inseriu e manteve na mente por eras (havendo continuidade entre uma vida e outra), e não basta alterar um destes elementos para mudar algo em sua vida. Não é com um mero pensamento, uma mera palavra ou ação (mesmo que repetidos) que você mudará tudo. Há que se colocar muita energia para que uma crença distorcida finalmente mude e permita que você venha a colher um cenário como aquele que deseja.

Faz-se necessário encontrar uma harmonia entre estes pilares de criação, a qual só pode ser obtida através de uma crença que os unifique.

E por que é tão complicado para mudarmos nossos valores?

Por que não sintonizamos no Eu Verdadeiro de uma vez por todas e não realinhamos a mente de uma vez por todas? Teoricamente é simples, não é mesmo?

Mas a verdade é que durante muitas e muitas existências você alimentou a sua Mente Maior (que engloba as mentes de todas as suas outras versões, conforme já explicado) de uma forma, e agora ela não aceitará facilmente qualquer nova ideia sua. Ela está cheia de suas convicções nem sempre edificantes, fazendo com que seja necessário uma outra convicção ainda mais forte para trocar as anteriores — uma nova convicção que normalmente se obtém através de sofrimento, dor, tropeços, derrotas e perdas, muitas perdas…. seguido de epifanias e adoção de novas crenças mais alinhadas com sua Essência.

A dificuldade em adotar tal transformação rapidamente vem do fato de que toda informação que chega a você, na sua vida, acaba forçosamente tendo que passar primeiro pelo conjunto de valores da sua mente (para garantir o Livre Arbítrio), sendo sempre interpretada de acordo com o seu conjunto de crenças.

Em outras palavras, tudo que você capta passa por seu filtro pessoal de valores, distorcendo sua percepção da verdade!

Nosso conjunto de crenças está cheio de desalinhamentos enquanto nos expressamos como Seres relativizados em espiritualização. Tal conjunto de valores se torna um filtro distorcido de percepção que nos leva a ter perspectivas muito distorcidas e limitadas, induzindo-nos a ignorar a Verdade e a adotar falsas convicções, falsas ideias, falsos valores.

Saiba que todas as suas emoções e sentimentos humanos comuns estão profundamente afetados por seu conjunto de valores adotados, e só os sentimentos genuínos (intuitivos, do coração) podem lhe dar uma informação diferente e edificante no sentido de fazer você querer mudar sua realidade, pois eles provêm de outra dimensão fora do tempo e espaço, sendo capazes de convencê-lo a adotar novos valores diferentes dos atuais.

O “problema” é que até estes sentimentos elevados e atemporais (oriundos do Eu Verdadeiro) são obrigados a passar por nossos filtros mentais a fim de garantir o Livre Arbítrio do personagem temporário que escolhemos pilotar. E é daí que este precioso material intuitivo acaba sendo desdenhado, ignorado, rejeitado ou sequer captado por nós enquanto não alteramos nossas crenças (o que nos abriria para novas percepções).

Eis aí a nossa dificuldade de nos alinharmos com as Verdades Maiores da vida, num processo que pode levar milhares de existências até que a pessoa comece a DESPERTAR.

Ou seja, o conjunto de crenças que você — o piloto que é simultaneamente Criador e Criatura, oscilando entre as perspectivas de ambos — construiu na sua mente sempre lhe induzirá a automaticamente filtrar tudo que capta, até mesmo as mensagens mais elevadas e intuitivas que você recebe. A não ser que você comece a questionar sua realidade, suas crenças, aquilo que tem como certo! E a mente faz isto simplesmente porque ela está treinada para isto, com as convicções que você faz e fez a respeito de si e da vida (ao longo de incontáveis existências) — o que abre espaço para que você adote mais e mais “verdades” humanas totalmente distorcidas.

Para tornar as coisas ainda mais complexas, sua mente — devidamente condicionada por você — tenderá a aceitar só aquilo que estiver de acordo com as atuais crenças gravadas nela por você mesmo, prontamente rejeitando informações contrárias às crenças que habitam nela, empurrando tais informações para um canto esquecido da memória na certeza de estar se autoprogendo — mas só porque assim você a “ensinou” através do conjunto de crenças completamente limitantes que adotou, caso contrário nada temeria! E como fortes convicções são sempre materializadas, suas crenças distorcidas criarão cenários igualmente distorcidos, os quais retroalimentarão tais crenças distorcidas que os criaram, e assim por diante, formando um looping que só é quebrado através de duras experiências, através de sofrimento, de epifanias e de novas escolhas mais elevadas quando lastreadas na intuição, no Eu Verdadeiro (desde que você escolha prestar atenção em tal perspectiva).

Daí a importância vital de confiar em tudo que vem do coração, confiar nos seus sentimentos genuínos e descontaminados que transcendem tempo e espaço, pois vêm direto da Fonte. Só por favor, não seja ingênuo! Tenha a certeza de que seu ego (sempre temeroso enquanto você não se ilumina) é especialista em distorcer tudo e disfarçar-se de coração na tentativa de proteger-se do que vê como perigo — onde o AMOR (principalmente o romântico) é considerado o inimigo Nr. 1, dado que o amor tende a dissolver tudo que não lhe é semelhante, a começar pelas ideias distorcidas de um ego perdido.

Para saber se algo realmente vem do seu coração genuíno, apenas tenha em mente que medos jamais vêm do coração (no máximo um aviso de cautela para poupá-lo de algo que já não merece…. mas não medo). Ou seja, se houver medo envolvido, é seu ego tentando se proteger.

Agora vamos avaliar as implicações disto no seu dia a dia?

Veja só…. se você acredita que determinada substância tem poder para lhe prejudicar (e justo por isto a demoniza), então assim será, e até mínimas quantidades dela poderão lhe fazer passar mal, pois você está criando isto com sua mente, independente até da própria verdade.

O que você pensa a respeito daquilo que come faz mais mal do que a comida em si!

É por isto que o próprio ser humano — com sua pseudociência — vive demonizando alimentos que, mais tarde, percebe não serem aquilo que algum teórico um dia havia concluído erroneamente.

No sentido inverso, se você pensa que certas comidas irão ajudá-lo, então você será eficaz nesse sistema de encontrar a cura por alimentos, por causa das suas crenças.

Você cria sua realidade! Esqueceu?

Bem…. Claro que você não poderá rapidamente alterar crenças individuais e coletivas (e seus resultados materializados em sua vida) com um mero pensamento repetitivo. Mas à medida que você vai se abrindo para estas novas ideias e para seu próprio poder, aos poucos suas convicções começarão a ceder, e você então estará iniciando uma nova fase onde já não duvidará que um dia poderá, sim, curvar as atuais “leis” — uma palavra que, sinceramente, não me agrada, pois cerceia a liberdade do Ser, que é literalmente ilimitada em todos os sentidos que você possa imaginar (apesar da variável tempo, que costuma confundir as pessoas, dada sua ansiedade).

Não existem leis, a não ser aquelas que criamos na Relatividade — as quais um dia também poderão ser alteradas momentânea ou definitivamente, localizada ou generalizadamente, individual ou coletivamente.

Continuando a análise das implicações de todas estas revelações…. Se uma pessoa acredita no atual conjunto de ideias da medicina praticada aqui no ocidente, então as ideias defendidas por tal ciência irão parecer totalmente convincentes e benéficas para esta pessoa, pois as crenças de tal pessoa farão com que a realidade aparente que ela colhe se alinhe com o que é pregado em tal sistema de medicina (e no qual ela crê). Ou seja, a pessoa colherá exatamente aquilo no qual crê (no caso, as ideias da medicina ocidental), e o resultado físico materializado para ela refletirá a crença alimentada por ela — dentro de certos limites, pois uma pessoa que ainda não despertou para a Verdade tende a ignorar certos sinais contrários — , reforçando tal convicção da pessoa e mantendo-a presa dentro de um looping de autocriação distorcida, refém de ilusões amparadas por uma ciência desprovida de Consciência Cósmica que não passa (na grande maioria dos casos) de especulação teórica infundada.

O fato é que o ser humano não compreende que nem precisaria adoecer, sendo o único responsável por qualquer enfermidade. Ele cria sua realidade com base no que crê, e colhe cenários completamente distorcidos sem se dar conta da autoria da criação. E assim boa parte da humanidade continua alimentando crenças científicas desalinhadas, colhendo resultados que parecem confirmar aquilo, o que reforça tais crenças limitantes e nada edificantes.

Tudo em função do grande desalinhamento que existe entre as crenças humanas e as Verdades Absolutas do Ser!

Entretanto (e felizmente)….

Sempre que uma pessoa estiver desalinhada com a Consciência Maior, uma hora suas ilusões autocriadas precisarão (e irão) desmoronar, para que a pessoa seja levada a despertar. E então, no caso da medicina, a dose normal do remédio já não funcionará a contento para aquela pessoa, ou o medicamento já não terá efeito, ou a doença dela mudará de cara…. e por aí vai.

Ou seja, quando um conjunto de ideias é limitante — como o sistema de medicina deste mundo, focado em tratar a ilusão da doença, e não sua causa mental — , ele sempre tenderá a não funcionar por muito tempo, na tentativa de ajudar a pessoa a despertar para a Verdade. Assim sendo, enquanto pode lhe parecer que um médico lhe ajuda a se “curar” de alguma doença, a verdade é que você apenas a estará substituindo por outra enquanto suas crenças causarem os problemas físicos que você enfrenta (os quais são apenas provocações para que você repense seus valores). O mesmo raciocínio vale para as curas espirituais feitas por terceiros, pois quando você deposita a crença na cura fora de você (feita por outro), você não está encarando as causas do problema, que são sempre pessoais. Ou seja, enquanto você não alterar a causa (crenças distorcidas), continuará a colher efeitos semelhantes manifestados de formas diferentes. E viverá buscando por um curandeiro, seja ele científico ou espiritual.

É por isto que certos tratamentos funcionam por um tempo e de repente as mesmas drogas já não têm os mesmos efeitos. É a Consciência Maior tentando ajudar o piloto do personagem (você) a se dar conta de que não está no caminho ideal, e que precisa urgentemente rever seus valores (ou continuará a atrair sofrimentos).

Claro que cada caso é um caso, e não há regras nem leis, apenas o fato de que cada pessoa atrairá a experiência que precisa para evoluir mais um degrau, a qual pode variar drasticamente de pessoa para pessoa, pois cada um tem um conjunto de valores exclusivo e uma estrutura consciencial distinta.

Compreenda que a energia de cura está sempre dentro de você, e quando lhe parecer que um terceiro lhe curou de forma espantosa, saiba que foi você mesmo quem atraiu aquela ajuda e a própria cura em si, pois já estava pronto para ela. Isto se aplica inclusive nos casos de curas milagrosas, como os que Jesus fez. Em tais casos, o paciente estava pronto para a cura, pois a doença já tinha cumprido seu papel como agente de mudança de valores mentais. E depois Jesus (um Ser totalmente desperto) apenas curvou a realidade física de um enfermo que já estava mentalmente curado naquele quesito que gerou a doença — mas que ainda não tinha o devido alcance consciencial para alterar a matéria (o corpo degradado).

Porém, Jesus tinha tal alcance, podendo curvar a ilusão do cenário e transformar a matéria do corpo de um Ser que se dispôs a fazer parte daquele evento (mesmo que nem se lembrasse disto). E assim ambos puderam gerar uma experiência milagrosa para enviar uma mensagem a outros que testemunhavam tal transformação — independente de que tal paciente curado sequer tivesse noção de que ele próprio também tinha seu mérito, de que ele era parte ativa da cura milagrosa e também estava ajudando a impactar outros a seu redor. A verdade é que aquele enfermo foi permeável a uma experiência milagrosa (incomum para este mundo) que nasceu de um nível onde ele e Jesus eram UM, apenas com um objetivo comum de despertar outros Seres à sua volta.

Nada sucede ao acaso com ninguém! A realidade de cada um é sempre autocriada, mesmo quando cocriada com outros!

O CORPO FÍSICO E AS CRENÇAS 

Seu corpo é uma obra-prima do universo. Ele foi construído por uma inteligência superior e é originalmente programado para refletir a perfeição máxima da Consciência Maior.   Entretanto, o que impede que seu corpo expresse constantemente tal perfeição absoluta são as crenças limitantes que você adotou como "verdades" ao longo de incontáveis existências. E mesmo no caso de alguém que já nasceu com alguma debilidade, saiba que foi uma escolha dela, e jamais uma mera coincidência (neste caso, ela precisava de tal experiência contundente)!   

Mas não se preocupe, tudo isto faz parte do grande Jogo da Vida, o qual foi projetado para ser desta forma a fim de garantir o seu Livre Arbítrio, garantir sua liberdade para criar em qualquer direção que deseje.  No mais, lembre-se de que esta sua vida atual é apenas mais uma aventura temporária do Ser eterno que você é, e quaisquer tropeços ou descaminhos fazem parte da perfeição do jogo quando ele é observado de uma perspectiva mais ampla!

Portanto, por mais mágico e resiliente que o seu corpo humano possa ser, aqui ele sempre estará sujeito ao conjunto de valores presentes na sua mente. Ou seja, em nome do Livre Arbítrio, uma hora a perfeição inata do corpo é obrigada a ceder e dar passagem para refletir as crenças do Criador da aventura — você — , podendo inclusive adoecer ou vir a falhar para lhe dar a experiência que você está escolhendo através de suas posturas e convicções. 

É através do retorno dado por todo o cenário da sua vida que você aprende a administrar sua contínua criação — a qual é gerada através das crenças que você insere e mantém numa mente em constante expansão.  E o feedback dado pelo seu corpo físico é um dos mais imediatos e principais retornos que você terá acerca do alinhamento ou desalinhamento das suas escolhas.  Em outras palavras, qualquer doença do seu corpo físico tem algum propósito no sentido de ajudar você (ou os que lhe rodeiam) a despertar!

Saiba ainda que as crenças conscientemente alimentadas por você afetam inclusive os sistemas involuntários do seu corpo. E quaisquer outras novas ideias — que sejam capazes de afetar tal sistema involuntário — serão sempre filtradas pelo conjunto de valores da sua mente, sendo que nenhuma destas novas ideias passará sorrateiramente pela sua percepção consciente, a menos que tal ideia se encaixe em seu conjunto de crenças conscientes. Ou seja, enquanto não muda de crenças, você está destinado a dar continuidade a um looping de criação distorcida, apenas porque se nega a confrontar o seu conjunto de valores com as Verdades Maiores da Vida e com as amorosas sugestões intuitivas do seu Eu Verdadeiro.

E assim você acabará realmente ficando doente se acreditar que tem alguma enfermidade oculta, pois você a estará criando. O mesmo tipo de raciocínio também é válido sempre que você receber um laudo negativo acerca da sua saúde — seja ele dado por um "expert" ou "guia" espiritual — e acreditar que a busca pela cura passa pelo foco em tratar apenas o corpo e a enfermidade, sem tratar as causas dela, que são sempre as crenças desalinhadas. Porque em tal caso você estará se autohipnotizando em direção à ampliação da doença constatada e se afastando da Verdade Máxima, baseando-se apenas em circunstâncias temporárias oriundas de laudos momentaneamente auferidos em exames que refletem apenas um cenário circunstancial de um determinado instante da linha do tempo, um cenário que emergiu de crenças antigas, mas que não precisaria ser quase que uma sentença de morte como acontece hoje, quando os "sábios" doutores transmitem probabilidades que se baseiam em tudo, menos na Verdade Absoluta (uma verdade da qual a ciência racional humana está muito, muito distante). 

E a Verdade é que tal cenário negativo poderia imediatamente seguir o caminho da cura real (não paliativa) caso você já tivesse mais amplitude consciencial para tomar uma decisão suficientemente forte e alinhada à Verdade de que "toda doença é ilusão"!   A cura paliativa (que resolve apenas nas aparências, mas não soluciona de verdade) é aquela praticada por grande parte da medicina atual, onde tratam-se apenas os efeitos da doença, deixando-se de lado a causa mental, a verdadeira fonte de qualquer enfermidade (e que tampouco pode ser tratada pela psicologia humana, a qual ainda engatinha em relação às Verdades Absolutas). Compreenda que se a questão MENTAL (crenças, valores distorcidos) não for abordada, você estará apenas transferindo a enfermidade para outra parte do seu corpo ou outra área de sua vida.   

Se você atraiu uma grave doença, Ok, trate-a!  Mas ainda assim respeite o seu coração, aquela intuição elevada que é a sua bússola para indicar quais os caminhos ideais daquele instante "desastroso".   Em tal situação, tenha em  mente que apesar de você já ter entrado em contato com um novo conjunto de valores mais elevados (descritos nesta obra), você ainda estará em adaptação, e ainda poderá passar por certa inércia criativa oriunda de crenças antigas enquanto elas não tiverem sido totalmente descartadas por você — o piloto que expande a mente, guiando e elevando o Eu Temporário com o qual se identifica.

Com a perspectiva mais expandida (contemplando as Verdades Maiores da Vida), você até respeitará o laudo de um profissional de saúde que ainda não compreende como funciona a Vida de um ponto de vista ampliado, mas também se lembrará que foi você quem criou tal experiência, e que agora tem que lidar com ela — seja à moda antiga ou já com uma abordagem mais elevada (na certeza de que a real solução reside dentro do Ser). 

O fato é que uma abordagem que use uma perspectiva mais elevada permitirá que você não entre em pânico, compreendendo que toda doença é autocriada, que toda doença nasce primeiro na mente e que, justo por isto, pode ser revertida ou ao menos encarada da maneira adequada (até porque toa doença tem um propósito no sentido de lhe ajudar a despertar).

Entretanto, se você não se sente pronto para isto, é melhor ir com calma durante uma fase de transição, pois suas crenças antigas ainda têm inércia criativa e ainda podem lhe trazer desfechos com os quais você talvez possa não estar preparado para lidar. Ou seja, enquanto não houver uma transformação radical no seu conjunto de valores, é melhor você continuar resolvendo suas doenças à moda antiga, fazendo uso de uma medicina que em geral é desprovida da adequada  perspectiva consciencial.   Entretanto, é importante que você comece o quanto antes a rever conceitos e crenças, preparando-se para novos patamares de Consciência baseados na Verdade, e não na ilusão. Quando finalmente estiver pronto para abordar doenças com uma postura elevada, você saberá disto visceralmente, pois se perceberá disposto a enfrentar as ilusões das doenças sem qualquer tipo de medo, respeitando as sugestões intuitivas (que emergem através da sua mente inconsciente) no sentido de lidar com o problema da melhor maneira, sem se deixar levar por escolhas impulsivas e racionais (suas e de terceiros).

Da mesma forma, você jamais adoecerá se tiver a profunda convicção de que está bem e que não há nada de errado com sua saúde — salvo se outras crenças lhe levarem a acreditar na necessidade de experienciar um quadro de saúde precária, ou ainda salvo se você criar tal enfermidade a partir de uma esfera maior com um objetivo elevado que pode contemplar oportunidades grandiosas para você ou até para outros à sua volta. Ou seja, as variáveis são muitas, e você definitivamente não deveria precisar saber racionalmente de tudo para só então CONFIAR na verdade de que tudo conspira para lhe ajudar a despertar. Ao confiar e se entregar sem medos (sabendo que é um Ser eterno), você abre espaço para os melhores e mais elevados caminhos. 

Todo Ser possui uma Mente Consciente Maior que engloba todas as mentes individuais de suas existências passadas, paralelas e futuras. Esta Mente Maior não lhe é diretamente acessível nesta existência atual, a não ser via intuição, percepções alteradas, insights fora do "tempo", etc. Uma parte desta sua Mente Maior é dedicada a esta sua vida atual, formando uma espécie de mente consciente "humana" (atrelada a esta sua vida específica, mas obviamente transcendendo a fisicalidade). E apesar de ela se conectar tanto ao receptor físico da Criatura (o cérebro) quanto a cada célula do corpo, ela não irá lidar com todos os dados relativos aos movimentos involuntários do organismo, pois este nem é o objetivo, permitindo assim que você — enquanto identificado com a Criatura — se concentre exclusivamente no cenário do Faz de Conta da sua vida para que o Jogo possa funcionar adequadamente.

Tais funções involuntárias são então administradas por aquela Mente Consciente Maior, a qual engloba as mentes de todas as outras facetas de um mesmo Eu Temporário Multidimensional em constante evolução vida após vida (ou seja, engloba as mentes de todas as suas versões).  

Entretanto — e por força do Livre Arbítrio —, todas as funções do organismo acabarão tendo que espelhar perfeitamente as crenças conscientemente sustentadas por você nesta sua vida atual, aqui neste nível de realidade, pois esta é a intenção do jogo, ou seja, fazer com que você aprenda a ser o Deus-Criador da própria aventura aqui nesta realidade, mesmo que ajudado por outras esferas e dimensões.... quando permite.  

Em outras palavras, você afeta a sua saúde por meio de suas crenças conscientes, bem como limita (ou ativa) seu próprio poder através delas.  Vale lembrar que cada versão do seu Ser possuiu seu Livre Arbítrio, apesar de todas se ajudarem mútua e incessantemente (dado que fazem parte do mesmo Eu Temporário multidimensional em processo espiritualização).

Átomos e moléculas do seu corpo estão destinados a refletir você, sendo totalmente afetados por suas crenças conscientes. Em qualquer momento, todo o poder criativo do seu Eu Verdadeiro está sempre à sua disposição para criar cenários e dar vida ao seu corpo da forma que você espera (através das crenças conscientes que sustenta), assegurando que sua aventura seja o mais perfeito reflexo do Eu Temporário que você acredita ser.

Reinvente-se! Comece a questionar todas as suas crenças!

Da mesma forma, se você acredita em curandeiros, cartomantes ou videntes, então eles poderão lhe ajudar, mas só porque você cria tal “realidade”, e a comprova…. ao menos por um tempo. Mas uma hora a Consciência Maior irá atuar e fará com que tais ajudas já não funcionem a contento, apenas para lhe sacudir e evitar que se acomode, fazendo emergir uma vontade genuína de buscar o caminho do despertar!

E isto funciona desta maneira em todas as áreas da vida, com a Consciência sempre tentando lhe ajudar a repensar seus valores.

Ou seja, todas estas muletas externas sempre serão somente temporárias — na melhor das hipóteses. Porque um dia você será levado a compreender que:

Tudo se origina de você e a você retorna!”

Você será levado a aceitar o fato de que você – e somente você – forma a sua própria realidade, que tudo e todos nela contidos sempre lhe refletirão para lhe dar a experiência que precisa, justo no exato momento em que ela terá seu maior impacto transformador em você.

Lembre-se que você não vive num Universo, mas num Multiverso. Nele, tudo é possível, existem infinitas realidades paralelas conspirando para lhe dar exatamente o que você PRECISA, e não necessariamente o que QUER.

E em algum dia, em alguma existência sua, você também irá se dar conta de que não poderá usar indefinidamente os outros como muletas para seu despertar (mas só temporariamente), nem mesmo as pessoas mais amadas.

Quando o assunto é Consciência Elevada, a evolução é sempre INDIVIDUAL e INTRANSFERÍVEL!

Limitações da mente não passam de ilusões que podem até lhe induzir a caminhos “errados”…. temporariamente (enquanto você não desperta — o que pode levar muitas vidas). E “errados” entre aspas, pois não existe “certo e errado”, só aquilo que lhe aproxima ou lhe afasta da sua Essência. A verdade é que todos os caminhos lhe levarão a um único destino: a Consciência Maior. Alguns só são mais demorados…. e sofridos!

Compreenda que o próprio Jogo da Vida não passa de uma ilusão mental autocriada, um jogo que não é a sua verdade, apenas uma forma diferente de se experimentar e se perceber. Lembre-se sempre que quem tem a palavra final, quem tem o poder absoluto de decidir, é você e somente você (o piloto da aventura), independente do que lhe sugerem a mente ou o cenário!

Você é a Criatura e simultaneamente o Criador da sua própria experiência.

Você não é a sua mente, você a transcende (mas ao mesmo tempo tem a missão de expandi-la e torná-la permeável à Consciência Máxima).

Sua mente só lhe dá sugestões baseadas em programações que você mesmo inseriu nela em algum momento de sua eternidade (sim, incluindo outras vidas).

Rejeite as sugestões da mente que não se alinham com o que você quer para si, com o que você sabe e sente que merece baseado no que lhe diz a sua intuição! E assim expanda a sua mente!

Passe a ouvir mais os sentimentos genuínos do coração e a questionar tudo! E lembre-se que não decidir também é decidir! Chega de sofrer. Porque quem tem o poder de dizer SIM ou NÃO é só você, o piloto que dirige a mente com a ajuda do seu Eu Verdadeiro que lhe dá total Livre Arbítrio para manifestar inclusive o oposto Dele.

Reconheça-se como o senhor da sua mente!

O poder está com você! E não fora — em outros, em Deus, no Universo! Você é o Deus-Criador da própria aventura (e também o Deus Todo Poderoso simultaneamente)!

E aqui, enquanto relativizado, o seu poder está em aceitar ou não aqueles velhos pensamentos recorrentes, frutos de programações errôneas que você mesmo adotou por falta de Perspectiva Consciencial em algum momento traumático – e escondeu muita informação de si mesmo, permitindo que suas próprias crenças limitantes e distorcidas passassem a comandar a sua vida.

Mas só porque você permite!

Dê um basta nas velhas sugestões recorrentes que a “pobrezinha” da sua mente – uma maravilhosa e gigantesca ferramenta da Consciência Maior – traz à tona por culpa de uma programação errônea feita a seu comando.

Sim, seu comando, pois mesmo que você não lembre, foi você quem conscientemente validou qualquer crença que hoje habita sua mente. Foi você quem criou intencionalmente qualquer programação que está de pé e operante, mesmo que hoje lhe pareça invisível ou inconsciente.

Comece portanto a afirmar aquilo que quer para si, comece a se comportar à altura daquilo que deseja.

Comece a agir COMO SE: como se já tivesse o que deseja, como se já tivesse atingido o nível que quer. E daí solte, sem apegos (pois qualquer apego lhe afasta do objeto do seu desejo).

Você quer conquistar algo ou chegar num determinado patamar almejado?

Pois então veja-se lá !!!!

Faça meditações simples, olhe para dentro, busque por respostas, questione seus valores. Em outros momentos meditativos, coloque sua imaginação para funcionar e desfrute do gigantesco e imensurável poder das técnicas de visualização futura (conforme já mencionado), criando cenários imaginários e dando vazão às suas emoções e sentimentos, sem receios nem preferências, concedendo passagem a todos eles. Quanto mais convicção, emoção e sentimento você colocar nestas criações mentais imaginárias, mais rapidamente você as materializará, pois esta é a função da sua mente: materializar todas as fortes crenças que você – o Criador da sua aventura como Criatura – imprime nela.

Mas preste atenção em um detalhe que fará toda a diferença: jamais tenha apego aos resultados almejados . Qualquer apego é, no fundo, uma forma de medo, de incerteza, e acabará afastando o objeto do seu desejo, em vez de aproximá-lo.

Dentro de sua visualização, sinta-se livre para querer viver qualquer aventura. Tome decisões, faça escolhas, decida novamente, convença-se, surfe emoções e sentimentos quantas vezes quiser, e sempre procure tornar real tudo que se der o direito de imaginar com a sua mente…. e depois solte.

Nada de ansiedades !

O segredo é se entregar á imaginação com toda a emoção, e depois trazer aquela alegria futura para o seu momento presente, como se aquilo já fosse uma verdade inquestionável — mas sem ficar contando as horas ou dias enquanto espera o que deseja.

Aquilo que você busca também lhe quer, pois você é UM com tudo.

Você é um TODO que contém tudo e todos! Tudo já lhe pertence, assuma esta verdade. Aquilo que parece faltar na sua vida não passa de uma ilusão de um jogo dentro do qual você está apenas aprendendo a brincar. Com o tempo você irá se redescobrindo e aprenderá a materializar neste plano tudo aquilo que já sabe que lhe pertence em outros níveis. E se você sabe que tudo já lhe pertence, então já pode ficar mais em paz enquanto espera pela materialização do objeto do seu desejo neste plano, por mais que demore — e sim, pode demorar vidas, depende de você e de sua convicção.

À medida que vai reconhecendo pequenos milagres na sua vida diária, a sua convicção vai aumentando, e o lado exterior da sua vida logo passará a refletir cada vez mais aquilo que você já vive dentro de você (mesmo que seja só dentro da sua imaginação). Pois então…. volte a sonhar acordado!

Apenas entenda que aqui, neste nível de Relatividade, existe uma variável danada de provocadora chamada TEMPO! E o tempo, ahhh….

O TEMPO 

O tempo não passa de uma ilusão mentalmente criada com o objetivo de permitir que a brincadeira do Jogo da Vida -- chamada de Relatividade -- possa existir a partir da ideia do “antes e depois”. 
Na qualidade de uma premissa fundamental deste jogo, o tempo possibilita a vivência de uma aventura Relativa que acabará um dia lhe brindando com perspectivas únicas e impossíveis até então, porque somente dentro deste jogo você poderá se identificar com um Eu Temporário que sequer percebe a conexão entre CAUSA e EFEITO, entre o que se planta na mente antes e aquilo que se colhe no mundo físico depois.

O tempo abre espaço para vivenciar uma aventura com a ilusão de aparente inferioridade, a ideia da menos valia aparente, um conceito importante de um jogo onde você escolhe alegremente acreditar numa mentira só para poder começar a brincadeira!
Sim, uma "mentirinha" proposital à qual você se submente intencionalmente no início do jogo a fim de esquecer-se de Quem É (obnubilação da Consciência), permitindo-lhe acreditar na mentira de que você NÃO É Deus.... temporariamente, porque é inevitável que um dia você comece a despertar dentro do Jogo e perceber que o tempo não é Absoluto (aliás, ele nem sequer existe de fato), perceber que você é um Ser eterno e que sempre foi o próprio Criador Maior, mesmo enquanto ainda se via como uma pobre Criatura errante que parecia apenas uma minúscula parte de um todo.

Pois saiba....

Você é um TODO que contém tudo e todos!

E justo por isto nada lhe falta de verdade (a não ser dentro da ilusão do tempo e do espaço).

Se você fica ansioso em função do TEMPO e da demora para encontrar aquilo que parece não ter dentro do jogo, tal comportamento só acaba afastando o objeto do seu desejo e protelando a sua felicidade, pois contém insegurança oriunda da falta de perspectiva consciencial.

Amplie sua perspectiva!

Pare de dar poder ao tempo!

O tempo consome todo o poder que se lhe dá!

Você é um Ser eterno vivendo aventuras temporárias! 
Por isto você sequer precisa nutrir medos, pois já nasceu salvo e completo, independente até de seus Carmas (vide Adendo "O Carma").

Não se prenda a ilusões! Se você conseguir transcender a ilusão do tempo e auferir a Verdade Maior de que tudo já lhe pertence, então você já não terá mais apegos e assim reduzirá o "tempo" entre o QUERER e o TER, o "tempo" que o afasta daquilo que acha que ainda não tem — um "tempo" que pode ser zerado por um Ser iluminado, transformando instantaneamente água em vinho ou multiplicando a matéria.

Tenha paciência consigo mesmo enquanto tropeça e levanta! Você só está aprendendo a materializar, aqui neste nível, tudo aquilo que sua intuição já sabe que lhe pertence em outros níveis!

Lembre-se: você é uma fatia de Deus e simultaneamente Ele (que também é Ela) por inteiro, pois no reino da Consciência Maior, a PARTE sempre contém o TODO. 

Enfim, pare de reclamar agora mesmo!

Por pior que esteja o seu cenário de vida atual, sempre há algo maravilhoso a se contemplar e, portanto, a se agradecer. Não importa o quanto você se ache um tadinho desprivilegiado ao se comparar com os demais, saiba que ainda assim sempre haverá o que se agradecer à medida que você começar a despertar e se dar conta da verdade que transcende as ilusões! Se você se encontra imerso em um cenário de vida muito difícil neste momento, foi porque assim o criou com suas escolhas nem sempre edificantes influenciadas por crenças distorcidas. Compreenda que você sempre acaba tendo a experiência que precisa no sentido de lhe dar uma grande oportunidade para DESPERTAR um pouco mais! Tudo conspira para lhe ajudar a evoluir, a acordar!

Após encarar emoções e sentimentos negativos que lhe atormentam de forma recorrente, confrontá-los com a luz das Verdades Maiores da Vida e desmistificar a ilusão de tudo que é negativo, passe então a focar em tudo que deseja para si, sem medos…. mas também sem apegos a resultados. Comece a acreditar que é merecedor de tudo que é bom, incluindo todos os tipos de fartura — amor, amigos, alegria, dinheiro, saúde, etc — , e então se dê o direito de focar em tudo isto sem receios, sabendo que aquilo no qual você foca se expande.

Comece a viver a felicidade antecipada antes mesmo de ter aquilo que deseja. Porque tudo já lhe foi dado desde antes de nascer, e é sempre uma mera questão de TEMPO (uma ilusão traiçoeira) até que você aprenda a materializar toda a abundância que sempre lhe pertenceu.

E afinal de contas, o que é um tempinho a mais para um Ser eterno como você?

Pois então, agora, adote novas crenças à Luz dessa sabedoria que recebeu, incluindo a crença que lhe afirma que tudo que você quer inevitavelmente virá até você algum dia! E daí desapegue-se de qualquer necessidade, para que seu desejo possa vir no melhor momento – na hora em que você estiver pronto.

E independentemente dos sonhos que ainda não se materializaram em sua vida, escolha ser verdadeiramente feliz desde já, antes mesmo que seu sonho se materialize. Assim o universo – SEU SERVO (cuja missão é reagir ao conteúdo que você mesmo insere na sua poderosa mente) – reconhecerá o seu desapego e a sua soberania, e assim ele será obrigado a obedecer seu mestre: VOCÊ!

Você cria tudo!

Você está no comando.

Você é um TODO que contém tudo e todos!

A VERDADE MÁXIMA  

Você não é filho de Deus, mas sim um CLONE Dele, pois o contém por inteiro!

Desperte! Assuma as rédeas da sua criação!

E boa sorte!

JORGE ZAHELL

P.S.: Sorte? Sorte que nada….

É questão de escolha!

Ouse sonhar grande e jamais

se esqueça que é você quem

faz a sua própria “sorte”!

^ Voltar ao topo


13 – ADENDOS

O material apresentado nos adendos complementa a leitura desta obra e é de vital importância para uma compreensão mais aprofundada. Assim sendo, sua leitura torna-se altamente recomendável para todos aqueles que se interessam em buscar a Verdade!

13.1 – SUGESTÃO DE MEDITAÇÃO

Algumas recomendações básicas lhe serão sugeridas, mas não se prenda demais às palavras, sinta-se livre para alterar o que achar interessante na busca por um espaço mental só seu, um “local” onde você encontrará paz, no qual tudo funciona perfeitamente e não há limites para criar e ousar.
Vamos chamar este espaço a ser criado na mente de OFICINA DE TRABALHO MENTAL, um “escritório fictício” dentro do qual sua mente se tornará cada vez mais focada e produtiva no sentido de lhe ajudar a fluir e criar o melhor cenário de vida que você puder imaginar – o que inevitavelmente influenciará o lado externo, a sua vida física.

Saiba que aquilo que é mentalmente criado não é inferior ao seu mundo físico, até porque toda a sua vida também é uma criação mental.

“A vida não apenas lhe acontece. É você quem a cria com sua mente!”

Neste texto eu ainda explicarei, aos poucos, como você mesmo faz isto (normalmente sem se dar conta).

E acredite, sua mente é muito poderosa, e se tornará uma aliada ainda mais forte se você intencionalmente alinhá-la com todas as esferas do seu Ser. Com a sua mente devidamente direcionada e provida de acesso a uma Consciência Maior, você poderá acionar todo o poder ilimitado que provém do AMOR – a única Fonte real de poder.

Vamos lá….

ETAPAS DA MEDITAÇÃO:

A) A partir de agora vamos criar um “escritório fictício” em uma parte profunda da sua mente, chamado de OFICINA DE TRABALHO MENTAL. Com algum treinamento e técnicas pertinentes, lá dentro a sua mente será cada vez mais maleável e susceptível a seguir as suas sugestões intencionais, de forma que você possa aproveitar a paz obtida com a meditação para resolver problemas da vida.

Vamos criar um lindo e maravilhoso ambiente para sua Oficina de Trabalho Mental, e a cada visita você o tornará ainda mais aconchegante. Você o visitará sempre que achar que precisa acalmar seus pensamentos e/ou buscar uma solução para algo que lhe aflige. Permita-me conduzi-lo no início desta criação, para facilitar a desaceleração da mente e entrar num estado mais profundo e calmo.

Para começar, saiba que esta Oficina de Trabalho Mental ficará dentro do Edifício da sua Mente.

Encontre uma posição confortável onde possa estar à vontade sem perturbações externas – pode ser tanto sentado quanto deitado. Tente permanecer acordado para poder direcionar sua experiência, para ser capaz de guiar sua mente na direção daquilo que vai aprender aqui e, assim, obter os melhores resultados. Porém, também não se preocupe se, por vezes, você acabar dormindo, pois é comum sentir algum sono quando se desacelera a mente. E, mesmo que venha a dormir, uma parte do seu Ser ainda estará atuante, e sua intenção prévia (antes de dormir) também servirá de material para que seu Eu Maior lhe auxilie em outros tipos de experiências no estado do sono.

Com sua imaginação, crie um enorme edifício em alguma rua de alguma linda cidade que puder lembrar ou inventar. Veja seu nome em letras garrafais na fachada do gigantesco Edifício da Sua Mente. Sim, aquilo é tudo seu, representa o poder que sua mente tem. E você não consegue sequer enxergar o final do prédio, pois ele some nas nuvens e segue rumo aos céus. Seu ingresso nele sempre simbolizará a sua entrada em níveis mais profundos da mente.

Bole um cenário básico que lhe agrada, mas não se esqueça de construir também todo o seu entorno e sua entrada com riqueza de detalhes, porque você provavelmente o visitará pelo resto da sua vida. E a cada visita acrescente algo no visual dele, coloque adornos, detalhes, plantas, placas, luzes, espaços de convivência, lojas de café, ruas de acesso, etc. Decore-o como lhe aprouver.


B) Entre no Edifício da sua Mente. Vá até o único e exclusivo elevador. Sim, ele serve somente a você, e mais ninguém. E tem mais, ele não desce, somente sobe rumo a níveis mais elevados da mente. Note que ao lado da porta dele há um número “3” gigante com seus 5 metros de altura, em alto relevo e incrustado na enorme parede – pois você não economizou em nada. Seu edifício tem o pé direito muito alto, algo raro em nosso mundo. Este número “3” visa começar uma contagem regressiva e desacelerar sua mente. Agora…. aperte o botão do elevador, espere a porta abrir e entre nele.

C) A porta do elevador logo se fecha e espera o seu comando. Dentro dele há um painel com números, mas um botão em especial reluz com o símbolo “OTM” (Oficina de Trabalho Mental) . Aperte-o. Este elevador é ultraveloz, e você chegará quase que instantaneamente em um andar muuuuito elevado, lá na estratosfera da Terra, onde fica seu “escritório”. Você viajou numa velocidade elevadíssima, sem se dar conta nem sentir os efeitos.

D) Ao abrir a porta, você avista na parede à sua frente um outro enorme número em alto relevo, o número 2. Ele também tem seus 5 metros de altura, o corredor é alto e largo.

E) Você sai do elevador, vira à direita, caminha alguns passos e encontra no chão o número 1, também enorme. Ao continuar andando você logo se depara com 3 pequenos degraus. Suba-os e observe uma marcação no piso, com outra sequência de números (agora de 10 até 1, em tamanhos menores) pintados dentro de faixas que lembram as cores do arco-íris. Cada cor está pintada numa faixa larga do piso que vai de uma parede à outra, transversalmente ao amplo corredor. Você começa pisando no vermelho, onde está desenhado o número 10. Depois pisa no laranja (com o número 9), amarelo (8), e assim por diante até chegar no violeta (número 1) – que finaliza aquela contagem regressiva que teve início lá embaixo. Sua mente já está um pouco mais calma, mas ainda pode tentar sair da experiência, ela normalmente não gosta que lhe ponham rédeas. Mantenha o foco e tenha paciência consigo mesmo, isto ficará cada vez mais fácil à medida que praticar. Você tem o poder de conduzir sua mente, não permita que ela fuja para outros pensamentos.

F) Você agora desce 3 degraus e se depara com uma porta gigante no fim do corredor, semelhante àquelas portas ornamentadas da entrada de palácios, toda incrustada em pedras preciosas. Você percebe que há uma chave colocada em cima de um pedestal de mármore ao lado da porta. Pegue-a e abra a porta. Não se preocupe, só você tem acesso a tudo isto. Ninguém consegue chegar até onde você está, nunca, jamais.

G) Assim que abre aquela enorme porta larga e pesada, você encontra uma outra sala enorme e vazia com uma escada em caracol ao centro, que desce em espiral. Você está entrando mais fundo na sua mente. Não se preocupe, você está sempre em segurança. A mente tem seus mecanismos de defesa, e uma parte dela tem seus receios no sentido de querer se proteger. Mas ela também aceita suas sugestões quando percebe que elas fazem sentido e que há, nelas, um desejo genuinamente amoroso de se redescobrir e evoluir. Você está no comando, não a sua mente. Porque você não é só um corpo, tampouco só uma mente. Você é um Ser que, originalmente, transcende tudo isto. Você agora está guiando sua mente para que ela tenha a chance de perceber, lá dentro da sua Oficina de Trabalho Mental, certas coisas que ela não aceita enxergar no dia a dia – não importa quantas experiências dolorosas tentem lhe mostrar exatamente onde há algo a ser reavaliado. Ao descer a escada em caracol, você percebe que ela dá apenas uma volta em torno de si e, depois, se transforma em uma longa, reta e ampla descida através de uma suave névoa lilás aveludada, muito aconchegante.

H) Ao final da escada há uma megaporta de vidro, você nunca viu nada igual. Na testeira está escrito “OFICINA DE TRABALHO MENTAL”, e embaixo dela o seu nome. Você dá mais alguns passos e a porta se abre automaticamente, reconhecendo seu mestre. Você entra na sala, que não parece ter fim, tampouco teto, apenas uma luz clara e um aspecto de total limpeza. Você percebe várias portas que um dia irá abrir, e por trás delas podem haver mundos. Fique tranquilo, você irá moldar sua Oficina de Trabalho aos poucos e à sua própria maneira, não há regras.

I) Agora você logo visualiza em primeiro plano uma confortável cadeira reclinável neste enorme ambiente. Sente-se nela. Imagine uma protuberância na sua cabeça com uma tampa roscada nela. Retire esta tampa e instale nesta protuberância um balão que está sobre uma mesinha de lateral. Agora, uma peneira ou filtro imaginário irá percorrer o seu corpo, começando pelos pés e subindo, levando consigo todos os pensamentos negativos para dentro deste balão indestrutível. Repita o processo, depois solte o balão e amarre-o. Ele flutuará para longe, levando embora consigo toda e qualquer negatividade. Uma linda cascata de um líquido branco com contorno dourado aparece sobre você, e ela derramará o fluido dentro desta abertura na sua cabeça, transportando muita paz para a sua mente. Agora você já pode colocar a tampa rosqueável e considerar que atingiu o nível de paz ideal para outros trabalhos que fará, devidamente orientado.

J) Nesta oficina você poderá criar tudo que quiser. Você é LIVRE! Não se limite, por favor! Todas as “Leis da Física” podem ser transcendidas neste cantinho exclusivo só seu. Você pode ter até um hangar de aviões lá dentro, uma praia que aparece quando se abre uma porta, uma passagem para um outro tempo ou mundo, um consultório para tratar doenças, sábios assessores especiais que lhe auxiliarão em cada área, medicamentos milagrosos, etc.

Dentro da sua Oficina você poderá chamar pessoas com as quais precisa dialogar, amigos com os quais se desentendeu ou até alguém que poderia vir a influenciar uma decisão que lhe ajude. Aos poucos você aprenderá a entrar em contato com aquela parte da outra pessoa que é UM com você. Graças à nossa unicidade com tudo e todos, as conversas que você tem ali podem chegar até aquelas pessoas no mundo físico, mesmo que nem elas entendam isto. Porém, o Livre Arbítrio delas sempre é respeitado pela Natureza. Você está ali por você mesmo, para se ajudar. Portanto, não se apegue às reações dos outros, todos são sempre livres. Mas, na sua oficina, você poderá desabafar e colocar para fora coisas que não conseguiu fazer no mundo físico em determinadas situações. E não se assuste se perceber que alguma pessoa passou a reagir diferente depois do seu trabalho mental. Sinal que ela sentiu aquele diálogo, mesmo que não se lembre dele. Chame-as com carinho para o diálogo “virtual”. Lembre-se que o real poder está NO AMOR. Seja amoroso e compassivo, mesmo que precise desabafar coisas fortes e realmente falar umas verdades para alguém que lhe destratou anteriormente. Coloque para fora, não se segure, dê vazão às suas emoções. Seja mais ousado do que seria no seu mundo físico. Porém, nunca se esqueça que “Hay que endurecerse, pero sin perder la ternura jamás”. Com amor, a mensagem terá muito mais poder. Ao se despedir dela, tente fazê-lo de uma forma harmoniosa.

Bem, o que foi descrito até aqui é o processo básico de meditação. Você irá aprimorá-lo a seu jeito em cada visita. Com o tempo, cada visita será mais rápida e mais produtiva. Abaixo seguem algumas considerações adicionais que poderão lhe ajudar muito.

JORGE ZAHELL

^ Voltar ao topo


13.2 – CONSIDERAÇÕES ADICIONAIS SOBRE A MEDITAÇÃO

I) MILAGRES NA OFICINA DE TRABALHO MENTAL
Você é livre para criar dentro de sua Oficina qualquer processo que quiser, inclusive energias ou remédios poderosos. A “realidade” experimentada a nível mental não é inferior àquela vivida aqui no mundo físico (esta última também sendo uma criação mental, uma onde a energia se agrupa numa forma que nós percebemos como matéria).
Dentro da sua Oficina, você é livre para criar tudo que sua mente imaginar, até o impossível. E quando tal intenção é alinhada com o amor, torna-se mais e mais poderoso à medida que você pratica e acredita nisto. Claro que a moldura do mundo físico apresenta muitas limitações de expressão, e isto é intencional. Mas o fato é que nós escolhemos mergulhar nesta experiência física (repleta de provocações e desafios contundentes) justamente para ter a oportunidade de, em troca, acelerar nossa evolução como Seres eternos vivendo aventuras temporárias e voltando para a Fonte que nos criou e da qual nunca saímos de fato (só nas aparências). Porém, ainda assim muitas das coisas feitas na sua Oficina poderão influenciar a sua experiência humana para melhor. Crença é tudo, nunca se esqueça disto.

II) ASSESSORES NA OFICINA DE TRABALHO MENTAL
Convide personagens sábios para serem seus assessores dentro da sua Oficina de Trabalho, para que possam lhe ajudar em tarefas específicas. Toda vez que você chegar lá eles lhe receberão. Você pode chamar o espírito de um parente querido já falecido para ser um assessor especial, ou de uma entidade que admira, etc. Fique à vontade para criar um médico com poderes especiais, remédios mágicos, luzes curativas, o que puder imaginar. Não há limites! Todo o poder do seu Ser entrará em ação para dar força à sua criação, desde que sua mente abra espaço para isto. Sua criação no mundo físico SEMPRE passa pela sua mente, cujas crenças serão materializadas no mundo físico! Sim, é através da sua mente que você cria seu cenário de vida! É assim que foi concebida para ser a experiência deste nível de Relatividade.

III) FREQUÊNCIAS DE MEDITAÇÃO (em Hertz)
Muito se fala sobre atingir certa vibração ou frequência específica.
Na verdade, pouco importa SABER qual é o valor da frequência atual das suas vibrações (em Hertz, a unidade de medida com que algo vibra, a qual é quantificada por um frequencímetro).

Tudo que é RACIONAL acaba lhe tirando do contato com a ESSÊNCIA. Quantificar coisas é sempre uma necessidade do nosso ego, temeroso e ansioso por garantias.

Nos mundos Relativos, a única garantia — o único porto seguro — se chama CONSCIÊNCIA MAIOR, sempre disponível para ser acessada quando você abre sua mente para tal e se permite (lembre-se que você é o piloto da mente, jamais a culpe por algo, ela apenas lhe obedece — e depois materializa tudo que você CONSCIENTEMENTE inseriu nela ao longo de existências). Não se preocupe com valores de frequência a serem atingidos, deixe que uma Sabedoria Maior (que sempre está à sua disposição) lhe ajude, sem ter que entrar em números ou dados técnicos.

Quando se fala em vibrar alto, considere apenas que se trata de buscar um alinhamento maior entre corpo, mente e alma, seguido de uma sensação de graça, paz e leveza.
Quando for meditar, caso alguns pensamentos negativos (emoções, sentimentos negativos) sejam recorrentes e ainda lhe atrapalhem, não fuja deles, porque isto é temê-los, e temer algo é dar energia àquilo, sendo totalmente inadequado (conforme como já explicado ao longo desta obra). Encare-os de frente e coloque a Luz da Verdade sobre tudo que é negativo, reduzindo sua força a partir da lembrança das Verdades Maiores da Vida explicadas nesta obra. E só depois de acalmar a mente busque focar em coisas agradáveis, busque principalmente o sentimento da gratidão — , SABENDO que até as coisas negativas (emoções, sentimentos, pensamentos) podem ter sua vez e seu papel no sentido de lhe provocar em direção à luz. Não rejeite nada, não lute nem contra os pensamentos negativos, apenas os observe e ilumine-os com o que aprendeu até aqui. E daí deixe-os fluir, não os julgue e nem racionalize nada.

O mal não é a ausência do bem, ele é O PRÓPRIO BEM disfarçado de “mal” para forçar o bem a eclodir em você. Não existe o mal. Só existe o amor. É por isto que se diz que “tudo vem para o bem, sempre”. Tá certo que muitas vezes poderíamos ter evitado certas experiências sofridas, mas quando não foi possível e “o leite já derramou”, lembre-se imediatamente que até aquela experiência amarga poderá fazer emergir o incentivo emocional que irá lhe fazer QUERER mudar, ou seja, até ela lhe ajudará a se reposicionar perante a vida.

SÓ O AMOR É REAL, pois ele é a única coisa Absoluta dentro do Relativo.”

Focar no positivo significa reconhecer qualquer coisa boa em sua vida (por menor que seja), mas sem necessariamente temer nada que é negativo e sem rejeitar as excelentes lições que sempre existem por trás de experiências tidas como desagradáveis.
O simples fato de você aprender a não temer o negativo — colocando a luz das Verdades Maiores sobre ele — e olhar para as coisas boa da vida (desde as mais minúsculas) já abre espaço para que você escolha ser grato pelo que vive e tem, e elevará a sua vibração a um patamar onde os pensamentos ficarão mais cristalinos, justamente por estarem sendo acessados em uma Fonte mais elevada, a qual não mantém o foco em problemas — por mais que saiba que eles estão lá!!!! Pois ela sabe que as soluções deles já existem e que elas estão esperando você se alinhar para se atirarem sobre você!

Mas ao se tornar grato até por experiências duras que não compreende, você entra num patamar onde já não rejeita NADA, onde já RECONHECE que tudo vem para o seu bem, por mais dura que a experiência possa parecer.

Para elevar sua vibração, apenas enfrente todas as emoções e sentimentos negativos de frente e com as Verdades Maiores da Vida em mente (mencionadas repetidas vezes ao longo desta obra). E a partir daí ESCOLHA sentir-se feliz e em paz, e passe a ACREDITAR que isto é possível independente do cenário em que está imerso na vida – nem que, no momento, só consiga sentir esta felicidade dentro da sua OFICINA DE TRABALHO MENTAL.

Comece a acreditar que, lá dentro, você pode TUDO. E aos poucos isto irá transbordar para o seu mundo “exterior” (entre aspas, porque “exterior” e “interior” são apenas dualidades Relativas necessárias para a experiência humana, mas na verdade tudo está sempre DENTRO de você, inclusive o próprio Universo).

” – E como escolher sentir felicidade em meio ao caos?

Ahhh…. Mais uma grande questão! Puxa, você está ficando cada vez mais esperto, hein? (hehe, estou só brincando, pois a ALEGRIA é o principal ingrediente de qualquer empreendimento de sucesso, seja ele amoroso ou profissional).

Para sentir alegria em meio aos ruídos da vida, primeiro coloque tudo que é negativo dentro da perspectiva elevada que emerge do seu contato com as Verdades Maiores da Vida. Não fuja! E depois de acalmar a mente apenas ESCOLHA sentir-se feliz, por mais que não pareçam haver motivos. Aquilo que lhe induz à tristeza é uma mera falta de compreensão sobre O Que a Vida É e sobre Quem É Você além das aparências da vida em si!

Siiiim, a felicidade sempre é uma escolha que não depende do cenário, por mais tenebroso que ele esteja.

Ainda assim, o cenário de vida é só uma ilusão mentalmente criada, uma aventura temporária de um Ser eterno, a qual cedo ou tarde mudará, pois você está “condenado” a retornar àquela Fonte que não apenas o criou, mas que É VOCÊ…. e da qual você se esqueceu temporariamente apenas para poder entrar na brincadeira da vida e experimentar-se COMO SE NÃO FOSSE o próprio Deus (uma fatia Dele e simultaneamente Ele/Ela por inteiro, num processo onde a PARTE contém o TODO, semelhante às holografias – pesquise).

Compreenda que sempre há algo bom o suficiente para permitir que você escolha sentir-se feliz…. você que não percebe e foca na direção errada.

Agora…. preste muita atenção nisto: ao ESCOLHER sentir-se feliz (mesmo com migalhas), você colherá ainda mais felicidade em sua vida, dado que “você sempre terá mais daquilo que se passa dentro de você”…. e isto se torna um ciclo que se autoalimenta.

É por isto que a felicidade ESCOLHIDA é a semente de si própria. Você ESCOLHE focar no copo “meio cheio” em vez de considerar que o mesmo copo está “meio vazio”, e busca sentir gratidão pelo que já tem, sem se prender ao que ainda não tem – o estado de “NÃO TER” algo é, pois, a ilusão a ser transcendida. Você é um Ser único e maravilhoso que só está no caminho de lembrar de sua divindade e grandeza cósmica, de lembrar que TUDO já lhe pertence e que você só está no processo de aprender a materializar (em sua “realidade”) aquilo que ACHA QUE NÃO TEM. Tenha paciência consigo. Você não é seu passado, suas derrotas, suas frustrações. Você não é nem seu sucesso, suas vitórias. Você sequer é o seu comportamento ou o seu próprio corpo em si. Você TRANSCENDE todas estas questões, só esqueceu disto para viver temporariamente a aparente menos-valia na Relatividade e ter novas percepções de si mesmo à medida que se expande, ter novas percepções da Vida em si e do que é SER DEUS através da experiência diária de NÃO PARECER SER DEUS.

Portanto, evite reclamar do que não está bom e agradeça a TUUUUDO que a vida lhe trouxer, inclusive agradeça às experiências mais duras.

A vida sempre lhe dá apenas o que PRECISA, e não necessariamente o que QUER.”

Ao seguir estas sugestões, fique atento e perceba que seu cenário de vida começará a mudar! A cada crença distorcida que você descarta, novas realidades lhe são apresentadas IMEDIATAMENTE!

Eu garanto!!!!

JORGE ZAHELL

^ Voltar ao topo


13.3 – O CARMA

I) C A R M A – Definição Básica

Termo oriundo da palavra Karma, que em sânscrito (antiga língua sagrada indiana) significa ação.

Em resumo, é considerada a lei do retorno ou lei de causa e efeito, ou seja, uma lei que faz com que você arque com as consequências dos seus atos, pois ela considera a existência de vidas passadas e de um sistema de justiça cósmica, onde todos os seus feitos têm consequências que acabam retornando a você através do tempo.

Assim sendo, a todos os instantes estamos, com nossas atitudes, produzindo carma, seja positivo ou negativo.

Pois saiba que o carma realmente existe dentro das molduras da nossa experiência relativa, e mesmo que presente, passado e futuro coexistam (pois o tempo não existe de fato, é só uma construção mental que permite nosso Jogo da Vida), ainda assim a ideia do carma – adotada por nós ao mergulharmos no cenário desta experiência Relativa – tem sua serventia enquanto o Ser não desperta.

O carma tem o intuito didático de mostrar ao Ser Em Evolução que aquilo que ele faz para o “outro”, faz para si próprio! Assim sendo, tudo que o indivíduo der ou fizer para o outro, ele tenderá a receber de volta da própria vida em si, independente de como venha. Tudo que ele fizer de bom ou de ruim para seus semelhantes inevitavelmente retornará para ele, mesmo que só em outra existência.

II) C A R M A – Definição Ampla

O carma nada mais é que uma espécie de Justiça Cósmica que aceitamos adotar ao entrar no Jogo da Vida. Ele é, no fundo, uma Suposição de Base do cenário do jogo da Vida, uma premissa que se assume como um fato imutável ao entrarmos nesta aventura. Uma SUPOSIÇÃO DE RAIZ que se constitui num dos grandes pilares da estrutura da própria Relatividade em si.

Estas SUPOSIÇÕES DE RAIZ são molduras principais que delineiam o cenário e as regras deste jogo, como por exemplo:

  • tempo e espaço;
  • causa e efeito;
  • carmas;
  • o mergulho numa aventura delimitada pelas fronteiras de “nascimento e morte”, em um contundente cenário de envelhecimento do corpo físico…. um cenário ao qual nos submetemos intencionalmente e o qual aceitamos como sendo tudo que jamais teremos (mesmo não passando de uma ilusão mentalmente criada para dar vida a um jogo muito especial de Seres eternos);
  • etc.

Estas molduras estruturais são, portanto, as aparentes “leis principais” que foram usadas para um dia criar este cenário e permitir que muitos Seres dessem início a esta maravilhosa – mas por vezes temporariamente sofrida – aventura. E depois disto nós resolvemos intencionalmente mergulhar em tal cenário previamente criado por outros e acabamos tomando por real tudo que lá encontramos (sem nos darmos conta de que acabaríamos perpetuando e também alterando aquele cenário, pois ele sempre é autocriado – individual e coletivamente – por quem está imerso nele).

Ou seja, nós simplesmente aceitamos tais SUPOSIÇÕES DE RAIZ do jogo (tais premissas) e passamos a considerar que aquele Faz de Conta é real, passamos a acreditar que nossa “realidade” está de fato enraizada em uma série de momentos (tempo), em dimensões de distância (espaço), em conceitos de “certo ou errado” (julgamentos de valor), em “dívidas” de vidas passadas (carmas), etc.

Pois é justamente esta a intenção da brincadeira!

É exatamente isto que abre espaço para o início do nosso jogo de MENOSVALIA APARENTE, um Faz de Conta que permite o aparecimento de falsos sentimentos de baixa autoestima (oriundos de nossos “erros”) que não representam a verdade absoluta do Ser, pois são apenas aparentes, são apenas ilusões temporárias de um jogo onde fingimos que somos menos do que realmente somos e tropeçamos muito pelo caminho, apenas para que um dia possamos alcançar uma perspectiva completamente diferente do que significam o Amor e a Vida, e de Quem Somos além das aparências uma perspectiva que acabará sendo fruto de uma epifania tão gigantesca que ampliará não apenas o Ser (que estará se iluminando em tal caso), mas a própria Consciência Maior, pois ela também vive em constante transformação através de nós.

Pois bem, apesar de o cenário de tal aventura não ser verdadeiramente real, nós alegremente decidimos esquecer nossa identidade original para poder entrar no jogo, sendo então levados a acreditar fielmente nele para poder brincar numa aventura dentro da qual saberíamos que estaríamos sempre protegidos. Pena que também acabamos esquecendo disto!

Uma vez imersos nele, acabamos adotando fortes convicções em relação à natureza desta nova “realidade”, o que resulta na criação de um Sistema de Crenças individual e coletivo normalmente cheio de distorções, não apenas em função das conclusões que cada um tira a respeito das experiências que vive, mas até mesmo como fruto da própria “MENTIRA” DA REATIVIDADE (uma mentirinha intencional e fantástica). Sim, aceitamos como real um Faz de Conta fictício que está longe da nossa verdade, e que — dada nossa Obnubilação Consciencial, nosso esquecimento de tudo — abrirá espaço para que cometamos muitos erros! Mas ainda assim o fazemos porque, antes do mergulho, sabíamos do nosso caráter eterno, sabíamos que estaríamos sempre amparados por um Amor Maior dentro de um jogo que acabaria nos expandindo e nos transformando em algo ainda maior e mais elevado do que já éramos, dado o impacto de tal experiência não só no Ser quando se ilumina, mas na própria Consciência Maior da qual ele se origina.

E assim cada pessoa tem seu sistema de crenças individual!

Todavia, algumas fortes Crenças de Base (premissas, ou Suposições de Raiz) se fizeram necessárias para delimitar a moldura principal do jogo. O carma é uma delas, assim como tempo e espaço e outras tantas…. com destaque para a ideia do envelhecimento do corpo!

O ENVELHECIMENTO  

Estamos imersos num jogo cujo cenário inclui a premissa do envelhecimento do corpo físico.  Ou seja, aqui tudo tende a envelhecer, a se desgastar com o tempo.  
Porém, há outras realidades (outros mundos físicos) em que não existe tal conceito, e lá os Seres continuam jovens e radiantes por quanto tempo desejarem, até decidirem se desligar rumo a outra experiência com diferentes molduras e conceitos existenciais.

Este cenário humano é propositalmente assim, caso contrário não experimentaríamos as mesmas emoções avassaladoras proporcionadas por uma moldura existencial tão impactante, uma moldura que é delimitada pelos extremos de nascimento e morte do corpo físico.  Se nossa experiência não englobasse a ideia (mesmo que ilusória) de um fim, não extrairíamos as mesmas conclusões e epifanias da aventura física!

Entretanto, chegará o dia em que os humanos também começarão a controlar seu próprio envelhecimento — e não estamos tão longe disto —, podendo permanecer mais tempo aqui (se assim desejarem).  

Porém, quando finalmente conseguirem tal façanha, os humanos já terão compreendido que:
a) a morte é só uma passagem, uma ilusão de um jogo extremamente impactante! 
b) não deverão estar presos à ideia ilusória de que precisam perpetuar suas vidas físicas, pois saberão visceralmente que só existe vida! 
c) jamais poderão se manter jovens a partir de ações ou agentes externos, mas somente de dentro para fora, com crenças alinhadas a isto — ou seja, com posturas mentais lastreadas em Verdades Maiores.  

Ninguém morre de verdade, apenas mudamos de aventura quando escolhemos partir daqui e permitimos que nosso corpo faleça.  

E sim.... nossa partida é sempre uma escolha pessoal.  
Não há ninguém que se desligue desta aventura sem que tenha primeiro dado seu aval antecipado alguns dias/semanas/meses antes do falecimento, mesmo que não se lembre de ter feito isto. 
Tal decisão pessoal é tomada pela própria pessoa (o piloto da aventura do personagem em espiritualização) através do seu Livre Arbítrio, quando ela — num estado alterado de Consciência — acessa uma esfera mais elevada do Ser e é ajudada a contemplar um ponto de vista bastante ampliado da sua jornada evolutiva, uma perspectiva que transcende o cenário atual dela e contempla também a situação futura de todos os envolvidos. 

Há mais vida na morte que morte na vida!

Agora permita-me explicar melhor a existência de CARMAS (como sistema de pagamento de dívidas passadas) num cenário onde o TEMPO nem sequer existe de verdade. Isto parece um tanto quanto confuso ou sem sentido, certo? A questão é que este assunto é mais importante do que parece quando se trata de ajudar a promover a libertação da sua mente de quaisquer ideias limitadoras. Vamos lá….

COMO PODE EXISTIR CARMA SE O TEMPO NÃO EXISTE?

Se resolvermos considerar o fato de que o tempo não é real, então é óbvio que o carma também não o é, pois dívidas passadas não fariam sentido se não existe um passado!  E a questão é que nem o tempo e nem o carma são realmente uma verdade Absoluta, pois são apenas verdades Relativas, temporárias e fictícias, são premissas ou regras de um jogo, o Jogo da Vida, da Relatividade.

Vamos mergulhar mais fundo.... Entenda que se você resolver levar em conta que o tempo realmente não existe, então caberia a seguinte pergunta:  "como posso ser culpado por um passado que nem aconteceu ainda?".    Sim, seria descabido culpar-se por uma consequência (um EFEITO) cuja CAUSA ainda está em andamento, dado que causa e efeito ocorrem simultaneamente do ponto de vista mais elevado.

Entretanto, compreenda.... Não é uma questão de questionar se o carma existe ou não existe.  Não, não é por aí!

A questão é que o carma é como o tempo, ele é algo que nós, aqui dentro deste nosso jogo, assumimos como uma suposição inquestionável, uma moldura estrutural do jogo, uma das Crenças Base ou Suposições de Raiz. Em outras palavras, se aceitamos a ideia da existência do Antes e Depois (pois esse era o jogo, é para ser assim, e é necessário que a mente acredite nisto para que o jogo comece), então também tornou-se providencial e prudente aceitar que haja uma justiça cósmica (carma), onde temos que assumir a responsabilidade pelo que fazemos aos outros, caso contrário seria muito mais complexo evoluir e resgatar a ideia de que somos todos UM, resgatar nossa conexão elevada e sair da brincadeira com as epifanias e consequentes expansões cósmicas propiciadas ao Ser e à própria Consciência Maior!

Ou seja, o carma é adotado como premissa de base, como parte estrutural desta aventura Relativa.

E é por isto que o experimentamos, porque é assim que este jogo foi criado para ser aqui neste nível.

A partir da imersão na brincadeira, todas as nossas crenças boas ou ruins, alinhadas ou distorcidas (incluindo as tais “leis” deste ambiente) irão permear nossa vida e nos influenciar em quaisquer decisões, bem como no resultado que colheremos. Isto porque cabe à mente de cada um materializar suas próprias crenças e criar um cenário que corresponda a elas, independente de tais crenças estarem “certas” ou “erradas”, alinhadas ou desalinhadas com sua Essência, ou de serem emprestadas de terceiros ao longo da jornada! A mente de cada um de nós é, pois, uma máquina materializadora de crenças.

E assim, à medida que vamos vivendo nossas incontáveis existências, perpetuaremos muitas de nossas crenças (como as suposições de raiz), mas também iremos mudando outras, individual e coletivamente, transformando a própria vida e até o cenário com suas “leis”, num jogo onde esta sua atual existência tem ligação com as suas outras existências, pois há uma continuidade — apesar de o personagem (você) sempre mudar de cara (de “roupagem”, de corpo) a cada existência que vive, mas ao mesmo tempo carregando consigo os desafios não superados.

Pois é…. crenças criam, pois elas inevitavelmente sempre serão materializadas! Mas, para complicar um pouquinho e dar mais sabor ao jogo, saiba que em nossas primeiras existências dentro desta aventura, nós costumamos adotar muitas crenças distorcidas e criar muito caos – tendo obviamente que pagar por nossas ações desalinhadas.

Faz parte da brincadeira!

Você, meu caro, minha cara, é o CRIADOR de sua aventura como CRIATURA. Mas, na maior parte da sua jornada, você realizará sua criação de uma forma inconsciente, apenas reagindo ao que a vida parece ter lhe trazido ao acaso, quando na verdade terá sempre sido você quem criou.

E você continuará indefinidamente pagando por seus “erros” (escolhas desalinhadas) até que em uma de suas incontáveis vidas você comece a tomar as rédeas da sua mente de uma forma intencional, consciente, passando a observar suas próprias ideias, a reavaliar suas crenças e a observar o resultado colhido, aprendendo a se desfazer daquelas crenças que limitam a expressão da sua totalidade, adotando outros valores mais elevados com a ajuda intuitiva – e sempre disponível, mas nem sempre captada – de nosso Eu Maior.

E assim você começa a ser cada vez mais um criador ativo, e não apenas um criador reativo (que reage ao que criou inconscientemente). À medida que sobe um pouco mais nesta escada evolutiva, chegará o dia em que você começará a perceber que pode inclusive alterar o próprio cenário e até mesmo as suas “leis”, desde que primeiro largue suas supostas “certezas” adquiridas ou emprestadas ao longo do caminho e comece a se dar conta de Quem Somos além das aparências! E, assim, você terá começado a jornada rumo a se livrar dos carmas negativos, pois estará subindo a um nível onde tais dívidas já se tornam mais rarefeitas. Voltaremos a isto logo adiante.

Pois bem….

Em meio a esta mega-aventura, o carma é, pois, um mecanismo evolutivo que visa nos ajudar no nosso despertar.
Vale notar que a ideia do carma, no fundo, não deixa de ser também uma crença, pois acabamos “comprando” como verdade todas as “leis” (premissas) de um cenário previamente criado por outros, as quais assumem então o papel de Crenças de Base para nós – Suposições de Raiz.

Através do poder materializador da nossa mente e usando tais suposições adotadas, “perpetuaremos” o cenário enquanto não começarmos a questionar nossas “certezas” normalmente tão incertas. Felizmente este momento de questionamento da Realidade Aparente chega para todos, e é por isto que tudo está sempre mudando no universo, inclusive as “leis” de base.

Agora…. saiba que o carma é uma Suposição de Raiz que foi absolutamente necessária para a criação deste nosso jogo (como o conhecemos), pois a obnubilação consciencial à qual nos submetemos (esquecimento da origem) tornou fundamental a adoção de importantes ferramentas cósmicas que seriam usadas para promover o nosso despertar. E como a aventura também pressupunha a existência de um “antes e depois” (a premissa do tempo), abriu-se espaço para que pudéssemos avaliar comportamentos e resultados, causas e efeitos. E assim a ideia do carma, como Suposição de Raiz desta experiência, foi perfeita, pois obrigou todos a se tornarem responsáveis por seus atos, tendo que responder a uma “justiça cósmica”.

Pois bem….

Vamos agora ao que interessa?

Você chegou até aqui e merece conhecer a solução!

III) CARMAS NEGATIVOS e o Pagamento de Dívidas Cármicas

É claro que o carma negativo é o que mais preocupa as pessoas, as quais acabam se sentindo impotentes para resolver problemas passados que sequer se lembram. Tais pagamentos de “dívidas” cármicas são algo intrínseco e necessário ENQUANTO o Ser ainda “dorme”, enquanto ele ainda não despertou para a verdade de que está dentro de um jogo cujas premissas aceitou alegremente, sabendo que um dia conseguiria se lembrar de que Somos Todos Um e, principalmente, de Quem Ele É além das aparências do jogo.

Mas saiba que há uma forma de fazer com que tais dívidas passadas já não nos atinjam mais.

Opaaa, melhorou, hein?

Que boa notícia, certo?

Mas calma lá….

Que fique claro que não é tão simples se livrar dos carmas adquiridos pelo caminho. E eu lhe afirmo categoricamente que você não se livrará de todos os seus carmas através de terapias de regressão a vidas passadas.

Veja, por mais que tais regressões possam até ajudar em casos pontuais, tal trabalho JAMAIS terá o alcance necessário para libertá-lo do emaranhado de “causas e efeitos” (carmas) que você criou por incontáveis existências – e a propósito, tais regressões tampouco são necessárias, eu lhe garanto!

Assim sendo….

Esqueça o passado, ele só tem o poder que você lhe atribui!

O seu único poder real para mudar qualquer coisa em sua vida reside no Aqui e Agora, independente do seu passado, independente do que fez de errado há 1 segundo ou há 10 vidas atrás!

Tal poder de mudança reside em cada escolha que você faz! E escolhas, meu amigo, minha amiga, só podem ser feitas no momento presente, no AGORA!

Bem, por fim….

…. a conclusão tão esperada!

A única forma de superar todos e quaisquer carmas negativos é você se elevando tão alto na Consciência que tais “dívidas” já não lhe alcançam! Independente de quais você pagou ou deixou de pagar até agora!

Pois eu lhe garanto que é “só” isto! (Com a palavra “só” escrita entre aspas.)

Bem, óbvio que tal façanha não é tão simples!

Explico….

Para chegar neste patamar de conexão à Consciência Maior, você terá que:

1) atingir um nível de amor-próprio muito alto, um nível onde você já é capaz inclusive de perdoar a si mesmo por tudo que fez ao seu semelhante, sabendo que ele também atraiu para si quaisquer experiências pelas quais passou, e que ele também é (assim como você) um Ser eterno vivendo aventuras temporárias à medida que evolui, passando tão somente pelo que ainda precisava passar (ou seja, sendo responsável por tudo que atraiu).

2) atingir um nível de amor ao próximo onde a expressão do seu amor é tão sublime que você já trata o seu semelhante como sendo outra versão de si mesmo.

3) atingir um nível onde você já não é mais refém das ilusões do mundo de manifestação fenomênica.

4) atingir um nível onde você já se vê como o único responsável por tudo que lhe sucede.

5) atingir um nível onde sua mente – que jamais foi sua inimiga e jamais precisou ser eliminada – se expandiu tanto que já é permeável a toda luz que vem do seu Eu Verdadeiro, e por isto já abarca a própria Consciência Maior.

Bem….

Tendo se elevado tanto, você já estará acima da ideia de tempo (da ideia de causa e efeito), e então o pagamento de tais “dívidas” cármicas já não fará mais sentido, sendo assim anulado (independente até de você não ter pago todas elas), simplesmente porque tais pagamentos já não terão mais serventia como mecanismo evolutivo para um Ser que já está se comportando de forma elevada, um Ser que já chegou onde ele mesmo esperava chegar quando entrou no jogo.

Em outras palavras….

Busque ampliar seu acesso a uma Consciência Maior.

Este é o único caminho para verdadeiramente se livrar de todos e quaisquer carmas possíveis. Busque chegar em um nível onde você já esteja além de quaisquer crenças, um nível no qual você já saiba intrinsecamente que conseguiu finalmente se tornar o Criador Consciente que molda sua realidade aparente (deixando assim de ser o criador INCONSCIENTE que se sente vítima do que a vida lhe traz, sem se dar conta da própria responsabilidade e total autoria).

Busque chegar em um nível onde você já esteja acordado dentro do sonho da vida, sem desprezá-lo e ao mesmo tempo sentindo prazer em ajudar outros a também despertarem – desde que queiram!

Porém, a única forma possível de fazer isto é no Aqui e Agora, e não através de uma busca interminável pelos erros do seu passado!

IV) A NATUREZA DOS CARMAS E A CULPA

Vamos encarar algumas verdades libertadoras que irão lhe ajudar a compreender melhor a natureza dos Carmas e a se livrar da ideia da CULPA, outro terror!

Compreenda que ao assumirmos inúmeras SUPOSIÇÕES DE RAIZ molduras estruturais do jogo que precisam ser aceitas para que ele tenha início , aceitamos entre elas a ideia do Carma oriundo de uma causa (uma ação nossa) que levou a uma consequência a terceiros e que, para fins de aprendizado e evolução, necessita ser “paga” por nós enquanto não despertamos do sonho do jogo.

Porém, uma vez que o ser humano tem Livre Arbítrio, ele pode inclusive desviar-se de um estado de graça natural que permeia todos os Seres e passar a usar a ideia da culpa para atormentar-se, ou seja, a ideia de que causou algo desagradável pelo qual tem que pagar e ser punido — quando, no fundo, só precisa de empatia para ter a devida compreensão e, por fim, perdoar-se! Entenda que esta brincadeira é muito mais rica, grandiosa, amorosa e monumental do que parece, e que Deus jamais lhe julga nem condena, não importa o que faça!

Aliás….

Você sabia que estes sentimentos de culpa autopunitiva não existem entre os animais? Não desta maneira artificial que usamos! Eles até possuem um sistema de culpa natural que fica registrada numa memória celular, mas que jamais é usado como uma forma de castigar-se, como autopinução, apenas como um alerta para não repetir algo desagradável antes de um novo evento mas jamais para se martirizar ou, pior, se considerar inferior, inadequado ou falhado. E é por isto que os animais continuam seguindo seu curso de existência tão graciosamente…. até o dia em que resolverão se experimentar com uma mente dotada de Livre Arbítrio (quando vierem a estar preparados para tal desafio monumental semelhante ao nosso).

Compreenda que nosso Livre Arbítrio abre espaço para nos afastarmos de nossa harmonia e graça natural, para escolhermos uma CULPA ARTIFICIAL AUTOPUNITIVA e, assim, nos sentirmos muito mal com feitos passados, nos punirmos mentalmente e nos considerarmos inferiores…. saindo do estado de harmonia e graça inerente a qualquer Ser.

E é aí que começam os graves problemas que nos levam a uma autoinferiorização, uma menos valia aparente gigantesca que, óbvio, criará um cenário igualmente desastroso com nosso próprio poder criador e total liberdade criativa. Entretanto, não se assuste, isso faz parte do jogo, e é por isto que a experiência humana é tão complexa, dura, sofrida e, ao mesmo tempo, tão grandiosa, mágica e maravilhosa, vindo a permitir um tipo de epifania e compreensão que só são acessíveis através desta imersão neste jogo.

Pois bem….

Agora vamos colocar a Luz da Verdade sobre a experiência da vida e sobre a ideia do Carma para clarear sua mente, facilitando sua libertação e expansão!

Aperte os cintos, vamos voar alto!

IDEIAS LIBERTADORAS

a) Primeiro que causa e efeito ocorrem, na verdade, simultaneamente, pois o tempo não existe. Ou seja, você se culpa por algo que ainda nem fez, algo que ainda está fazendo (mesmo que lhe pareça um passado) enquanto se culpa. Uauuuu. Pois é! Mas isto ainda não o livra de nada. Calma lá….

b) Segundo, você só faz o “mal” a quem atrai tal experiência para si, pois cada um cria sua realidade e atrai para si as experiências que precisa passar, mesmo as mais terríveis (óbvio que isto também não isenta você de pagar por algo distorcido que tenha feito, ao menos não enquanto não despertar).

3) Terceiro, somos todos Seres eternos vivendo aventuras temporárias, e todos estão protegidos dentro desta mágica brincadeira, mesmo que por vezes nem pareça. Eu lhe garanto! Porém, tal compreensão não poupa ninguém dos sofrimentos, certo?

4) Não somos nosso passado, nosso comportamento. Somos Seres em constante evolução. E é por isto que não temos que condenar ninguém (nem a nós mesmos) por erros, fracassos, atos e escolhas passadas. Isto não define um Ser, são só experiências.

V) CONCLUSÃO

A verdade é que nossa Mente Consciente apenas interpreta os acontecimentos de forma linear, aceitando um antes e um depois, aceitando carmas e até a menos valia que nosso Livre Arbítrio nos permite escolher — até porque é assim que o cenário do jogo foi criado para ser. Mas esta Realidade Aparente não corresponde à nossa verdade absoluta, sendo que o próprio carma é uma interpretação criativa da mente que teve que ser aceita enquanto ela brinca com a realidade da maneira como ela a aufere e a compreende. É o jogo da vida em ação, onde cada um irá resgatar as Verdades Maiores da vida (e se expandir) no seu ritmo e através de muitas aventuras e emoções, tanto positivas quanto negativas, até um dia conseguir despertar do jogo.

Aprenda a perdoar-se e a sorrir mais, a celebrar a vida!

Você sempre foi livre para se testar como queira, e não importa o que faça de “mal”, saiba que todo “mal” sempre é aparente.

Só o amor é real!

Você só deu aos outros as experiências que elas estavam buscando…. e está pagando por isto, claro, até o dia em que não precisará mais pagar.

Saiba que a Consciência Maior jamais precisará perdoá-lo por nada, dado que Ela nunca o julgou, sempre o viu como uma filho arteiro que está apenas brincando junto com seus congêneres igualmente eternos!

Sorria!

Você é muito mais nobre do que imaginava!

JORGE ZAHELL

^ Voltar ao topo


13.4 – OS OUTROS E EU — Como afetamos uns aos outros?

Com certeza você já ouviu falar de mau olhado, olho gordo, negatividade de terceiros, macumba, feitiços, etc! Certo?
E provavelmente já se questionou acerca de qual é o poder real destas ideias! Ou então ao menos já se perguntou se existe algo a se fazer para blindar-se de quaisquer energias e pensamentos negativos vindos de terceiros!

Mmmm….

Qual será a Verdade Absoluta sobre este tema? Até onde será que vai a influência dos pensamentos de outra pessoa sobre você mesmo?

Pois eu lhe respondo categoricamente:

“A influência de terceiros sobre você vai somente até onde você acreditar!”

Você! Não eu, não os outros! Você! Porque o poder para lhe afetar ou criar qualquer “realidade” não está nos outros, mas em você mesmo!

Bem, a explicação disto é mais profunda do que parece! Portanto, tenha um pouquinho de paciência que compreenderá!

Veja….

Como Criadores de realidades, cada um de nós é um emissor e ao mesmo um receptor, criando energias e até realidades multidimensionais que se interpenetram com a de outros Seres.

Assim sendo, considerando que qualquer pequena ideia já tem sua força como uma forma de realidade eletromagnética criadora, então as nossas convicções condensadas de alta intensidade — chamadas de crenças — terão uma força criadora ainda maior, irradiando fortes energias criadoras que se somam àquelas oriundas de pessoas com formas de pensar semelhantes.

Semelhante atrai semelhante! Outra Verdade Maior!

Tudo e todos que têm alguma semelhança (em algum nível) tenderão a se atrair e se aglutinar. Este é o processo usado para criar realidades coletivamente.

E é exatamente desta forma que a pessoa que teme ser assaltada atrai o assaltante, pois ambos estão focados na mesma ideia: o assalto. Da mesma maneira, a atrasada medicina humana focada na doença (e não na causa mental dela) atrai o paciente que também crê no mesmo sistema de valores ultrapassado que foca em tratar a doença, não a real causa dela, que sempre reside na mente, no conjunto de valores distorcidos do indivíduo enfermo (pois nenhuma doença é coincidência, sendo sempre autocriada, como tudo mais).

É assim, também, que aquele que compra uma arma para se defender atrai um agressor que justifique a utilização da arma. Ambos estão focados na agressão, seja em defender-se dela ou praticá-la. Em tal situação, tanto agredido quanto agressor nutrem diferentes crenças distorcidas, mas ambas interligadas por uma crença de ligação em comum, que é a possibilidade da agressão.

E também é da mesma maneira que a contratação de um plano de saúde (com base no medo de adoecer e também de possivelmente não ter dinheiro para bancar uma grande intervenção) atrai tanto a doença quanto a tendência à falta de dinheiro — dadas as crenças invisíveis (mas conscientes) que estão por trás de tais linhas de pensamento.

A humanidade custa a perceber as implicações que residem por trás de suas convicções criadoras. E se você ainda não despertou e ainda alimenta tais crenças limitantes, é melhor continuar a tratar-se pela medicina convencional, é melhor continuar a contratar plano de saúde, é melhor poupar para o futuro (por achar que pode faltar), é melhor buscar formas externas de se proteger contra A IDEIA do mal no qual você crê.

Porque tudo se origina de você e a você retorna!

Voltando à questão da nossa convivência com outras pessoas e da influência que um exerce no outro, saiba que sempre existe uma constante interação na troca de ideias entre você e os outros, tanto telepaticamente quanto em um nível consciente.

O que você provavelmente não sabe é que dentro da sua realidade autocriada, este intercâmbio de informações segue, novamente, suas crenças próprias conscientes, e não as do outro Ser. E o mesmo acontece na realidade autocriada do outro Ser. Ou seja, ambos só se encontram no meio do caminho porque estão semelhantes em algo, atraindo-se mutuamente numa realidade cocriada — sem prejuízo da criação individual de cada um (lembrando ainda que tal realidade é multidimensional, existindo incontáveis possibilidades e versões de cada Ser).

Porém, muitas pessoas acreditam que os humanos reagem a mensagens recebidas telepaticamente de uma forma que independe de suas próprias crenças ou ideias conscientes. Mas a verdade é que cada um reage apenas àquelas mensagens telepáticas que se encaixam nas ideias conscientes que ela nutre sobre si e sua realidade.

Compreenda que se cada um é o Criador da própria aventura como Criatura, então os outros nem podem ter influência sobre ela, a não ser quando ela também acredita na mesma coisa, gerando abertura para a entrada de energias externas que se alinham com aquilo que ela mesma teme e crê.

É por isto que a pessoa que acredita em magia negra, macumba, mal olhado, etc acaba ficando suscetível a isto, apenas porque está atraindo para si uma realidade na qual acredita. Crenças!
No sentido inverso, nenhuma negatividade atingirá aquela pessoa que não acredita em tais ideias cheias de um obscurantismo que nada têm a ver com a Verdade Máxima do nosso Ser.

Lembre-se! Tudo e todos sempre irão corroborar as suas crenças, e por isto lhe refletirão! Só existe UM de nós aqui. O “outro” é apenas você mesmo em diferentes “roupagens”, e por isto irá sempre lhe dar a experiência que precisa!
(NOTA: Leitura complementar sugerida: publicação “Números São Poderosos?”, por Jorge Zahell, disponível gratuitamente no Blog onigya.com .)

JORGE ZAHELL

^ Voltar ao topo


13.5 – A DISTORÇÃO DAS INFORMAÇÕES CAPTADAS

Toda obra que trata do despertar da humanidade — e que foi realmente feita com amor, com a real intenção de ajudar seu semelhante — normalmente contém ao menos alguns focos de Consciência Cósmica, mesmo que também esteja recheada de outras informações egoicas e desalinhadas em relação às Verdades Maiores da Vida. Isto porque quando algo é feito com amor, desapego e sem ambições de estrelato, quase sempre contém uma entrega do autor no sentido de tentar ajudar outras pessoas a captarem seu ponto de vista — uma perspectiva que pode nem sempre estar muito elevada — dependendo da abertura consciencial do autor — , mas que certamente já provocou nele uma sensação de euforia suficiente para inspirar-lhe a querer compartilhar aquelas epifanias e revelações com o mundo, no intuito de ajudar outros.

E assim há uma infinidade de obras, cada qual contendo ao menos algumas verdades. O interessante é que como cada Ser cria sua realidade, ele irá atraindo — à medida que evolui — o material que combina com seu nível de evolução consciencial daquele momento. E quando o conteúdo de uma obra já não é suficiente para o crescente nível evolutivo de um determinado Ser, ele atrairá outras fontes, outras obras.

Ao longo da história da humanidade, muitas obras já contiveram focos isolados de Verdades Elevadas em seu conteúdo, mas infelizmente todas também contêm algum grau de distorção, por falha na captação em função de pesadas interferências energéticas deste nível de existência (com um ego coletivo tão cheio de obscurantismo alimentado pela própria humanidade).

Bem…. como a Fonte de toda a sabedoria elevada é sempre a mesma (a Consciência Cósmica), certas afirmações desta obra aqui (A JORNADA DO EU TEMPORÁRIO) lhe serão bem familiares, pois estão alinhadas com a mesma Fonte que já foi expressada por outros autores. Entretanto, muitas outras afirmações aqui expressadas lhe impactarão e entrarão em choque com o que você assume que conhece, pois vão contra o senso comum (nem sempre alinhado à Fonte).

A verdade é que muitas distorções de percepção se infiltraram nos textos de muitas obras já realizadas pela humanidade, fazendo com que o conteúdo original da Fonte fosse distorcido — muitas vezes de formas perigosas.

Saiba, portanto, que toda obra está sujeita a interferências por parte do conjunto de crenças da mente do autor. E até mesmo uma obra canalizada (obtida em estado alterado de consciência e via conexão com outros Seres) obrigatoriamente passa pelos filtros de valor (conjunto de crenças) da mente do canalizador da mensagem (o médium), a fim de garantir o Livre Arbítrio dele. E, claro, tais informações estão sempre sujeitas a distorções.

Pois foi exatamente o que aconteceu com Moisés quando captou os 10 Mandamentos — coisas que jamais vieram de uma Consciência Máxima, pois ela nunca pediria, mandaria ou sequer teria sugestões ou desejos, pois nos ama demais para nos tirar qualquer Livre Arbítrio (pois tal Fonte é puro Amor Incondidional, daquele que solta e jamais condiciona). Moisés, um personagem bastante evoluído e cheio de boa vontade, apenas usou sua mediunidade para captar mensagens de Seres desencarnados e significativamente mais elevados que os humanos (em termos de acesso à Consciência Cósmica). Entretanto, todos eles (incluindo o próprio Moisés) foram vítimas do obscurantismo e forte resistência de um sombrio ego coletivo que é abastecido pelo constante medo humano, que o cria assim (de forma distorcida e negativa).

E os tentáculos desta sombria criação coletiva humana se estendem até o terceiro nível de astral, podendo facilmente enrolar quaisquer Seres desprovidos do devido acesso à Consciência Maior, bem como distorcer a mais pura das mensagens quando esta atravessa os filtros a mente de quem as capta.

Assim sendo, faz-se extremamente necessário esclarecer que há alguns livros famosos que já deveriam ser deixados de lado, pois não apenas nasceram tremendamente contaminados por crenças distorcidas da época (que levaram a más interpretações por parte de seus autores), mas ainda foram posteriormente distorcidos com intenções espúrias e egoicas, estando agora (após “revisados”) ainda mais distorcidos em relação à verdade, contendo apenas pouquíssimos focos de alinhamento com as Verdades Maiores da Vida.

E tais obras infelizmente atrapalham o processo de despertar de seus leitores, ainda presos a ideias e convenções nada edificantes. Mas a situação é ainda pior quando se trata de obras que se utilizam de meias-verdades para ganharem credibilidade. Ao deturparem o conteúdo de palavras proferidas por Seres muito especiais (que um dia tentaram tirar a humanidade da ilusão), acabam fazendo um desserviço à humanidade.

Felizmente também há livros que, apesar de alguns desalinhamentos — algo difícil de se evitar num mundo tão cheio de obscurantismos como esse — , possuem mensagens tão elevadas que chegam a ser desprezados por muitos, tamanha a surpresa e descrença de leitores que ainda alimentam valores humanos muito desalinhados.

A verdade é que tais livros mais elevados sofreram menos interferência no momento em que suas informações foram captadas por seus autores (interferências que são fruto da pesada egrégora deste mundo, contaminando até os canais de pessoas mais sensíveis e inspiradas, onde se inclui até o caso de médiuns que canalizaram obras).

E o fato é que estes livros elevados seriam muito mais dignos de serem chamados de “Bíblia”. Tratam-se de obras de autores que se prepararam por vidas para tal missão, e por isto as fizeram sob inspiração, como Neale Donald Walsh (em “Conversando Com Deus”), Bob Toben e Fred Alan Wolf (em “Espaço-Tempo e Mais Além”) e Wayne Dyer (em “Seus Pontos Fracos”).
E também há outros autores que realizaram tal feito usando médiuns ou canalizadores em estado alterado de consciência (como a entidade chamada Abraham, que foi captada por Esther Hicks — ou Seth, canalizado por Jane Roberts).

E apesar de o conteúdo de tais livros também possuir algumas pequenas distorções na mensagem divulgada, ainda assim eles contêm um elevado grau de Consciência Cósmica, sendo excelentes opções para quem quer expandir sua mente rumo à luz da Consciência Maior.

Infelizmente este não é o caso dos ditos Livros Sagrados ou de escritos antigos, os quais não só já nasceram cheios de distorções de percepção por parte dos seus autores, mas também sofreram fortes alterações posteriores, sempre com intuitos egoicos e manipuladores. E infelizmente hoje em dia muitas destas obras são aceitas como manuais de conduta, não possuindo sequer 10% de alinhamento com a Verdade.

Apenas para ilustrar a situação, vamos avaliar o caso do nascimento desastroso dos 10 Mandamentos, de autoria do personagem bíblico Moisés.

OS 10 MANDAMENTOS 

Moisés, um Ser bondoso e significativamente evoluído em termos de acesso a uma Consciência Elevada, tinha um certo grau de mediunidade, mas que infelizmente foi usado de forma desastrosa para criar um conjunto de "Leis" que causaram um grande desserviço para a humanidade.    

O fato é que em suas meditações ele captou mensagens de outros Seres desencarnados mais elevados que a humanidade em geral. Só que apesar das boas intenções de todos, tanto Moisés quanto aqueles Seres desencarnados foram manipulados por um ego coletivo humano que se encontra muito negativo e dominador (por responsabilidade dos próprios humanos), um ego cheio de obscurantismo cujos tentáculos de negatividade influenciam as mentes de todos os Seres nos astrais mais próximos do plano físico — bem como neste último também. 

Tais Mandamentos nada têm a ver com a Consciência Cósmica. 

Deus nos concedeu Livre Arbítrio total, e justo por isto Ele jamais nos daria ordens expressas a serem seguidas (Mandamentos). Deus sabe da nossa condição eterna, sabe que ninguém precisa ser salvo, sabe que estamos apenas brincando, caindo e levantando, sofrendo e nos iluminando dentro de um maravilhoso Jogo que por vezes pode até parecer ficar muito sério e aparentemente perigoso, mas dentro do qual estamos sempre protegidos e amparados — mesmo que não pareça!

Enfim, eu lhe afirmo que foi tomado muito cuidado com tais interferências nos livros em que me identifico como autor. São obras que, na verdade, são fruto da sabedoria de muitos outros Seres que ajudam incessantemente, trazendo intuições e informações que se alinham tanto com as Verdades Maiores da Vida quanto com minha intenção mais primordial — minha missão de vidas — de passar adiante esta sabedoria. E muitos, muitos outros Seres colaboram! Meu muito obrigado a todos eles, principalmente aos anônimos, que jamais buscaram qualquer reconhecimento. Esta obra é mais deles do que minha!

EXEMPLO DE DISTORÇÃO: Para quem se interessa em perceber tais distorções de captação das mensagens elevadas, recomendo a leitura do texto abaixo, intitulado DESIDERATA CÓSMICA, uma versão diferente daquela captada pelo autor humano. Neste texto abaixo você verá um comparativo entre o que o autor do famoso poema americano captou, e a verdade que estava por trás (a Fonte da inspiração, que sofreu sutis distorções, mas de grande impacto).

JORGE ZAHELL

^ Voltar ao topo


13.6 – CARTAS ABERTAS À HUMANIDADE

Os textos das 3 cartas a seguir foram originalmente publicados em vídeos do nosso canal SEMENTTYAL, no YouTube, no início de 2020. Obviamente são oriundos de uma Fonte que transcende o tempo e o espaço, que fala em primeira pessoa e que dispensa apresentações — e que tampouco precisa de reconhecimento!

A) PRIMEIRA CARTA ABERTA À HUMANIDADE

“Eu, a Fonte Suprema, a Consciência Absoluta – aquela parte de vocês que insistem em ignorar, embora seja tudo o que vocês sempre quiseram Ser, Ter e Fazer –, estou sempre tentando abrir caminho até vocês a machadadas, sangue, suor, lágrimas e sofrimentos sem fim…. na maioria das vezes inutilmente. Isto porque as suas glórias se baseiam em eliminar aquelas outras partes de vocês que consideram inimigos ou adversários, sem atentar para o fato de que eles são vocês mesmos, disfarçados de “outros”.

Eu, que sou Tudo e Todos, me dei por inteiro a cada um de vocês. A PARTE sempre contém o TODO, e é por isto que cada um de vocês me contém por inteiro, não havendo nada que possa faltar nessa infinitude que Eu Sou em Vocês!

Mas pela primeira vez em toda a nossa história eu lhes peço:

Mesmo que não me considerem DIGNO de entrar em vossas moradas, deem-me um instante da sua atenção, pois um pensamento de vocês bastará para salvá-los.”

Vocês gostam de me chamar de PAI, não é mesmo? E eu aceito com prazer que o façam, mas na verdade NÃO SOU SEU PAI ! De nenhum de vocês! Em lugar algum e em tempo nenhum.

Vocês são, sim, meus mais perfeitos CLONES!

Sim! Por mais incrível que possam achar. E quer saber mais?

Tampouco sou seu CRIADOR – mesmo que lhes pareça óbvio que eu seja!

Vocês e Eu somos UM no mesmo sentido em quem o sol é UM com seus raios, ou que a árvore é UM com sua semente. E vocês SABEM disso instintivamente, intrinsecamente!

Mas atenção agora!

A semente não é menos que o fruto, a flor ou a árvore da qual se originou! E é aí que está a grande diferença! Uma semente nem precisa saber Quem É – ou O Que É – para expressar-se com sua plenitude, mesmo que nem germine – e, neste caso, ela apenas se permitirá ser reabsorvida pela vida, que a reciclará para uma próxima aventura.

Infelizmente os humanos, com suas mentes racionais dotadas de Livre Arbítrio, se perderam na brincadeira e se esqueceram de como se deixarem levar por uma Sabedoria Maior que lhes é intrínseca – mas nem sempre acessada a contento.

E então eu lhes pergunto:

ONDE FOI QUE ERRAMOS?”

Por que vocês insistem em achar que estão separados de mim? Ou em supor que julgo ou castigo? Ou em achar que sou mais que vocês? Ou que algum de vocês tem minha preferência e outros minha desaprovação?

Que negócio é esse?

Tantos já tentaram levar a minha verdade e o meu amor para vocês! E o fizeram com extrema eficiência! Mas nem sempre acertaram em lhes tocar o coração – e tampouco tiveram êxito em função da maneira como foram interpretados!

Por isso Eu decidi:

CHEGA DE MESTRES, CHEFES, SANTOS E HERÓIS MAL INTERPRETADOS! Cada vez mais passarei a me comunicar com vocês DIRETAMENTE, a partir de pessoas, eventos ou quaisquer criaturas em coincidência com a Verdade – ou, se possível (o sonho da minha vida), em cada um que desligue o interruptor do obscurantismo dentro de si para mergulhar na essência SEMPRE NOVA E FRESCA da liberdade intrínseca à vida e ao amor sempre à nossa disposição.”

Entendam que vocês estão salvos desde sempre e para sempre! Não precisam se preocupar com o amor ou a aceitação de Deus – que é o EU REAL de cada um!

SIM!

Não precisam jamais fazer nada que não queiram! Não precisam jamais ter medo de nada! Cada um de vocês é SOBERANO em si mesmo (que sou Eu), mesmo quando não sabem ou nem acreditam e até desprezam esta verdade! Não precisam de religiões, mestres, pastores, gurus ou o que quer que seja para contatarem Deus em vocês!

NÃO EXISTEM AUTORIDADES NO REINO DE DEUS, APENAS LÍDERES NATURAIS que, quando em contato com a Verdade, a transmitem com prazer, sem dogmas ou mandamentos!

Aliás, acham mesmo que alguma vez Eu lhes propus Mandamentos?

Por favor!!!!

Eu amo tanto meus Eus em cada um de vocês, e de uma forma que nem conseguem imaginar, por isto nunca lhes imporia nada! JAMAIS!

Fui muito mal interpretado em todas as eras! E ao invés de tentar mandar em vocês (embora seria mais fácil para a maioria), Eu lhes peço, imploro:

Deixem-me ajudá-los a serem realmente felizes!

Deixem-me ajudá-los a descortinarem o paraíso que lhes pertence, a viver no Amor, na Magia, na Verdade e na Luz!

POR FAVOR!!!!”

B) SEGUNDA CARTA ABERTA À HUMANIDADE

“Eu sinceramente espero que vocês queiram mais do ilimitado tesouro que estou colocando à vossa disposição. É a verdadeira riqueza que nada destrói e que andou cortejando vocês por milênios.

A riqueza chamada VERDADE.

Em toda a sua simples sofisticação!

Mas vocês, na maioria das vezes, a esnobaram!

Isso quando não a torturaram ou mataram! Cheios de orgulho e prepotência, acreditaram que as falsas riquezas da fortuna ou do conhecimento lhes garantiriam uma segurança que não conseguiam garimpar!

E continuam assim! Que lástima!

Agora [era início de 2020] resolveram enclausurar todo mundo por causa de uma ‘histeria coletiva’ de medo [a expressão ‘histeria coletiva’ foi trocada, pois o texto original incluía uma palavra (iniciada com P) que a comunidade científica resolveu proibir sempre que os argumentos fossem polêmicos]!

Sim, não se enganem!

Eu não dividi a Minha Vida com vocês para morrerem de medo de um vírus que nem conseguem enxergar! Nem para combaterem o que quer que seja!

Essa insana estupidez de eliminar o diferente já os levou a se embrenharem em guerras absurdas nas quais mataram milhões dos seus semelhantes em nome de que?

Pelo Meu Amor!


E o Hitler e os outros que iniciaram tais guerras não são os únicos responsáveis! Eles apenas provocaram!

Por que reagiram daquele jeito?

Vocês acham mesmo que Eu deixaria que déspotas ou tiranos de qualquer etnia destruíssem a Minha Obra?

Que tal estudar um pouco de história?

Ela mostra que nenhum tirano sobreviveu por muito tempo a suas vilanias.

E aliás, ao defenderem seus preciosos territórios, o que é que vocês querem tanto garantir com isto? Ora, tudo já lhes pertence! E, ao mesmo tempo, nada podem trazer consigo quando largam seus corpos – e assim que o fazem, percebem que jamais importou terem nascido na Iugoslávia ou na Cochinchina!

E então, o que os preocupa tanto?

Morrer?

Ou perder a batalha contra o elemento microscópico que vocês mesmos criaram e alimentaram com seus medos?

Despertai!

Nenhum medicamento ou vacina os imunizará contra o pânico!

Vocês só têm uma forma de enfrentar o tal vírus que inventaram e elevaram ao status de “Deus do mal”: Não o combatam! Não lhe deem importância!

Sejam amigos dele como são amigos das bilhões de bactérias que parasitam em seus corpos e os ajudam de tantas maneiras! Vocês são magníficas luzes emanadas da mesma fonte da qual Eu provenho!

Que loucura generalizada é essa?

Cientistas, por favor….

Nenhuma pesquisa e nenhum conhecimento podem garantir a saúde perfeita com a qual sonham e a que dedicam seus esforços e suas vigílias!

Há algo além das suas provetas, dos seus instrumentos e dos seus prognósticos! Algo além dos seus pressupostos e das suas boas intenções!

Há a verdade básica que grita: vocês são mais do que seus corpos, vocês são mais do que suas mentes! Vocês contêm em si o que os cura e o que os adoece, o que os salva e o que os condena, o que os enriquece e o que os empobrece, o que os diviniza e o que os inferniza, a verdade e a mentira, o céu e o inferno.


Aquilo que vocês determinam que é verdade, o será!

E aquilo que vocês determinam que é mentira, assim também o será à revelia de sua verdade ou mentira básica.

Em nome de boas intenções, estão cometendo abusos sem precedentes em todos os setores da sociedade!

Que se faça a luz!

Mas preciso que vocês Me ajudem a propagá-la!

Vamos começar pelo tal vírus da C****-XX ????

Ah…. ele adoraria mergulhar na luz do amor intrínseco em vocês. Adoraria evoluir a partir da compreensão de vocês e adorará ajudá-los a usufruir melhor deste mundo maravilhoso que é a Terra!

Mas Ok. Em função do Livre Arbítrio que lhes dei, Eu só posso lhes mostrar a porta que leva à Luz! Cabe a vocês ouvirem seus corações e se decidirem a atravessá-la…. ou não!

Boa sorte!”

C) TERCEIRA CARTA ABERTA À HUMANIDADE

“Eu sinceramente acho muita graça – e ao mesmo tempo fico desolado – ao observar as escolhas que a maioria de vocês continua fazendo. Acho até divertidos os seus autoflagelos, sejam físicos ou mentais, mas eles nunca Me impressionaram, porque por mais absurdo que pareça ao observador não casual, noto que é muito mais fácil para vocês se fazerem de vítimas do que ousar assumir a sua verdadeira grandeza e onipotência.

Que coisa bizarra!

Quer dizer que acham que irão Me comover com suas misérias autoimpostas?

Por favor!

E por outro lado, fico desolado ao perceber como tantos sofrem desnecessariamente!

E sofrem para valer, porque acham que não têm escolha!


Quantas mentiras lhes contaram em Meu nome!

Eu jamais os condenei a ganhar o seu pão com o suor da sua fronte!

Nem castiguei as mulheres a terem seus filhos dentro de um sofrimento atroz!

Nunca os impediria de comer qualquer fruta…. Pelo Meu Amor!

Então Eu criaria um paraíso repleto de tudo que é bom, com frutas, flores e mel e outras incontáveis delícias…. e depois os impediria de saboreá-los ?

Que tipo de Deus Eu seria?

Pois lhes asseguro: não poderia jamais ser o Deus amoroso que sou se assim tivesse Me portado.

Outra: Eu jamais os expulsei do paraíso!

Foram vocês que acreditaram em um idiota qualquer que inventou que Eu estava com ciúmes de Mim Mesmo e fui Me impedir de permanecer no Meu próprio Jardim do Éden!

Pode um negócio desses?

É tão hilário que chega a ser trágico…. e continua sendo uma mentira catastrófica!

Vocês são Eu!

Eu sou vocês e jamais lhes roubei nada que lhes pertença!

Não sou louco para roubar de Mim Mesmo!

Conheço vocês melhor que qualquer um, melhor que vocês mesmos!

Podem enganar os outros e até a si mesmos, mas não a Mim!

Que aberração lunática tomou conta dos seres humanos?

Deuses representando o papel de desgraçados – e de uma maneira tão eficiente que o personagem supera o artista!

Chega!

O show já terminou!

Vamos voltar à realidade, não precisamos mais usar aquela maquiagem que escondeu de nós
uma verdade que insistimos em não ver (obrigado Roberto Carlos)!
Assumam a sua luz, deixem-na brilhar livre e soberana e curar suas doenças, suas pobrezas e ignorâncias.

Eu Me fiz cada um de vocês para sermos todos mais livres, mais plenos e felizes. Eu Me derramei por completo em vocês para vivermos mais profundamente a alegria de amar e sermos amados sem limites nem regulamentos. Para termos prazer e criarmos ilimitados mundos e universos de plenitude e realização!

Chega de medo e da escravidão produzida artificialmente por aqueles que extraem o seu valor pessoal a partir da submissão dos pobres de Consciência que, preguiçosos, abdicam do seu próprio poder para se deixarem ser conduzidos e dominados.

Voltem para Mim meus amados!
Voltem para nossa casa cósmica!

Aqui Eu posso lhes garantir tudo que ousem sonhar…. e muito mais!!”

^ Voltar ao topo


13.7 – A FELICIDADE

A felicidade é uma sensação de bem estar e contentamento oriunda de um sentimento de completude, de plenitude e de satisfação, sem sofrimentos ou receios envolvidos.

Porém, ao contrário do pensamento comum da humanidade, a felicidade verdadeira é sempre, sempre uma questão de escolha que não depende de mais nada, a não ser da própria convicção de que sempre há motivos para se sentir feliz! Obviamente isto só pode ser feito quando se tem uma perspectiva ampliada sobre a experiência que chamamos de Vida. E é isto que está sendo explicado agora!

Sucede que sempre que a sua felicidade depender de circunstâncias, cenários ou situações, ela não estará sendo uma felicidade genuína, mas sim condicionada. Ou seja, considerar-se feliz somente quando tudo está dentro do que você considera ser o ideal não é felicidade genuína!

A verdadeira felicidade é aquela que não depende de nada externo a você. Este é o segredo genuíno daquela pessoa realmente alegre, daquela que consegue SER FELIZ, em vez de apenas ESTAR FELIZ. Ser feliz é uma escolha que vem de dentro, de uma compreensão sobre as Verdades da Vida. Estar feliz é um estado momentâneo atrelado a condições externas.

Agora…. é claro que a pessoa que consegue estar sempre feliz e confiante tem um segredo. Um segredo que sequer ela compreende, pois não é tão simples de explicar. Um segredo que se chama Consciência (acesso à Consciência Maior). Sucede que escolher a felicidade incondicional é algo que só pode ser feito por aquela pessoa que já compreendeu que seu cenário de vida não expressa a Verdade Absoluta do seu Ser, mas apenas uma parte do espectro divino da pessoa. Uma pessoa que consegue escolher a felicidade incondicional já compreendeu que as ilusões circunstanciais da aventura do Jogo da Vida são apenas momentos de uma grande jornada, momentos passageiros que não precisam definir o humor e a alegria escolhidos por um Ser atemporal que sabe que está apenas brincando dentro de uma aventura temporária. Tal indivíduo já consegue auferir a certeza de que algo temporário não expressa toda a sua grandeza. E como ele já consegue se identificar com tal grandeza de sua Essência (pois se sente UM com ela), então ele extrai DELA toda a sua gratidão e felicidade.

Tal perspectiva elevada só pode ser atingida se você estiver conectado na sua Essência, pois assim você conseguirá compreender que nada lhe falta de verdade, a não ser nas aparências do jogo. Porque felicidade tem a ver com sensação de completude! E tal sensação só poderá ser verdadeiramente captada se você estiver conectado à sua Verdade Maior, ao seu Eu Verdadeiro — mesmo enquanto ainda tropeça dentro da aventura do Eu Temporário cuja evolução cabe a você, que é o piloto da aventura, simultaneamente Criador e Criatura. Busque sempre pela perspectiva do Criador no sentido de orientar a Criatura que você também é neste instante.

Em outras palavras, uma vez plugado na sua Essência, você já aufere que nada lhe falta de verdade (a não ser dentro da ilusão de um jogo), podendo assim emprestar tal sentimento de plenitude para o seu lado Criatura, sendo então capaz de colocar seus desejos humanos dentro da devida perspectiva de paz. Mas isto jamais implica em abandonar suas vontades, seu querer, e se enganam os filósofos que pensam assim. Continue querendo tudo com o que sonha, apenas aprenda a NÃO NECESSITAR daquilo para só então escolher se sentir feliz.

E como fazer isto?

Simples…. Sabendo que tudo já lhe foi dado desde sempre e para sempre, e que você está apenas aprendendo a materializar aqui, neste nível de um Jogo, aquilo que sabe que já lhe pertence em outros níveis.

Quando em contato com seu Eu Verdadeiro, você sabe que não apenas merece ter tudo aquilo com o qual vier a sonhar, mas também muito mais! E você intuitivamente sabe que terá — sem qualquer sombra de dúvida, sem se sentir errado ou culpado por querer coisas que sua própria mente também condena. E graças a tal perspectiva ampliada, você consegue se soltar, desapegando-se de qualquer necessidade imediata de ver seu desejo materializado, sabendo que ele virá no devido momento (embora possa levar vidas).

À medida que despertamos, nós aprendemos a ESCOLHER como queremos nos sentir, independente da realidade aparente que nos cerca, pois quando despertos, já derrubamos o véu da ilusão que separa a causa do efeito, o TER do QUERER.

Conforme já foi explicado nesta obra, queira, queira tudo que ousar sonhar e até aquilo que ainda nem sequer imagina. Apenas aprenda a ter a certeza de que merece tudo, e que um dia terá. E assim aprenda a escolher a felicidade enquanto enfrenta a ilusão do não-ter, enquanto alegremente espera pelas maravilhas que a vida tanto quer lhe dar, mas que só são desviadas por você mesmo, o Criador da aventura.

Compreenda que a felicidade é a semente de si própria. Ou seja, se você constantemente planta na sua mente a ideia (a Verdade) de que sua Essência é felicidade, completude e alegria e consegue então escolher sentir-se feliz sem motivos específicos, então mais felicidade brotará, porque você reconhece a verdade, foca nela e já não se importa com negatividades e aparente escassez, pois já reconheceu seu caráter ilusório. Ao escolher alegria sem motivos aparentes, ironicamente você estará atraindo mais e mais felicidade, pois mais será dado àquele que já sabe que nada lhe falta.

O inverso também vale. Ou seja, é a sensação de escassez (que você escolhe auferir dentro de sua aventura) que lhe faz atrair mais escassez, pois ela é desprovida da Verdade de que Tudo Já Lhe Pertence apesar das ilusões contrárias do cenário — um cenário que, aliás, facilmente pode mudar de escassez para fartura com a mudança da sua crença!

Compreenda que você só atrairá algo (ou mais algo) se – e somente se – já estiver grato com aquilo que já tem, com aquilo que já atraiu, reconhecendo seu valor, mesmo que ainda não seja o ideal dos seus sonhos. Para tal, você apenas tem que aceitar a ideia de que aquilo que não tem é ilusão dentro de um jogo (incluindo coisas e pessoas), e que tão logo você aprenda a escolher o ponto de vista do Eu Verdadeiro, você encontrará não apenas a paz, mas atrairá para si tudo aquilo que PARECE faltar.

Felicidade atrai felicidade ! Felicidade escolhida (apesar do cenário) é a semente para mais felicidade!

Uma vez que aprender a assimilar as Verdades Maiores da Vida e a praticar elas no dia a dia (confrontando ilusões com a Luz de tais Verdades), passe então a focar com mais intensidade em todas as coisas que lhe inspiram GRATIDÃO.

Porque a Gratidão é o reconhecimento das bênçãos que já existem em sua vida. A gratidão é a base do caminho que leva à Consciência Plena. Aplicada no dia a dia, ela constitui-se no meio mais rápido para a expansão da mente, o caminho mais curto para tornar o Eu Temporário permeável às sugestões intuitivas que vêm do seu Eu Verdadeiro!

Ao conectar-se no Eu Verdadeiro, você consegue captar a autoestima máxima, aquela que só pode ser obtida desta forma, e jamais via psicologia humana. Com tal perspectiva elevada, você compreenderá que você é a tampa da própria panela e que só Você mesmo pode preencher qualquer vazio existencial. Em outras palavras, a autoestima máxima só pode ser obtida através da sua conexão com seu Eu Verdadeiro!

Aprenda a enxergar felicidade e motivos para ser grato em pequeninas coisas do dia a dia. Hoje, agora, em seu momento presente.
Pequenos gestos de gratidão genuína geram reconhecimento e felicidade, e são a semente para mais fartura.

Se você busca atingir ampliar seu acesso a uma Consciência Cósmica, talvez a coisa mais fundamental que possa fazer ainda seja ESCOLHER A GRATIDÃO. Mas uma gratidão a tudo que lhe chega, seja bom ou ruim, na certeza de que tudo vem para o bem, pois até as experiências ruins estão conspirando para lhe esmerilhar, lhe provocar em direção a elevar-se, a sair da mesmice e da negatividade.

Com a perspectiva ampliada, podemos dar o real valor a quaisquer experiências que criamos ou atraímos, sabendo que nada nos chega ao acaso e que até experiências duras são um presente para nosso despertar. Isto é um sinal de entrega à totalidade da sua alma, um sinal de que você se sente amparado por ela.

Agora…. Por último, mas não menos, você quer saber como ser grato de verdade?

Simples!

PARE DE RECLAMAR!

Reclamar é falta de perspectiva, de acesso à Consciência Maior. Reclamar é falta de reconhecimento, é ingratidão, falta de grandeza.

Quando estiver realmente desperto, você jamais reclamará, só agradecerá! Não porque se força a isto como uma ovelhinha covarde que segue o rebanho e obedece os conselhos do líder supostamente “sábio”, mas sim porque já reconhece a perfeição que existe por trás das maiores “imperfeições” da sua aventura na Relatividade!

Torne-se uma pessoa encantadora que vive grata e sorrindo, uma pessoa que jamais reclama da vida e que é admirada por sua forma elevada e tranquila de lidar com quaisquer desafios da vida! Torne-se a cada dia uma melhor versão de si mesmo!

Pessoas assim tornam-se irresistíveis!

“As pessoas mais encantadoras e fascinantes são aquelas que expressam uma constante metamorfose, mostrando sempre uma faceta diferente, renovando-se e reinventando-se como camaleões, quase sem se repetir. E esta magia está disponível para qualquer pessoa — desde que ela amplie seus canais de conexão à sua CONSCIÊNCIA ELEVADA, permitindo que seu Eu Superior possa manifestar-se a gosto.”

Trecho extraído do livro MANUAL DO HOMEM APAIXONADO, Livro 1, por Jorge Zahell.

Enfim….

Felicidade é ter o prazer de sentir-se aquela PARTE da divindade maior que já sabe que também contém o TODO! É perceber-se como aquele “grão de areia” que, apesar do tamanho minúsculo, sabe que contém dentro de si não apenas o Multiverso, mas a Consciência Maior por inteira!

Felicidade é lembrar-se do seu caráter eterno e estar grato por poder expressar sua Essência aqui da maneira que for possível, sabendo que está ajudando outros a também mudarem de crenças e perspectivas, a fim de que possam enfim ter a oportunidade de despertar para as suas próprias Verdades.

Felicidade é ter orgulho de sentir-se completo por ter vivido todos os tipos de amor de forma incondicional, o que inclui também o amor romântico no seu nível mais elevado! Porque ninguém lhe tira aquilo que você viveu sem reservas e sem medos, ninguém pode apagar aquilo que você sentiu! E se você ainda tem alguma pendência amorosa (seja fraternal ou romântica), tome uma atitude já! Resolva! Arrisque-se, “quebre a cara” se for preciso, porque ela se regenera, viu?

O amor é o sentimento mais poderoso que existe, a única Fonte real de qualquer poder! E é por isto que a maior parte do meu tempo é dedicado a falar sobre o AMOR, a única coisa Absoluta dentro do nosso Jogo Relativo! Amor é sinônimo de Consciência Maior, assunto sobre o qual eu escrevo com a alma, com toda a minha dedicação, porque quero ajudar outros a também terem as mesmas epifanias que tive sobre a vida e sobre nossa identidade além das aparências.

Um dia a Consciência Maior (através de muitos Seres especiais) me brindou com uma grande oportunidade, a oportunidade de me abrir para uma perspectiva mais ampliada acerca da Vida — algo que eu soube aproveitar e que, hoje, me dedico a passar adiante, com muito prazer !

É por isto que eu sou Feliz! Porque além de fazer o que mais gosto (ajudar os outros a despertarem), eu também já interiorizei o conceito ampliado de que nada me falta de verdade — pois sei que tudo que eu desejar não apenas me será dado, mas na verdade já me pertencia antes mesmo de eu pedir! E assim, basta aprender a materializar tudo que eu quiser aqui, não ligando para as ilusões de um cenário que possa por vezes mostrar o contrário!

E apesar de que em minha vida humana eu possa ter “perdido” muito mais do que qualquer ser humano conseguiria jamais imaginar, reconheço que sem estas contundentes “perdas” (entre aspas, pois são sempre ilusões do jogo) eu nunca teria resgatado minha real identidade cósmica, a lembrança de quem eu Já Era antes mesmo de mergulhar numa brincadeira onde viria a me esquecer da própria origem.

E graças à conexão com a Verdade, hoje as ilusões deste mundo já não me atingem, o que me permite estar em paz a ponto de auferir visceralmente que eu sou, sim, aquele TODO que contém tudo e todos — assim como você também o é, e um dia também se dará conta disto de forma mais ampla!

Ainda assim eu continuo minha jornada sempre tentando aprender algo mais, sempre buscando expressar uma melhor versão de mim mesmo, para que eu possa me tornar cada vez mais o Criador Consciente da minha própria aventura como Criatura, me tornar alguém que consegue dominar minha criação e curvar minha própria realidade em direção a quaisquer sonhos que um dia imaginei e até em direção àqueles com os quais ainda nem sequer ousei sonhar!

E como sei que todos estão fadados a chegar neste mesmo destino, tenho ainda mais motivos para contemplar a grandeza desta brincadeira chamada….

….Relatividade!

Busque por nossos textos e vídeos

gratuitos no Blog onigya.com e no

Canal SEMENTTYAL, no YouTube.

Você é nosso convidado!

JORGE ZAHELL

ONÍGYA


^ Voltar ao topo


Que tal…. Você gostou?

Ficou curioso? Você quer mais?

Então…. Vem comigo !

Leia outras publicações gratuitas do Blog, sempre tendo como temas o Amor e a perspectiva ampliada da Consciência Maior.

Assista também nosso Canal SEMENTTYAL gratuitamente no YouTube. São histórias de amor verdadeiras comentadas de uma perspectiva diferente!

E tem mais….

O livro “MANUAL DO HOMEM APAIXONADO – LIVRO 1” está disponível aqui neste mesmo blog (onigya.com) na seção BOOKS do Menu. Ele contém muitas histórias cheias de Consciência, Amor, Paixão e Romance, tudo comentado a partir de uma perspectiva mais elevada da vida (que vem diretamente de uma Consciência Cósmica — assim chamada no livro). Outros livros e sugestões também estarão disponíveis na sequência.

Boa sorte!

JORGE ZAHELL

Deixe seus comentários nos campos apropriados logo mais abaixo (em: Leave a Reply) e clique em POST COMMENT (postar comentário). Seu email não será publicado.

Image by Arek Socha from Pixabay

^ Voltar ao topo

5 Comments Add yours

  1. Bia Hortêncio says:

    Nossa que texto incrível!!!!
    Esta questão de usar a OTM vou começar amanhã mesmo,em minha meditação diária.
    Sobre o ego,muito bem colocado,quando aplico Reiki sempre peço”que meu ego se afaste e que venha a mim a energia da humildade”.
    Ontem assisti o filme Invictus para um estudo de caso e duas frases estão ecoando em minha mente:”sou dona do meu destino” e “sou capitã de minha alma”.
    Aí hoje li este texto…
    Em vários textos que tenho lido e até no filme de ontem tem aparecido a frase:”tornar a melhor versão de si mesmo”
    e aqui também apareceu.
    Quando faço auto aplicação de Reiki eu sempre busco minhas crenças e formas de eliminá-las ou modificar,mas nunca fiz na meditação,vou começar a fazer.
    Acredito também no poder do AMOR!!! Ele é a energia que move tudo.
    Gratidão por compartilhar este texto🙏
    ✨Muita Luz✨

    Liked by 1 person

    1. Jorge Zahell says:

      Olá Bia.
      Que bom que você gostou.
      A MENTE é uma das mais poderosas ferramentas da Consciência Maior dentro da Relatividade. Ela é MARAVILHOSA e PODEROSA, capaz de realizar quaisquer milagres — desde que alinhada com a própria Consciência.
      Aprender a GUIAR a mente, em vez de apenas calá-la, é usar a mente a seu favor para “construir” essa sua melhor versão concebível de si mesma.
      Quem vê a própria mente como um estorvo está abrindo mão de uma parte importante de si e inclusive indo contra seu Eu Verdadeiro, o qual QUIS se expressar na matéria através de uma mente que temporariamente (vidas e mais vidas) construiria sua Realidade Aparente, só para poder viver a brincadeira da “menosvalia aparente” do mundo Relativo e ter a chance de ter uma perspectiva DIFERENTE (e impactante) de si, da vida e da própria Consciência (Deus).

      Há muita Consciência em todos os Posts desse Blog e até no livro sugerido na seção BOOKS.
      Boa leitura e boa sorte!
      Qualquer dúvida, pergunte!

      Liked by 1 person

  2. Andreia Gomes says:

    Adorei o texto. De acordo com os meus medicos eu preciso iniciar a meditação para as crises de ansiedade na qual venho sofrendo.
    https://saudedefinida.com.br

    Liked by 2 people

Leave a Reply to Aerin Seamisai Cancel reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s